5

Palácio pode articular influência em mais uma eleição do Tribunal de Justiça…

Opositores apontam que governador Flávio Dino tem recebido emissários de desembargadores e veem nas articulações de apoios eleitorais de 2020  uma espécie de troca com o pleito desta quarta-feira, que deve escolher a cúpula do Judiciário maranhense

 

Esta imagem acendeu o sinal amarelo entre os aliados da desembargadora Nelma Sarney, pelo risco de interferência de Flávio Dino na eleição do TJ-MA

O Tribunal de Justiça escolhe nesta quarta-feria, 18, seu novo presidente, o vice e o corregedor-geral de Justiça, em eleição do pleno marcada para as 10h.

E mais uma vez, aliados da desembargadora Nelma Sarney vêem sinais de interferência do governo Flávio Dino (PCdoB) no processo.

Disputa a vaga com Nelma Sarney o desembargador Lourival Serejo, apoiado pelo atual presidente José Joaquim Figueiredo dos Anjos.

Para os aliados de Nelma, o Palácio dos Leões tem-se utilizado do mesmo modus operandi das duas últimas eleições, quando articulou nos bastidores a derrota da desembargadora.

Os aliados de Nelma viram na imagem publicada`acima, por exemplo, em que Flávio Dino articula a desistência de sua candidata a prefeita de Humberto de Campos em apoio à candidata Gardênia Soares Almeida, filha do desembargador Luiz Gonzaga.

– Hoje estive com o governador Flávio Dino e o secretário Rodrigo Lago, onde fizemos aliança política com a vereadora Neta Machado – disse Gardênia, em seu perfil no instagram.

A publicação da imagem acendeu a luz amarela no gabinete da desembargadora Nelma Sarney, que mais uma vez pode ficar de fora do comando do TJ-MA, quebrando, de novo, a tradição do Judiciário.

É aguardar e conferir…

3

Neto Evangelista ganha força nos bastidores da base governista…

Pré-candidato do DEM a prefeito de São Luís é visto como o único nome aliado do grupo Flávio Dino/Edivaldo Júnior a reunir todas as condições necessárias para a disputa de 2020; e deve se consolidar entre os demais a partir do início do ano

 

Evangelista na convenção democrata que chancelou sua pré-candidatura: deputado tem simpatia interna desde o PDT até o PCdoB

O blog Marco Aurélio D’Eça passou a semana em conversas com lideranças políticas aliadas ao governo Flávio Dino (PCdoB) e à gestão do prefeito Edivaldo Júnior (PDT).

E ouviu de todas uma constatação: o ano eleitoral se encerra com a certeza de que a base governista tem no deputado Neto Evangelista (DEM) o único candidato a reunir todas as condições necessárias para o enfrentamento de 2020.

Bem posicionado nas pesquisas (ele divide a segunda colocação com Duarte Júnior (PCdoB)), Evangelista consegue, ao mesmo tempo – diferentemente do colega comunista – reunir as condições partidárias e a viabilidade pessoal para a disputa.

Além disso, é o candidato preferido como opção de aliança mesmo para os partidos que já têm pré-candidatos, a exemplo do próprio PCdoB e do PDT.

A selfie mostra que Evangelista está um passo à frente de outros candidatos da base; e tem o respeito de todos eles

Os principais líderes da aliança Flávio Dino/Edivaldo Júnior têm hoje uma certeza, admitida a este blog: “será muito difícil derrotar o favoritismo do deputado federal Eduardo Braide (Podemos)”. 

E sabem que, para levar a disputa para um segundo turno, é fundamental um candidato que reúna as condições eleitorais aliadas ao prestígio político pessoal e à unidade dentro da base.

Os governistas entendem que muitos reúnem uma ou outra destas características.

Mas só Neto Evangelista reúne todas elas a um só tempo…

1

Demissão de Kátia Bogéa expõe falta de interlocução nacional do MA pós-Sarney

Nenhuma das atuais lideranças políticas maranhenses tem atuação no cenário nacional com peso suficiente para ocupar espaços de poder no governo Bolsonaro; mesmo os bolsomínions ocupam apenas o 3º e 4º escalões

 

Exoneração de Kátia Bogéa no mesmo dia em que o Bumba-Meu-Boi maranhense foi eleito Patrimônio da Humanidade revela desprezo de Bolsonaro à classe política maranhense

Presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) desde 2016, Kátia Bogéa foi exonerada pelo presidente Jair Bolsonaro (Sem partido) no mesmo dia em que a Unesco elegeu o Bumba-Meu-Boi do Maranhão Patrimônio Cultural da Humanidade.

Mais do que uma perda para a arte e a cultura brasileiras a demissão de Kátia Bogéa expõe dois aspectos da política maranhense neste final de 2019:

1 – nenhuma liderança política do Maranhão conseguiu qualquer interlocução com o presidente Jair Bolsonaro neste primeiro ano de poder da extrema direita brasileira;

2 – mesmo os bolsomínions mais empedernidos conseguiram espaços apenas no terceiro e quarto escalões do governo do capitão.

Logo no início do ano, os deputados federais Hildo Rocha (MDB) e Aluísio Mendes (PTC), assim como o senador Roberto Rocha (PSDB), tentaram vender a ideia de proximidade com Bolsonaro, o que se mostrou uma inverdade ao longo do ano.

Aliás, os três posaram de padrinhos da indicação de Kátia Bogéa, que foi exonerada por questões claramente ideológicas, como revelaram sites nacionais.

Desde a aposentadoria política de José Sarney, ao fim do governo Michel Temer, o Maranhão ficou sem referência na interlocução nacional

Kátia foi nomeada presidente do Iphan em 2016, logo no início do governo Michel Temer, por influencia do ex-presidente José Sarney (MDB) – e logo mostrou-se fundamental para São Luís, viabilizando projetos como o Complexo Deodoro e a batalha pelo Bumba-Meu-Boi.

Nem mesmo os bolsomínions maranhenses – como Allan Garcês, Maura Jorge e Coronel Monteiro – conseguem espaços de poder nacional, ocupando meros cargos de representação estadual ou no quarto escalão em Brasília.

Como a outra banda da política maranhense atual é formada pelo grupo do governador Flávio Dino (PCdoB) – claramente hostil a Bolsonaro – a demissão da presidente do Iphan revela outro aspecto ruim para o estado, qual seja:

O Maranhão está isolado politicamente do Brasil na era pós-Sarney…

2

Flávio Dino agora se mostra parlamentarista?!?

Governador maranhense que quer ser candidato a presidente da República diz que é preciso ampliar a responsabilidade política do Congresso, diante da tendência de o país ter presidentes cada vez mais fracos

 

O twitter de Dino chamou atenção da mídia, mas não ficou claro se ele defende parlamentarismo ou se apenas ficou preocupado com o enfraquecimento do presidente

O governador Flávio Dino (PCdoB) fez uma postagem nesta quarta-feria, 11, que encaminha a retomada de um debate sobre a possibilidade de implantação do Parlamentarismo no Brasil.

Na postagem não fica claro se o comunista mostra-se a favor da troca de sistema político brasileiro ou se apenas faz um alerta sobre a retomada deste debate, preocupado com o enfraquecimento da instituição Presidência da República.

– Se essa tendência se confirma nos próximos anos, voltará o debate sobre o parlamentarismo como caminho institucional para gerar governabilidade, ampliando a responsabilidade política do Congresso – disse o governador.

O parlamentarismo como sistema de governo no Brasil foi derrotado no plebiscito realizado em 1993. de l[á para cá, vez por outras surgem lideranças propondo a retomada do debate.

Mas é a primeira vez que Flávio Dino fala do assunto, desde que entrou na vida pública, em 2006…

 

1

Declaração de Weverton põe em xeque candidaturas de Osmar e Rubens…

Senador declarou em Imperatriz que o seu PDT e o PCdoB irão disputar unidos as eleições de 2020 nos dois principais colégios eleitorais do Maranhão, o que demonstra a inviabilidade dos candidatos pedetista e comunista

Weverton Rocha com aliados em Imperatriz, acenando para o PCdoB e outros partidos, ainda que isso signifique o sacrifício do PDT…

Teve dois efeitos diretos a declaração do senador Weverton Rocha (PDT) sobre as eleições de 2020, durante recebimento de homenagem em Imperatriz, nesta terça-feira, 10:

1 – reafirmou sua disposição de costurar o máximo de alianças possíveis para o seu próprio projeto pessoal de disputar a sucessão de 2022, ainda que isso signifique o sacrifício de aliados nas eleições de 2020;

2 – a pouca densidade eleitoral dos pré-candidatos do PDT (Osmar Filho) e do PCdoB (Rubens Pereira Jr.) em São Luís parecem já ter esgotado a paciência de suas lideranças partidárias.

– Esse momento agora é da união; quem achar que PDT e PCdoB vão caminhar separados em Imperatriz, São Luís e outros lugares estratégicos está redondamente enganado – foi o que disse Weverton, dentro de um contexto claramente eleitoral. (Veja aqui)

O cenário dos sonhos para Weverton Rocha em 2022 seria uma candidatura a governador com apoio de candidatos eleitos por ele em 2020 nos dois principais colégios eleitorais, mas não necessariamente do seu próprio partido.

Por isso ele acena com alianças em torno do PCdoB e até de outros partidos da base, como o PP e o DEM, dos deputados federais André Fufuca e Juscelino Rezende, respectivamente.

E para chegar ao objetivo, não vê problema nenhum em sacrificar o projeto do aliado pedetista na capital maranhense.

Carlos Brandão com Duarte Júnior em plea atividade política; é o vice quem estará no significativo cargo de governador em 2022

Resta saber se o governador Flávio Dino, que tem dois aliados de peso como protagonistas do processo de 2020, em São Luís e Imperatriz – e tem outro aliado, o vice Carlos Brandão (PRB), querendo o mesmo que Rocha em 2022 – submeterá seu PCdoB ao projeto do senador.

Além disso, o próprio Brandão corre em faixa própria, buscando atrair o comunista melhor posicionado na disputa de 2020, deputado estadual Duarte Júnior, o que certamente engrossará o jogo de 2022.

E com Brandão já no cargo de governador, o que é significativo para o processo…

1

Edilázio: “Fracasso e silêncio de Flávio Dino após morte de índios”

O deputado federal Edilázio Júnior (PSD) lamentou a morte de líderes indígenas na região de Jenipapo dos Vieiras, no Maranhão, ocorridas no último sábado e cobrou respostas do governador Flávio Dino (PCdoB) a respeito de uma suposta força-tarefa, anunciada pelo chefe do Executivo no mês de novembro, quando um outro líder indígena havia sido brutalmente assassinado.

Para Edilázio, o anúncio da “força-tarefa” não teria passado de uma estratégia de marketing, após a inevitável crise no estado com os ataques contra índios.

“Estou em Madri (ESP) participando da COP-25, evento da ONU sobre mudanças climáticas, mas quero fazer o registro da minha indignação com mais dois assassinatos de índios em nosso estado. E também mostrar a falta de eficiência do governo Flávio Dino, uma vez que em menos de um mês ele foi para o twitter e para a mídia nacional dizer que estava formando uma força-tarefa para evitar que novos fatos como este ocorressem. Os casos continuam. Então fica aqui o meu repúdio a essa balela do governador Flávio Dino – até porque não há força-tarefa alguma -, e meu agradecimento ao ministro Sergio Moro por ter enviado homens da Força Nacional para acompanhar o caso”, enfatizou.

No início do mês de novembro o líder indígena Paulo Paulino Guajajara foi morto durante confronto com madeireiros na reserva Arariboia. Três dias depois, Flávio Dino anunciou a força-tarefa.

No último sábado, dois índios foram assassinados entre as aldeias Boa Vista e El Betel, próximas à rodovia BR-226. Tratam-se dos caciques Firmino Silvino Guajajara e Raimundo Bemice Guajajara. A Polícia Federal assumiu as investigações, com o apoio da Força Nacional.

1

César Pires: governo ainda deve explicações sobre os recursos do FEPA

O deputado César Pires voltou à tribuna da Assembleia Legislativa nesta segunda-feira (2) para cobrar esclarecimentos do governo estadual sobre o uso dos recursos e dos imóveis do Fundo Estadual de Pensão e Aposentadoria (FEPA). Ele defendeu a convocação do presidente do Instituto de Previdência dos Servidores do Estado do Maranhão, Mayco Murilo Pinheiro, requerida pelos parlamentares de oposição e rejeitada pela base governista.

Ele ressaltou que antes a gestão previdenciária era feita por uma secretaria adjunta de forma mais eficiente, pois o FEPA era superavitário. “Em 2017 criaram o Iprev para modernizar a gestão da Previdência estadual, mas o que fizeram foi quebrar o FEPA e ameaçar a aposentadoria de milhares de servidores.  Para onde vão os recursos do FEPA? Para onde vai o dinheiro dos aposentados do Maranhão? É uma autarquia gerenciada por incompetentes e eles devem prestar contas à Assembleia Legislativa”, argumentou ele.

César Pires ressaltou que, no momento em que se discute o sistema previdenciário em todo o país, não é aceitável que o governo do Maranhão se recuse a prestar esclarecimentos à Assembleia Legislativa. Ele lembrou que desde novembro de 2018 está requisitando informações à direção do Iprev, por meio de ofícios, e não obteve respostas sobre o uso dos recursos e dos imóveis do FEPA.

“Pedimos a relação dos imóveis que são patrimônio do FEPA, perguntamos qual o valor e o destino dado ao aluguel do prédio onde funciona a Casa das Dunas, por exemplo, mas até hoje não recebemos qualquer resposta. É um total desrespeito com o Legislativo, a quem cabe fiscalizar os atos do Executivo. Mas continuaremos cobrando esclarecimentos, pois esses recursos são do fundo previdenciário e somente a ele deveriam ser destinados, conforme previsto no artigo 11, parágrafo único da lei complementar que trata do FEPA”, enfatizou César Pires.

 

1

Festa “Ex-Marista Nunca” será marcada por música, surpresas e saudosismo

Evento que reunirá ex-alunos de uma das escolas mais tradicionais de São Luís, acontece neste sábado, às 16h, no Marista Araçagi, com shows de Argumento, Pandha S.A., Fabrícia, banda Daphne e Bicho-Terra

 

Livro que será exibido na festa de amanhã registra a presença do ex-presidente José Sarney, um dos ex-alunos do Maristas de São Luís

Depois de Maceió, Natal e João Pessoa, a megafesta oficial “Ex-Marista Nunca”, organizada pela Pororoca Produções, com direção geral do Irmão Luís André Pereira, acontece em São Luís neste sábado, às 16h, no Marista Araçagi.

O evento, com ingressos limitados para ex-alunos, familiares e amigos, será uma grandiosa e marcante confraternização de fim de ano e reunirá gerações que passaram pela instituição, incluindo autoridades que, atualmente, ocupam importantes funções no governo, políticos, empresários e profissionais das mais diferentes áreas.

Fernando Sarney também recebeu a camisa promocional da festa, que lembrará o anos de ex-alunos no Maristas

Muitos ex-alunos desembarcam do exterior especialmente para reviver o seu passado estudantil e reencontrar pessoas que fizeram parte de sua história nos tempos do colégio. Além das atrações musicais, como banda Argumento, Pandha S.A., Fabrícia, banda Daphne, Bicho-Terra e os DJs Álvaro Carneiro, Arsênio Filho e Ricardo Pacífico, o evento reserva um momento especial, o qual está sendo guardado a sete chaves.

Segundo o diretor geral do Colégio Marista Araçagi, Irmão Luís André Pereira, a festa que está mobilizando pessoas em todo o Maranhão, de outras cidades do Brasil e do exterior, contará com a presença de 150 ex-professores.

O ex-senador e ex-prefeito Mauro Fecury foi um dos mais emocionados ao receber a camiseta dos anos de Maristas

“Nós estamos preparando uma festa das mais contagiantes. Nossa intenção é promover um reencontro de amigos e entre gerações. A iniciativa é um grande sucesso em todas as cidades onde acontece e aqui em São Luís não será diferente, pois as expectativas são as melhores possíveis”, disse.

Camiseta e Flávio Dino

Flávio Dino com a camisa do evento e vários outros ex-alunos do Maristas reunidos com secretários de estado em alusão a festa

Todos os presentes usarão uma camiseta personalizada e a festa contará com a presença do governador Flávio Dino, que estudou no Marista entre os anos de 1974 e 1985.

Ele recebeu o convite com entusiasmo de uma comitiva Marista no Palácio dos Leões e, na oportunidade, gravou um vídeo em que aparece vestido com a camisa e convidando para o evento. Em outro vídeo, o governador aparece ao lado de secretários estaduais, que também fazem a mesma convocação.

“Sem dúvida, será um momento não somente de reencontro, mas, sobretudo, de fraternidade, solidariedade e para reafirmarmos bons valores e princípios em favor do Brasil”, disse Flávio Dino.

O desembargador Jorge Rachid é outro dos ex-alunos do maristas a ser contemplado com a camiseta da festa deste sábado

Segundo Ricardo Fernandes, diretor da Pororoca Produções, além do governador Flávio Dino, várias outras autoridades receberam o convite (camiseta) de forma especial, entre elas, o presidente da Academia Maranhense de Letras, Benedito Buzar, o desembargador Jorge Rachid Mubarack Maluf e o presidente do Conselho deliberativo do Grupo Mirante, Fernando Sarney. 

O presidente da Assembleia Legislativa do Maranhão, deputado Othelino Neto, também confirmou presença. Conforme a direção da escola, um dos mais ilustres alunos Marista vivo no Maranhão é o ex-presidente da República José Sarney. 

“Todos estão muito animados com o evento e revelaram seu entusiasmo em poder rever amigos e ex-colegas de turmas”, disse Ricardo Fernandes.

O Colégio Marista está presente no Maranhão há 11 anos, mas contabiliza mais de 200 anos e sua marca é conhecida em 80 países. No Brasil, a instituição formou milhares de pessoas em 110 cidades. No estado, é uma das mais modernas escolas e está em processo de crescimento.

Entre outras coisas, é a única que firmou parceria com a Universidade de Cambridge e implantará, ainda este ano, o método bilíngue.

0

O investimento kamikaze de Flávio Dino em Rubem Júnior…

Governador comunista já destinou quase R$ 200 milhões à pasta comandada pelo seu secretário de Cidades, que não consegue se deslocar de 1% nas pesquisas de intenção de votos para a Prefeitura de São Luís

 

Padrinho de casamento do secretário de Cidades, Flávio Dino quer por que quer fazer dele prefeito de São Luís

O governador Flávio Dino e o PCdoB dão mostras cada vez mais claras de que pretendem mesmo insistir na insossa candidatura do secretário de Cidades Rubens Pereira Júnior a prefeito de São Luís.

Primeiro, Dino inventou um programa para o qual destinou nada menos que R$ 100 milhões ao afilhado; e mesmo assim ele não saiu do traço nas pesquisas de intenção de votos.

O fraco desempenho de Pereira Júnior nas pesquisas vem se repetindo ao longo de 2019, culminando com a última, do Instituto Exata, em que ele aparece com apenas 1% das intenções de voto.

Agora, a mídia anuncia que Flávio Dino destinou mais quase R$ 90 milhões para Rubem Júnior usar em sua pasta e nas agências subordinadas a ele, em São Luís e Imperatriz.

Somados aos R$ 100 milhões do programa anterior e mais os R$ 76 milhões da Comunicação em 2020, Rubem Júnior terá à sua disposição, direta ou indiretamente, quase R$ 300 milhões para se viabilizar como candidato.

Mas precisa combinar com o eleitor, que se demonstra antipático ao projeto comunista…

1

Oposição a Dino e Edivaldo chega a 55% das intenções de voto em São Luís

Pré-candidatos que não rezam na cartilha do governador e do prefeito detêm a ampla maioria dos votos na capital maranhense. Mesmo com a profusão de candidatos, base governista apresenta menos de 30% dos votos

 

Wellington é o incômodo muro que separa o líder Eduardo Braide dos candidatos governistas na disputa em São Luís

Se as eleições para prefeito fossem agora, a população de São Luís veria, pela primeira vez, dois candidatos não apoiados pelo Governo do Estado ou pela prefeitura numa disputa de segundo turno.

Os deputados Eduardo Braide (PMN), com 40%, e Wellington do Curso (PSDB), com 12%, lideram a corrida pela sucessão do prefeito Edivaldo Júnior (PDT), segundo pesquisa Exata divulgada no fim de semana.

Somados ao também oposicionista Adriano Sarney (PV), que aparece  com 3%, a oposição chega a nada menos que 55% das intenções de voto.

Este índice é ainda maior quando se inclui nessa soma os votos de Jeisael Marx, que concorre de forma independente e registra 2%. E poderia ser maior se o candidato bolsonarista Allan Garcês apresentasse desempenho melhor que 0%.

O membro da base governista com melhor desempenho é o também deputado Duarte Júnior (PCdoB), que registra 11% – em condição de empate técnico com Wellington – mas não tem a simpatia nem de Flávio Dino (PCdoB), nem de Edivaldo júnior (PDT).

Ao lado do senador Weverton, Edivaldo e Flávio Dino correm o risco de ver minar seus poderes, com estratégias equivocadas em São Luís

Para efeito de comparação, o candidato declarado de Flávio Dino, Rubens Pereira Júnior (PCdoB), registra apenas 1% das intenções de voto; O nome indicado pelo PDT de Edivaldo, Osmar Filho, aparece um pouco à frente, com 3%.

Juntos, os seis pré-candidatos da base governista – Duarte Júnior, Neto evangelista (DEM), Bira do Pindaré (PSB), Osmar Filho, Dr. Yglésio (sem partido) e Rubem Júnior – somam apenas 29% das intenções de votos.

De acordo com a Exata, os índices de votos nulos e de eleitores indecisos – que chegam a 15% –  representam mais da metade de todos os votos dados aos holandinistas.

Sinais de que a dupla pode acabar perdendo o poder se insistir em estratégias equivocadas…