3

Monstrengo ultrapassado…

Ao se expor na entrevista montada para ser seu balanço de fim de ano, Flávio Dino se revela um dinossauro comunista, com ideias medievais sobre economia e mercado e pouco conhecimento do próprio estado que governa

 

Flávio Dino: um paquiderme ideológico sem noções básicas de economia e desenvolvimento

Montada a dedo para ser uma espécie de fechamento de ano do comunista Flávio Dino, que ora ocupa o Palácio dos Leões, a entrevista publicada pela Folha de S. Paulo foi uma espécie de tiro no pé do próprio governador.

O que saiu da boca de Dino foi quase um libelo arcaico, com pensamentos tão ultrapassados quanto nocivos, desde a sua concepção de estado, passando pela idéia que tem de economia e desenvolvimento.

Dino chega mesmo a defender um Maranhão miserável, ao afirmar que só o estado pode fazer pelo cidadão.

“Ou o estado faz, ou ninguém faz”, declarou.

O pensamento político de Flávio Dino brotado da Folha de S. Paulo é algo medieval, feudal em todos os seus aspectos. Tanto que não demorou para que observadores e analistas políticos interpretassem o que pensa das coisas o comunista maranhense.

Para Augusto Nunes, da rádio Jovem Pan, ao defender seus ideais comunistas, Flávio Dino mostra-se “com a cabeça estacionada na metade do século passado”.

O site “O Antagonista”, um dos mais influentes de Brasília, foi mais longe e intitulou de “Parque dos Dinossauros”  trecho da entrevista em que Dino defende a candidatura de Lula como única saída democrática das eleições em 2018.

Preso a vida toda em estudos e conceitos do juridiquês, que utilizou para passar em concursos de juiz, Dino está há pouco mais de 10 anos na vida política.

Mas mostra que seus anos de estudo se revelam agora uma fraude; e suas expressões, as mais singelas, se revelam arcaicas e patriarcais, totalmente distantes do mundo real e moderno.

Da coluna Estado Maior de O EstadoMaranhão

0

Imperatriz: iniciativas da Sedec aumentam PIB e geram empregos…

Em balanço do primeiro ano da gestão do prefeito Assis Ramos (MDB), Secretaria de Desenvolvimento Econômico aponta para geração de 900 novos postos de trabalho

 

A cidade de Imperatriz tem ganhado novos ares na economia.

Com a criação de mais de 900 novos postos de trabalho, liberação de R$ 2,4 milhões para o Sistema Nacional de Emprego (Sine) Municipal, elevação do Produto Interno Bruto (PIB), e abertura de portas para o capital privado nos serviços públicos, a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico tem feito grande diferença em apenas doze meses.

“Em 2017 criamos o Sistema Municipal de Empreendedorismo e Inovação, através da lei 1680. Os objetivos são de articulação estratégica das atividades, estruturação de ações mobilizadoras do desenvolvimento econômico, interação entre os membros e construção de canais e instrumentos qualificados de apoio”, explicou o secretário Eduardo Sousa Soares.

Diego Maciel, diretor de inovação da Sedec, enfatiza que cada secretaria vai elaborar um Plano Anual de Empreendedorismo e Inovação, para sua área, destinando em seu orçamento recursos para execução.

“Imperatriz é uma cidade empreendedora, com potencial incrível para inovação. Juntos podemos pensar em ideias gastando muito menos e incorporando soluções para a gestão municipal”, acrescentou.

Durante o ano, a Sedec realizou e participou efetivamente de dezenas de ações, como a 9ª Semana do MEI; reuniões do Conselho Empresarial de Desenvolvimento Econômico e o de Jovens Empresários; rodas de conversas; “Café com Trade”; palestra no VII Seminário Interdisciplinar e de Administração; VII Seminário de Administração; Conferencia na construção do Plano Plurianual ( PPA); “ A Gente faz Cidadania”; visita em Estreito para avaliação de boas práticas da Rede Sim; Curso avançado de Agentes de Desenvolvimento; oficina para orientações MPE compras públicas; reunião com os representantes dos artesãos de Imperatriz  e com a Secretaria de Fazenda e Gestão Orçamentária, para discutir a criação e constituição do Fundo Municipal.Além disso, palestras em parceria com Vigilância Sanitária e CPL; participação na FECOIMP; Imperatriz foodtrack; Semana do Administrador na FEST; III Encontro Maranhense de Administração; Sebrae; Startup; Treinamento Rede Sim; COMMAM; Fórum Regional de Desenvolvimento Econômico; Curso SINCOV; I Fórum de Cidades Médias; Exposição no Fórum BNB G20+20; Encontro Nacional sobre compras governamentais; Palestra sobre associativismo, no Povoado São Félix e presença no SEBRAE Experience- CONJOVE.

Além disso, foram inúmeras parcerias firmadas. Eduardo Sousa, secretário da Sedec, explica em que consistem as atividades.

“A equipe de Desenvolvimento Econômico vem realizando parcerias através das instituições de nível superior públicas e privadas. A proposta é desenvolver projetos e pesquisas, envolvendo universitários nas ações da gestão pública municipal, no que diz respeito ao empreendedorismo e inovação”.

As parcerias realizadas durante o ano envolveram ainda Sebrae, Senac, Fiema e outros órgãos e instituições que contribuem com o crescimento e desenvolvimento da cidade. Imperatriz atingiu 100% índice de desenvolvimento do Sebrae, e recebeu o status de Município com Políticas Públicas de Desenvolvimento Implantadas” e a Prefeitura também viabilizou a instalação de novas empresas. Com ofertas de mais de 60 vagas de trabalho, uma distribuidora de medicamentos já investiu mais de R$ 6 milhões na cidade, com sede na BR 010.

E será realizado também um concurso para escolher a marca do Sistema Municipal de Empreendedorismo e Inovação.Eduardo Soares também esclareceu que a Sedec atua em atendimentos diversos na Sala do Empreendedor.

“Foram mais de 800 atendimentos de formalizações, realizados em parceria com o Sebrae”.

0

Projeto defendido por Hildo Rocha fortalece economia maranhense

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou quarta-feira, 6, Projeto de Lei Complementar PLP405/17, que estabelece novas regras de parcelamento de dívidas das micro e pequenas empresas perante o Simples Nacional (Supersimples).

“A proposta é uma iniciativa do presidente Michel Temer que acatou pedido formulado por inúmeros parlamentares. Eu que muito lutei pela aprovação desse projeto estou feliz porque conheço a importância das pequenas e microempresas para a economia. Hoje 80% dos empregos com carteira assinada, no Estado do Maranhão são gerados por pequenas e microempresas”, declarou Hildo Rocha.

Garantia de empregos

O deputado disse que o parcelamento de dívidas junto à receita federal é benéfica tanto para os empresários quanto para os trabalhadores porque estes terão seus empregos assegurados.

“A medida vai gerar essencialmente dois efeitos positivos: o fortalecimento da economia e, consequentemente, a geração de empregos porque as empresas beneficiárias ficarão mais competitivas, poderão manter os funcionários já contratados e ainda ampliar a oferta de vagas”, argumentou o parlamentar.

0

Fábio Braga destaca esforço do Sebrae em prol do pequeno agricultor e da pequena empresa…

Braga no debate em defesa do Sebrae

O deputado Fabio Braga (SD) congratulou-se e parabenizou o Sebrae maranhense na segunda feira, 28, pelo esforço que ele desenvolve no estado, em busca do fortalecimento e da criação de pequenas e microempresas e da pequena produção rural.

A iniciativa do órgão dessa feita ocorreu através da realização de um treinamento na sua sede social, destinado a capacitar “Atores de Desenvolvimento” e foi dirigido a representantes de prefeituras e a agentes de desenvolvimento do estado, “com a meta de preparar esses atores para que pudessem levar a agricultores e a empresários de suas comunidades, orientações básicas sobre o processo de compra das Prefeituras, mas, também, para discutir e procurar soluções em políticas públicas para o Maranhão, focando nas micro e pequenas empresas, já  que elas respondem por 98% das empresas ativas no nosso Estado”, como ressaltou o parlamentar.

Pelo menos 200 pessoas foram treinadas e capacitadas neste evento.

– É importantíssimo que todos nós deputados, vereadores, prefeitos e agentes econômicos nos engajemos nesse processo de criação de alternativas de negócios e de soerguimento da economia maranhense apostando naquilo que temos de mais valoroso, que é o povo do Maranhão – pregou Fábio Braga.

 

1

Imperatriz: com pregões, prefeitura reduz gastos em quase R$ 30 milhões…

Comissão de Licitação analisando documentos dos pregões; economia

Em seis meses de gestão, a Prefeitura de Imperatriz já fechou 54 certames de licitação, 53 na modalidade de pregão presencial e um de concorrência pública.

As disputas acirradas e dentro do que determina a Lei, já possibilitaram ao município uma diferença favorável de R$ 29.339.565,09 entre os valores inicialmente estimados e os que, ao final, foram sacramentados com os licitantes vencedores.

Um processo de licitação começa com a fixação de um valor de referência para o produto a ser comprado ou para o serviço a ser contratado. Essa estimativa de valor é oficialmente estabelecida no chamado “termo de referência”, com base no que se pratica no mercado.

Quando os licitantes se confrontam, por exemplo, no pregão presencial, estabelece-se uma espécie de leilão de preços disputado entre os que se habilitaram com documentos e comprovações da capacidade técnica de atendimento. No processo rígido, sem dar chance às combinações, o poder público sai ganhando.

Todos os contratos estabelecidos, depois de licitados, têm duração de um ano. Os valores finais são diluídos em 12 meses, o que significa dizer que muitos desses contratos vão abastecer a prefeitura até a metade do ano que vem.

Na maioria dos casos nem se esgotam os totais licitados, porque a demanda acaba sendo menor do que foi estimado inicialmente.

O Presidente da Comissão Permanente de Licitação, advogado Luís Gomes Lima Júnior, tem sido implacável na aplicação dos parâmetros legais, tanto é que a “poupança” até aqui verificada, entre os valores de referência no mercado e que, os que de fato acabaram prevalecendo, está favorecendo a prefeitura em níveis bem acima até da média nacional.

Há casos, como no da compra de material odontológico, que a princípio seria de R$ 3.722.147,06 e que acabou sendo fechado em R$ 1.173.211,94 – menos da metade do valor de referência.

– A ampla divulgação, a eficiência do nosso Portal e do nosso sistema de transparência democratizam os certames e ampliam a concorrência. Isso nos favorece, porque, quanto mais ampla participação, mais chance de preços menores chegarem à nossa mesa – diz Luís Júnior.

Explica o chefe da CPL que “essa gestão chegou à prefeitura porque foi convincente, quando propôs ao povo fazer o dinheiro público valer muito mais. A fidelidade à palavra empenhada está surtindo efeito e, com isso, o município está conseguindo administrar todas as dificuldades iniciais, pagando contas do passado e as de hoje”.

1

PIB do Maranhão despenca no governo Flávio Dino…

De acordo com relatório da Tendência Consultoria Integrada, o estado teve saldo negativo nos dois anos de governo comunista; e despencou em 2016, voltando aos patamares de antes de 2010

 

Flávio Dino mostra fracasso na condução da economia maranhense apesar de toda propaganda do governo

O Maranhão viveu dias sombrios no que diz respeito à sua economia nos dois primeiros anos do governo Flávio Dino (PCdoB).

É o que revela relatório da Tendência Consultoria Integrada, publicado nesta segunda-feira, 6, pelo jornal o Globo. (Leia aqui)

De acordo com o documento, o Produto Interno Bruto do Maranhão foi negativo em -3,3% no exercício de 2015, primeiro ano de Flávio Dino; o resultado foi ainda mais catastrófico em 2016, quando o PIB despencou para -6,9%, um dos piores do país.

Leia também:

Flávio Dino fracassa: Porto do Itaqui registra quase 1/4 de queda…

A venezuelização do Maranhão…

“Flávio Dino cria obstáculos ao crescimento do MA”, diz deputado…

 

Dados divulgados em O Globo: PIB maranhense despensa sob o comunismo

Ao comunista não cabe sequer argumentar que a queda foi resultado da crise econômica enfrentada pelo Brasil, já que muitos estados tiveram crescimento do PIB neste mesmo período.

Também não cabe dizer que a queda é resultado de suposta herança maldita recebida do governo Roseana Sarney (PMDB).

Primeiro porque Roseana apresentou crescimento em todo o seu período de governo.

Segundo, que vários estados cresceram em 2016 na comparação com 2015.

O resultado da queda do PIB maranhense mostra, no mínimo, a incapacidade do governo Flávio Dino de enfrentar uma crise como a do Brasil.

E o resultado é a falência do Maranhão…

4

Flávio Dino na contramão do país…

Enquanto o Governo Federal anuncia medidas para estimular a economia e a geração de emprego e renda, comunista maranhense faz o contrário, arrocha salário do trabalhador e aumenta impostos, criando dificuldades para geração de emprego e renda

 

Comunista, Flávio Dino quer bancar a conta dos camaradas com aumento de impostos

No mesmo dia em que o Governo Federal, num ato de desespero, tenta estimular a geração de emprego e renda, facilitando o crédito e aliviando a carga de impostos dos empresários, o governador Flávio Dino (PCdoB), faz o contrário, criando incertezas no Maranhão, com aumento de impostos e arrocho salarial de trabalhadores.

Comunista, Flávio Dino está na contramão de tudo o que se diz sobre medidas para enfrentar a crise.

A reação dos especialistas às medidas do governo Michel Temer (PMDB) foram de otimismo, ainda que tenham achado tímidas as ações para estímulo do crédito e da geração de renda.

A reação às medidas do comunista maranhense foram as piores possíveis.

Nenhum especialista entendeu como Flávio Dino quer enfrentar a crise econômica aumentando impostos, pressionando aumento de preços de serviços básicos, como energia e combustível, ao mesmo tempo em que nega aumento salarial aos servidores públicos.

Com as medidas do Governo Federal, a população poderá ter redução nos juros do cartão de crédito e facilidade no acesso ao emprego, já que o empregador terá redução da multa de FGTS, que onera as empresas.

Com as medidas do governador Flávio Dino, ao contrário, o maranhense vai pagar mais caro por energia elétrica, por telefonia, por combustível e por serviços hoje básicos, como internet e TV por assinatura.

O mais grave na decisão do governador é que a arrecadação esperada com o ataque ao bolso da população – algo em torno de R$ 250 milhões só com o ICMS – servirá apenas para bancar a própria máquina do governo, que ele vem inchando descontroladamente desde que assumiu o governo.

Em outras palavras, Flávio Dino está metendo a mão no bolso da população, para que o maranhense pague a conta do inchaço que ele promoveu no governo para abrigar seus camaradas de partido.

Coisas típicas do comunismo, que, aos poucos, o Maranhão vai conhecendo…

8

“Trocamos sarneysmo pelo comunismo… qual a mudança?!?”, pergunta Roberto Rocha…

Senador maranhense voltou a se manifestar sobre a necessidade de se avançar no debate econômico no Maranhão para além do político; e questiona a eterna dicotomia Sarney X anti-sarney

 

Rocha: o foco é a Economia

O senador Roberto Rocha (PSB) voltou as e manifestar em seu perfil no Instagram sobre a situação política no Maranhão. E defendeu a necessidade de inserir o debate econômico na agenda política estadual.

– Estou convencido de que só com a discussão política pela política não mudamos, de verdade, a realidade do nosso estado – pregou Rocha, para quem o debate Sarneysmo X Comunismo “é muito pouco, muito pobre”.

– Apenas com o debate político, trocamos em 2014 o primeiro pelo segundo. Qual a mudança?!? – questionou no parlamentar.

Na avaliação do senador, este debate meramente político fez com que o que achavam estar na frigideira do sarneysmo descobrir agora que caíram no fogo do comunismo.

– Por isso digo e repito, precisamos também debater as potencialidades econômicas do estado, debater o Maranhão – pregou.

Para Rocha, é com o desenvolvimento econômico que o Maranhão vai crescer…

5

Iran e Índia vão implantar Refinaria e polo Petroquímico no MA…

Representante do Irã com Carlos Brandão e José Reinaldo

O secretário Pierre Januário com Carlos Brandão e José Reinaldo no Ministério de Minas e Energia

Os governos do Irã e da Índia deram ontem mais uma clara demonstração do interesse em investir na construção de uma refinaria e de um polo petroquímico no Maranhão.

O ex-governador José Reinaldo Tavares (PSB), hoje deputado federal, foi convidado a participar de uma missão oficial nos dois países no próximo mês de dezembro, onde será discutido a implantação dos dois investimentos no Estado.

A missão oficial será liderada pelo ministro de Minas e Energias do Brasil, Fernando Coelho. Pelo Maranhão, além de Zé Reinaldo, também estarão presentes o vice-governador Carlos Brandão (PSDB) e o secretário estadual de projetos especiais, Pierre Januário.

De acordo com Zé Reinaldo, esse é um projeto bem diferente da Refinaria da Petrobras.

– Este é um investimento com recursos destes dois países, que querem ser grandes parceiros brasileiros na área de mineração. Não envolve recurso nacional. A Petrobras na verdade tem todo interesse, pois é um investimento internacional em uma área que pra ela é prioridade – explicou.

Três bi
O ex-governador informou que o investimento gira na casa de US$ 3 bilhões.

– Num momento deste de crise, o governo brasileiro sabe da importância de um investimento como esse, avaliado na casa de três bilhões de dólares e que vai gerar milhares de empregos direto e indireto, além de produtos derivados do petróleo – frisou.

O deputado federal levou o embaixador Iraniano há diversas reuniões com representantes do governo brasileiro.

– Estivemos reunidos com os ministros Fernando Coelho, o Serra, Padilha, Moreira Franco e com o presidente da Petrobras – observou.

O Deputado Federal informou ainda que o investimento será na cidade de Bacabeira.

– Vamos aproveitar toda a área onde seria feita a obra da Petrobras. Não se pode jogar fora o que já foi feito naquela região. Muito se investiu naquele município e esse recurso deve ser valorizado – explicou.

A ideia dos iranianos seria trazer o óleo até o Brasil, refiná-lo no Nordeste e vender os derivados no mercado brasileiro.

2

Para Hildo Rocha, Flávio Dino cria obstáculos ao crescimento do Maranhão…

Em discurso na Câmara Federal, deputado ressaltou que, apesar de o estado reunir, dentre todas as 27 unidades da federação, as melhores condições para enfrentar a crise, a política econômica do governador inibe a atração de investimentos

 

O deputado Hildo Rocha (PMDB) voltou a analisar esta semana, na Câmara Federal, a gestão do governador Flávio Dino (PCdoB) no Maranhão. E apontou que o comunista cria obstáculos ao crescimento do estado.

– Dino aumentou impostos, taxas e todos os tipos de tributos. Hoje o Maranhão cobra o ICMS (Imposto sobre Serviços e Circulação de Mercadorias) com alíquotas bastante altas, aterrorizando investidores – destacou Rocha.

Para o parlamentar, o resultado disso é a elevação do índice de desemprego.

– Só nos meses de janeiro, fevereiro e março o Maranhão desempregou quase 12 mil pais de famílias graças à política econômica equivocada, do Governador Flávio Dino e da sua equipe – declarou Rocha.

O parlamentar ressaltou que o Maranhão corre o risco de perder outro importante vetor de desenvolvimento, com a inauguração da expansão do Canal do Pananá, que possibilitará a travessia de navios de grande porte do Pacífico para o Atlântico, e vice-versa.

– Isso favorece muito o Estado do Maranhão porque nós temos o porto de maior profundidade do país, com mais de 27 metros de profundidade. Os navios que se utilizam do porto do Itaqui poderão utilizar o canal, as empresas de navegação serão favorecidas. Isso faz do Maranhão um estado bastante atrativo, mas, o governador não tem essa percepção – lamentou Rocha.

– É preciso que o governador entenda que da maneira como ele está administrando jamais irá criar empregos e desenvolver o nosso Estado – afirmou Hildo Rocha.