5

Clientes denunciam preços abusivos de cloroquina em farmácias…

Produto usado por pacientes de diversas doenças faz parte do protocolo da rede pública de Saúde no tratamento da coVID-19 e passou a sumir do mercado por causa da grande demanda de gente infectada; preço em farmácias de manipulação subiu de R$ 70,00, antes da pandemia, para R$ 420,00

 

As versões do medicamento hidroxicloroquina estão em falta nas farmácias de São Luís, sem previsão de quando voltará ao mercado

Pacientes de doenças como Lúpus e Artrite reumatoide, que são usuários do medicamento hidroxicloroquina denunciam cobrança abusiva do produtos nas farmácias de São Luís.

Na semana passada, um homem chegou a divulgar um vídeo na internet, revelando que a Farmácia Drogasil não tinha o medicamento por que o Governo do Estado havia solicitado todo o estoque para doação.

Este é o homem que espalhou vídeo em aplicativo de trocas de mensagens acusando o governo maranhense de confiscar a cloroquina no mercado

 Em visita a uma das farmácias da rede (unidade Cohama), o titular do blog Marco Aurélio D’Eça foi informado que, de fato, não há a hidroxicloroquina à disposição, mas o atendente não soube informar se houve confisco do governo.

O blog também acionou auxiliares do governo e parlamentares aliados, que negaram confisco ou doação de farmácias.

O perfil do instagram chamado @verdadecovidma publicou horas depois, banner de internet alegando ser fake news a informação de que o governo havia confiscado os estoques do medicamento.

O banner publicado no perfil “verdadecovidma” classificando de fake news a acusação contra o governo Flávio Dino

Nesta quarta-feira, 6, nova denúncia. Uma paciente de lúpus procurou a hidroxicloroquina 400mg na ExtraFarma e na Drogaria Globo e recebeu a informação de que o produto está suspenso por tempo indeterminado.

– Achei apenas na Farmácia Garrido, pelo valor de R$ 420; isso hoje – afirmou a paciente, que encaminhou conversas e áudios ao blog. 

Tanto a rede estadual quanto a municipal têm seguido o protocolo do Ministério da Saúde – endossado pelo Conselho Regional de Medicina – no que diz respeito ao uso da Hidroxicloroquina.

Recorte do Ofício do CRM com o Protocolo de Atendimento para coVID-19 editado pelo Ministério da Saúde e seguido nas redes estadual e municipal 

De acordo com este protocolo, a que o blog teve acesso, a substancia deve ser usada  por “todas as pessoas idosas e portadoras de doenças crônicas que apresentem sintomas gripais”.

Ressaltando que “os melhores resultados ocorrem com tratamento o mais precoce possível”, o protocolo estabelece até 10 dias para o uso da cloroquina. (Veja publicação acima)

Como já se sabe que o número de pacientes está subindo no Maranhão, e a rede pública está usando o produto, é provável que a Hidroxicloroquina continue em falta no comércio.

O que é ruim para pacientes de outras doenças que necessitam do seu uso contante…

1

Só metade da população cumpria isolamento antes do lockdown, revela Dino

Em São Luís índice foi de 56%; no Maranhão, foi de apenas 43% até segunda-feira, 4, segundo o próprio governador. Apesar do excesso de pessoas no João Paulo, na Kennedy e em outros pontos bancários, comunista classificou de “grande êxito” primeiro dia do bloqueio total

 

As agências bancárias, como esta na Kennedy, continuam a ser o principal problema para o isolamento social na pandemia, mesmo após o lockdown

O governador Flávio Dino (PCdoB) apresentou nesta terça-feira, 4, em entrevista à TV Mirante, um dado pela primeira vez revelado pelo Governo do Maranhão: a taxa de circulação de pessoas nas ruas, antes do bloqueio geral, era de 46% no Maranhão e de 53% em São Luís, o que significa dizer que metade da população nunca respeitou as medidas de isolamento social.

A partir dos dados a que o governo tem acesso, o governador anunciou que divulgará o antes e o depois do lockdown, no que diz respeito à circulação de pessoas.

Durante a entrevista à TV Mirante, Flávio Dino classificou como exitoso, o primeiro dia do lockdown na região da Grande São Luís, apesar da grande movimentação no João Paulo e na Kennedy, como comprovam imagens que ilustram este post.

– Os primeiros levantamentos ainda serão feitos para comparar o movimento de pessoas antes e depois [do bloqueio]. Mas já temos dados da Prefeitura de São Luís e do videomonitoramento do Ciops, que apontam um grande êxito – disse o governador.

No João Paulo, além das dificuldades com a feira, agências de bancos privados também são ponto de aglomeração

De acordo com a Prefeitura de São Luís, a redução na circulação de veículos atingiu menos da metade do usual, patamar baixo para um lockdown.

Os números oficiais do bloqueio devem ser apresentados ainda no final da noite desta terça-feira, 5…

7

Pesquisadores previram colapso em hospitais de São Luís…

Desde a semana passada estudiosos da Universidade Federal de Minas Gerais apontam que as unidades de saúde, tanto públicas quanto privadas, podem ficar sem leitos por até 21 dias, o que obrigará à prorrogação do lockdown na região metropolitana

 

Com hospitais lotados, a projeção é que o colapso na rede de saúde chegue ao Maranhão já na próxima sexta-feira, 8 conforme estudo da UFMG (imagem meramente ilustrativa)

Os hospitais públicos e privados de São Luís deveriam chegar ao limite da capacidade de atendimento apenas na sexta-feira, 8.

É o que apontou, desde a semana passada, estudo de pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais, que acompanham o desenvolvimento da pandemia de coronavírus e fazem projeções em todos os estados.

Mas o colapso se deu nesta segunda-feira, 4, e não há mais vagas para pacientes da coVID-19  nos hospitais maranhenses, segundo informações do Jornal da Globo.

Segundo o estudo da UFMG, em São Luís, a tendência é que os hospitais fiquem sem leitos pelo período de até um mês, o que forçará a prorrogação do lockdown na ilha.

A UFMG também projeta que os números de casos por dia no Maranhão bata os 700 já a partir desta terça-feira, 5, chegando ao pico de 1,5 mil casos por dia em 5 de junho.

O Lockdown pode servir para contrariar essas estimativas.

Mas apenas se o bloqueio funcionar de fato…

Com informações do blog de Diego Emir

0

Covid-19: Prefeitura de Santa Rita adquire túnel de descontaminação

O prefeito Hilton Gonçalo tomou mais uma medida para combater o avanço do novo coronavírus em Santa Rita. O gestor municipal adquiriu com recursos do tesouro municipal, um túnel inflável de descontaminação do novo coronavírus da empresa Inflatech. A cabine vai ser instalada no Centro da cidade e as pessoas poderão utilizar a tecnologia do gás Ozônio, que minimiza o risco de contágio pelo coronavírus e por outros micro-organismos presentes na pele e nos objetos pessoais.

A tecnologia já vem sendo adotada na China e nos países desenvolvidos. No Brasil, o sistema adquirido pela Prefeitura de Santa Rita é o mesmo utilizado nas plataformas de petróleo da Petrobras, todos funcionários passam pelo túnel antes de embarcar para a plataforma. O Ministério da Saúde também passou adquirir unidades.

De acordo com o prefeito Hilton Gonçalo, o objetivo da compra do túnel de descontaminação é “acabar ou reduzir a contaminação cruzada. Ou seja, as pessoas que estão circulando na cidade, vão deixar de ser contaminantes, diminuindo ainda menos o risco, caso alguém esteja assintomático”, esclareceu.

O túnel tem 2,2 metros de comprimento, pode receber até oito pessoas simultaneamente. Esse túnel é antecipadamente preparado, passando por uma esterilização de uma hora. As pessoas que passam por esse túnel tem suas roupas, pele, objetos, cabelo e mãos descontaminados. Nesse túnel de dois metros, existem dois ozonizadores.

O sistema do túnel de descontaminação também promete descontaminar as vias aéreas respiratórias superiores. Vale lembrar que o ozônio é conhecido desde 1950 como um agente antimicrobiológico, principalmente o ozônio em gás. O ozônio é testado e mundialmente utilizado e aceito.

1

Alguém está mentindo sobre leitos no Maranhão…

Governador Flávio Dino garantiu em suas redes sociais na tarde desta quarta-feira, 29, que o Maranhão tem, hoje, 735 leitos exclusivos para tratamento da CoVID-19; mas o último relatório oficial da Secretaria de Saúde garante que são 628 leitos. Onde estão os 108 leitos da diferença entre o que diz Dino e sua equipe de Saúde?!?

 

Leia abaixo o post publicado pelo governador Flávio Dino (PCdoB) no twitter, na tarde desta quarta-feira, 29:

A publicação de Dino foi uma tentativa de resposta aos jornalistas que questionam seus dados sobre leitos para tratamento da CoVID-19 em comparação com a realidade. (Entenda aqui, aqui, aqui e aqui)

Agora, leia abaixo o relatório oficial da Secretaria de Saúde do Estado:

Perceba que, enquanto Flávio Dino afirma existirem hoje no Maranhão 735 leitos para atendimento de pacientes da CoVID-19, sua própria secretaria revela serem apenas 628, entre clínicos e UTIs.

A diferença é de nada menos que 108 leitos, significativa para o número de mortes que se registram todo dia no estado.

Quem está mentindo?!?

1

SES tem déficit de 113 leitos de Covid-19 na comparação com dados de Flávio Dino

Com base em levantamento do blog do Jorge Aragão, este blog calculou os anúncios feitos pelo governador desde o dia 26 de março e cruzou com o relatório oficial da Secretaria de Saúde, do dia 28 de abril; resultado: comunista aponta mais do que existe no Maranhão para o combate ao coronavírus

 

Os números de leitos oficiais apresentados pela Secretaria de Saúde estão bem distantes dos anúncios de vagas feitos por Flávio Dino

O blog do jornalista Jorge Aragão fez nesta quarta-feira, 29, importantíssimo levantamento do número de leitos para enfrentamento da pandemia de coronavírus anunciados pelo governador Flávio Dino (PCdoB) ao longo dos últimos 32 dias. (Leia o detalhamento aqui)

Com base nestes dados, o blog Marco Aurélio D’Eça fez o cruzamento entre as informações de Dino e os dados oficiais da própria Secretaria de Saúde do Estado. E o resultado é um déficit de 113 leitos entre o que anuncia o governador e o que existe de fato nas unidades de saúde maranhenses.

Segundo todos os anúncios do governador, o Maranhão teria hoje nada menos que 741 leitos – e este número poderia ser de 1.007, não fossem os critérios de eliminação usados pelos blogs.

O relatório oficial da SES, divulgado nesta terça-feira, 28, no entanto, diz que são apenas 628 leitos na rede estadual, bem abaixo do anunciado pelo governador. (Veja quadro acima)

Acompanhe abaixo os anúncios de Flávio Dino, dia após dia, desde 26 de março, segundo levantamento de Jorge Aragão:

Dia 26/03: montagem leitos e equipes do HCI e mais leitos de UTI em Coroatá (sem números);

Dia 27/03: anúncio de mais leitos de UTI (fotos sem descrever qual hospital) e 52 novos leitos no Genésio Rego;

Dia 30/03: incorporação de seis ambulâncias UTI e “150 leitos na rede estadual de saúde”.

Dia 03/04: foto do HCI como hospital 100% Covid e mais 52 leitos incorporados à rede estadual

Dia 05/04 outra vez “52 leitos” no Genésio Rego;

Dia 07/04: 23 leitos em Timom;

Dia 14/04: “na próxima semana teremos mais 100 leitos”;

Dia 15/04: “obra onde vamos instalar mais 50 leitos”;

Dia 17/04: “Na próxima semana, teremos mais 100 leitos…”;

Dia 20/04: “Hoje vamos abrir mais 10 leitos de UTI em São Luís”;

Dia 21/04: “começamos a pandemia com 252 leitos. Hoje temos 564 leitos exclusivos e estamos ampliando”;

Dia 21/04: aluguel de mais 200 leitos para rede estadual;

Dia 22/04: “mais leitos UTI disponíveis” (sem dizer quantos e onde);

Dia 25/04: “neste Sábado abrimos mais 76 leitos de UTI clínicos no Hospital Real”;

Dia 26/04: “em breve atenderemos mais 30 leitos”;

Dia 28/04: anúncio de mais 104 respiradores que irão chegar.

Dia 28/04: relatório da Secretaria de Saúde: 628 leitos (clínicos e de UTI) na rede estadual.

Flávio Dino passa o dia anunciando novos leitos em suas redes sociais, mas os pacientes não acham esses leitos em seus périplos pelas unidades de saúde

Perceba que a soma dos dados no levantamento de Jorge Aragão leva a uma soma ainda maior de leitos anunciados por Flávio Dino. Isso ocorre por que o blog Marco Aurélio D’Eça decidiu eliminar do cálculo números que parecem repetidos pelo governador ao longo de vários dias.

É o caso, por exemplo, dos 52 leitos anunciados por ele no Hospital Genésio Rego, em 27/03, 03/04 e 05/04, embora com enunciados diferentes nas redes sociais.

Este blog também resolveu tirar do cálculo as seis ambulâncias UTI anunciadas pelo governador, os 76 leitos do Hospital Real anunciados também pelo secretário Carlos Lula e os 100 leitos anunciados por Dino em duas ocasiões na mesma semana, como sendo para “a próxima semana”.

Tudo isso somado, aumentaria os “leitos” de Flávio Dino em mais 266. 

De qualquer forma, os números agora catalogados pela imprensa mostram que há um abismo entre o que diz Flávio Dino em sua propaganda de redes sociais e o que existe de fato nas unidades de saúde contra o coronavírus.

E a realidade mostra que a situação é cada vez mais grave…

1

Braide e Evangelista debatem reforço no combate à CoVID-19 em São Luís

Pré-candidatos a prefeito demonstram opiniões contrárias sobre o assunto. Deputado federal defende a vinda da Força Nacional do SUS para ajudar na capital maranhense; deputado estadual acha que deve-se usar mão de obra local desempregada

 

Dois dos principais pré-candidatos a prefeito debateram nesta segunda-feira, 27, nas redes sociais, o colapso no sistema de Saúde em São Luís e a forma de reforço às ações contra o coronavírus.

Para o deputado federal Eduardo Braide (Podemos), o Governo do Estado e a Prefeitura de São Luís deveriam pedir o reforço da Força Nacional do SUS, diante da sobrecarga de profissionais da saúde na capital maranhense.

– São inúmeros os relatos de profissionais da Saúde falando da sobrecarga de trabalho, além dos desfalques nas equipes, causados pelas contaminações – frisou Braide.

Eduardo Braide foi o primeiro a se manifestar, sugerindo a chamada da Força Nacional do SUS para ajudar em São Luís

 

Para o deputado estadual Neto Evangelista (DEM), no entanto, ao invés de chamar pessoas de fora, o melhor seria criar uma força-tarefa própria, usando mão-de-obra desempregada.

– Temos excelentes enfermeiros e técnicos de enfermagem, dentre outros profissionais da área de Saúde, que estão sem trabalho e enfrentando dificuldades – afirmou Evangelista.

 

Evangelista fez o contraponto, propondo a convocação de profissionais locais que estejam desempregados

Os dois pré-candidatos concordaram em um ponto: São Luís é hoje a segunda capital do país com maior número de casos de CoVID-19 para cada 100 mil habitantes.

Ambos também concordam que os agentes de saúde estão sobrecarregados.

Agora é com Flávio Dino (PCdoB) e Edivaldo Júnior (PDT) decidir quem sugeriu a melhor saída para evitar o colapso do setor por com o avanço da pandemia de coronavírus…

0

Assim como mostrou este blog, Flávio Dino já pensa em lockdown

Governador admitiu nesta segunda-feira, 27, que, diante do descontrole do avanço da CoVID-19 no Maranhão, já começa a estudar a possibilidade de fechar todas as atividades, pelo menos na Grande São Luís

 

Flávio Dino já fala em bloqueio absoluto no Maranhão, mas insiste em dizer que tem leitos para todos, diante da realidade diferente nas unidades de saúde

O governador Flávio Dino (PCdoB) voltou a admitir nesta segunda-feira, 27, a possibilidade de decretar o lockdown (bloqueio total) das atividades  e da circulação e pessoas na rejeição da Grande São Luís, diante do avanço desenfreado da CoVId-19.

– Diria hoje numa escala de 0 a 10 que estamos mais próximos de uma decisão de bloqueio das atividades do que propriamente uma decisão de liberação. Estamos constatando um crescimento constante dos leitos hospitalares – afirmou o governador.

Na semana passada, o blog Marco Aurélio D’Eça já havia levantado a hipótese de fechamento total das atividades, diante de declarações do próprio Flávio Dino. (Relembre aqui)

Ele, no entanto, optou apenas por apertar as regras para supermercados e outras serviços em funcionamento.

Nesta segunda-feira, o movimento de pessoas nas ruas aumentou consideravelmente, como mostra a imagem que ilustra este post, da Rua Grande, em plena 10 horas da manhã.

Na Cohama e no Calhau, foram constatadas a realização de festas e eventos em prédios e apartamentos. (Releia aqui)

Flávio Dino continua insistindo que o governo disponibiliza leitos e equipamentos para o combate à CoVid-19, embora seja diferente a realidade nas unidades de saúde, que estão se recusando a receber mais pacientes.

Diante do caos já iminente, o ideal mesmo é que seja decretado o bloqueio total no Maranhão.

Para o bem de todos os maranhenses…

0

Cidadãos desrespeitam isolamento e põem em risco a vida de todos

Festinhas e reuniões em condomínios da classe média foram registrados no fim de semana; na Rua Grande, centro do comércio popular em São Luís, a manhã desta segunda-feira, 27, registrou a maior concentração de pessoas desde o início da quarentena

 

Rua Grande na manhã desta segunda-eira, 27, estava assim, com centenas de pessoas passeando como se não houvesse amanhã

Alguns cidadãos de São Luís parecem se achar acima dos demais.

Só isso pode explicar a realização de festinhas e reuniões sociais durante o fim de semana, sobretudo os da classe média.

Relatos em redes sociais e aplicativo de troca de mensagens dão conta de uma festa movimentada em um condomínio da Cohama, na noite de sábado.

Recentemente, na mesma Cohama, uma costureira mostrava-se atarefada com encomenda de cerca de 100 máscaras que seriam usadas em uma festa de aniversário de uma cliente.

No início da quarentena, restaurantes da Avenida Litorânea chegaram a abrir para clientes assistirem, pasmem!!!, as lives dos artistas, feitas para ser ser vistas apenas em casa. 

E o relatos de absurdos como estes só se avolumam à medida que o coronavírus avança. 

Jornalista Flávia Regina desabou nas redes sociais contra um condomínio no Turu, que fez festinha sem a menor preocupação com a CoVID-19

A jornalista e ex-secretária de Comunicação do Maranhão Flávia Regina postou mensagem indignada com a realização de uma festa na área social do condomínio onde mora sua mãe, no Turu.

– Ninguém de máscara; álcool, só os litros de uísque – lamentou a jornalista.

Nesta segunda-feira, 27, a Rua Grande, principal ponto do comércio popular em São Luís, registrou a maior concentração de pessoas desde o início da quarentena.

A quebra do isolamento social põe em risco não apenas a vida da pessoa que decidiu sair à ruas, mas dos seus próprios familiares e também a vida de toda a comunidade que vive no entorno dela,

Diante do descompromisso de parte da população, o caminho mais adequado é o bloqueio total das atividades em São Luís.

Para o bem de toda a população…

1

Hospitais já rejeitam pacientes com suspeitas de coVID-19…

Embora as autoridades garantam que a situação está sob controle, UPAs, postos de atendimento e hospitais estão se recusando, inclusive, a fazer testes em pessoas com sintomas da doença, que são orientadas a se tratar em casa; blog acompanhou drama de pacientes no Coroado

 

As UPAs estão recusando pacientes com suspeita de coVID-19; não apenas as UPAs, mas todas as unidades de saúde em São Luís

Há uma clara discordância entre as informações oficiais das autoridades de Saúde no Maranhão e a realidade nas unidades hospitalares, sobretudo em São Luís.

Nas últimas semanas, o governador Flávio Dino (PCdoB) e o prefeito Edivaldo Júnior (PDT) vieram a público para garantir, entre outras coisas, compra de respiradores, de máscaras e testes de coVID-19, além do anúncio de aumento no número de leitos, sobretudo os de UTI.

Mas o que se vê nas UPAs, postos de atendimento e hospitais é um número cada vez maior de pacientes tendo que voltar para casa por falta de leitos para internação.

O blog Marco Aurélio D’Eça teve contato com pelo menos quatro pacientes suspeitos de CoVID-19 lá no bairro do Coroado; e acompanhou um deles no périplo por atendimento, na Unidade Mista do Coroadinho, na UPA do Bacanga e no Socorrão I.

Em nenhum deles o paciente foi atendido; e está em casa, com forte gripe e problemas respiratórios.

Outra paciente até chegou a fazer o teste, mas, mesmo com sintomas graves, foi mandada de volta para casa. Na tarde desta quarta-feira, 22, recebeu ligação confirmando o teste positivo para CoVID-19, seguida da orientação para ficar em casa, onde vive com o pai, um idoso de mais de 80 anos.

Na mesma quadra 42 do mesmo bairro, há pelo menos outras três pessoas acamadas, sem atendimento nas unidades de saúde.

E a realidade é a mesma em diversos bairros da periferia de São Luís.

Mas a informação é a de que está tudo sob controle.

Não está. É simples assim…