5

Madeira prega adiamento das eleições e prorrogação de mandatos

Candidato a prefeito de São Luís defende que os recursos do Fundo Eleitoral de 2020 seja usado pelo Ministério da Saúde para ajudar no combate ao coronavírus

 

Candidato diferenciado, Carlos Madeira propõe a suspensão das eleições e abre importante debate político nacional

O candidato a prefeito de São Luís pelo Solidariedade, Carlos Madeira, propôs nesta quarta-feira, 19, em suas redes sociais, a suspensão das eleições de 2020, diante da pandemia de Coronavírus.

– Acho prudente a completa reformulação do calendário eleitoral, com a suspensão das eleições deste ano. Esse assunto somente poderá ser tratado por norma constitucional, mas uma Emenda à Constituição pode ser encaminhada ao Congresso para modificar a Constituição Federal e prorrogar os mandatos dos atuais prefeitos e vereadores por 6 meses – propôs.

Pela proposta de Madeira, as eleições de 2020 poderiam ser realizadas no primeiro semestre de 2021.

Além do adiamento das eleições, Madeira propôs que os recursos do Fundo Eleitoral de 2020 sejam usados pelo Ministério da Saúde, no combate ao coronavírus.

– Sou favorável, também, à realocação dos recursos de fundo partidário para os órgãos de saúde do País. Neste momento dramático vivido pelo País, todos os esforços e recursos financeiros devem ser voltados para proteger a saúde das pessoas, sobretudo das pessoas mais pobres – defendeu o candidato.

Juiz federal aposentado, Carlos Madeira conhece os meandros do sistema eleitoral e sua proposta mostra o seu diferencial como candidato. Mas ele vai além, propondo a união de todos para o enfrentamento da pandemia mundial.

– Devemos todos nos unir, superando convicções políticas e ideológicas; a união pela saúde e pela paz social será decisiva para enfrentarmos esse momento tão terrível de nossa história – afirmou.

O debate está aberto…

1

Com mais de R$ 700 milhões, cinco partidos não têm candidatos em SLZ

Quase a metade das 12 legendas com maior participação no Fundo Eleitoral de 2018 está ainda em articulações para composição de chapas na capital maranhense, mas sem nomes definidos para a eleição majoritária

 

Maioria dos partidos com registro na Justiça Eleitoral brasileira; eles vão dividir mais de R$ 2 bilhões em 2020

Os 12 maiores partidos do Brasil dividiram mais de R$ 1,5 bilhão dos R$ 1,7 bilhão disponibilizados pelo Fundo Eleitoral nas eleições de 2018.

Este fundo, em 2020 será de mais de R$ 2 bilhões.

Pelos números de 2018, cinco desses 12 maiores partidos – PT, PP, PL, PSD, PTB – não têm nomes disponibilizados para a eleição majoritária de São Luís.

Essas legendas levaram juntas, em 2018, nada menos que R$ 737 milhões do Fundão.

O PT, que movimentou mais de R$ 212 milhões ainda discute se lança candidato próprio em São Luís; deve fazer uma pesquisa para medir as chances do deputado estadual Zé Inácio.

Já o PP (R$ 131 milhões), o PL (R$ 113 mi), o PSD (R$ 112 mi) e o PTB (R$ 62 mi) articulam alianças em torno de um candidato de outros partidos.

O valor do Fundo Eleitoral é repassado para a direção nacional das legendas; o comando do partido prioriza os estados e cidades onde os diretórios tenham candidato próprio.

Mas o valor do fundo – juntamente com a participação na propaganda eleitoral – também é atrativo na mesa de negociações de apoios para as legendas sem candidatos próprios.

Dos 12 partidos com maior participação no Fundo Eleitoral, apenas MDB, PSDB, PSB, DEM, PRB e Solidariedade ainda discutem a possibilidade de ter candidato próprio na capital maranhense. 

Veja abaixo a participação de cada legenda no Fundo Eleitoral de 2018:

MDB – R$ 234.232.915,58

PT – R$ 212.244.045,51

PSDB – R$ 185.868.511,77

PP – R$ 131.026.927,86

PSB – R$ 118.783.048,51

PR – R$ 113.165.144,99

PSD – R$ 112.013.278,78

DEM – R$ 89.108.890,77

PRB – R$ 66.983.248,93

PTB – R$ 62.260.585,97

PDT – R$ 61.475.696,42

SD – R$ 40.127.359,42

Podemos – R$ 36.112.917,34

PSC – R$ 35.913.889,78

PCdoB – R$ 30.544.605,53

PPS – R$ 29.203.202,71

PV – R$ 24.640.976,04

PSOL – R$ 21.430.444,90

Pros – R$ 21.259.914,64

PHS – R$ 18.064.589,71

Avante – R$ 12.438.144,67

Rede – R$ 10.662.556,58

Patriota – R$ 9.936.929,10

PSL – R$ 9.203.060,51

PTC – R$ 6.334.282,12

PRP – R$ 5.471.690,91

DC* – R$ 4.140.243,38

PMN – R$ 3.883.339,54

PRTB – R$ 3.794.842,38

PSTU – R$ 980.691,10

PCB – R$ 980.691,10

PCO – R$ 980.691,10

PPL – R$ 980.691,10

Novo – R$ 980.691,10

PMB – R$ 980.691,10

Fonte: Uol Eleições 2018

2

O valor da guerra de Bolsonaro pelo PSL: R$ 700 milhões…

Presidente da República e seus filhos descobriram a mina que é a máquina partidária – com recursos dos fundos partidário e eleitoral – e decidiram se apossar da sigla, expondo aliados e o próprio governo ao ridículo

 

BOLSONARO E SUA TROPA DE CHOQUE CASEIRA: 01,02 e 03 estão de olho nos R$ 700 milhões que chegarão ao PSL até 2020

Não há nada de nobre na articulação do governo Jair Bolsonaro para tomar de assalto o PSL, partido que lhe deu legenda para concorrer a presidente em 2018.

A guerra suja que se assiste desde que Bolsonaro resolveu classificar de “queimado” o presidente da legenda, Luciano Bivar, em vídeo publicado no blog Marco Aurélio D’Eça, tem um interesse meramente financeiro.

O PSL, que já existia bem antes da entrada de Bolsonaro, vai receber até o final de 2019 nada menos que R$ 115 milhões do Fundo Partidário.

Em 2020, a bufunfa é ainda maior: algo em torno de R$ 600 milhões.

Tudo isso despertou o interesse da família agora encastelada no Palácio do Planalto.

E os filhos  01, 02 e 03 partiram pra pilhar o partido e afastar adversários.

Simples assim…

0

Banque sua campanha, político!, diz Boechat sobre Fundo eleitoral…

Jornalista da Band comenta tentativa da Câmara Federal de usar R$ 3,6 bilhões dos cofres públicos para bancar eleições e diz que médico, advogado, jornalistas e outros profissionais têm que ralar para bancar suas carreiras

 

O jornalista Ricardo Boechat deu uma aula de cidadania ao comentar a tentativa da Câmara Federal de impor ao país um fundo de R$ 3,6 bilhões a serem gastos, exclusivamente, em campanhas eleitorais dos políticos brasileiros.

– Um cidadão que quer ser médico, engenheiro, marceneiro, jornalista estuda de manhã de tarde de de noite, trabalha, pega dinheiro da família, o pai ajuda. Porquê que pra ser deputado, senador, ele tem qu pegar dinheiro dos outros, no caso os contribuintes? – questionou o jornalista, em um dos comentários mais pertinentes da história.

Para Boechat, o camarada que quer ser deputado, senador, político, ele tem é que bucar dinheiro entre os que acreditam em seu projeto, na sua família, e meter a mão no próprio bolso.

Veja o vídeo acima…

0

Eliziane Gama se posiciona contra fundo eleitoral de R$ 3,6 bilhões…

Parlamentar afirma que seu partido se posicionará contra a liberação de recursos públicos para bancar campanhas políticas; ela também é contra o modelo de votação chamado “Distritão”

 

Eliziane Gama: Fundo é desrespeito

A deputada federal Eliziane Gama (PPS) declarou ser inconcebível que, num momento de crise econômica brasileira, país se disponha a gastar nada menos que R$ 3,6 bilhões com financiamento de campanhas eleitorais.

– Em um momento de crise, quando falta dinheiro para educação, para a saúde, infraestrutura, é um contrassenso aprovar financiamento público de R$ 3,6 bilhões para campanhas políticas. O nosso partido votará de forma muita clara esta questão e se posicionará contra – disse a parlamentar maranhense.

O fundo de R$ 3,6 bilhões foi aprovado na comissão especial da Reforma Política e deve ser votado ainda esta semana em plenário.

Eliziane garantiu que a bancada do seu partido, o PPS, votará contra essas medidas…