2

Pesquisa aponta decadência da esquerda em São Luís…

Candidatos de centro-direita disputam as primeiras colocações pela Prefeitura de São Luís, enquanto partidos como PDT e seus parceiros – que estão há 31 anos no comando municipal – amargam baixos índices de intenção de votos; e precisarão da força da máquina para alavancar seus representantes

 

Edivaldo Júnior e Flávio Dino, atual líderes do consórcio de esquerda que controla São Luís há 30 anos, vão ter que conversar muito para evitar um segundo turno entre a direita em São Luís

Ensaio

Os partidos da chamada esquerda maranhense – já há 31 anos comandando a Prefeitura de São Luís – amargam baixos índices de intenção de votos, como revelou pesquisa o Instituto Prever, divulgada neste fim de semana.

Segundo o levantamento, os quatro primeiros colocados na disputa são todos de partidos de centro-direta; e todos ligados ao governo Jair Bolsonaro.

Eduardo Braide (Podemos) ocupa a primeira colocação, com 43,1% das intenções de votos; bem atrás está Duarte Júnior (Republicanos), com 8,8%, embolado com Wellington do Curso (PSDB), com 8,7%; e Adriano Sarney (PV), com 7,2%.

Só depois começam a aparecer os candidatos da esquerda.

Bira do Pindaré (PSB) surge com 5,9%, empatado com Neto Evangelista (DEM), que tem 5,3%. 

Apesar de ser filiado ao Democratas, Evangelista tem o apoio declarado do PDT, que está desde 1989 atuando na prefeitura.

Rubens Pereira Júnior (PCdoB), outro representante do consórcio de esquerda formado por prefeitura e Governo do Estado, só aparece na nona posição, com medíocres 1,2%.

Os representantes da chamada ultra-esquerda, formada por PSTU e PSOL, registraram menos de 1% das intenções de votos, mesmo patamar do PT.

 

Favoritos ao segundo turno, Eduardo Braide, Duarte Júnior e Wellington do Curso são de partidos de centro-direita; e todos ligados ao presidente Jair Bolsonaro

Há vários fatores que podem influenciar essa rejeição pela esquerda em São Luís.

O recall da eleição do presidente Jair Bolsonaro pode ser um deles; a chamada “fadiga de material” da longa gestão pedetista pode ser outra.

E pode ser também cansaço de viver sob a égide do consórcio Prefeitura de São Luís/Governo do Estado, liderado pelo prefeito Edivaldo Júnior (PDT) e pelo governador Flávio Dino (PCdoB).

De qualquer forma, o resultado da pesquisa deve servir de alerta para os esquerdistas e anti-bolsonaristas de São Luís.

Caso contrário, terão que repetir 2016 e usar a máquina para fazer força aos seus candidatos.

Afinal, a Justiça Eleitoral acabou de dizer que nada aconteceu naquela eleição…

1

O dilema do “fica ou corre” para Rubens Pereira Jr.

Candidato com maior número de lideranças em seu palanque – do governador Flávio Dino à senadora Eliziane Gama – e com possibilidade de ter, inclusive, o prefeito Edivaldo Júnior, deputado terá pouco mais de dois meses para tentar garantir vaga em eventual segundo turno; qualquer outro resultado é uma derrota para seus apoiadores

 

Rubens é o candidato de Flávio Dino e do PCdoB, por isso atraiu e atrai tantos aliados; mesmo assim patina na casa de 1% nas pesquisas

O deputado federal Rubens Pereira Júnior é uma espécie de bomba-relógio para o grupo político liderado pelo governador Flávio Dino (PCdoB)

Pré-candidato a prefeito desde 2019 e com orçamento milionário em sua secretária de Cidades, ele não conseguiu alcançar 1% de intenções de votos em nenhuma pesquisa.

Mesmo assim, recebeu apoios importantes, de secretários de estado a deputados federais e estaduais, passando pela senadora Eliziane Gama (Cidadania); e ainda pode ter também no palanque o próprio prefeito Edivaldo Júnior (PDT). (Saiba mais aqui, aqui e aqui)

Com toda esta estrutura político-partidária, registrou 1,2% na pesquisa do Instituto Prever divulgada no último sábado, 4, amargando a nona posição entre 13 candidatos pesquisados.

O fracasso anunciado de Rubens Júnior joga pressão em seus aliados.

Mas agora ele só tem pouco mais de dois meses para mostrar que tem condições de chegar a um segundo turno; se houver.

Se ficar entre os últimos, perdeu.

Se não for para o segundo turno, perdeu.

Se desistir da candidatura, perdeu. 

É com esta pressão que poderão estar juntos, no mesmo palanque, Flávio Dino, Eliziane Gama e Edivaldo Júnior.

Todos de olho em 2022…

 

2

Pós-pandemia mantém Eduardo Braide favorito em São Luís

Interrupção de mais de três meses nas articulações de rua e no debate pré-eleitoral favoreceu o deputado federal que lidera a corrida em São Luís; quatro adversários ainda tentam se credenciar para um eventual segundo turno

 

Passado o clima mais pesado da pandemia de coronavírus em São Luís a campanha eleitoral pela prefeitura começa a dar sinais de reaquecimento.

Mas o cenário mantém-se praticamente inalterado, com o deputado federal Eduardo Braide (Podemos) na mesma posição de favorito registrada antes da pandemia.

Líder em todas as pesquisas de intenção de votos, Eduardo Braide segue com possibilidade de vencer em primeiro turno na pós-pandemia

Ao que parece, o movimento dos pré-candidatos na pós-pandemia é para garantir a condição de adversário de Braide em um eventual segundo turno; neste aspecto, despontam três candidatos principais e um quarto, que pode ocupar o espaço dependendo do cenário.

O deputado estadual Duarte Júnior (Republicanos) já apareceu em segundo lugar nas intenções de votos, segundo pesquisas divulgadas no início do ano; e deve reunir estrutura partidária capaz de mantê-lo entre os favoritos.

O também deputado Neto Evangelista (DEM) terá tempo de TV e estrutura partidária, além da força da militância do PDT na capital maranhense, o que lhe garante força eleitoral.

Junta-se aos dois o deputado federal Rubens Pereira Júnior (PCdoB) que – embora apresente apenas traço nas pesquisas – tem a força do Palácio dos Leõe e a capacidade de atração de apoios, inclusive o do prefeito Edivaldo Júnior (PDT), que, se confirmado, como o blog Marco Aurélio D’Eça aponta desde 2019, será o gesto mais significativo do primeiro turno.

A base do governo Flávio Dino tem três candidatos com chances de levar o pleito ao segundo turno: Neto Evangelista, Rubens Júnior e Duarte Júnior

Além dos três principais candidatos da base do governo Flávio Dino (PCdoB), apenas o ex-juiz federal Carlos Madeira (Solidariedade) parece despontar no período pós-quarentena em condições de brigar por um eventual segundo turno.

Além do histórico de vida pessoal e profissional, Madeira demonstrou nos últimos dias capacidade de atrair apoios políticos e sociais de peso, incluindo aliados dos próprios adversários.

Apesar da postura professoral, Carlos Madeira tem apoios estruturais e partidários que podem levá-lo a brigar pelo segundo turno

A campanha em São Luís registra, além destes cinco, pelo menos mais oito pré-candidatos.

Mas a maioria do pelotão de baixo ainda carece de conhecimento do grande público, se vê às voltas com fragilidade partidária, ou sequer tem chapa para postular a candidatura.

E sem a capilaridade pessoal e a estrutura necessária podem virar meros coadjuvantes e bobos da corte, fadados ao fracasso ainda na pré-campanha.

Ou mesmo servir de “laranja” para as “candidaturas principais” da base governista, interessadas na desconstrução do favorito.

O que, aliás, se tornou praxe nos últimos pleitos…

3

Escândalo das máscaras gera críticas à omissão de Edivaldo

Pré-candidatos lamentam o escândalo sobretudo por ocorrer em plena pandemia de coronavírus, quando a população mais precisa de ações de saúde; omissão do prefeito em relação às coisas de sua gestão não irá absolvê-lo do julgamento que a história fará de sua passagem pelo comando de São Luís

 

Edivaldo Júnior sempre teve Lula Fylho como auxiliar mais próximo; estranha, portanto, que o prefeito se omita de sair em sua defesa pública ou exonerá-lo por envolvimento no escândalos das máscaras

O deputado estadual Dr. Yglésio (PROS) fez duras críticas à postura do prefeito Edivaldo Júnior (PDT) diante do escândalo de compra de máscaras superfaturadas em mais de R$ 2,3 milhões.

– É uma omissão tremenda deixar fritar o secretário de Saúde Lula Fylho sem uma declaração de apoio. Qualquer prefeito ou apoia ou exonera – afirmou Yglésio, que é pré-candidato a prefeito.

Na manhã da terça-feira, 9, a Polícia Federal cumpriu mandado de busca e apreensão na Semus para investigar esquema fraudulento de compras de máscaras superfaturadas em empresas fantasmas.

A Justiça quebrou os sigilos fiscais e bancários de Lula Fylho; mas, três dias depois, Edivaldo Júnior mantém-se absolutamente omisso em relação ao caso.

– Lula Fylho sempre foi o auxiliar mais ativo do prefeito; foi secretário de governo, braço direito. Ou dá a nota de apoio ou exonera – cobrou o deputado.

 

Para Dr. Yglésio, a postura omissa de Edivaldo só amplia o grau do escândalo envolvendo seu principal auxiliar: “a omissão não é uma opção”, diz o deputado

A omissão e o silêncio de Edivaldo Júnior – fortes características de sua gestão, aliás – levou outros pré-candidatos a comentar o caso de corrupção envolvendo seu auxiliar.

A maior parte lamenta que o desvio de verba tenha ocorrido exatamente no momento em que a população mais precisa de ações de saúde.

– Meter a mão no dinheiro público merece punição dura em qualquer tempo; mas tirar proveito da pandemia para fazer isso, além de crime é canalhice no mais alto grau, completa falta de humanidade – pregou o jornalista Jeisael Marx (Rede), em entrevista ao blog Atual7.

Na mesma linha se posicionou o deputado estadual Adriano Sarney:

– Lamentável que suspeitas de corrupção continuem acontecendo mesmo durante a maior crise de saúde, econômica e social que São Luis está passando.

A postura fugídia de Edivaldo Júnior é uma característica que marca sua gestão desde o início; há quase oito anos ele se esconde no momentos mais críticos, omitindo-se de assumir responsabilidades e cobranças. 

Além dos pré-candidatos, a imprensa também tem cobrado posicionamento do prefeito ou de sua equipe.

O blog Marco Aurélio D’Eça já encaminhou diversos pedidos de explicações a ele próprio ou à sua equipe de comunicação; também fez comentários via WhatsApp, Instagram e Twitter.

Até agora, tanto o prefeito quanto seus auxiliares mantêm silêncio sepulcral.

Característica da gestão, repita-se…

0

Zé Inácio ganha manifesto em defesa de candidatura pelo PT

Lideranças do partido, de movimentos de esquerda e sindicatos declaram apoio à pré-candidatura do deputado estadual a prefeito de São Luís

 

Zé Inácio ganhou apoio de lideranças do PT e de segmentos da esquerda maranhense á sua candidatura, que tem apoio também de Lula

Lideranças do PT maranhense lançaram manifesto defendendo candidatura própria a prefeito de São Luís.

No documento, dirigentes municipais e estaduais, membros da executiva do partido, representantes dos movimentos sociais e sindical e demais lideranças políticas afirmam que o melhor caminho para o PT é ter um nome próprio para disputar a prefeitura da capital maranhense.

– É nesse contexto que o PT em São Luís deve ter candidatura própria, que represente o legado do partido e o modo petista de governar, com participação popular, democracia e competência, apresentando-se como alternativa viável para os ludovicenses que sonham com uma cidade mais justa e melhor, com emprego, renda e oportunidades – diz o manifesto.

As lideranças políticas afirmam ainda que o melhor nome para representar o PT na disputa para a prefeitura de São Luís é o do deputado estadual Zé Inácio.

– Apresentamos o nome do companheiro Zé Inácio, deputado estadual, como pré-candidato a prefeito de São Luís, para representar o PT nestas eleições, parlamentar atuante e comprometido com as lutas do Partido dos Trabalhadores, que tem ampla relação com os movimentos sociais e faz um mandato participativo na Assembleia Legislativa, voltado para a classe trabalhadora, para a juventude, mulheres, negros e negras, pessoas que sonham e lutam incansavelmente por um projeto democrático e popular de desenvolvimento da nossa capital, com justiça social e oportunidade para todos e todas – afirma o documento.

Zé Inácio também destacou o lançamento do manifesto e a importância da candidatura própria do PT em São Luís:

– Sou pré-candidato do Lula e da militância de esquerda e democrática de São Luís. Ele tem defendido que o PT tenha candidato nas capitais, sobretudo do Nordeste, e nas principais cidades do país. É o Lula que vai definir sobre a nossa candidatura, pois é ele quem tem estimulado candidaturas próprias do PT, como a nossa, em todo o Brasil – diz o parlamentar e dirigente nacional da legenda.

O PT, em São Luís, está em processo de definição de tática eleitoral, e o diretório nacional já publicou Resolução definindo o lançamento de candidatura própria em todas as capitais do Nordeste, o que inclui também São Luís, uma estratégia que pretende fortalecer politicamente o partido de Lula para as eleições presidenciais de 2022.