13

Eduardo desafia provas sobre racismo e diz que denúncia de Anajatuba parte do PDT…

Durante Sabatina O EstadoMaranhão, candidato do PMN colocou ponto final nas acusações que começaram a surgir em blogs e setores da imprensa alinhados ao prefeito Edivaldo Júnior, garantiu que irá disponibilizar certidões que provam sua honestidade e desafiou o adversário a fazer o mesmo

 

dois

Braide conversa com os jornalistas de O Estado

O candidato do PMN à Prefeitura de São Luís, Eduardo Braide, pôs um ponto final, nesta terça-feira, 11, nos ataques que passaram a surgir contra eles em blogs e setores da imprensa alinhados à candidatura do prefeito Edivaldo Júnior (PDT), desde que seu nome surgiu como opção no 2º Turno.

Sobre a suposta acusação de racismo feita por um suposto professor da Escola Reino Infantil – e que teria ocorrido em 1992, quando o candidato tinha 16 anos – Braide garantiu não saber de quem se trata e que, na escola, não há registros  de tal fato.

– É uma denúncia sem cara. Até agora o que se viu foi um post de internet e um áudio que ninguém sabe quem gravou. Desafio aos que me acusam a provar o que ocorreu – afirmou, o candidato, que tem reunião agenda com representantes do movimento negro em São Luís, como forma de desagravo ao ataque.

Com relação à denúncia de que, como parlamentar, ele teria participado de esquema de desvio de recursos públicos em Anajatuba, Eduardo Braide afirmou que essa é outra acusação que parte apenas da militância do PDT,

– Para provar que nada tenho a ver com este caso, e que não passa de ataques da militância do meu adversário pedetista, vou disponibilizar todas as minhas certidões negativas, seja da Justiça Estadual, da Federal, como das polícias. E desafio o meu adversário a fazer o mesmo – afirmou.

Eduardo Braide denunciou publicamente a TV Difusora de estar sendo usada deliberadamente – e desrespeitando a Justiça Eleitoral – para atacá-lo diariamente, em favor do prefeito Edivaldo Júnior.

Pretende denunciar a emissora à Justiça Eleitoral.

A sabatina com Eduardo Braide encerrou o projeto do jornal O EstadoMaranhão para as eleições de 2016.

Com forte repercussão nas redes sociais, e na imprensa em geral, o projeto alcançou o objetivo…

5

De como Flávio Dino e seu grupo usam a máquina pública para tentar destruir adversários de Edivaldo…

De Rose Sales a Eduardo Braide, passando por Eliziane Gama e Wellington do Curso, todos os que se levantaram contra a gestão do prefeito de São Luís  sofreram ataques e agressões financiadas

 

Para garantir vitória Dino vai entrar na campanha de Edivaldo; para moer o adversário da vez

Para garantir vitória Dino vai entrar na campanha de Edivaldo; para moer o adversário da vez

Desde domingo, quando surgiu como o adversário do prefeito Edivaldo Júnior (PDT) no segundo turno das eleições em São Luís,  o deputado Eduardo Braide (PMN) passou a sofrer um agressivo ataque em blogs e perfis de redes sociais, a maioria financiada com dinheiro público da própria prefeitura e do governo.

Mas Braide é apenas o alvo da vez da máquina utilizada pelo grupo do governador Flávio Dino (PCdoB)  para desconstruir quem se atreva a questionar ou se contrapor à gestão de Edivaldo.

Antes dele, já sofreram a perseguição comunista a vereadora Rose Sales (PMB), a deputada federal Eliziane Gama (PPS) e o deputado estadual Wellington do Curso (PP).

E o único “crime” que cometeram foi tentar mostrar à população que a gestão de Holandinha é medíocre e precisaria ser mudada.

Rose Sales foi a primeira vítima: afagada e atacada por Márcio Jerry na mesma medida

Rose Sales foi a primeira vítima: afagada e atacada por Márcio Jerry na mesma medida

A primeira a sofrer o bombardeio midiático do grupo de Flávio Dino – que tem a tutela do prefeito –  foi a vereadora Rose Sales, ainda em 2014, após vitória de Dino no governo.

Rose foi praticamente expulsa do PCdoB por se recusar a chancelar a gestão de Edivaldo na Câmara Municipal.

Em seguida, o bombardeio começou a tingir a deputada federal Eliziane Gama.

Foram quase dois ano de desconstrução, gerando uma imagem negativa na candidata do PPS, que continuou em níveis elevadíssimos durante o primeiro turno.

Eliziane e Wellington também foram vítimas do sistema comunista de atacar adversários

Eliziane e Wellington também foram vítimas do sistema comunista de atacar adversários

Com Eliziane fora do páreo, o alvo passou a ser Wellington do Curso.

Subsidiada por informações sigilosas entregues por agentes da própria prefeitura e do governo, a mídia financiada pelo projeto comunista passou a atacar Wellington do Curso, que surgiu como ameaça à continuidade de Edivaldo no comando de São Luís.

Foram quase três semanas de ataques sistemáticos ao deputado do PP, pancadaria nunca vista em uma campanha eleitoral.

Agora é a vez de Eduardo Braide.

Alçado à condição de de adversário do prefeito em um confronto direto – e claramente muito mais preparado tecnicamente que o pedetista – Eduardo virou alvo por que Flávio Dino e seu grupo sabem que só a destruição de sua imagem poderá salvar o mandato de Holandinha.

Eduardo virou alvo do sistema comunista após passar à condição de ameaça técnica a Edivaldo Júnior

Eduardo virou alvo do sistema comunista após passar à condição de ameaça técnica a Edivaldo Júnior

Braide tem apanhado em blogs e perfis de redes sociais desde domingo.

A maioria é financiada por dinheiro público da prefeitura e do governo. E muitos tantos ressentidos por seus candidatos não vingarem, usados agora como inocentes úteis em uma guerra que nem é deles, e que só beneficia os atuais detentores do poder.

Felizmente, o eleitor mais atento – aquele mesmo que escolheu o preparo como diferencial no segundo turno – está pronto para desmascarar estes ataques.

E é assim que será no segundo turno…