0

Imperatriz: drenagem profunda, pontes e limpeza de riachos diminuem alagamentos

Medidas tomadas pela gestão do prefeito Assis Ramos visam melhorar a qualidade de vida da população, com mais segurança para enfrentamento do período chuvoso

 

A Prefeitura de Imperatriz trabalha na construção de drenagens profunda nos Parques Alvorada I e II, e outras regiões, visando reduzir pontos de alagamentos durante o período chuvoso. Medida visa diminuir os transtornos causados pelas chuvas e melhorar a qualidade de vida da população da segunda maior cidade do Maranhão.

O município construiu 620 metros de drenagem profunda na Rua Mário Bambila; 590 na Campinas; 80 na Avenida Estocolmo; 15 na Rua Alcântara e investe 30 metros na Itaúna, no Parque Alvorada I. No geral, chega a 1335 metros de drenagem profunda. Investimento em drenagem profunda é realizado pelo município para diminuir os impactos causados pelas chuvas no bairro.

Também foram construídos 1250 metros de drenagem superficial na Avenida Estocolmo, no Parque Alvorada I. Além disso, foram realizadas intervenções de limpeza de bueiros e bocas de lobo; troca de manilhas; retirada de entulhos objetos do leito dos riachos e córregos através do efetivo programa Cata Treco.

“A Prefeitura realiza ações permanente de manutenção de redes de drenagens profunda, inclusive substituindo antigas galerias com apresentavam problemas durante os rigorosos períodos chuvosos em Imperatriz”, descreve o secretário de Infraestrutura, Zigomar Filho.

Segundo ele, o município realizou ainda uma “força-tarefa” de limpeza da calha do riacho Cacau, e de outros riachos, utilizando máquinas pesadas e caçambas para remoção de entulhos e, principalmente, aprofundamento do leito dos rios que cortam a cidade de Imperatriz. “Essas ações foram pontuais para evitar alagamentos em alguns bairros, reduzindo os impactos das intensas chuvas na cidade”, disse ele.

Parque Alvorada II

O secretário Zigomar Filho e o coordenador da Defesa Civil, Josiano Galvão, definiram, ainda no ano passado, ‘plano de ação’ para contenção de alagamentos nos bairros de Imperatriz, como por exemplo, construção de galeria na Avenida Principal para escoamento d’água da grota da Infraero, no Parque Alvorada.

Também consta a construção de 460 metros de drenagens profunda na Rua Primavera, e 124, na Castro Alves, para melhorar o escoamento de águas pluviais. Foram colocados ainda bueiros em diversas ruas para canalização de água no bairro.

Outra medida para reduzir o grande volume d’água no riacho Cacau, no inverno, foi a construção de um muro de contenção na região do Parque Alvorada II. Barreira evitou que vários imóveis fossem atingidos e, que, famílias fossem atingidas pela enxurrada.

0

Imperatriz: Prefeitura avança na drenagem profunda no Parque das Palmeiras

A Prefeitura de Imperatriz, por meio da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos, Sinfra, avança na construção de rede de drenagem profunda – com mais de 230 metros de extensão – na Rua Pompeu Marinho, confluência com a Avenida Pedro Neiva de Santana, Parque das Palmeiras. Medida irá resolver mais um ponto de alagamento no bairro.

“Temos acompanhado a execução dessa obra considerada de suma importância à ‘nesta nova galeria que interliga a outras na Avenida Pedro Neiva de Santana”, explica o engenheiro Pedro Queiroz, da Sinfra.

Em vistoria, o secretário de Infraestrutura, Zigomar Filho, observa que nesta semana começou a fase de interligação ao PV (Poço de Visita) da galeria da Avenida Pedro Neiva de Santana, facilitando o escoamento da água acumulada no Parque das Palmeiras.

O trecho em obras está devidamente sinalizado com placas e faixas zebradas no meio da via.

1

Coroado: as mesmas cenas ano após ano…

Ruas do bairro alagam nos mesmos locais a cada período de chuvas, sem que nenhuma ação seja feita pelo poder público; e após milhões e milhões serem gastos em uma drenagem nunca concluída

 

A Rua Carlos Macieira tem diversos trechos assim em toda a sua extensão; e nenhum metro de asfalto do início ao fim de seu trajeto, que liga a Avenida dos Africanos ao João Paulo

A foto acima é um trecho da Rua Dr. Carlos Macieira, no Coroado, no cruzamento com a Avenida Projetada, que dá acesso à Feira do joão Paulo.

A via está assim desde que começou a chover, simplesmente por que não tem canais de escoamento, nem galerias.

E ficou assim em 2019, 2018, 2017, 2016, 2015, 2014, 2013, 2012, 2011, 2010, 2009, 2008… enfim, está assim desde que se tem notícia.

O blog Marco Aurélio D’Eça mostra a situação – não apenas da Carlos Macieira, mas de todo o Coroado – desde que inciou suas atividades, em 2006; ou seja, cobrou das gestões de Tadeu Palácio (PDT), João Castelo (PSDB) e Edivaldo Júnior (PDT).

E nada foi feito.

Desde o início da gestão Castelo foram gastos quase R$ 100 milhões em uma especie de drenagem desnecessária do canal que corta o bairro, um verdadeiro escoadouro de dinheiro público, como se pode ver aqui, aqui, aqui também, aqui, mais aqui, também aqui e aqui…

O blog Marco Aurélio D’Eça também já mostrou que bastam apenas algo em torno de apenas R$ 20 mil para resolver o problema histórico.

Este é o custo aproximado da compra de apenas um terreno de 3 metros de frente, na mesma Rua Carlos Macieira,  na zona mais próxima da Avenida dos Africanos; este terreno seria transformado em uma espécie de bueiro para escoamento das águas da chuvas para o igarapé que margeia as matas do quartel do Exército, que já é um pântano.

Entenda no post “Solução para alagamento no Coroado custa menos de R$ 20 mil…”

Tudo isso já foi dito não uma, mas duas, cinco, dez vezes para os técnicos da Prefeitura de São Luís, que insistem em um imaginário projeto de drenagem profunda cortando todo o bairro – e que nunca é efetivado.

E o problema atinge a todos, indiscriminadamente.

Esta via mostrada no vídeo acima, por exemplo, é a quadra 42, onde fica o Pub Sarará Grill, atual símbolo da cultura e do lazer no bairro, que gera emprego e renda na região.

Mesmo assim, sofre com alagamentos de dia e de noite.

Sem a criação dos bueiros para escoamento da água, o Coroado sofre com os alagamentos constantes, mas também com a  falta de asfalto, que a prefeitura não faz exatamente por que alega que precisa fazer antes a drenagem.

E nunca faz nenhuma coisa nem outra.

Os anos vão passando e a comunidade do Coroado vai ficando esquecida pelo poder público, vivendo às margens da sociedade e recebendo toda a carga de preconceito oriundo exatamente da falta de infraestrutura.

E tudo bem ali, coladinho ao Centro de São Luís…

0

Imperatriz: Recomposição da malha asfáltica e drenagens avançam nos bairros

Obras de recomposição da malha asfáltica das ruas e avenidas dos bairros são realizadas em ritmo acelerado pela Prefeitura de Imperatriz, através da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos, Sinfra.

Nesta segunda-feira, 13, quatro equipes trabalham simultaneamente na recuperação da marginal direita da BR-010 (sentido Vilinha-Rodoviária); Avenida Principal de acesso ao Sebastião Régis; Avenida Jacob (BR-010 a Avenida Pedro Neiva de Santana) e Avenida Ceará (Juçara à Nova Imperatriz).

De acordo com o secretário de Infraestrutura, Zigomar Filho, a orientação do prefeito Assis Ramos é para que o serviço de manutenção das vias beneficie todos os bairros, principalmente os chamados corredores de transporte coletivo de passageiros, visando reduzir os impactos causados pelas primeiras chuvas.

“Também colocamos uma equipe de manutenção durante o período noturno que realiza a recomposição asfáltica da Rua Benedito Leite, no Centro. Ação contribui para melhoria da mobilidade urbana”, reitera.

Drenagem

A Prefeitura de Imperatriz começou também nesta segunda-feira, 13 de janeiro, nova frente de drenagem profunda na Avenida Principal, no Parque Alvorada II. Medida visa resolver problema de ponto de alagamento na via que chega a dificultar o tráfego de veículos.

“Nós deslocamos máquinas, homens e tubos de concreto para o início de mais uma frente de drenagem profunda em Imperatriz”, afirma.

 

0

Edivaldo confirma para dezembro obras de drenagem na Santa Bárbara

Serviços vão beneficiar toda a extensão da avenida São Jerônimo e suas transversais; além da obra de escoamento, região receberá 8 quilômetros de asfaltamento

 

Edivaldo Júnior e Antonio Araújo visitam obra de 2014 na Santa Bárbara, que agora será complementada com a drenagem da Avenida São Jerônimo

O prefeito Edivaldo Holanda Junior (PDT) confirmou na manhã desta sexta-feira, 06, durante o lançamento das obras de asfaltamento no Parque Universitário e Planalto Pingão, que a licitação das obras de drenagem na Santa Bárbara foi concluída e os serviços começam ainda no mês de dezembro.

Serão executados mais de 13 quilômetros de rede de drenagem, abrangendo a Avenida São Jerônimo (que é o principal acesso à zona rural 1) e outras dezenas de ruas da região que receberão ainda mais de 8 quilômetros de pavimentação.

Em 2014a Prefeitura de São Luís realizou serviços de drenagem na região, beneficiando a rua Brasília, conforme noticiou, à época, release da prefeitura.

A nova obra é aguardada há muitos anos pelos moradores da região e irá pôr fim a problemas antigos como os alagamentos, melhorando o tráfego na área.

2

Coroado ainda aguarda, pelo menos, asfaltamento de suas ruas…

Já desiludida quanto às ações de drenagem da Prefeitura de São Luís, comunidade espera passar as festas de fim de ano pelo menos com as ruas asfaltadas, o que aprece cada vez mais distante, sobretudo com a proximidade do período chuvoso

 

PRINCIPAL RUA DO BAIRRO ESTÁ ASSIM DESDE 2011, ENFRENTANDO INVERNO APÓS INVERNO sem nenhum tipo de serviços da Semosp

A Prefeitura de São Luís anunciou em agosto um pacote de obras em São Luís que inclui serviços de drenagem e asfaltamento em vários bairros de São Luís.

Desde então, o titular do blog Marco Aurélio D’Eça cobra os dois serviços para a comunidade do Coroado – a drenagem e o asfaltamento; serviços estes, aliás, que deveriam estar prontos desde 2010, quando o Banco Mundial liberou milhões para o saneamento do bairro.

Cobranças que podem ser relembradas nos posts abaixo:

Milhões e milhões gastos para nada no Coroado…

Coroado pela enésima vez embaixo d’água…

Coroado com todas as ruas destruídas…

R$ 50 milhões no Coroado por água abaixo…

A vida no Coroado: drenagem não funciona e manutenção pior ainda…

OS ALAGAMENTOS INCOMODAM A COMUNIDADE DO COROADO DE DIA E DE NOITE, levando desespero aos moradores, que sequer podem dormir em paz

Já se passaram nove anos desde a chegada dos recursos e os alagamentos no Coroado continuam ano após ano; e poderiam ser resolvidos com a simples de apenas uma casa na área que impede o escoamento das águas.  (Entenda aqui)

Mas a comunidade já desistiu de ter os serviços de drenagem nesta gestão; espera, agora, ao menos, que possa passar o Natal e o Reveillon com as ruas asfaltadas.

Uma das principais, a Dr. Carlos Macieira – que liga a Avenida dos Africanos à avenida São Marçal – está sem asfalto há mais de oito anos.

ESTA ÁREA FOI ALAGADA EM 2009, 2010, 2011, 2012, 2013, 2014, 2015, 2016, 2017, 2018 3 2019, sem nenhuma ação da prefeitura para resolver o problema

Com as cobranças, os agentes da prefeitura dizem que pra asfaltar a via, é preciso fazer a drenagem. e como a Secretaria de Obras não faz a drenagem, a via continua sem asfalto.

E assim segue ano após ano, a calamidade na comunidade do Coroado.

E mais um período chuvoso já se aproxima…

0

Imperatriz: Obras de drenagem avançam durante o período chuvoso

Medida visa impedir riscos maiores e melhorar a qualidade de vida da população dos bairros

 

Frentes de serviços atuam em vários pontos da cidade para amenizar os impactos causados pelas chuvas nestas últimas semanas. Medida contempla ações de tapa-buracos da malha asfáltica, construção de drenagem, limpeza de córregos e riachos, além da melhoria de ruas utilizando pedras de rachão.

De acordo com o secretário municipal de Infraestrutura, Zigomar Filho, “Imperatriz é a segunda maior cidade do Maranhão; possui mais de 150 bairros e problemas históricos de infraestrutura, onde a maioria precisa, há muito tempo, de intervenções do poder público”, diz ele ao reconhecer os avanços que foram obtidos desde o começo da gestão do prefeito Assis Ramos.

O município possui um planejamento de ações para melhoria de ruas com pavimentação asfáltica e bloqueteamento e piçarramento para facilitar o acesso de veículos, principalmente dos serviços de segurança, iluminação pública, recolhimento de lixo e do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência, Samu.

Zigomar Filho ainda  destaca que “uma das prioridades do prefeito Assis Ramos é investir em drenagem profunda, obras que melhoram a qualidade de vida da população, evita proliferação de doenças e amenizar pontos de alagamentos em vários bairros de Imperatriz”.

“Nós entendemos que somente conseguiremos solucionar esses problemas com execução de obras de drenagem profunda”, disse.

Mesmo com o período de chuvas, a Secretaria Municipal de Infraestrutura, Sinfra, trabalha para concluir a obra de drenagem profunda da Rua Bom Futuro, Vila Lobão. Também informou que a prefeitura já concluiu a drenagem da Rua Gregório de Matos, Bacuri.

E, agora, trabalha na construção de mais de mil metros de drenagem profunda no Parque Alvorada I, com objetivo de resolver acúmulo de água nas proximidades da Escola Municipal Frei Tadeu e da creche José Garros. “Quanto mais profunda essa drenagem para colocação e tubos de concreto, mas difícil fica por causa das chuvas, tendo que suspender os serviços e reiniciá-los na estiagem”, concluiu.

9

Os mesmos problemas…

Entra ano e sai ano e as mesmas áreas de São Luís são castigadas pelas enchentes causadas pelas chuvas em São Luís; áreas que – entra ano e sai ano – recebem supostos serviços da prefeitura para os mesmos problemas, sem que tome uma ação definitiva

 

Carro boiando em lago no Renascença…

Parecia até remake de cobertura eleitoral.

As emissoras de TV, blogs, rádios e jornais apresentavam, ontem, um lista de áreas de São Luís inundadas pelas chuvas da última quarta-feira, 1º. E são os mesmos onde ocorrem os problemas de sempre a cada período chuvoso.

Renascença II, em frente a um shopping;  Curva do Noventa, à altura de um posto no Cohafuma; Túnel da Cohama, áreas inteiras do Barramar e da Vila Conceição, no Calhau, bairros como Coroado, Coroadinho, Bairro de Fátima, Forquilha, Cohatrac…

Enfim, locais onde situações caóticas se repetem há anos sem que o poder público consiga resolvê-las.

No Renascença, por exemplo, até dezembro de 2016 máquinas faziam uma espécie de dragagem de um canal que corta parte do bairro e que, para os engenheiros da prefeitura, seria a origem dos alagamentos.

As chuvas de quarta mostraram que não é. A menos que o trabalho tenha sido mal executado. (Veja aqui)

No Coroado, entre as gestões do tucano João Castelo e do atual prefeito Edivaldo Júnior (PDT) foram gastos mais de R$ 50 milhões para resolver o problema, mas a origem do problema sequer foi mencionada: uma casa, próxima à avenida dos Africanos, construída em cima do bueiro que deveria escoar a água que desce de todo o bairro. (Saiba mais aqui)

Coroado vive assim a cada inverno, sem que nada seja feito para resolver sua situação

A prefeitura sabe disso, mas se recusa a tomar providência e resolver a vida das mais de 2 mil famílias que ali moram.

Há dois finais de semana, quando as “chuvicas” começavam a dar mostras de que um problema sério estava posto na região da Curva do Noventa, máquinas da prefeitura passaram dias em mexe-mexe no local.

E não resolveram absolutamente nada.

E assim a população de São Luís segue, ano após ano, convivendo diretamente com as mesmas enchentes.

Sempre nos mesmos locais…

Da coluna Estado Maior, de O EstadoMaranhão

8

Imagem do dia: Edivaldo nos arredores de São Luís…

As imagens que compõem este mosaico foram publicadas pelo secretário municipal de obras, Antonio Araújo, em seu perfil no Twitter. Mostram serviços de drenagem urbana na região de Santa Clara e Apaco, na zona rural de São Luís. A prefeitura vem realizando este tipo de serviço sobretudo no bairros mais afastados. Um serviço que fica afastado dos holofotes, mas que resulta em fortes louros político-eleitorais…

imagem