7

Edivaldo resiste à pressão e fica ainda maior no fim do mandato…

Com trabalho em toda a cidade, legados em todas as áreas da gestão e popularidade nunca antes vista em um final de mandato em São Luís, prefeito fortalece imagem política ao resistir à pressão de aliados do Palácio dos Leões por apoio a Duarte Júnior

 

Edivaldo tem a popularidade certificada diariamente pela população; e resiste ao assédio de Flávio Dino e aliados pelo apoio a Duarte Júnior

Editorial

O prefeito Edivaldo Júnior (PDT) vem recebendo uma pressão sem precedentes de agentes do Palácio dos Leões – incluindo o próprio governador Flávio Dino (PCdoB) – por um posicionamento público no segundo turno das eleições em São Luís.

Até esta terça-feira, 24, porém, tem resistido bravamente.

Consciente do seu papel político e da imagem de sua gestão, o prefeito optou por se preservar da disputa pela sua sucessão e se manteve neutro no primeiro turno, aguardando que um aliado dele ou do seu partido chegasse à disputa com Eduardo Braide (Podemos).

Isso não aconteceu.

Duarte Júnior (Republicanos) passou o primeiro turno inteiro atacando a gestão do prefeito; e mesmo neste segundo turno tem desdenhado de sua atuação ainda muito mais que o próprio Braide, adversário conhecido.  

Mesmo assim, Dino e aliados têm tentado cooptar o prefeito, inclusive com argumentos mentirosos.

Não é verdade, por exemplo, que Flávio Dino tenha enfrentado o próprio grupo para eleger Edivaldo em 2012 e reelegê-lo em 2016. Pelo contrário, se dependesse do comunista, ele não seria o escolhido em 2012 e abriria mão da disputa em 2016.

Essa história foi contada em diversas ocasiões no blog Marco Aurélio D’Eça ao longo dos últimos oito anos. (Relembre aqui, aqui, aqui, aqui e também aqui)

Edivaldo se manteve neutro entre o governador Flávio Dino e o senador Weverton Rocha no primeiro turno das eleições

Edivaldo chegou à prefeitura graças à força do PDT e ao hoje senador Weverton Rocha, quando Dino e o PCdoB tinham clara preferência por Tadeu Palácio (então no PP).

Em 2016, Flávio Dino e o Palácio dos Leões chegaram a dar Edivaldo como morto, pregando a substituição dele por Bira do Pindaré (PSB); o prefeito só conseguiu manter a candidatura – e se reeleger em segundo turno – graças ao senador pedetista e seu partido, que arregaçaram as mangas em seu favor.

Edivaldo Júnior chega ao final do mandato como um dos prefeitos mais populares da história de São Luís; natural que todos queiram tirar proveito de sua força, inclusive Flávio Dino, preocupado com uma derrota acachapante em plena capital do seu estado.

O prefeito, porém, sabe do tamanho do seu legado e da força popular que terá nos futuros embates eleitorais, inclusive o de 2022. 

Seria tolice, portanto, queimar-se em uma eleição praticamente já definida.

E por um candidato que sequer reconhece o seu trabalho…

1

Braide soma quase 100 mil votos com alianças no 2º turno…

Levando em consideração o número de votantes no primeiro turno e a pesquisa do Ibope divulgada na sexta-feira, 20, candidato do Podemos salta de 193.518 votos no primeiro turno para 287.656 votos, consolidando favoritismo

 

Alianças como a de Neto Evangelista somaram a Braide quase 100 mil votos, suficientes para manter a dianteira sobre Duarte Júnior

Líder absoluto no primeiro turno das eleições de São Luís, com 37,81% dos votos, o candidato do Podemos, Eduardo Braide, saltou quase 17 pontos percentuais no primeiro turno com as novas alianças no segundo turno.

Levando em consideração o total de eleitores votantes no primeiro turno (553.499), ele passaria de 193.578 votos no primeiro turno para 287.656 votos no segundo turno; são mais de 94 mil votos em uma semana.

Braide conseguiu apoios importantes, sobretudo de ex-candidatos a prefeito, como Neto Evangelista (DEM), que se engajou diretamente em sua campanha, e Dr. Yglésio (sem partido).

Neto alcançou sozinho 83.138 votos no primeiro turno, ficando na terceira posição;  Yglésio somou 9.816 votos.

Além da aliança com os candidatos a prefeito, Eduardo Braide ganhou apoio também de importantes vereadores, como o presidente da Câmara Municipal, Osmar Filho (PDT), mais votado em São Luís, com 7.447 sufrágios.

Aplicando-se a mesma estimativa para Duarte Júnior, encontra-se o candidato do Republicanos com 245.246 votos no segundo turno, levando em conta os números do Ibope e o total de votantes no primeiro turno.

É um crescimento expressivo, mas insuficiente para superar o total de votos de Braide, que, por esta estimativa, venceria a eleição de domingo.

Importante, portanto, a política de alianças construída pelo candidato do Podemos no segundo turno de 2020

O que não havia ocorrido em 2016….

0

Debates recomeçam nesta terça-feira…

Faltando seis dias para o segundo turno, Eduardo Braide e Duarte júnior vão se enfrentar ao longo da semana em programas a serem exibidos, respectivamente, pela TV Guará, TV Band e TV Mirante

 

Eduardo Braide e Duarte Júnior estarão frente à frente em debates sucessivos ao longo da semana

Os candidatos Eduardo Braide (Podemos) e Duarte Júnior (Republicanos) terão três de confrontos olho-no-olho nesta semana que antecede o segundo turno das eleições de São Luís.

Nesta terça-feira, 24, eles vão participar do debate na TV Guará, marcado para as 21 horas.

No dia seguinte, também às 21h, os dois voltam a se enfrentar na TV Band.

E o encerramento da temporada de debates se dará na sexta-feria, 27, com o debate da TV Mirante,

Os programas podem influenciar diretamente no resultado do pleito, que tende a se acirrar ao longo da semana.

Todos os programas serão transmitidos ao vivo para todo o estado…

6

A ameaça de Flávio Dino e aliados ao povo de São Luís

Governador, ex-candidatos, parlamentares, secretários de governo e jornalistas ligados ao Palácio dos Leões tentam diariamente chantagear lideranças e eleitores a votar no candidato Duarte Júnior, sob pena de sofrer represálias

 

Dino tem usado todas as formas de ameaças – abertas e veladas – para tentar constranger o eleitor a votar em seu candidato em São Luís

As hostes do governador Flávio Dino (PCdoB) ultrapassaram todos os limites da democracia neste segundo turno em que o comunista decidiu apoiar o candidato Duarte Júnior (Republicanos).

Desde a declaração de apoio de Dino, ainda no domingo, 15, ele próprio, seus auxiliares, seus aliados e até jornalistas vinculados ao Palácio dos Leões passam o dia com ameaças aos que se decidiram por Eduardo Braide (PDT).

Primeiro foram os secretários Felipe Camarão (Educação) e Rodrigo Lago (Comunicação), que ameaçaram mandar pro inferno e tentaram colar em Braide a imagem de bolsonarista que o próprio Duarte assumiu em discurso.

Em seguida, o ex-candidato Rubens Júnior (PCdoB) ameaçou os eleitores de São Luís, dizendo que, sem Duarte, Dino não iria mais apoiar as ações da prefeitura na capital maranhense.

A atitude dos dinistas gerou reação até de aliados do próprio governo.

– Quer dizer que o governo pode abrigar na sua base toda espécie de fauna e flora da extrema-direita bolsonarista, mas ninguém tem o direito de ousar pensar diferente do chefe? – questionou o ex-secretário de Esportes Márcio Jardim.

Nesta segunda-feira, 23, a chantagem começou em blogs ligados ao Palácio, que replicaram ameaças abertas de demissões de auxiliares do governo que não declararam voto em Duarte Júnior.

A informação publicada nestes blogs dinistas servem, inclusive, de prova de uso da máquina em favor do candidato do Palácio dos Leões. (Veja aqui e aqui)

Mas mostra também até que ponto está disposto a ir Flávio Dino para manter, a qualquer custo, o poder político  em São Luís.

Numa grave ameaça às liberdades democráticas…

6

Apoiado por Flávio Dino, Duarte declara: “sou do partido de Bolsonaro”

Vídeo com discurso do candidato do partido Republicanos – que pertence aos filhos do presidente – veio à tona esta semana e mostra um entusiasmado deputado falando da relação com o Governo Federal

 

O discurso de Duarte Júnior para bolsonarista; hoje sou do partido de Bolsonaro”, afirma

Hoje, eu sou do partido republicanos, partido 10, partido da base do Governo Federal, partido da base do governo Bolsonaro”.

Foi assim que o deputados estadual Duarte Júnior se apresentou a um grupo de lideranças políticas – deputados, líderes partidários e até o vice-governador Carlos Brandão – logo assim que recebeu o aval do Republicanos (ex-PRB) para concorrer a prefeito de São Luís.

O discurso tinha o objetivo de mobilizar a massa bolsonarista e garantir índices nas pesquisas de intenção de votos a Duarte, até então ainda lutando para ser candidato a prefeito.

Duarte Júnior conseguiu a indicação, foi registrado candidato e ainda chegou a se reunir com aliados de Bolsonaro no Maranhão, mas foi aconselhado a deixar o discurso de lado para não ferir o governador Flávio Dino (PCdoB).

Tanto que os próprios comunistas passaram o primeiro turno a chamá-lo de candidato de Bolsonaro.

Mas o vídeo desapareceu da campanha e dos arquivos das redes sociais do candidato.

Esta semana, logo após Flávio Dino declarar apoio ao ex-auxiliar e tentar vender ao eleitor que o adversário Eduardo Braide é o candidato de Bolsonaro em São Luís, o vídeo voltou à tona. (Veja acima)

No ato de filiação ao Republicanos, Duarte Júnior recebeu alguns dos expoentes de Bolsonaro em Brasília, entre eles o candidato derrotado a prefeito de São Paulo, Celso Russomanno (à esquerda do candidato)

O PRB, ao qual Duarte é filiado, é ligado à Igreja Universal do Reino de Deus, aliada de Bolsonaro, e tem como líderes dois dois filhos do presidente, os irmãos Flávio e Carlos Bolsonaro.

Na filiação de Duarte, vários candidatos de Bolsonaro aparecem, como o deputado federal Celso Russomanno, derrotado em São Paulo.

Desde que o vídeo voltou ´[a tona, Duarte Júnior e o PRB tentam usar a Justiça Eleitoral para bani-lo das redes sociais e dos aplicativos de troca de mensagens.

Assista, portanto, enquanto é tempo…

1

Flávio Dino e seus garotos são patéticos…

Cercado de jovens candidatos a capitão do mato – dispostos a perseguir quem não seguir o chefe – governador parece não se dar conta de que seus dias seguem para o fim, momento em que precisaria provar que é um líder de verdade

 

Rubens Júnior ameaça perseguir aliados que não querem apoiar Duarte, o primeiro a persegui-los, inclusive o próprio Rubens

Por Roberto Kenard

Ao declarar apoio à candidatura de Duarte Júnior, o candidato pífio do governador, Rubens Júnior, ameaçou: quem for apoiar Eduardo Braide passará a ser adversário do governador Flávio Dino.

Esses garotos inexperientes e candidatos a coronéis do mato precisam levar umas palmadas e dormir debaixo da rede de quem entende de política. Então, vamos lá, dar uma aulinha de política para eles.

Flávio Dino tem só mais ano e meio de governo. Como não terá a reeleição pela frente, irá se desincompatibilizar para concorrer ao Senado ou para se aventurar na disputa de vice-presidente.

Ou seja, a disputa pelo governo do Maranhão em 2022 não passa por suas mãos.

A partir de 2022 ele dependerá do vice tornado governador, Carlos Brandão. Fazer chantagem ou perseguir aliados será, assim, mais um tiro no próprio pé.

Por que aliados decidiram apoiar Eduardo Braide sem medo?

É o primeiro sinal de que o governador começa a perder importância.

Por não poder mais se reeleger, quem ganha musculatura e importância são os aliados. Tratá-los mal é burrice.

Quem acha que se rebaixando irá ser escolhido como candidato a governador não sabe absolutamente nada de política.

Flávio Dino mostra-se, mais uma vez, pequeno demais para o papel de líder.

Logo, logo a realidade baterá à sua porta com a notícia indigesta: – Você não é líder, é só um governador.

E vai passar ao fim do mandato como todos os que foram insignificantes.

5

De como Flávio Dino afundou a campanha de Duarte Júnior no 2º turno

Ao impor apoio centralizado de todos os auxiliares e aliados ao deputado do Republicanos, governador comunista tirou a imagem de independência e outsider que o candidato construiu e nem deu o volume necessário para superar o adversário Eduardo Braide

 

ABRAÇO DE AFOGADOS. Apoio de Dino a Duarte tirou do candidato a imagem de independência, mas não deu o volume de alianças que fortaleceriam sua candidatura

O apoio intempestivo do governador Flávio Dino (PCdoB) ao candidato do Republicanos Duarte Júnior pode entrar para a galeria histórica dos erros políticos maranhenses.

Com seu gesto apressado e impositivo – que levou auxiliares e aliados dependentes a fazer declaração em massa em favor do desafeto – Dino não apenas tirou de Duarte a imagem de independência, como também afastou alianças que poderiam dar maior volume de campanha no segundo turno.

Enquanto Eduardo Braide (Podemos) reúne em torno de si ex-candidatos de peso, como Neto Evangelista (DEM), Dr. Yglésio (PDT), Carlos Madeira (SDD) e Wellingtonn do Curso (PSDB) – além de partidos que vão do PDT ao MDB; do DEM ao PT, passando , inclusive, pelo PCdoB – Duarte restringe-se aos que são tutelados pelo próprio Dino.

Além do fracasso na articulação política, Flávio Dino atraiu para si os holofotes da imprensa nacional, que começou a questionar como um pretenso presidenciável não consegue, sequer, liderar a própria base em um projeto único.

O resultado é um Duarte totalmente amarrado aos interesses do Palácio dos Leões, sem poder de mobilização e dependente de gente que ele passou os últimos anos a humilhar e ridicularizar.

Assim como o blog Marco Aurélio D’Eça antecipou ainda no meses de setembro e outubro, Duarte se transformou, portanto, no adversário que Eduardo Braide sempre sonhou. (Entenda aqui e aqui)

Naquilo que pode se chamar de barbada…

4

O início do fim do governo Flávio Dino…

Segundo turno expõe fragilidade crescente do governador comunista, que tentou centralizar a base, mas só levou consigo para o apoio a Duarte Júnior auxiliares vinculados diretamente à sua vontade e aliados com perspectivas eleitorais atreladas ao Palácio dos Leões

 

Ao impor voto em Duarte Júnior, Flávio Dino expôs a fragilidade de sua articulação política, fenômeno típico dos chefes de poder em fim de mandato

Análise de conjuntura

É tradição na política que o detentor de mandato eleitoral vá diminuindo sua importância e influência à medida que se aproxima o final do seu ciclo de poder.

O governador Flávio Dino (PCdoB) começou a sentir o peso desta sentença neste segundo turno das eleições de São Luís.

Ao tentar impor sua vontade, levando a base para o apoio ao candidato Duarte Júnior (Republicanos), Dino expôs a fragilidade da aliança que o mantém no poder e precipitou o início do fim do seu governo. 

O racha na base governista ficou evidente, com partidos – inclusive o PCdoB do próprio governador – dividido entre as candidaturas de Duarte e a do oposicionista Eduardo Braide (Podemos).

É certo que a antipatia que o próprio Duarte Júnior detém na classe política teve influência direta neste racha, mas as eleições de 2022 e a sucessão de Dino já começaram a demarcar o terreno político de 2020.

Flávio Dino não conseguiu convencer – pelo menos até agora – líderes de peso no cenário maranhense, como o senador Weverton Rocha (PDT), os presidentes da Assembleia Legislativa, Othelino Neto (PCdoB), e da Câmara Municipal, Osmar Filho (PDT); e muito menos o prefeito Edivaldo Júnior (PDT).

A aliança de Neto Evangelista e Eduardo Braide levou á Rua Grande lideranças do DEM, do PDT e do próprio PCdoB no apoio ao candidato do Podemos

A adesão de governistas em massa à candidatura de Eduardo Braide redesenha o mapa eleitoral de 2022 não apenas na seara governista, mas na própria oposição.

Se conseguir – apenas com seus subordinados e aliados mais dependentes – virar o jogo em São Luís e vencer com Duarte Júnior, Flávio Dino estará garantindo ao vice Carlos Brandão o encaminhamento de sua eleição em 2022.

Se, como tudo indica, perder a eleição na capital, terá contra si um exército saído das entranhas do seu governo pronto para avançar no estado, tendo o próprio Braide entre as lideranças com influência no processo estadual.

E com o agravante de o comunista estar em fim de mandato…

0

Sexta-feira já tem novo Ibope…

No mesmo dia em que começa o horário eleitoral gratuito, TV Mirante vai divulgar o impacto da movimentação da primeira semana do segundo turno entre os candidatos Eduardo Braide e Duarte Júnior

 

O impacto da movimentação de Eduardo Braide e Duarte Júnior serão avaliados pelo Ibope na sexta-feira

Está marcada para a próxima sexta-feira, 20, no programa JMTV-2ª edição, da TV Mirante, a primeira pesquisa Ibope sobre o segundo turno das eleições em São Luís. 

O levantamento deve medir o impacto das primeiras movimentações de alianças e apoio em torno de Eduardo Braide (Podemos) e Duarte Júnior (Republicanos).

Não será avaliado o impacto do horário eleitoral, que se inicia neste mesmo dia.

Como a campanha de segundo turno é curta, o Ibope deve divulgar outra pesquisa até o fim do horário eleitoral, além da tradicional boca-de-urna.

É aguardar e conferir…

4

Quanto mais tenta explicar apoio a Duarte, mais Rubens se diminui…

Puxado pelo beiço por Flávio Dino para declarar apoio ao candidato republicano – mesmo depois de ter sido chamado de bandido, com o pai na UTI – deputado comunista aponta sarneysistas e bolsonaristas como responsáveis pelas críticas, mas esquece a família, que não gostou de vê-lo tão menor

 

Para Rubens Júnior, fidelidade a Flávio Dino vale mais que a própria dignidade e do que a honra do próprio pai

Criticado duramente por ter apoiado quem o chamou de bandido e apontou sua família como ficha suja, o deputado federal Rubens Júnior (PCdoB) agora tenta responsabilizar sarneysistas e bolsonaristas pelo seu revés pessoal.

– Ele pediu desculpas – justificou Pereira Júnior, acrescentando que ficaria ao lado do governador Flávio Dino.

Mas teria Duarte Júnior pedido desculpas se não tivesse ido ao segundo turno? Teria o candidato republicano reconhecido seu erro?

As desculpas são sinceras ou de conveniência?

Rubens Júnior culpa deus-e-o mundo pelas críticas, mas ignora que sua própria família se ressentiu do seu apoio a Duarte Júnior, gesto que o diminuiu como mero fantoche do governador Flávio Dino, disposto a tudo para agradar ao padrinho.

Rubens deveria permanecer calado após ser levado pelo beiço a apoiar um desafeto; seria mais digno esconder-se da própria subserviência.

Mas na política também há os que não sabem o valor da própria dignidade…