4

Levantamento apócrifo aponta empate técnico entre Flávio Dino e Roseana…

Faltando pouco mais de 20 meses para as eleições de 2018, pesquisa que teria sido encomendada pelo prefeito de Santa Rita, Hilton Gonçalo, diz que o governador comunista lidera a disputa, cinco pontos à frente da ex-governadora

 

Flávio Dino lidera a disputa pelo governo, mas em condição de empate com Roseana Sarney

O titular deste blog recebeu, no último sábado, números do que seria a primeira pesquisa ampla sobre a corrida sucessória de 2018 no Maranhão.

Os números, que teriam sido encomendados pelo prefeito de Santa Rita, Hilton Gonçalo (PCdoB) – e foram confirmados por pelo menos cinco lideranças políticas consultadas pelo blog -, apontam condição de empate técnico entre o governador Flávio Dino (PCdoB) e a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB).

De acordo com os dados – cujo instituto não foi confirmado por nenhum dos contatos do blog – Dino aparece com 40% das intenções de voto, contra 35% dados a Roseana.

O levantamento foi mostrado para lideranças do PCdoB, do PSDB, do PMDB, deputados federais e estaduais, prefeitos e alguns jornalistas.

Leia também:

Flávio Dino ainda sem adversários no Maranhão…

Roseana será ou não candidata?!?

PSDB articula chapa com PMDB para 2018…

 

Roberto Rocha também aparece em condição de empate com Maura Jorge

Ainda segundo apurou o blog, o senador Roberto Rocha (PSB) aparece num distante terceiro lugar, com 8% das intenções de voto, cinco pontos à frente da ex-prefeita Maura Jorge (PTN).

Este blog decidiu publicar os números por estar resguardado pela Lei Eleitoral, que só exige o registro da pesquisa a partir de janeiro do ano eleitoral. 

O levantamento atribuído a Hilton Gonçalo avaliou também as candidaturas ao Senado.

Mas esta é uma outra história…

0

Além do PROS, cláusula de barreira ameaça PV, PPS e PCdoB no MA…

Partidos que não atingirem o limite mínimo de 10 representantes na Câmara Federal, a partir de 2018 –  o que equivale a 2% dos votos nacionais – perderão direitos na Casa e podem até deixar de existir

 

Gastão Vieira deu a senha de uma situação que o governador Flávio dino já conhece e busca solução

A senha foi dada na sexta-feira, pelo ex-ministro Gastão Vieira.

Presidente regional do Pros, ele anunciou que abrirá mão da disputa pelo Senado para tentar uma vaga na Câmara Federal, na tentativa de garantir o espaço exigido ao Pros a partir de 2018.

Assim como Gastão, estão correndo contra o tempo o deputados federais Eliziane Gama (PPS), Júnior Marreca (PEN) e o próprio governador Flávio Dino (PCdoB).

Eliziane, do PPS; Marreca, do PEN, e Sarney Filho, do PV, também vivem o mesmo drama partidário

Estes partidos precisam garantir 2% de votos para deputado federal em todo o país, sendo que este índice tem que ser atingido em um mínimo de 14 estados.

Para isso, as legendas precisam eleger um mínimo de deputados federais em cada estado.

O PCdoB, por exemplo, já decidiu que, no Maranhão, a meta é eleger cinco deputados federais. Por isso, Flávio Dino tem corrido atrás de nomes que possam se somar aos de Márcio Jerry, Clayton Noleto e Rubens Pereira Júnior.

Para fugir da cláusula de barreira, o ministro Sarney Filho, que é deputado federal pelo PV, já decidiu deixar o partido.

Situação mais difícil é da dos deputados federais Júnior Marreca e Eliziane Gama.

Esta última, por ser presidente de legenda, vai precisar buscar quadros com capacidade de somar votos para o PPS.

Por isso, não descarta disputar uma vaga majoritária, abrindo espaço para outras lideranças do partido.

E será esta a tônica da formação de chapas até o início do período eleitoral no Maranhão…

2

O fator Sebastião Madeira no PSDB…

Várias vezes presidente regional, ex-secretário nacional da legenda e duas vezes presidente do Instituto Teotônio Vilela, ex-prefeito de Imperatriz é uma espécie de reserva técnica tucana, um contraponto à invasão do ninho

 

Aécio Neves tem hoje em Madeira o seu mais fiel seguidor no Maranhão

As especulações sobre o futuro do PSDB no Maranhão – uma vez que o atual presidente, Carlos Brandão, caiu em desgraça na direção nacional – levam em conta apenas nomes de fora, como se o partido se resumisse ao vice-governador.

Mas, além de Brandão – e hoje, muito provavelmente, acima dele – o PSDB maranhense tem no ex-deputado federal e ex-prefeito de Imperatriz, Sebastião Madeira, um dos seus quadros mais alinhados ao tucanato nacional.

Praticamente radicado em Brasília após dois mandatos em Imperatriz, Madeira mantém interlocução com os principais líderes do PSDB, como o senador Aécio Neves (MG), o secretário-geral Sílvio Torres (SP) e o ministro José Serra (SP).

Estaria em Madeira, portanto – e não em eventuais cristãos-novos – a solução para a crise no partido maranhense.

O ex-prefeito leva vantagem sobre o vice-governador por entender perfeitamente as diretrizes nacionais do PSDB, como o afastamento do governo Flávio Dino (PCdoB) e a construção de uma alternativa própria de poder no Maranhão e em São Luís.

Foi exatamente por resistir a estas diretrizes – em nome do projeto pessoal – que Brandão está sendo esvaziado.

Mas, ao contrário das especulações que apontam a solução para fora, a continuidade do projeto tucano está dentro do seu próprio Ninho.

É aguardar e conferir…

5

“Voto em Weverton e outro”, diz deputado comunista, sobre o Senado…

Vice-presidente da Assembleia Legislativa, Othelino Neto, avalia que o governo Flávio Dino tem garantida uma das duas vagas na Câmara Alta, em 2018; e a segunda pode ser viabilizada com o desempenho do próprio governador

 

WEverton com Otehlino influenciando as eleições de Pinheiro, em 2016

O vice-presidente da Assembleia Legislativa, deputado estadual Othelino Neto (PCdoB) deixou claro ontem, em conversa com o titular deste blog, sua posição em relação à disputa pelo Senado, em 2018.

– Voto em Weverton e mais um – disse Othelino, apontando que “este outro” ainda não está definido em sua análise.

Othelino Neto é hoje um dos principais expoentes do PCdoB maranhense, e sua aproximação com Weverton Rocha se deu durante as eleições de 2016.

Ao lado do líder governista Rogério Cafeteira (PSB), ele lidera, inclusive, um grupo de parlamentares já alinhados à candidatura do líder pedetista, que reúne nomes do próprio PDT, do PCdoB, do PSB  de várias outras legendas.

Na avaliação do vice-presidente da Assembleia, a garantia de que o governo Flávio Dino (PCdoB) elegerá o dois senadores vai depender da conjuntura eleitoral.

– Dependendo de quem será o adversário do governador, e do seu próprio desempenho eleitoral nas pesquisas, Flávio Dino tem condições de fortalecer a chapa de senadores – apontou.

O outro nome cogitado no governo para a vaga no Senado é o do deputado federal José Reinaldo Tavares (PSB).

3

Lobão Filho no jogo…

Ex-adversário de Flávio Dino tem exortado o seu grupo político a se preparar “para a guerra” de 2018, e diz que o desgaste do comunista e a decepção da população tem deixado a ex-governadora Roseana Sarney “animada a voltar a fazer Política”

 

Lobão Filho diz que a reação no interior já mostra o grupo a atuar mais fortemente na Política

Adversário de Flávio Dino (PCdoB) nas eleições de 2014 – em que, mesmo nas condições mais adversas possíveis e com uma candidatura construída em cima da hora, obteve mais de 1 milhão de votos – o ex-candidato a governador Lobão Filho (PMDB) fez esta semana um a revelação que deixou animados os membros do seu grupo político.

Preparem vossos espíritos, pois a guerra vai começar”,

Foi o que declarou o suplente de senador, abrindo espaço para o debate em grupos de WhatsApp. A princípio, explicou Edinho, sua intenção é disputar o Senado, estimulando uma candidatura do grupo ao governo.

Mesmo diante do pessimismo de alguns, o ex-candidato a governador mostrou o mesmo ânimo que teve em 2014, quando parecia prestes à vitória contra o comunista.

E o raciocínio tem sua lógica de ser.

Segundo o suplente de senador, sua decisão de esperar três anos para começar a fazer o contraponto ao governo de Flávio Dino tem razão de ser nas  próprias circunstância da eleição passada:  o comunista entrou na eleição como favorito e saiu dela com as esperanças da maioria do povo maranhense, que acreditou na história de mudança pregada na campanha.

“Começar a fazer oposição naquele momento, em 2015 ou 2016, seria correr o risco de ser tachado de despeitado. Soaria como choro de perdedor”, avaliou o peemedebista.

Agora, na visão do senador maranhense, o povo já conhece o comunista, começa a mostrar sua decepção com falácia da mudança e começa, inclusive, a comparar o que o Maranhão tinha até 2014 e o que perdeu sob o controle de Flávio Dino.

“E não é pouca coisa”.

Lobão Filho sabe que este debate está apenas começando, pretende aprofundá-lo no decorrer dos próximos meses, mas deixa uma pergunta, que, segundo ele, será respondida ao longo deste período:

“Por que vocês acham que Roseana está tão animada em voltar a fazer Política?”.

Da coluna Estado Maior, de O EstadoMaranhão, com ilustração do blog

8

Ele já fez o mais difícil…

Em meio à falta de nomes dispostos a encarar o desafio de disputar contra o governador Flávio Dino, Lobão Filho volta a ganhar corpo numa parcela do seu grupo político como alternativa ao pleito

 

Edinho na convenção de 2014: o mais difícil foi entrar em cima da hora

O suplente de senador Lobão Filho (PMDB) teve uma das missões mais difíceis da história política do Maranhão nas eleições de 2014.

Em condições absolutamente adversas ele encarou uma disputa com o então favoritíssimo candidato a governador Flávio Dino (PCdoB).

À época, Edinho estava em pleno hospital, convalescendo de cirurgia;

À época, Edinho não tinha sequer jingle, material ou estrutura de campanha para se candidatar.

Sem falar que, à época, o peemedebista jamais tinha disputado uma eleição diretamente.

Mesmo assim, ele aceitou o desafio do seu grupo, que jazia sem rumo e desestimulado, diante da força política demonstrada pelo adversário.

E foi nestas condições – repita-se: absolutamente adversas – que Edinho Lobão foi para a disputa.

Praticamente sem chances, ele conseguiu, mesmo assim, entusiasmar os que se aproximaram dele; e levou a campanha no peito e na raça até às vésperas da eleição.

Saiu do pleito com votação de quase 35% e mais de 1 milhão de votos.

Lobão Filho já fez o mais difícil, portanto.

Por tudo isso, diante da claudicância da ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) e da falta de outras lideranças com peso político no seu grupo, há se perguntar:

Por que não, de novo, em 2018?!?

1

Rumos do PSDB podem tirar Brandão da chapa de Flávio Dino

Cúpula nacional da legenda articula aliança para as eleições presidenciais de 2018 que impede coligação com partidos como o PCdoB

 

Fiel a Flávio Dino, Brandão vai ter que se reposicionar em relação ao PSDB; ou deixar o partido

Qualquer membro do PSDB maranhense a quem se pergunta sobre o futuro do partido no Maranhão, em 2018, deixa claro: o presidente nacional, senador Aécio Neves (MG) proíbe a permanência na chapa do governador Flávio Dino (PCdoB).

O tucanos querem formar uma chapa de centro-direita para as eleições de 2018, que inclua legendas como PPS, DEM, PR e PSD, para fazer o contraponto à esquerda, que tenta sobreviver a partir de uma aliança PT, PDT e PCdoB.

A decisão tira automaticamente o vice-governador Carlos Brandão da chapa de Flávio Dino nas próximas eleições.

O mais provável é que o PSDB lance um candidato próprio, como o ex-prefeito de Imperatriz, Sebastião Madeira, ou o atual de São José de Ribamar, Luis Fernando Silva.

Também há a possibilidade da entrada do senador Roberto Rocha, hoje no PSB.

De uma forma ou de outra, o atual vice-governador terá que procurar novo caminho em 2018…

9

Mensagens “Roseana governadora” espalham-se pela Internet…

Simpatizantes da ex-governadora e entusiastas de sua candidatura em 2018 criam movimentos com divulgação de jingles antigos, cartazes e novas peças próprias para divulgação em redes sociais

 

Eleitor exibe orgulhoso banner de campanha passada de Roseana Sarney

Se depender de aliados e simpatizantes, a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) vai ter que se preparar para disputar o cargo pela quarta vez em 2018.

É cada vez maior a corrente de apoio á peemedebista nas redes sociais.

O movimento “com meu voto ela volta” ganha a internet

E o entusiasmo só aumenta com a especulação sobre pesquisas que apontam uma condição de empate técnico – ou mesmo de vitória – em relação ao governador Flávio Dino (PCdoB).

O movimento #ComMeuVotoElaVolta ganhou corpo desde a última quarta-feira, após divulgação, no blog de Luis Cardoso – de um possível empate técnico entre ela e Dino. (Releia aqui)

São várias versões da hashtag nas redes sociais

Outros, relembram jingles antigos e exibem banners de outras campanhas, como a de 2006, quando ela disputou a primeira volta, após os dois primeiros mandatos, entre 1995 e 2002.

Mas a própria Roseana ainda não se manifestou sobre a candidatura em 2018.

Mesmo assim, seus aliados entendem ser irreversível…

9

Flávio Dino ainda sem adversário no Maranhão…

Mesmo com a falta de respostas efetivas do seu governo aos problemas do Maranhão – e com uma ciranda de denúncias em todos os níveis – comunista ainda assim, é o favorito absoluto da própria sucessão em 2018

 

Sem adversários, Flávio Dino caminha para mais quatro anos no governo

 

Faltando pouco mais e um ano e nove meses para as eleições estaduais, o governador Flávio Dino (PCdoB) navega absoluto como favorito para renovar o mandato em 2018.

Mesmo com toda sorte de denúncias de corrupção em seu governo – e a falta de respostas efetivas às demandas da população – Dino não enxerga adversário consistente para peitá-lo num embate eleitoral.

Entre os nomes já postos à disputa, apenas dois teriam condições de contrapor-se ao comunista; ambos, no entanto, demonstram pouco poder de articulação e até de vontade de discutir o tema.

Roberto Rocha é praticamente candidato de si mesmo, sem lideranças que vista sua camisa

O senador Roberto Rocha (PSB) tem feito o seu papel – até por dever de ofício, já que nada tem a perder em 2018 – mas parece enfrentar  dificuldades para aglutinar lideranças.

Ainda não se consegue ver prefeito, deputado federal ou estadual que declare: “sou do grupo do senador Roberto Rocha”.

E sem uma base política de peso, será difícil para o senador do PSB viabilizar-se numa disputa majoritária.

Discretamente, Roseana tenta retomar a liderança; mais, auto-isolada, enfrenta dificuldades

De outro lado, há o nome da ex-governadora Roseana Sarney (PMDB), o único em seu grupo político capaz de ameaçar um projeto de hegemonia dinista.

Ocorre que a própria Roseana parece alheia a tudo que diz respeito à política, como que se esperasse momento certo para se posicionar – o que pode ou não ocorrer.

Embora não admita, a peemedebista sabe que seu auto-isolamento político, desde o fim de 2014, trouxe dificuldades para ela retomar a liderança que lhe seria natural no grupo.

Maura Jorge é hoje a única que faz contraponto direto a Flávio Dino

Além dos dois adversários, Flávio Dino trem em seu calo a ex-prefeita de Lago da Pedra, Maura Jorge (PMN).

De todos, ela demonstra a maior força de vontade, mas ainda precisa percorrer o Maranhão inteiro levando seu contraponto a Flávio Dino.

E não se se tem certeza de que haverá tempo hábil para essa cruzada.

Fora Rocha, Roseana e Maura, não se tem no horizonte – até aonde a vista alcança – nem um indício de que surgirá alguém e última hora capaz de encarnar os anseios populares.

O comunista caminha, portanto, para a renovação do mandato.

Simples assim…

5

“Nada está descartado”, diz Marlon Reis, sobre candidatura ao governo…

Presidente do Elo Maranhense da Rede Sustentabilidade, ex-juiz diz que sua candidatura será ao cargo que mais for útil ao partido

 

Marlon Reis é o nome da Rede no Maranhão

O presidente do Elo Maranhense da Rede Sustentabilidade, ex-juiz Marlon Reis, afirmou nesta segunda-feira, 23, em entrevista exclusiva ao titular deste blog, que pode tanto disputar o Senado quanto o Governo do Estado, em 2018.

– Minha candidatura, ao governo ou ao Senado, será ao cargo que mais for útil ao partido. Nada está descartado – afirmou o ex-magistrado.

Advogado especialista em Direito Eleitoral, Marlon Reis diz estar, no momento, “muito focado” no trabalho na advocacia, “acompanhando causas em quase uma dezena de estados”.

Mas não se descuida do futuro político, que discute diretamente coma s instâncias estadual e nacional da rede Sustentabilidade.

– Teremos hoje uma reunião da direção estadual, que prenunciará o futuro da organização no nosso estado – contou Marlon Reis.

Ele revelou também que a ex-senador Heloísa Helena estará m São Luís para discutir o projeto de 2018…