1

Edilázio já articula aliança do PSD com PTB, PV, PSC e MDB

Presidente regional do partido, deputado federal afirma que o nome do ex-prefeito de São Luís Edivaldo Júnior será posto pelo partido à apreciação da população maranhense em 2022

 

Ao lado de Edilázio, Edivaldo mostra-se cada vez mais à vontade no PSD, partido no qual se filiará em 4 de agosto

Presidente regional do PSD, o deputado federal Edilázio Júnior já confirmou que o ex-prefeito Edivaldo Júnior é o nome do partido para a disputa pelo Governo do Estado, em 2022.

O próprio Edivaldo já confirmou que se filiará ao PSD; e revelou já ter tido conversas com o presidente nacional da legenda, Gilberto Kassab, que também deve participar da filiação do ex-prefeito.

Edilázio articula agora a formação de uma aliança para as eleições de 2022.

Trabalha com a perspectiva de ter o PTB, o PV, o PSC e o MDB, partidos que estão fora da base de apoio do Governo Flávio Dino (PSB) no Maranhão.

O projeto do PSD é ter, na mesma chapa, Edivaldo e a ex-governadora Roseana Sarney, que concorreria ao Senado.

Mas esta é uma outra história…

7

Para Fábio Câmara, Edivaldo não está preparado para o governo

Ex-vereador e ex-candidato a prefeito de São Luís, suplente de deptuado estadual diz que ex-prefeito deixou um lastro de obras “inauguradas” e inoperantes e precariedade na Saúde e na Educação de São Luís

 

Fábio Câmara fez forte oposição mão a Edivaldo e diz que ele não está preparado para governar o Maranhão

O ex-vereador e ex-candidato a  prefeito de São Luís, Fábio Câmara (PDT), criticou em suas redes sociais a inclusão do ex-prefeito Edivaldo Júnior (sem partido) no rol de pré-candidatos a governador.

Segundo Câmara, a eleição e a reeleição de Edivaldo não deveria servir como credenciais para sua pretensão de chegar ao Governo.

– A realidade educacional do município, a precariedade na saúde, cujos ícones são o hospital da criança, e um secretariado e gestão envolvidos com a polícia federal, além das porcas obras da feira da Cohabe da Fonte do Bispo, “inauguradas” e inoperantes pela quebra do princípio da eficiência apontam o fracasso da gestão de Edivaldo – explicou o ex-vereador.

Fábio Câmara fez oposição nos primeiros quatro anos de mandato de Edivaldo Júnior, o que o credenciou a disputar a prefeitura, em 2016, ficando em quarto lugar.

Para o ex-vereador, Edivaldo não tem preparo para comandar o estado.

– O fracasso em vários setores já citados atestam para quem quiser ver que E. de H. não fez por São Luís e não está preparado para fazer pelo Estado do Maranhão! – afirmou o vereador, usando na postagem uma antiga foto do ex-prefeito assustado em entrevista à rádio Mirante AM.

Edivaldo anunciou nesta terça-feira, 6, sua filiação ao PSD, que o quer como candidato a governador.

A filiação está marcada para o dia 4 de agosto…

0

Zé Reinaldo prega renúncia de Flávio Dino em favor de Brandão

Ex-governador, que coordena grupos favoráveis ao atual vice em grupos de whatsapp – e reúne aliados periodicamente para discutir os cenários eleitorais – esperava “posicionamento mais firme” do governador na reunião com aliados e diz que só o afastamento do titular, já em 2021, garantirá a unidade da base em torno de um candidato único

 

Brandão quer assumir o governo para poder trabalhar sua candidatura; José Reinaldo defende que isso ocorra logo

Quem leu o blog O Informante nesta terça-feira, 6, e conhece o contexto político maranhense, entendeu claramente o recado do post “A ‘Carta’ de Waldick e a missiva da reunião”.

Em seu final, o texto diz, claramente: “Por fim, não custa nada lembrar – apesar de isso não ter nada a ver com o ‘nosso’ cenário – um outro trechinho d’A Carta de Waldick: ‘renunciar/ seria a solução/ mas não apagaria de nossas almas cruel paixão…'”

A pregação subliminar de O Informante, principal blog do Jornal Pequeno – usando a clássica canção braileira -, é a mesma que vem defendendo o ex-governador José Reinaldo Tavares em grupos de Whatsapp alinhados ao vice-governador Carlos Brandão e em reuniões periódicas de aliados seus.

José Reinaldo entende que a unidade da base do governo Flávio Dino só ocorrerá com a sua renúncia do cargo, em favor de Brandão.

O ex-governador ficou, inclsuive, frustrado com a reunião de segunda-feria, em qeu esperava “posicioanemnto mais firme” de Flávio Dino em favor de Brnadão.

Curiosamente, dentre os pré-cadidatos, o próprio Brandão foi o mais insatisfeito com a repgaão do consenso na base.

Há pelo menos quatro semanas, o titular do blog Marco Aurélio D’Eça tem tido acesso a conversas de Tavares com amigos; em todas, ele justifica esta saída como tranquila para Dino por que, segundo o ex-governador, ele já estaria com sua eleição selada para o Senado, “em qualquer circunstância”.

A tese da renúncia de Dino – para que Brandão assuma mais de um ano antes do pleito – tem adeptos, inclusive, no Palácio dos Leões, mas ainda não havia sido publicizada, mesmo que em mensagem cifrada como a d’O Informante.

Este primeiro “toque” público sobre o que quer a dupla Tavares/Brandão seria uma reação ao desdobramento da reunião de segunda-feira, 5, em que nada foi decidido a não ser a garantia de apoio de todos os pré-candidatos e de todos os partidos à candidatura de Dino ao Senado.

Tanto Tavares quanto Brandão esperavam que Flávio Dino impusesse o nome do vice e cobrasse fidelidade dos aliados, o que, aliás, vem sendo pregado por José Reinaldo desde que voltou às boas com Dino.

Pelo andar da carruagem – e pela leitura que se tem da Carta-Compromisso assinada na reunião – a decisão sobre o “candidato único”na base de Dino deve ficar para o ano que vem.

É tudo o que José Reinaldo e Brandão não querem, já que perdem o tempo e a margem de manobra para atrair aliados.

E “A Carta de Waldick…” trazida à tona pelos aliados dos dois na mídia, só reforça o clima nos círculos mais próximos ao governador.  

1

Flávio Dino documenta compromisso de aliados com seu projeto senatorial

Carta-compromisso divulgada após reunião de segunda-feira deixa candidatos e dirigentes de partidos comprometidos com o projeto do governador, mas não estabelece qualquer compromisso do governador com os pré-candidatos à sua sucessão

 

Além de “amarrar” os aliados às suas políticas de governo, Flávio Dino também garantiu de todos, compromisso assinado com sua candidatura ao Senado

O trecho final da Carta-Compromisso do grupo liderado pelo governador  Flávio Dino (PSB) indica que a decisão sobre o candidato da base só deve ser anunciada em 2022.

O texto é claro: – só “após definição das regras eleitorais para 2022, cujo prazo máximo é outubro, vamos caminhar para deliberações, com base nos compromissos agora anunciados”.

Ora, como o próprio texto diz que o prazo máximo para definição das regras das eleições de 2022 é outubro, só a partir daí pode haver debate sobre quem é quem na base.

Como nenhuma regra ou critério para escolha do candidato foi publicada na carta compromisso – ou pelo menos não foi divulgada – o ano de 2021 se findará sem que uma decisão oficial seja tomada.

Mas que compromissos são esses?!?

Além da garantia de defesa de todas as políticas de seu governo, Flávio Dino também fez constar no documento “compromisso” de todos os presentes com a sua “pré-candidatura ao Senado”.

Se todos estão compromissados oficialmente com a candidatura de Dino ao Senado, Dino não tem compromisso algum firmado com nenhum dos postulantes ao governo.

É simples assim…

Leia a íntegra da carta abaixo:

0

O peso de Hilton Gonçalo para a eleição de 2022

Da assessoria

O prefeito de Santa Rita, Dr. Hilton Gonçalo, tem demonstrado seu grande peso político para a eleição de 2022, principalmente na região do Munim, Baixada e Sertão Maranhense. Com mais de dez prefeitos aliados, o gestor municipal tem seu nome como principal articulador da campanha dos irmãos para uma vaga na Assembleia Legislativa e na Câmara Federal.

Tendo como forte aliados os prefeitos de Rosário, Calvet Filho; Itapecuru, Benedito Coroba; Bacabeira, Fernanda Gonçalo; Pastos Bons, Enoque Mota; Sucupira, Marcone e outros importantes gestores municipais, Hilton Gonçalo tem mostrado seu conhecimento quando o assunto é articulação política.

O líder político possui dois irmãos com mandatos de deputado estadual e federal. A presença de Ariston na Assembleia Legislativa e Dr Gonçalo na Câmara Federal possibilita que Hilton Gonçalo ajude o desenvolvimento de vários municípios, e isso já pode ser vivenciado através das melhorias apresentadas nas cidades de Santa Rita, Bacabeira, São Francisco do Maranhão, Penalva e Palmeirândia com a implantação de cinco bases descentralizadas do SAMU através de indicação do deputado federal Dr. Gonçalo.

Além da indicação do SAMU, Hilton Gonçalo tem ajudado também na alocação de emendas para diversos municípios, como Rosário, Anajatuba, Humberto de Campos, Nova Iorque, Presidente Vargas, Nova Colinas, São Domingos do Azeitão além de outros.

Com isso, o líder do Grupo Gonçalo segue forte, determinado e confiante quando se fala em eleição de 2022, e afirma que muitas surpresas devem vim pela frente, e que continuará ajudando no desenvolvimento dos municípios maranhenses.

Em evento político realizado no último dia 2 de julho em São Mateus, foi percebido tamanha força politica do gestor municipal, quando foi elogiado por várias lideranças de todo o estado, pelo reconhecimento de sua forte atuação politica a favor do Maranhão.

0

Fortalecimento da oposição impõe unidade ao grupo de Dino

Bom desempenho da ex-governadora Roseana Sarney e do ex-prefeito de São Luís Edivaldo Júnior – e a articulação do senador Roberto Rocha e do prefeito de São Pedro dos Crentes, Lahésio Bonfim, acendeu sinal de alerta na base do governador

 

Edivaldo e Roseana somam juntos quase metade das intenções de votos para governador; e alcançam mais de 70% na capital maranhense

A decisão do governador Flávio Dino (PSB) de abrir diálogo com seu grupo político em busca de consenso em torno de um candidato único tem razão de ser.

As últimas pesquisas de intenção de votos mostram que a oposição tem, hoje, quase 3/4 das intenções de votos para governador – e pode criar uma chapa forte também para o Senado.

Só a governadora Roseana Sarney (MDB) registra 25% de intenção de votos.

Embora sinalize com a não-candidatura, ela tem influência direta no pleito, seja como apoiadora ou mesmo como candidata a senadora em uma chapa oposicionista.

Não bastasse a força oposicionista após oito anos de mando do grupo dinista, o ex-prefeito de São Luís, Edivaldo Júnior, confirmou seu afastamento da base governista e anunciou filiação ao PSD.

Sozinho, Edivaldo registra quase 20% das intenções de voto; e pode ter em seu palanque, além do PSD, também o PTB, o que garante excelente tempo de propaganda.

Ainda no mês de abril, em conversa pessoal com o titular do blog Marco Aurélio D’Eça, o secretário de Cidades, Márcio Jerry – principal articulador do grupo de Flávio Dino – já havia demonstrado preocupação com a tendência de racha na base.

Jerry foi um dos principais atores para evitar o esfacelamento deste grupo ainda em 2020, quando o vice-governador Carlos Brandão pressionou pela “expulsão” dos que não apoiaram seu candidato a prefeito.

Dino conseguiu, mediante documento ainda não tornado público, garantir a unidade, pelo menos até novembro.

O problema é que aliados de peso de Brandão já pregam uma renúncia de Dino para que o vice assuma logo em 2021, em busca de viabilização da própria reeleição.

Mas esta é uma outra história…

3

Com 70% de a´provação, Braide é fator importante de 2022

Prefeito já declarou que não pretende disputar o Governo do Estado, mas, com forte influência eleitoral, será fundamental na vitória do candidato que apoiar

Braide em atoo de campanha em 2022: força eleitoral e carisma popular como influência direta no processo de 2022

A pesquisa Escutec/O Estado, divulgada no fim de semana, mostrou que o prefeito Eduardo Braide (podemos) é aprovado por cerca de 70% da população de São Luís.

O índice é altíssimo para um prefeito com 6 meses de mandato, que já passou da lua-de-mel com o eleitor.

A força eleitoral de Braide será importante para candidatos a governador nas eleições de 2022, com já havia adiantado o blog Marco Aurélio D’Eça em dois postas.

O primeiro em 30 de novembro, logo após as eleições, intitulado “Com vitória em São Luís, Braide realinha as cartas de 2022…”

O outro post foi publicado em 19 de junho, com o título “Eduardo Braide ganha força e deve influenciar diretamente 2022…”

O prefeito já declarou que não pretende disputar o Governo do Estado, mas terá influência direta na eleição de quem apoiar.

Sua relação mais próxima é com o senador  Weverton Rocha (PDT), que teve importante papel nas eleições de 2020, ao garantir apoio ao prefeito no segundo turno das eleições de  São Luís.

Braide e Weverton têm conversado nos últimos meses e a bancada liada ao senador forma também a base do prefeito na Câmara Municipal.

O posicionamento de Braide só deve ser anunciado em meados do ano…

1

“Processo de escolha do candidato começa agora”, diz Flávio Dino ao convidar partidos…

Em reunião com os presidentes das 17 legendas que compõem sua base, governador vai apresentar os critérios de escolha do seu sucessor, levando em conta as regras que foram estabelecidas em 2012, 2014, 2016 e 2018 – quando o grupo venceu as eleiçoes – e ignoradas na derrota de 2020

 

Dirigentes de aprtidos e pré-candiatos irão discutir com Flávio Dino as regras para esoclha do candiato da base à sucessão de 2022

O governador Flávio Dino (PSB) vai inciar oficialmente nesta segunda-feira, 5, em reunião com os presidentes de partidos e pré-candidatos a governador, o processo de escolha daquele que ganhará o papel de sucessor em sua base.

O nome escolhido deve ser apresentado entre outubro e novembro, exatamente um ano antes do pleito e com as regras eleitorais já definidas no Congresso Nacional.

Na conversa com os dirigentes partidários, Dino repetirá o que tratou na reunião de sábado, com os pré-candidatos Carlos Brandão (PSDB) e Weverton Rocha (PDT): as regras para escolha serão as mesmas usadas em 2012, 2014, 2016 e 2018, quando o grupo teve importantes vitórias em São Luís e no estado.

O governador reconhece, inclusive, que a derrota em São Luís em 2020 se deu exatamente pelo descumprimentos das regras vitoriosas.

É exatamente para reafirmar essas regras que o governador começará a conversar com os 17 partidos da base.

A reunião está marcada para as 17 horas, no Palácio dos Leões…

0

Desempenho de Simplício deve ser visto com mais atenção

Secretário de Indústria e Comércio – que já comunicou e teve a candidatura incentivada pelo próprio governador – aparece bem posicionado nas pesquisas, chegando a 7% das intenções de votos; e sendo o que mais cresceu entre março e junho

 

Simplício Araújo já comunicou a Flávio Dino sobre a candidatura ao governo e se aproxima dos dois dígitos nas pesquisas

Em termos proporcionais, o secretário de Indústria e Comércio Simplício Araújo (Solidariedade) pode ser considerado a mais significativa surpresa da pesquisa Escutec divulgada no fim de semana.

Dependendo do cenário, ele chega a registrar até 7% das intenções de votos, mesmo não estando entre os nomes que recebem maior atenção da mídia e são tratados como opção pelo Palácio dos Leões. 

Em março, na primeira rodada da pesquisa Escutec, Simplício tinha apenas 2%; foi o candidato que mais cresceu, portanto.

Para efeito de comparação, em alguns cenários, ele está empatado tecnicamente com o vice-governador Carlos Brandão (10%) e com o senador  Roberto Rocha (8%)

É, portanto, um nome que Flávio Dino precisa observar com maior atenção dentro da base governista…

3

Flávio Dino vai reunir partidos, mas sem perspectiva de decisão

Após mais um encontro com o vice-governador Carlos Brandão e com o senador Weverton Rocha – em que nada foi decidido – governador quer ouvir agora os dirigentes partidários

 

Governador entre Weverton e Brandão, após almoço de sábado; nenhuma decisão e campanha seguindo em frente

O governador Flávio Dino (PSB) tem encontro marcado para esta segunda-feira, 5, com os presidentes dos 17 partidos que compõem a sua base de apoio.

Vai falar sobre as eleições de 2022, mas sem nenhuma perspectiva de decisão sobre candidaturas.

A reunião – adiada duas vezes, em maio e  em junho – visa buscar a unidade da base para um candidato único ao governo, mas o próprio Flávio Dino não consegue mais impor um nome sem gerar arestas.

No sábado, Flávio Dino almoçou com os dois principais candidatos da base: o senador  Weverton Rocha (PDT), que lidera as pesquisas entre os aliados, e o vice-governador Carlos Brandão (PSDB), cujos aliados dizem ser o preferido do governador.

Nenhuma decisão foi tomada durante o almoço de sábado; tanto Weverton quanto Brandão saíram do almoço direto para compromissos de pré-campanha no interior.

Com a base praticamente já toda posicionada em relação a um ou outro candidato, Flávio Dino vai ficando sem poder de articulação, uma vez que precisa, ele próprio, dos trunfos que têm Weverton e Brandão.

O senador lidera uma forte corrente partidária, que já tem sete partidos e pode chegar a 10 até as convenções; o vice-governador, por sua vez, vai assumir o mandato em abril de 2022, controlando a máquina que Dino precisará.

Diante dessas situações, o governador apenas ouvirá os dirigentes partidários, entre eles os próprios Brandão e Weverton, que comandam seus partidos no estado.

De uma forma ou de outra, reunião servirá para que se tenha ideia de quem é quem na base governista…