17

De como a história puniu a ingratidão de Flávio Dino…

Todas as lideranças políticas usadas pelo governador para chegar ao poder no Maranhão – e depois descartadas por ele – hoje se voltam contra o seu candidato a prefeito, numa derrota anunciada que tende a reverberar em 2022

 

José Reinaldo pagou com a própria carreira política a estrutura que garantiu a entrada de Flávio Dino na vida pública; depois, foi jogado pelo comunista à própria sorte

Editorial

Os arroubos autoritários do governador Flávio Dino (PCdoB) e seus auxiliares mais dependentes neste segundo turno eleitoral revelam um desespero diante de uma tragédia anunciada.

Com seu candidato debaixo do braço, ele deve perder a eleição de domingo, 29.

Mais além da derrota de Duarte Júnior (Republicanos) – que não conseguiu unir a base governista em torno de si – o segundo turno das eleições em São Luís revela a Flávio Dino como a história pune os ingratos.

Todas as lideranças políticas que ajudaram a fazer de Flávio Dino uma figura política, hoje se voltam contra ele nestas eleições: do ex-governador José Reinaldo à ex-primeira dama Clay Lago; do ex-ministro Edson Vidigal ao ex-presidente da OAB-MA, Mário Macieira.

De uma forma ou de outra, Dino usou este pessoal e os abandonou à própria sorte, preferindo buscar adoração em seus pupilos idólatras no governo e na mídia.

Mas a fatura chegou.

O apoio de Clay Lago a Eduardo Braide é simbólico do ponto de vista histórico; seu marido, Jackson Lago foi atacado duramente por Flávio Dino

A realidade imposta nas eleições de 2020 mostra que o governador comunista não tem grupo, não tem seguidores e não tem, sobretudo, conselheiros, que se decepcionaram com sua trajetória.

A pouco mais de um ano de deixar o cargo (em abril de 2022), Flávio Dino começa a perceber que a liderança que ele achava ter na verdade não existe.

Ele é apenas mais um governador que usa o mandato para forjar poder.

E geralmente, nestes casos, o poder se esvai com o fim do mandato.

Mário Macieira deu o suporte jurídico a Flávio Dino nos meios judiciais; hoje, questiona o apoio do ex-sócio a Duarte Júnior, que ele conhece bem

É óbvio que o comunista – que sonhou e ainda sonha ser liderança nacional – vai continuar a usar o cargo para criar uma bolha de poder em torno de si; mas já começa a parecer apenas uma caricatura do que foi na eleição de 2014.

E quanto mais se aproximar o fim do mandato, menor ele ficará em relação à classe política.

É a história punindo a sua ingratidão…

0

“São Luís mostrará ao governador que tem liberdade pra votar”, afirma César Pires

César Pires foi o primeiro deputado estadual a apoiar a candidatura de Eduardo Braide; e segue mobilizando apoios para seu aliado

Em forte discurso na tribuna da Assembleia Legislativa, o deputado César Pires fez duras críticas à interferência do governador Flávio Dino nas eleições municipais deste ano, principalmente em São Luís.

“Bateu o desespero e o governador age como um suserano, determinando aos seus vassalos que tentem reprimir a liberdade dos servidores públicos nos órgãos estaduais, obrigando-os a adesivar carros e a fazer campanha para seus candidatos. Mas diante da força bruta do governante, o que vai prevalecer, diante das urnas, é a consciência dos eleitores”, enfatizou César Pires.

No quinto mandato parlamentar, o deputado que já foi líder do governo e da oposição na Assembleia afirmou que nunca viu nada igual às investidas do governador, mas ressaltou que os resultados das urnas mostram que sua interferência direta não tem sido positiva para os seus candidatos.

“Mesmos com suas gravações agressivas, o governador não elegeu seus candidatos a prefeitos nos grandes redutos eleitorais do Maranhão, como Imperatriz, Caxias e Codó. E em São Luís não conseguiu manter nem unidade partidária do seu grupo. Ameaça seus asseclas, tenta amedrontar e reprimir quem se aventurar a ser contra ele. É triste ter um governo que vende a liberdade, que vende os métodos republicanos, e age dessa forma”, ressaltou o deputado.

César Pires também criticou a pressão do governo sobre o prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Júnior, que resiste em se manifestar sobre a disputa eleitoral na capital. Lembrando que o candidato Eduardo Braide disse em um debate que o governo estadual pouco atuou em efetiva parceria com o município de São Luís, o deputado ressaltou que as obras em execução em São Luís estão sendo feitas com recursos da Caixa Econômica, e do Iphan.

“Nunca vi na minha vida tanta repressão, tanta força bruta, tanta ação do Governo do Estado, para tentar bloquear a liberdade de expressão e de voto do funcionalismo público. Apanigua seu candidato de forma diferenciada, força as pessoas a tentarem votar nele, mas não vai conseguir. Será mais uma derrota acachapante do governador do Estado, aqui em São Luís”, afirmou César Pires.

O deputado concluiu seu discurso conclamando os servidores estaduais e toda a população a votar sem medo, para mostrar que o eleitor tem o poder de escolher seus candidatos de acordo com a sua consciência, sem ceder a pressões.

“A reviravolta começou. O governador Flávio Dino perdeu em todos os redutos em que botou o dedo, e sofrerá uma derrota acachapante em São Luís. O povo de São Luís está vivo, e vai eleger Eduardo Braide. Vamos comemorar a vitória do 19, a vitória da liberdade”, concluiu César Pires.

7

Presença de Dino ofusca Brandão na campanha de Duarte

Sem expressão política, sobretudo em São Luís – e decidido a deixar seu futuro político nas mãos do comunista – vice-governador se recolhe, com a certeza de que a derrota do governador representará também a sua derrota; e já enfrenta rumores de substituição por Felipe Camarão

 

Em segundo plano na campanha de Duarte, Brandão aceitou deixar sua própria carreira política nas mãos do governador

O vice-governador Carlos Brandão (Republicanos) não tem qualquer expressão política na região de São Luís; e como pretenso candidato a governador em 2022, apostou na candidatura de Duarte Júnior (Republicano) para fortalecer este projeto.

No segundo turno, porém, viu o governador Flávio Dino ocupar integralmente a candidatura de Duarte, como patrono de sua eleição.

Já decidido a deixar nas mãos de Dino todo o seu projeto político, Brandão decidiu recolher-se ainda mais; ele sabe que a derrota de Dino com Duarte representará também a sua própria derrotas em 2022.

Caso perca a eleição em São Luís, o governador dificilmente terá forças para impor ao eleitor o nome de Brandão como sucessor – nem mesmo com a posse deste como governador.

Brandão, portanto, entregou seu futuro político nas mãos de Flávio Dino; e por consequência, também nas mãos de Duarte Júnior.

E já tem agora que conviver com os rumores de substituição, como candidato, pelo secretário de Educação Felipe Camarão.

Mas esta é uma outra história…

7

Para Yglésio, Duarte “é capaz de matar para ser prefeito”…

Em duro discurso na Assembleia Legislativa, deputado chama candidato do Republicanos de “sociopata e mentiroso”, diz que ele cometeu crime contra a saúde pública “ao espalhar o coronavírus” e pede providências da Casa contra o colega

 

Yglésio foi à tribuna da Assembleia para falar de Duarte o que já falava nas redes sociais

O deputado estadual Dr. Yglésio (sem partido) fez um duro discurso na Assembleia Legislativa, na tarde desta terça-feira, 24.

Após chamar o colega Duarte Júnior (Republicanos) de “mentiroso compulsivo” e sociopata, afirmou que o parlamentar é “capaz de matar para ser prefeito de São Luís”.

Segundo Yglésio, que disputou o primeiro turno das eleições de São Luís, a prova da insanidade de Duarte é o fato de ele ter “mesmo contaminado pela coVID-19” ter saído “espalhando o coronavírus em busca de votos”.

No discurso sobrou até para o governador Flávio Dino (PCdoB); o deputado criticou o fato de Dino ter sido o primeiro a decretar lockdown no Brasil,  por causa do coronavírus, e ter aceitado “Duarte Júnior sair contaminado”.

O vídeo de Yglésio ganhou intensa repercussão nas redes sociais. (Veja acima)

10

Família afastou Rubens Júnior da campanha de Duarte…

Deputado federal comunista vinha sofrendo pressão de parentes por causa das “desculpas” dadas ao candidato republicano, que o chamou de bandido; mas a gota d’água foi o envolvimento de Flávio Dino na campanha, o que não ocorreu com ele próprio no primeiro turno

 

Por pressão de Flávio Dino, Rubens Júnior ainda tentou “perdoar” as ofensas de Duarte Júnior, mas o clima era de constrangimento entre familiares

Foi estratégica a virose que o deputado federal Rubens Pereira Júnior (PCdoB) anunciou na reta final do segundo turno em São Luís.

O blog Marco Aurélio D’Eça apurou com parentes do parlamentar que sua família estava “profundamente incomodada” com a adesão gratuita dele ao candidato Duarte Júnior (Republicanos).

Desde a segunda-feira 16, após ser pressionado pelo governador Flávio Dino (PCdoB) a declarar apoio a Duarte – mesmo após este tê-lo chamado de bandido e seus pais de ficha suja – Rubens vinha sendo pressionado a sair da campanha.

Mas a gota d’água foi o envolvimento direto de Flávio Dino nos programas de Duarte, com sucessivas declarações no próprio horário eleitoral, nas redes sociais e nas reuniões políticas do candidato.

 – O Rubens é do partido de Flávio e afilhado de alma dele; Mas Flávio nunca deu uma declaração em seu favor durante a campanha. Tivemos que pegar imagens de arquivo. Com Duarte, que atacou todo mundo, Flávio fez questão até de passear de mãos dadas pela Praça Pedro II – revoltou-se um dos tios do deputado, em “reunião” familiar no domingo, “conversa” a que o blog teve acesso.

O passeio de domingo de Flávio Dino e Duarte Júnior na praça foi o estopim para a família Pereira pedir o afastamento de Rubens do segundo turno

Foi a gota d’água para que o pai e a mãe – ex-prefeitos de Matões Rubens Pereira e Suely Pereira – aconselhassem o filho a esquecer o segundo turno.

Rubens queria ser no segundo turno de  Duarte o que  Evangelista tem sido para Eduardo Braide (Podemos), mas foi engolido pela onipresença do próprio Flávio Dino.

O deputado comunista não teve outra escolha se não sair de forma honrada, deixando ao próprio Dino o ônus de uma eventual derrota.

E a virose veio a calhar nestes dias de angústia…

7

Edivaldo resiste à pressão e fica ainda maior no fim do mandato…

Com trabalho em toda a cidade, legados em todas as áreas da gestão e popularidade nunca antes vista em um final de mandato em São Luís, prefeito fortalece imagem política ao resistir à pressão de aliados do Palácio dos Leões por apoio a Duarte Júnior

 

Edivaldo tem a popularidade certificada diariamente pela população; e resiste ao assédio de Flávio Dino e aliados pelo apoio a Duarte Júnior

Editorial

O prefeito Edivaldo Júnior (PDT) vem recebendo uma pressão sem precedentes de agentes do Palácio dos Leões – incluindo o próprio governador Flávio Dino (PCdoB) – por um posicionamento público no segundo turno das eleições em São Luís.

Até esta terça-feira, 24, porém, tem resistido bravamente.

Consciente do seu papel político e da imagem de sua gestão, o prefeito optou por se preservar da disputa pela sua sucessão e se manteve neutro no primeiro turno, aguardando que um aliado dele ou do seu partido chegasse à disputa com Eduardo Braide (Podemos).

Isso não aconteceu.

Duarte Júnior (Republicanos) passou o primeiro turno inteiro atacando a gestão do prefeito; e mesmo neste segundo turno tem desdenhado de sua atuação ainda muito mais que o próprio Braide, adversário conhecido.  

Mesmo assim, Dino e aliados têm tentado cooptar o prefeito, inclusive com argumentos mentirosos.

Não é verdade, por exemplo, que Flávio Dino tenha enfrentado o próprio grupo para eleger Edivaldo em 2012 e reelegê-lo em 2016. Pelo contrário, se dependesse do comunista, ele não seria o escolhido em 2012 e abriria mão da disputa em 2016.

Essa história foi contada em diversas ocasiões no blog Marco Aurélio D’Eça ao longo dos últimos oito anos. (Relembre aqui, aqui, aqui, aqui e também aqui)

Edivaldo se manteve neutro entre o governador Flávio Dino e o senador Weverton Rocha no primeiro turno das eleições

Edivaldo chegou à prefeitura graças à força do PDT e ao hoje senador Weverton Rocha, quando Dino e o PCdoB tinham clara preferência por Tadeu Palácio (então no PP).

Em 2016, Flávio Dino e o Palácio dos Leões chegaram a dar Edivaldo como morto, pregando a substituição dele por Bira do Pindaré (PSB); o prefeito só conseguiu manter a candidatura – e se reeleger em segundo turno – graças ao senador pedetista e seu partido, que arregaçaram as mangas em seu favor.

Edivaldo Júnior chega ao final do mandato como um dos prefeitos mais populares da história de São Luís; natural que todos queiram tirar proveito de sua força, inclusive Flávio Dino, preocupado com uma derrota acachapante em plena capital do seu estado.

O prefeito, porém, sabe do tamanho do seu legado e da força popular que terá nos futuros embates eleitorais, inclusive o de 2022. 

Seria tolice, portanto, queimar-se em uma eleição praticamente já definida.

E por um candidato que sequer reconhece o seu trabalho…

6

A ameaça de Flávio Dino e aliados ao povo de São Luís

Governador, ex-candidatos, parlamentares, secretários de governo e jornalistas ligados ao Palácio dos Leões tentam diariamente chantagear lideranças e eleitores a votar no candidato Duarte Júnior, sob pena de sofrer represálias

 

Dino tem usado todas as formas de ameaças – abertas e veladas – para tentar constranger o eleitor a votar em seu candidato em São Luís

As hostes do governador Flávio Dino (PCdoB) ultrapassaram todos os limites da democracia neste segundo turno em que o comunista decidiu apoiar o candidato Duarte Júnior (Republicanos).

Desde a declaração de apoio de Dino, ainda no domingo, 15, ele próprio, seus auxiliares, seus aliados e até jornalistas vinculados ao Palácio dos Leões passam o dia com ameaças aos que se decidiram por Eduardo Braide (PDT).

Primeiro foram os secretários Felipe Camarão (Educação) e Rodrigo Lago (Comunicação), que ameaçaram mandar pro inferno e tentaram colar em Braide a imagem de bolsonarista que o próprio Duarte assumiu em discurso.

Em seguida, o ex-candidato Rubens Júnior (PCdoB) ameaçou os eleitores de São Luís, dizendo que, sem Duarte, Dino não iria mais apoiar as ações da prefeitura na capital maranhense.

A atitude dos dinistas gerou reação até de aliados do próprio governo.

– Quer dizer que o governo pode abrigar na sua base toda espécie de fauna e flora da extrema-direita bolsonarista, mas ninguém tem o direito de ousar pensar diferente do chefe? – questionou o ex-secretário de Esportes Márcio Jardim.

Nesta segunda-feira, 23, a chantagem começou em blogs ligados ao Palácio, que replicaram ameaças abertas de demissões de auxiliares do governo que não declararam voto em Duarte Júnior.

A informação publicada nestes blogs dinistas servem, inclusive, de prova de uso da máquina em favor do candidato do Palácio dos Leões. (Veja aqui e aqui)

Mas mostra também até que ponto está disposto a ir Flávio Dino para manter, a qualquer custo, o poder político  em São Luís.

Numa grave ameaça às liberdades democráticas…

6

Apoiado por Flávio Dino, Duarte declara: “sou do partido de Bolsonaro”

Vídeo com discurso do candidato do partido Republicanos – que pertence aos filhos do presidente – veio à tona esta semana e mostra um entusiasmado deputado falando da relação com o Governo Federal

 

O discurso de Duarte Júnior para bolsonarista; hoje sou do partido de Bolsonaro”, afirma

Hoje, eu sou do partido republicanos, partido 10, partido da base do Governo Federal, partido da base do governo Bolsonaro”.

Foi assim que o deputados estadual Duarte Júnior se apresentou a um grupo de lideranças políticas – deputados, líderes partidários e até o vice-governador Carlos Brandão – logo assim que recebeu o aval do Republicanos (ex-PRB) para concorrer a prefeito de São Luís.

O discurso tinha o objetivo de mobilizar a massa bolsonarista e garantir índices nas pesquisas de intenção de votos a Duarte, até então ainda lutando para ser candidato a prefeito.

Duarte Júnior conseguiu a indicação, foi registrado candidato e ainda chegou a se reunir com aliados de Bolsonaro no Maranhão, mas foi aconselhado a deixar o discurso de lado para não ferir o governador Flávio Dino (PCdoB).

Tanto que os próprios comunistas passaram o primeiro turno a chamá-lo de candidato de Bolsonaro.

Mas o vídeo desapareceu da campanha e dos arquivos das redes sociais do candidato.

Esta semana, logo após Flávio Dino declarar apoio ao ex-auxiliar e tentar vender ao eleitor que o adversário Eduardo Braide é o candidato de Bolsonaro em São Luís, o vídeo voltou à tona. (Veja acima)

No ato de filiação ao Republicanos, Duarte Júnior recebeu alguns dos expoentes de Bolsonaro em Brasília, entre eles o candidato derrotado a prefeito de São Paulo, Celso Russomanno (à esquerda do candidato)

O PRB, ao qual Duarte é filiado, é ligado à Igreja Universal do Reino de Deus, aliada de Bolsonaro, e tem como líderes dois dois filhos do presidente, os irmãos Flávio e Carlos Bolsonaro.

Na filiação de Duarte, vários candidatos de Bolsonaro aparecem, como o deputado federal Celso Russomanno, derrotado em São Paulo.

Desde que o vídeo voltou ´[a tona, Duarte Júnior e o PRB tentam usar a Justiça Eleitoral para bani-lo das redes sociais e dos aplicativos de troca de mensagens.

Assista, portanto, enquanto é tempo…

1

Flávio Dino e seus garotos são patéticos…

Cercado de jovens candidatos a capitão do mato – dispostos a perseguir quem não seguir o chefe – governador parece não se dar conta de que seus dias seguem para o fim, momento em que precisaria provar que é um líder de verdade

 

Rubens Júnior ameaça perseguir aliados que não querem apoiar Duarte, o primeiro a persegui-los, inclusive o próprio Rubens

Por Roberto Kenard

Ao declarar apoio à candidatura de Duarte Júnior, o candidato pífio do governador, Rubens Júnior, ameaçou: quem for apoiar Eduardo Braide passará a ser adversário do governador Flávio Dino.

Esses garotos inexperientes e candidatos a coronéis do mato precisam levar umas palmadas e dormir debaixo da rede de quem entende de política. Então, vamos lá, dar uma aulinha de política para eles.

Flávio Dino tem só mais ano e meio de governo. Como não terá a reeleição pela frente, irá se desincompatibilizar para concorrer ao Senado ou para se aventurar na disputa de vice-presidente.

Ou seja, a disputa pelo governo do Maranhão em 2022 não passa por suas mãos.

A partir de 2022 ele dependerá do vice tornado governador, Carlos Brandão. Fazer chantagem ou perseguir aliados será, assim, mais um tiro no próprio pé.

Por que aliados decidiram apoiar Eduardo Braide sem medo?

É o primeiro sinal de que o governador começa a perder importância.

Por não poder mais se reeleger, quem ganha musculatura e importância são os aliados. Tratá-los mal é burrice.

Quem acha que se rebaixando irá ser escolhido como candidato a governador não sabe absolutamente nada de política.

Flávio Dino mostra-se, mais uma vez, pequeno demais para o papel de líder.

Logo, logo a realidade baterá à sua porta com a notícia indigesta: – Você não é líder, é só um governador.

E vai passar ao fim do mandato como todos os que foram insignificantes.

0

Wellington vai com Braide, PT vai com Braide… todos vão com Braide

Candidato do Podemos no segundo turno das eleições em São Luís ganha apoios em massa que podem se transformar em uma onda capaz de impor dura derrota ao grupo do governador Flávio Dino e seu candidato, Duarte Júnior

 

Wellington do Curso superou as divergências criadas no primeiro turno e declarou apoio a Eduardo Braide num movimento que pode virar onda

Ensaio

O deputado federal Eduardo Braide (Podemos) conseguiu um fato histórico no segundo turno das eleições em São Luís: ele reúne em torno de si apoio sem precedentes na política maranhense.

Candidato da oposição ao governo Flávio Dino (PCdoB), Braide reúne apoios que vão de ex-sarneysistas à oposição de direita, passando por representantes da esquerda e até de membros do PCdoB.

A performance do candidato de oposição nunca foi vista na história maranhense, nem mesmo nos momentos mais críticos dos estertores do sarneysismo.

Quem acompanhou a vitória de Jackson Lago (PDT) sobre Roseana Sarney (MDB) em 2006 viu uma mobilização política que envolveu todos os setores da sociedade.

Mas nem naquele tempo, o adversário do sarneysimo conseguiu arrastar para si tantos representantes do sarneysismo, que se mantiveram ao lado da en~tão, tornando difícil a disputa em segundo turno.

Nesta disputa de São Luís, Braide parece angariar mais apoios á medida que o Pala´cio dos Leões falam contra ele, numa espécie de catarse coletiva contra as amarras governamentais, iniciada com o grito de independência do deputado Dr. Yglésio Moyses (sem partido).

Militância do PT anuncia ato público de apoio a Braide no comitê do Calhau, em mais um racha na base do governo Flávio Dino

O candidato do Podemos deve arrastar para seus eventos de campanha não apenas seus aliados de primeira hora, como PSDB, PSD, PSC e PMN, mas também ícones do sarneysismo, do bolsonarismo, do pedetismo, do lulismo e do próprio dinismo, incomodados com o rugido ameaçador do Palácio dos Leões.

É um fenômeno que marca as eleições de 2020 na capital maranhense.

E pode ter significativa influência nas eleições de 2022…