0

De como Roberto Costa realinhou o MDB e pôs o partido no debate político

Deputado estadual inseriu a legenda no ciclo eleitoral de 2020 e de 2022, com alianças de peso e reforço ao nome da ex-governadora Roseana Sarney, que deve manter o nome como opção na sucessão do governador Flávio Dino

 

Ao lado de Eduardo Braide no segundo turno, Roberto Costa levou a militância do MDB às ruas e ajudou a garantir a vitória

Maior partido da oposição ao governo Flávio Dino, o MDB conseguiu se manter no debate eleitoral mesmo sem nomes de peso em São Luís – o que resultou, inclusive, na não eleição de vereadores.

Sob a liderança do vice-presidente estadual, deputado Roberto Costa, a legenda teve forte presença na campanha de Neto Evangelista (DEM) no primeiro turno e sentou de igual para igual com Eduardo Braide (Podemos) no segundo turno.

Aberto ao diálogo, Costa suplantou discursos já ultrapassados de outras lideranças do partido, que insistem no sectarismo, e avançou em discussões envolvendo tanto a oposição quanto o governo.  

Ao lado do PDT, do DEM e do PTB, o MDB foi fundamental na construção do muro de arrimo em torno de Braide, evitando as investidas da máquina do governo Flávio Dino em favor de Duarte Júnior (Republicanos).

– O MDB tem força política para dialogar político-eleitoralmente. Não pode ficar restrito a um sectarismo já ultrapassado – afirmou o deputado.

Roberto mostrou força sobretudo na região do Centro de São Luís, em que ficou responsável por manter acesa a chama que elegeu Braide

Costa hoje fala de igual pra igual no grupo que tem o senador Weverton Rocha (PDT) como líder e reúne nomes como o de Neto Evangelista (DEM), Pedro Lucas Fernandes (PTB), Juscelino Filho (DEM), Osmar Filho (PDT), Erlânio Xavier (PDT) e Othelino Neto (PCdoB).

Inserido no contexto das negociações com Braide, Roberto Costa pretende manter a presença do MDB no debate eleitoral de 2022, e já decidiu que o partido lançará a ex-governadora Roseana Sarney ao governo.

– É com o nome de Roseana que iremos para 2022 – afirmou o parlamentar.

2

O desafio de Edivaldo Júnior…

Com forte popularidade ao fim do mandato, prefeito de São Luís terá que ter muito mais que um legado de peso para superar a revolta do PCdoB e de setores mais radicais do governo Flávio Dino com sua neutralidade nas eleições de 2020

 

Edivaldo deixa mandato com forte aceitação popular, mas precisará de um grupo forte para consolidar-se no anos afastados do poder se

O prefeito Edivaldo Júnior (PDT) entra no último mês do seu mandato como o prefeito mais bem avaliado da história de São Luís; com indiscutível popularidade e um legado marcante de obras e serviços, ele encerra a gestão consolidado como liderança política.

Mas não pode contar, no entanto, apenas com seu legado e sua popularidade para se manter em evidência nos próximos anos, sobretudo se sonha com voos mais altos na política.

Para superar a revolta de setores mais radicais do governo Flávio Dino – e sobretudo do PCdoB – com sua neutralidade nas eleições de 2020, Edivaldo vai precisar de um grupo que lhe dê sustentação política, principalmente por que permanecerá anos sem mandato.

O legado é fundamental como história; a popularidade garante o recall eleitoral em uma eventual candidatura, mas é o grupo político que garante a proteção contra ataques e a sustentação do nome entre a população.   

Se perdeu parte da base mais ligada ao governador Flávio Dino, com sua postura, Edivaldo consolidou-se na base do PDT e ganhou novos defensores dentro do grupo que elegeu Eduardo Braide (Podemos).

Há quem inclua o prefeito de São Luís no rol dos possíveis candidatos ao governo na eleições de 2022.

A relação com Eduardo Braide, que agradeceu publicamente sua postura eleitoral, pode ser um gatilho para essas pretensões.

Mas esta é uma outra história…

3

É hora de Flávio Dino mostrar inteligência…

Cercado por auxiliares sem noção do jogo político – mas sedentos de vinganças – governador precisa lamber as feridas sem novos arroubos autoritários, sob pena de esfacelar ainda mais sua base política em pleno declínio de liderança

 

Encastelado no Palácio dos Leões, Flávio Dino precisa manter cada vez mais a serenidade, sem arroubos autoritários que acelerem o processo de declínio de sua liderança

Desde o resultado das eleições de domingo, 29 – que apontou vitória do deputado Eduardo Braide (Podemos) em São Luís – uma horda de jornalistas vinculados ao Palácio dos Leões, e de auxiliares sem vivência política, prega retaliação pura e simples do governador Flávio Dino (PCdoB) aos que se recusaram a apoiar seu candidato, Duarte Júnior (Republicanos).

Se deixar levar por este “conselho” será mais um erro do comunista.

Em evidente declínio de liderança, com popularidade em curva descendente, imagem nacional arranhada e cada vez mais no fim do mandato, Flávio Dino precisa mostrar absoluta inteligência política para se manter como referência do grupo que está no poder.

Ficou evidente no segundo turno a rebelião na base, sobretudo por parte do PDT, do DEM e do PTB, partidos que se juntam a PCdoB, PSB e PT para formar o núcleo principal do poder de Dino.

Brigar com esses partidos é chamar nova atenção da mídia nacional, afetando diretamente a tentativa de relações que o comunista tenta construir com as lideranças destas legendas.

O PDT, por exemplo, além de sair das eleições maranhenses como o partido com maior número de prefeitos e vereadores, ocupou também o espaço do PT como referência da esquerda, o que fortalece o ex-ministro Ciro Gomes no jogo nacional.

O DEM, comandado no Maranhão pelo deputado federal Juscelino Filho, tem entre suas lideranças dois presidenciáveis: o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e o prefeito de Salvador, ACM Neto. 

Romper com estas legendas deixará Dino restrito à esquerda no plano nacional.

Mas diante de sua postura anti-petista, ele vem cada vez mais sendo hostilizado pelo partido do ex-presidente Lula; ou seja, ao comunista resta seu PCdoB e o PSB, que, no fim das contas, tendem a se fundir.

Além disso, Dino terá que conviver no plano doméstico com a liderança cada vez mais ascendente do prefeito eleito Eduardo Braide (Podemos) e com a popularidade do prefeito Edivaldo Júnior (PDT), outro que figura no rol dos possíveis candidatos de 2022.

Administrar o racha em sua base – criado ainda em 2018 na guerra surda entre Weverton Rocha (PDT) e Carlos Brandão (PRB) – ao mesmo tempo que precisa conviver com o surgimento destes novos atores, não será tarefa fácil para o governador comunista.

Ele precisará de muita inteligência para manter-se no topo.

Inteligência emocional, sobretudo…

3

Com vitória em São Luís, Braide realinha as cartas de 2022

Com postura política impecável no segundo turno, prefeito eleito sai das urnas como uma das mais importantes peças no tabuleiro da sucessão de Flávio Dino, com força para influenciar diretamente na eleição do próximo governador

 

Eduardo Braide comemora a vitória nas urnas: liderança de influencia estadual a partir da capital maranhense

A vitória de Eduardo Braide (Podemos) em São Luís começou a ser construída ainda na noite do domingo, 15, quando as urnas mostraram o segundo turno entre ele e Duarte Júnior (Republicanos) e o governador Flávio Dino (PCdoB) foi a público fazer declaração de voto.

No dia seguinte, o líder nas pesquisas conversou com diversas lideranças ligadas ao Palácio dos Leões que não pretendiam seguir a voz do governador.

A postura política impecável de Eduardo Braide – muito diferente  da que adotou em 2016 – agregou peças importantes do PDT, do PT, do PTB, do DEM, do MDB e até do PCdoB, criando um muro de proteção às investidas de Flávio Dino, o que resultou em sua eleição na noite de domingo, 29.

Eduardo Braide sai das urnas como um novo líder, pronto para influenciar diretamente as eleições de 2022.

Ao posar com Duarte Júnior em frente à prefeitura, Flávio Dino lembrou gesto de FHC em 1985; e perdeu a eleição justamente no momento em que entra na reta final dos eu ciclo de poder

Se antes houvesse quem achava que a vitória de Braide poderia capitalizar o vice-governador Carlos Brandão (Republicanos), hoje se sabe que a chegada de Duarte Júnior ao segundo turno, as investidas de Dino – e do próprio Brandão – jogaram o prefeito eleito no colo da oposição e do grupo ainda governista que hoje gravita em torno do senador Weverton Rocha (PDT).

Alinham-se hoje em torno do prefeito eleito todos os remanescentes do antigo Grupo Sarney, da ala mais ligada ao ex-governador José Reinaldo Tavares e um grupo independente, que tem no senador Roberto Rocha (PSDB) sua figura mais proeminente.

E até o atual prefeito Edivaldo Júnior (PDT) contribuiu para este processo de agregação, ao manter a neutralidade que Flávio Dino e seu grupo jamais esperavam.

Todo este conjunto de coisas tem um peso e tanto no processo eleitoral que se avizinha.

Sobretudo quando se sabe que a alvorada da gestão de Braide coincide com o ocaso da gestão de Flávio Dino, cujo por-do-sol começou a se dar agora em 2020.

É às voltas com todos estes elementos que o novo prefeito sai das urnas em São Luís.

Pronto para influenciar o Maranhão…

 

0

Wellington vai com Braide, PT vai com Braide… todos vão com Braide

Candidato do Podemos no segundo turno das eleições em São Luís ganha apoios em massa que podem se transformar em uma onda capaz de impor dura derrota ao grupo do governador Flávio Dino e seu candidato, Duarte Júnior

 

Wellington do Curso superou as divergências criadas no primeiro turno e declarou apoio a Eduardo Braide num movimento que pode virar onda

Ensaio

O deputado federal Eduardo Braide (Podemos) conseguiu um fato histórico no segundo turno das eleições em São Luís: ele reúne em torno de si apoio sem precedentes na política maranhense.

Candidato da oposição ao governo Flávio Dino (PCdoB), Braide reúne apoios que vão de ex-sarneysistas à oposição de direita, passando por representantes da esquerda e até de membros do PCdoB.

A performance do candidato de oposição nunca foi vista na história maranhense, nem mesmo nos momentos mais críticos dos estertores do sarneysismo.

Quem acompanhou a vitória de Jackson Lago (PDT) sobre Roseana Sarney (MDB) em 2006 viu uma mobilização política que envolveu todos os setores da sociedade.

Mas nem naquele tempo, o adversário do sarneysimo conseguiu arrastar para si tantos representantes do sarneysismo, que se mantiveram ao lado da en~tão, tornando difícil a disputa em segundo turno.

Nesta disputa de São Luís, Braide parece angariar mais apoios á medida que o Pala´cio dos Leões falam contra ele, numa espécie de catarse coletiva contra as amarras governamentais, iniciada com o grito de independência do deputado Dr. Yglésio Moyses (sem partido).

Militância do PT anuncia ato público de apoio a Braide no comitê do Calhau, em mais um racha na base do governo Flávio Dino

O candidato do Podemos deve arrastar para seus eventos de campanha não apenas seus aliados de primeira hora, como PSDB, PSD, PSC e PMN, mas também ícones do sarneysismo, do bolsonarismo, do pedetismo, do lulismo e do próprio dinismo, incomodados com o rugido ameaçador do Palácio dos Leões.

É um fenômeno que marca as eleições de 2020 na capital maranhense.

E pode ter significativa influência nas eleições de 2022…

1

A eloquente ação de Weverton no segundo turno em São Luís

Apesar de o PDT ter se mostrado neste segundo turno mais alinhado ao projeto do deputado Eduardo Braide – e de o próprio senador classificar  de “boato” suposto rompimento com Flávio Dino – silêncio do líder pedetista “fala” com o peso de um pré-candidato a governador

 

Weverton mantém silêncio, mas seus principais articuladores se movimentação no tabuleiro de São Luís

O senador Weverton Rocha (PDT) se manifestou rapidamente nas redes sociais desde o primeiro turno das eleições em São Luís; e apenas para declarar que seriam “boatos” supostas notícias de rompimento entre ele o governador Flávio Dino (PCdoB).

Líder das principais pesquisas de intenção de votos sobre a sucessão do próprio Flávio Dino, o pedetista nada disse sobre o segundo turno entre Eduardo Braide (Podemos) e Duarte Júnior (Republicanos), apesar de seu partido, o PDT, ter-se inclinado majoritariamente para a campanha de Braide.

Apesar da pressão de analistas e lideranças nos bastidores, Weverton deve se manter em silêncio, pelo menos por enquanto; mas este silêncio fala com a eloquência de um candidato a governador.

Suas ações – ou a aparente falta delas – dizem muito mais sobre o jogo político maranhense que o seu posicionamento oficial.

Nome de peso na aliança que dá sustentação ao governador Flávio Dino, Weverton tem posições importantes a manter no governo; e sabe que não precisa se indispor diretamente com o comunista, que já demonstrou preferência pela candidatura do vice-governador Carlos Brandão (Republicanos).

Com 42 prefeitos eleitos pelo PDT – além de outros tantos do DEM, PTB, MDB e outros partidos de sua linha de influência – o senador tem ainda apoios na bancada federal, na Assembleia Legislativa e na Federação dos Municípios.

É com este cacife que vai continuar a fazer o que sempre fez com habilidade: articulação política.

A liberação da própria base a Eduardo Braide é mostra deste poder de articulação, que apenas fortalece suas posições.

E se Flávio Dino quiser, ele que tome a ação do rompimento.

É simples assim…

4

O início do fim do governo Flávio Dino…

Segundo turno expõe fragilidade crescente do governador comunista, que tentou centralizar a base, mas só levou consigo para o apoio a Duarte Júnior auxiliares vinculados diretamente à sua vontade e aliados com perspectivas eleitorais atreladas ao Palácio dos Leões

 

Ao impor voto em Duarte Júnior, Flávio Dino expôs a fragilidade de sua articulação política, fenômeno típico dos chefes de poder em fim de mandato

Análise de conjuntura

É tradição na política que o detentor de mandato eleitoral vá diminuindo sua importância e influência à medida que se aproxima o final do seu ciclo de poder.

O governador Flávio Dino (PCdoB) começou a sentir o peso desta sentença neste segundo turno das eleições de São Luís.

Ao tentar impor sua vontade, levando a base para o apoio ao candidato Duarte Júnior (Republicanos), Dino expôs a fragilidade da aliança que o mantém no poder e precipitou o início do fim do seu governo. 

O racha na base governista ficou evidente, com partidos – inclusive o PCdoB do próprio governador – dividido entre as candidaturas de Duarte e a do oposicionista Eduardo Braide (Podemos).

É certo que a antipatia que o próprio Duarte Júnior detém na classe política teve influência direta neste racha, mas as eleições de 2022 e a sucessão de Dino já começaram a demarcar o terreno político de 2020.

Flávio Dino não conseguiu convencer – pelo menos até agora – líderes de peso no cenário maranhense, como o senador Weverton Rocha (PDT), os presidentes da Assembleia Legislativa, Othelino Neto (PCdoB), e da Câmara Municipal, Osmar Filho (PDT); e muito menos o prefeito Edivaldo Júnior (PDT).

A aliança de Neto Evangelista e Eduardo Braide levou á Rua Grande lideranças do DEM, do PDT e do próprio PCdoB no apoio ao candidato do Podemos

A adesão de governistas em massa à candidatura de Eduardo Braide redesenha o mapa eleitoral de 2022 não apenas na seara governista, mas na própria oposição.

Se conseguir – apenas com seus subordinados e aliados mais dependentes – virar o jogo em São Luís e vencer com Duarte Júnior, Flávio Dino estará garantindo ao vice Carlos Brandão o encaminhamento de sua eleição em 2022.

Se, como tudo indica, perder a eleição na capital, terá contra si um exército saído das entranhas do seu governo pronto para avançar no estado, tendo o próprio Braide entre as lideranças com influência no processo estadual.

E com o agravante de o comunista estar em fim de mandato…

1

Roberto Costa aposta na eleição de André Campos em São Luís…

Deputado estadual trabalha fortemente pela eleição do aliado no MDB, partido que apoia a candidatura de Neto Evangelista e que entrou com 17 candidatos na disputa pelas vagas da Câmara

 

Sempre ao lado de Neto Evangelista, André Campos tem o apoio aberto do deputado Roberto Costa, que visa fortalecer o MDB para 2022

Atuando fortemente na campanha do aliado Neto Evangelista (DEM), o deputado estadual Roberto Costa (MDB) tem uma missão extra nestas eleições de São Luís: ajudar a eleger o ex-diretor do Detran, André Campos, vereador em São Luís.

Campos é o nome mais forte no MDB, e deve ganhar uma das vagas, facilitada, sobretudo, pela não exigência do coeficiente partidário nas eleições de 2020.

Os eventos de campanha do candidato emedebista têm mobilizado multidões na região onde ele atua, sobretudo no Centro de São Luís

Padrinho das escolas de samba Flor do Samba e Turma do Quinto, André tem forte militância na região da Madre Deus/São Pantaleão, onde deve obter a maioria dos votos.

A vitória de André Campos deve fortalecer o projeto de poder de Roberto Costa para o MDB nas eleições de 2022.

Mas esta é uma outra história…

0

Segundo turno vira disputa entre Brandão e Weverton…

Potenciais candidatos a governador embalam seus respectivos candidatos a prefeito na tentativa de garantir vaga no segundo turno contra o líder nas pesquisas Eduardo Braide, numa prévia do que deve ocorrer em 2022

 

Mesmo com pouca capilaridade eleitoral em São Luís, Carlos Brandão tem acompanhado a campanha de Duarte júnior na tentativa de levá-lo ao segundo turno

A acirrada disputa pela segunda vaga em um cada vez mais consolidado segundo turno nas eleições de São Luís vem se transformando em uma disputa tácita entre o vice-governador Carlos Brandão (PRB) e o senador Weverton Rocha (PDT).

Brandão apoia a candidatura de Duarte Júnior (Republicanos), que segue em segundo lugar, mas tecnicamente empatado com Neto Evangelista (DEM), candidato de Weverton.

O blog Marco Aurélio D’Eça já havia mostrado que o acirramento da disputa entre Duarte e Neto levaria fatalmente a disputa a um segundo turno.

É Weverton quem está `frente dos principais eventos de campanha de Neto, numa forma de mostrar envolvimento da militância pedetista: objetivo é chegar ao segundo turno

Mas este blog também já havia apontado, ainda em maio, que a disputa em São Luís seria o primeiro round da corrida pelo Governo do Estado entre Brandão e Weverton.

O curioso é que tanto o vice-governador quanto o senador – e seus respectivos candidatos – sabem que, chegando ao segundo turno, terão que buscar apoio não apenas da base do governo Flávio Dino (PCdoB), mas também de outro personagem, em franca ascensão política; o prefeito Edivaldo Júnior (PDT).

Mas esta é uma outra história…

3

Simplício Araújo opina que Flávio Dino pode ficar até o fim do mandato

Na confirmação desta hipótese – que pode mudar o cenário político no Maranhão – secretário de Indústria e Comércio diz que o Solidariedade vai brigar pela vaga de candidato a senador na chapa governista

 

Simplício entende que apenas uma decisão de Flávio Dino pode manter a união do grupo político que tem o poder no Maranhão

Uma opinião do presidente Estadual do Solidariedade e Secretário de Industria , Comércio e Energia, Simplicio Araújo, caso concretizada, pode mudar todo o cenário político do Maranhão em 2022.

Simplicio declarou que prepara o Solidariedade para pleitear forte a vaga de senador em 2022, buscando eleger também 2 a 3 deputados federais e 6 deputados estaduais.

No entanto, a informação que mais chamou atenção foi a de que Simplicio Araújo acredita que o governador Flavio Dino (PCdoB) – “por ser uma pessoa de coragem” – pode inclusive permanecer no governo até o final do seu mandato.

Mesmo não descartando totalmente que Flavio Dino possa renunciar para concorrer ao senado ou à presidência da república, o presidente do Solidariedade acha que o Maranhão deve também considerar a hipótese de o governador permanecer até o final do seu mandato e eleger um sucessor que possa manter o grupo unido, com chances indiscutíveis de vencer a eleição.

– Só Flavio Dino que pode manter a união do nosso campo – disse ele.

Simplício Araújo disse que o cenário nacional fortalece uma possível recondução da direita ao poder, principalmente pela falta de convergência da esquerda em torno de um nome.

– No Senado ou viajando o Brasil fazendo palestras e debates, Flavio Dino tem grandes chances de manter seu nome vivo e forte no cenário nacional, no entanto se perdermos o comando do estado, as dificuldades podem prejudicar a trajetória dele – disse Simplicio Araújo.