1

Pró-militares já falam abertamente em intervenção…

Aproveitando-se da crise dos combustíveis e do fracasso do governo Temer, grupos de extrema direita preparam até manifestações públicas em defesa de um dos períodos mais negros da história do Brasil

 

Banner que começou a circular nesta segunda-feira na Internet

Grupos de apoio à intervenção militar ganharam força na internet nos últimos dias, diante da crise dos combustíveis e da impopularidade do governo Michel Temer (MDB).

Mas agora eles já se manifestam também publicamente.

A União da Direita Maranhense (UDM), entidade que reúne defensores da intervenção militar já marcou para o final da tarde desta segunda-feira, 28, manifestação na Praça Duque de Caxias, em frente ao 24º Batalhão de Infantaria de Selva.

A ideia é manifestar apoio às forças armadas…

5

“Governo fraco e sem credibilidade”, diz Weverton, sobre Michel Temer…

Deputado maranhense, que lidera a minoria na Câmara Federal, assina nota conjunta da oposição em que condena o uso das forças federais para impedir a manifestação dos caminhoneiros e diz que o atual presidente não tem o respeito do povo brasileiro

 

Líder da minoria na Câmara, Weverton desqualifica o presidente Michel Temer

O deputado federal maranhense, Weverton Rocha, líder da Minoria na Câmara, e outros cinco líderes de partidos na Câmara federal assinaram uma nota conjunta nesta sexta-feira (25), à noite, condenando o decreto do presidente Michel Temer que determinou o uso das forças federais para acabar com a greve dos caminhoneiros.

Os deputados classificaram o governo do presidente Michel Temer de “fraco e sem credibilidade” e afirmaram que “além de ser um absurdo usar da força para resolver um conflito que poderia ser resolvido com diálogo, o presidente mais uma vez nos coloca perigosamente no limiar de um regime de exceção.”

Weverton, que está em viagem pelo interior do Maranhão, disse que foi surpreendido pela medida, que considera antidemocrática e equivocada.

“Já vi crises mais graves resolvidas com negociação e mesmo um governo fraco e sem credibilidade como o do presidente Michel Temer poderia encontrar uma saída, se tivesse algum respeito pelo povo brasileiro”, afirmou ele.

Confira a nota na íntegra:

NOTA PELA DEMOCRACIA

Incapaz de conversar com os trabalhadores e de compreender os complexos mecanismos de organização da sociedade moderna, o presidente Michel Temer editou um decreto de Garantia da Lei e da Ordem (GLO), determinando o uso de forças federais contra a greve dos caminhoneiros. Além de ser um absurdo usar da força para resolver um conflito que poderia ser resolvido com diálogo, o presidente mais uma vez nos coloca perigosamente no limiar de um regime de exceção.

A GLO editada por ele não é específica e possibilita o uso da força contra qualquer cidadão.

Isso é inaceitável!

Vivemos em um regime democrático de direito, que deve respeitar todos os cidadãos e seus direitos. Já vimos crises mais graves resolvidas com negociação e mesmo um governo fraco e sem credibilidade como o do presidente Michel Temer poderia encontrar uma saída , se tivesse algum respeito pelo povo brasileiro.

Se não consegue governar, o presidente deveria renunciar.

Como líderes partidários e de blocos partidários na Câmara dos Deputados não aceitamos a quebra do regime democrático de direito e pedimos a revogação da GLO e a retomada da negociação com os caminhoneiros.

Weverton Rocha (PDT/MA)
Líder da Minoria na Câmara e deputado federal

José Guimarães (PT/CE)
Líder da Oposição na Câmara e deputado federal

Orlando Silva (PCdoB/SP)
Líder do PCdoB na Câmara e deputado federal

Paulo Pimenta (PT/RS)
Líder do PT na Câmara e deputado federal

André Figueiredo (PDT/CE)
Líder do PDT na Câmara e deputado federal

Júlio Delgado (PSB/MG)
Líder do PSB na Câmara e deputado federal