2

Flávio Dino e a sucessão de Jair Bolsonaro…

Só o fato de ser cotado como possível vice em chapas – e por lideranças tão distintas ideologicamente – revela que o governador maranhense está, de fato, inserido definitivamente no debate nacional das eleições de 2022

 

Fernando Henrique Cardoso com Flávio Dino; ex-presidente defende a aliança entre o comunista maranhense e o apresentador Luciano Huck

Editorial

Em dois dias seguidos, o governador maranhense Flávio Dino (PCdoB) foi citado por lideranças de distintos partidos – e jornalistas de peso do cenário nacional – como opção preferida na composição de chapas para a sucessão do presidente Jair Bolsonaro. 

Para alguns analistas maranhenses, essas citações diminuem o tamanho do comunista no debate presidencial, já que ele é visto apenas como bom companheiro de chapa.

O titular do blog Marco Aurélio D’Eça pensa o contrário, e entende que a inclusão de Dino como opção de diferentes tendências mostra que ele, além de estar com o nome nacionalizado, também consegue envolver diversos campos do espectro político.

Não pode ser considerado de somenos importância o fato de o governador do Maranhão – a despeito de seu desempenho aquém do esperado na gestão do estado –  ser visto como boa opção, e ao mesmo tempo, pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e pelos principais interlocutores do ex-presidente Lula e do PT.(Entenda aqui e aqui)

Também não pode ser desmerecido o fato de um representante do PCdoB – partido cujos postulados representam a antítese de tudo o que se debate em termos de desenvolvimento, hoje, no Brasil – ser cobiçado como vice por um candidato como Luciano Huck, que representa exatamente os ideais do capitalismo e dos valores empresariais paulistas.

Flávio Dino com Lula; petistas já defendem publicamente o governador maranhense como vice em uma chapa do PT, com Lula ou outro candidato

Flávio Dino conseguiu, sim, nacionalizar seu projeto de poder e entrou, definitivamente, no debate sobre a sucessão de Bolsonaro.

E o fato de ser discutido como vice, abre caminho natural para que ele possa ser discutido também como opção de candidato, sobretudo diante das incertezas que cercam o projeto de Lula, do PT e da esquerda brasileira.

É aguardar e conferir…

4

“Esse assunto jamais foi tratado”, garante Jerry sobre Dino vice de Huck

Presidente regional do PCdoB e principal interlocutor do governador do Maranhão, deputado federal considera normal a relação de atores políticos nacionais, mas diz que “os diálogos não estão no nível de montar chapa”

 

Flávio Dino e Luciano Huck já se encontraram pelo menos duas vezes para tratar de 2022, sob o testemunho do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso

O deputado federal Márcio Jerry, principal interlocutor político do governador Flávio Dino, negou ao titular do blog Marco Aurélio D’Eça que tenha havido qualquer diálogo entre o comunista e o apresentador Luciano Huck para montagem de chapa nas eleições de 2022.

– É assunto que jamais foi tratado. Os diálogos a essa altura da jornada não estão nesse nível de montar chapa – afirmou o parlamentar.

A edição on-line da revista Veja trouxe esta semana a informação do colunista Ricardo Noblat, segundo a qual Huck e Dino já se reuniram duas vezes para tratar da composição da chapa. Segundo Noblat, o apresentador quer o comunista como vice. (Saiba mais aqui)

– Flávio Dino é interlocutor de todos os atores políticos relevantes no país, e em questões administrativas até de setores governistas. Tem referência, pois. Exibe uma inegável capacidade política e também de gestor. Normal que seja procurado por vários atores políticos, inclusive pelo Luciano Huck – desconversou Jerry.

Noblat é um dos principais jornalistas do país, e tem relação pessoal com o próprio Flávio Dino. A empresa da sua mulher, inclusive, é a responsável pela articulação nacional de mídia do governo maranhense. 

A informação, portanto, deve ser levada em conta.

Mesma “desmentida” por Márcio Jerry…

0

Ao lado de FHC, Gastão Vieira analisa erros acertos de Bolsonaro

Parlamentar maranhense acompanhou reunião de deputados com o ex-presidente, numa espécie de consultoria sobre o momento atual do Brasil

 

FERNANDO HENRIQUE CARDOSO COM GASTÃO VIEIRA: troca de experiências sobre o atual momento político e econômico brasileiro

Em reunião com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), o deputado federal maranhense Gastão Vieira fez uma análise do atual momento brasileiro.

Além do parlamentar maranhense, outros deputados estiveram na reunião com FHC.

Eles analisaram o quadro econômico atual, o reflexo que a crise econômica mundial deve ter sobre o Brasil e os acertos e erros do governo Bolsonaro.

– Acho extremamente importante escutar a experiência de homens como FHC, que já estiveram à frente da condução do país e viveram momentos distintos da história política e social, em nossa trajetória para construção de uma nação mais justa – disse Gastão.

A reunião aconteceu nesta segunda-feira (07), em São Paulo…

2

Parcialidade de Moro na Lava Jato beirou a canalhice pura e simples..

Ao mostrar irritação do ex-juiz com investigação de FCH, site The Intercept reforça a ideia de que ele só estaria interessado em um objetivo: tirar Lula do caminho presidencial de 2018

 

SÉRGIO MORO TENTOU POUPAR FHC DAS INVESTIGAÇÕES DA LAVA JATO apenas para ter o apoio do ex-presidente às suas investidas contra outros políticos

Não há mais nenhuma dúvida de que o ex-juiz e atual ministro da Justiça, Sérgio Moro, manipulou documentos, pessoas e processos para chegar ao seu objetivo de tirar o ex-presidente Lula da disputa presidencial de 2018.

O que já foi revelado pelo site The Intercept mostra isso claramente.

Mas cada revelação das conversas entre Moro e os procuradores da Lava Jato mostra que a parcialidade do ex-juiz beirou a canalhice pura e simples.

A mais nova revelação – segundo a qual, Moro irritou-se com investigações contra Fernando Henrique Cardoso porque tinha interesse no apoio do ex-presidente à Lava Jato – é a prova mais cabal de manipulação do processo contra Lula.

Em qualquer país sério do mundo, Sérgio Moro não apenas já estaria demitido do Ministério da Justiça, como seus julgamentos já estariam anulados de ofício.

E não apenas ele, mas seu colega Deltan Dallagnol, já estariam atrás das grades.

Como o blog Marco Aurélio D’Eça acredita que, apesar de tudo, o Brasil é, sim, um país sério, também acredita que tudo isso ocorrerá, mais cedo ou mais tarde.

É aguardar e conferir…

6

Imagens do dia: “não é zoeira de esquerda”…

O crime ambiental da Vale em Brumadinho (MG) é um alerta de que as leis devem ser cada vez mais rigorosas neste setor, agora sob o comando leniente do governo Jair Bolsonaro, que ridiculariza a militância ambiental

 

As imagens acima são fortes aspectos do crime ambiental – e não desastre ambiental – cometido pela Mineradora Vale na região de Brumadinho, em Minas Gerais.

E a a frase que dá título ao post é do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), num alerta ao governo Jair Bolsonaro (PSL), que trata o meio ambiente como coisa menor e os militantes ecológicos como tontos.

Até quando empresas como a Vale, a Alumar e outras inúmeras indústrias químicas vão continuar a destruir o meio ambiente ao olhos de políticos lenientes e coniventes mundo a fora?!?

Que a tragédia possa fazer Bolsonaro repensar sua postura.

Pelo menos neste setor…

2

FHC prega união de candidatos contra extremos…

Em carta distribuída na internet ex-presidente faz claro posicionamento contra os candidatos Jair Bolsonaro e Fernando Haddad, pregando que o próximo governo tenha serenidade para reconstruir o Brasil

 

FHC mostra preocupação com o futuro do Brasil e prega serenidade

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) divulgou nota em seu perfil no Twitter, nesta quinta-feira, 20, em que prega a unidade dos candidatos “moderados” para evitar uma “disputa de extremos nestas eleições”.

Mesmo sem citar nomes, FHC indica que a escolha entre Fernando Haddad (PT) e Jair Bolsonaro (PSL) é sombrio.

– Ante a dramaticidade do quadro atual, ou se busca a coesão política, com coragem para falar o que já se sabe e a sensatez para juntar os mais capazes para evitar que o barco naufrague, ou o remendo eleitoral da escolha de um salvador da Pátria ou de um demagogo, mesmo que bem intencionado, nos levará ao aprofundamento da crise econômica, social e política – definiu FHC.

Abaixo, a íntegra da carta de FHC:

Carta aos eleitores e eleitoras

Em poucas semanas escolheremos os candidatos que passarão ao segundo turno. Em minha já longa vida recordo-me de poucos momentos tão decisivos para o futuro do Brasil em que as soluções dos grandes desafios dependeram do povo. Que hoje dependam, é mérito do próprio povo e de dirigentes políticos que lutaram contra o autoritarismo nas ruas e no Congresso e criaram as condições para a promulgação, há trinta anos, da Constituição que nos rege.

Em plena vigência do estado de direito nosso primeiro compromisso há de ser com a continuidade da democracia. Ganhe quem ganhar, o povo terá decidido soberanamente o vencedor e ponto final.

A democracia para mim é um valor pétreo. Mas ela não opera no vazio. Em poucas ocasiões vi condições políticas e sociais tão desafiadoras quanto as atuais. Fui ministro de um governo fruto de outro impeachment, processo sempre traumático. Na época, a inflação beirava 1000 por cento ao ano. O presidente Itamar Franco percebeu que a coesão política era essencial para enfrentar os problemas. Formou um ministério com políticos de vários partidos, incluída a oposição ao seu governo, tal era sua angústia com o possível despedaçamento do país. Com meu apoio e de muitas outras pessoas, lançou-se a estabilizar a economia. Criara as bases políticas para tanto.

Agora, a fragmentação social e política é maior ainda. Tanto porque as economias contemporâneas criam novas ocupações, mas destroem muitas outras, gerando angústia e medo do futuro, como porque as conexões entre as pessoas se multiplicaram. Ao lado das mídias tradicionais, as “mídias sociais” permitem a cada pessoa participar diretamente da rede de informações (verdadeiras e falsas) que formam a opinião pública. Sem mídia livre não há democracia. 

Mudanças bruscas de escolhas eleitorais são possíveis, para o bem ou para o mal, a depender da ação de cada um de nós.

Nas escolhas que faremos o pano de fundo é sombrio. Desatinos de política econômica, herdados pelo atual governo, levaram a uma situação na qual há cerca de treze milhões de desempregados e um déficit público acumulado, sem contar os juros, de quase R$ 400 bilhões só nos últimos quatro anos, aos quais se somarão mais de R$ 100 bilhões em 2018. Essa sequência de déficits primários levou a dívida pública do governo federal a quase R$ 4 trilhões e a dívida pública total a mais de R$ 5 trilhões, cerca de 80% do PIB este ano, a despeito da redução da taxa de juros básica nos últimos dois anos. A situação fiscal da União é precária e a de vários Estados, dramática. 

Como o novo governo terá gastos obrigatórios (principalmente salários do funcionalismo e benefícios da previdência) que já consomem cerca de 80% das receitas da União, além de uma conta de juros estimada em R$ 380 bilhões em 2019, o quadro fiscal da União tende a se agravar. O agravamento colocará em perigo o controle da inflação e forçará a elevação da taxa de juros. Sem a reversão desse círculo vicioso o país, mais cedo que tarde, mergulhará em uma crise econômica ainda mais profunda.

Diante de tão dramática situação, os candidatos à Presidência deveriam se recordar do que prometeu Churchill aos ingleses na guerra: sangue, suor e lágrimas. Poucos têm coragem e condição política para isso. No geral, acenam com promessas que não se realizarão com soluções simplistas, que não resolvem as questões desafiadoras. É necessária uma clara definição de rumo, a começar pelo compromisso com o ajuste inadiável das contas públicas.  São medidas que exigem explicação ao povo e tempo para que seus benefícios sejam sentidos. A primeira dessas medidas é uma lei da Previdência que elimine privilégios e assegure o equilíbrio do sistema em face do envelhecimento da população brasileira. A fixação de idades mínimas para a aposentadoria é inadiável. Ou os homens públicos em geral e os candidatos em particular dizem a verdade e mostram a insensatez das promessas enganadoras ou, ganhe quem ganhar, o pião continuará a girar sem sair do lugar, sobre um terreno que está afundando.

Ante a dramaticidade do quadro atual, ou se busca a coesão política, com coragem para falar o que já se sabe e a sensatez para juntar os mais capazes para evitar que o barco naufrague, ou o remendo eleitoral da escolha de um salvador da Pátria ou de um demagogo, mesmo que bem intencionado, nos levará ao aprofundamento da crise econômica, social e política.

Os partidos têm responsabilidade nessa crise. Nos últimos anos, lançaram-se com voracidade crescente ao butim do Estado, enredando-se na corrupção, não apenas individual, mas institucional: nomeando agentes políticos para, em conivência com chefes de empresas, privadas e públicas, desviarem recursos para os cofres partidários e suas campanhas. É um fato a desmoralização do sistema político inteiro, mesmo que nem todos hajam participado da sanha devastadora de recursos públicos. A proliferação dos partidos (mais de 20 na Câmara Federal e muitos outros na fila para serem registrados) acelerou o “dá-cá, toma-lá” e levou de roldão o sistema eleitoral-partidário que montamos na Constituição de 1988. Ou se restabelece a confiança nos partidos e na política ou nada de duradouro será feito.

É neste quadro preocupante que se vê a radicalização dos sentimentos políticos. A gravidade de uma facada com intenções assassinas haver ferido o candidato que está à frente nas pesquisas eleitorais deveria servir como um grito de alerta: basta de pregar o ódio, tantas vezes estimulado pela própria vítima do atentado. O fato de ser este o candidato à frente das pesquisas e ter ele como principal opositor quem representa um líder preso por acusações de corrupção mostra o ponto a que chegamos.

Ainda há tempo para deter a marcha da insensatez. Como nas Diretas-já, não é o partidarismo, nem muito menos o personalismo, que devolverá rumo ao desenvolvimento social e econômico. É preciso revalorizar a virtude da tolerância à política, requisito para que a democracia funcione. Qualquer dos polos da radicalização atual que seja vencedor terá enormes dificuldades para obter a coesão nacional suficiente e necessária para adoção das medidas que levem à superação da crise. As promessas que têm sido feitas são irrealizáveis. As demandas do povo se transformarão em insatisfação ainda maior, num quadro de violência crescente e expansão do crime organizado.

Sem que haja escolha de uma liderança serena que saiba ouvir, que seja honesto, que tenha experiência e capacidade política para pacificar e governar o país; sem que a sociedade civil volte a atuar como tal e não como massa de manobra de partidos; sem que os candidatos que não apostam em soluções extremas se reúnam e decidam apoiar quem melhores condições de êxito eleitoral tiver, a crise tenderá certamente a se agravar. Os maiores interessados nesse encontro e nessa convergência devem ser os próprios candidatos que não se aliam às visões radicais que opõem “eles” contra ”nós”.

Não é de estagnação econômica, regressão política e social que o Brasil precisa. Somos todos responsáveis para evitar esse descaminho. É hora de juntar forças e escolher bem, antes que os acontecimentos nos levem para uma perigosa radicalização. Pensemos no país e não apenas nos partidos, neste ou naquele candidato. Caso contrário, será impossível mudar para melhor a vida do povo. É isto o que está em jogo: o povo e o país. A Nação é o que importa neste momento decisivo.

Fernando Henrique Cardoso