3

ONU foi rechaçada ao querer saber da relação de Bolsonaro com a Ditadura

Comissários das Nações Unidas encaminharam cartas ao Itamaraty brasileiro e foram aconselhados a “não se meter em assuntos domésticos”; numa sala em Genebra, tiveram o silêncio como resposta à pergunta sobre o golpe de 1964

 

BOLSONARO COM O FILHO 03 E SEUS DIPLOMATAS NA ONU; mundo alarmado com declarações autoritárias em defesa do golpe militar

A declaração do filho do presidente Jair Bolsonaro sobre a possibilidade de reimplantar no Brasil um dispositivo como o AI-5 – ato mais terrorista da Ditadura Militar – chocou todos os países com assento na Organização das Nações Unidas.

Mas não é de hoje que a ONU se preocupa com o flerte dos Bolsonaro com o autoritarismo.

Desde que o presidente assumiu, comissários da ONU e diplomatas que servem nas Nações Unidas se preocupam com os riscos de o Brasil virar novamente uma ditadura.

E as respostas que ouvem dos representantes brasileiros só aumentam esta preocupação.

Em junho, durante um encontro em Genebra, os diplomatas brasileiros se recusaram a responder a uma pergunta se o Brasil atual considerava ou não 1964 como um golpe militar.

Além disso, a ONU encaminhou duas cartas ao governo Brasileiro com cobranças sobre a relação de Bolsonaro com a Ditadura.

Numa delas, recebeu resposta mal educada:  Brasília alertou o relator a não se meter em assuntos domésticos; e insistiu que 1964 se justificava.

A outra carta – que tratava sobre as declarações de Bolsonaro a respeito de Fernando Santa Cruz, morto pelo Regime Militar – sequer foi respondida.

Nesta quinta-feira, 31, quando o Bolsonaro 03 defendeu o AI-5 e a possibilidade de reimplantá-lo no Brasil mais uma vez, o mundo se alarmou.

Mas agora, já acostumado com a grosseria do atual governo brasileiro, preferiu só acompanhar aà distância a boçalidade do filho do presidente.

Que chegou a ser cotado para virar diplomata…

Com informações do UOL

5

Ex-presidentes já haviam alertado sobre risco à democracia…

Em carta do cárcere, Luiz Inácio Lula da Silva encaminhou aos colegas Fernando Henrique Cardoso, Dilma Rousseff e José Sarney – via governador Flávio Dino – preocupação com os rumos que Jair Bolsonaro está levando o Brasil

 

SARNEY, LULA, DILMA E FHC: EX-PRESIDENTES CADA VEZ MAIS PREOCUPADOS, com a sanha golpista dos filhos de Jair Bolsonaro

O blog Marco Aurélio D’Eça publicou em 1º de junho, a informação de que o governador Flávio Dino iria se encontrar com o ex-presidente Lula, em sua prisão na capital do Paraná, Curitiba. (Relembre aqui)

Dezoito dias depois, este blog traz novo post sobre o tema, com o título “Lula encaminhou por Flávio Dino recado ao ex-presidente José Sarney…”.

O próprio Flávio Dino confirmou a história no dia 26 de junho, em seu perfil no Twitter – também reproduzido no blog Marco Aurélio D’Eca – e revelou a preocupação com o país já naquele momento.

– Hoje conversei com o ex-presidente José Sarney sobre o quadro nacional. Apresentei a ele a minha avaliação de que a democracia corre perigo, em face dos graves fatos que estamos assistindo – disse Dino, confirmando os mesmos termos usados por este blog. (Relembre aqui)

O governador confirmou que esteve também com FHC para expressar essa mesma preocupação.

Cinco meses depois, o filho de Jair Bolsonaro vai a público para dizer que defende a implantação de um novo Ato Institucional Nº 5 para frear eventuais pretensões da esquerda no Brasil, um absurdo que só reforça o temor que é ter esta família no poder. (Saiba mais aqui)

Sarney se manifestou ontem mesmo sobre essa criminosa declaração; falta o posicionamento de Fernando Henrique Cardoso.

E de todas as pessoas que acreditam na democracia brasileira…

2

Bolsonaro 03 pede desculpas por apologia ao AI-5, mas pode ser cassado…

Deputado insistiu por toda a tarde na defesa de atos da Ditadura Militar – e até postou elogios do pai ao torturador Brilhante Ustra – e só voltou atrás após forte repercussão negativa; Rede vai pedir a perda do seu mandato

 

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) passou toda a tarde desta quinta-feira, 31, reforçando sua defesa do Ato Institucional nº 5, dispositivo violento da Ditadura Militar.

Em suas redes sociais, ele chegou a postar um vídeo antigo, em que o pai, Jair Bolsonaro, faz elogios ao coronel Brilhante Ustra, considerado o maior torturador do Regime Militar.

Só após forte repercussão das suas declarações, o 03 gravou vídeo em que pede desculpas ao povo brasileiro.

Mas a Rede Sustentabilidade já anunciou que vai dar entrada a um pedido de cassação do mandato do deputado Bolsonaro.

Segundo o deputado Alessandro Molon (Rede-RJ), Eduardo Bolsonaro usou a imunidade parlamentar para atacar a Constituição e tentar destruir a democracia, por isso merece ter o mandato cassado.

O pedido de cassação será protocolado na Câmara Federal já na próxima segunda-feira, 4…

0

Com o Brasil sob risco de golpe, José Sarney sai em defesa da Democracia…

Ex-presidente se mostra perplexo com a ameaça do deputado Eduardo Bolsonaro, de implantar um novo AI-5 no Brasil, e diz lamentar que um parlamentar que assuma jurando a Constituição pense em tentar violá-la

 

JOSÉ SARNEY COM JAIR BOLSONARO E SEUS GENERAIS; o atual presidente tem muito o que aprender com o ex sobre democracia e respeito aos militares

O ex-presidente da República e ex-presidente do Senado José Sarney (MDB) emitiu nesta quarta-feira, 31, Nota em Defesa da Democracia, mostrando preocupação com as declarações do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Eduardo declarou à jornalista Lêda Nagle, em vídeo divulgado nesta quinta-feira, 31, que o governo do seu pai pode recorrer à implantação de um novo AI-5 se “a esquerda radicalizar” no país.

O Ato Institucional número 5, defendido pelo Bolsonaro 03, foi o pior ato da Ditadura Militar, que levou à perseguição política, à cassação das instituições democráticas à expulsão e à morte de brasileiros.

Para Sarney, que presidiu a transição democrática, foi relator da Emenda Constitucional que extinguiu o AI-5 e convocou a Constituinte que estabeleceu o Regime Democrático como primeira cláusula pétrea no Brasil., é lamentável a postura do filho do presidente.

– Presidi a Transição Democrática, que convocou a Constituinte e fez a Constituição de 1988. Sua primeira cláusula pétrea é o regime democrático. Lamento que um parlamentar, que começa seu mandato jurando a Constituição, sugira, em algum momento, tentar violá-la – posicionou-se o ex-presidente.

Sarney pregou a união do país em qualquer desestabilização das instituições e disse acreditar que expressa exatamente o sentimento do povo brasileiro.

– Inclusive das nossas Forças Armadas, que asseguraram a Transição Democrática, que sempre proclamei que seria feita com elas, e não contra elas – concluiu.

Abaixo, a íntegra da Nota de José Sarney:

Em defesa da Democracia

Fui o Relator no Congresso Nacional da Emenda Constitucional que extinguiu o AI-5, enviada pelo Presidente Geisel.

Presidi a Transição Democrática, que convocou a Constituinte e fez a Constituição de 1988. Sua primeira cláusula pétrea é o regime democrático.

Lamento que um parlamentar, que começa seu mandato jurando a Constituição, sugira, em algum momento, tentar violá-la.

Devemos unir o País em qualquer desestabilização das instituições. E sei que expresso o sentimento do povo brasileiro, inclusive das nossas Forças Armadas, que asseguraram a Transição Democrática, que sempre proclamei que seria feita com elas, e não contra elas.

José Sarney

Ex-Presidente da República

3

Riscos de golpe cada vez mais acentuados no Brasil…

Insultos cada vez mais virulentos do presidente às instituições e organismos livres brasileiros e a radicalização de aliados do seu entorno acenam para a possibilidade de o Brasil voltar aos anos de chumbo; e o que é pior: com apoio de parte da população

 

Editorial

As duas novas crises envolvendo o presidente Jair Bolsonaro, instituições como o Supremo Tribunal federal, e a imprensa livre acentuou um viés perigosos em seu entorno.

É cada vez mais aberta entre os mais próximos a Bolsonaro a defesa de um golpe de estado que faça o presidente permanecer no poder de qualquer forma.

Na terça-feira, 29, Bolsonaro agrediu o Supremo Tribunal Federal ao divulgar um vídeo em que aparece como um leão e a Corte Suprema é retratada como uma das hienas a persegui-lo.

A agressão sistemática à Rede Globo já é conhecida, mas é preocupante a ameaça radicalizada do presidente, que usou termos como “patifaria” e “canalhice” para criticar a reportagem que revelou depoimento de um caseiro do seu condomínio é preocupante.

Desde o início do governo, agentes bolsonaristas, como Olavo de Carvalho, e os próprios filhos do presidente, pregam o que chamam de “ruptura” com as instituições, ameaçam fechar o Congresso e banir partidos de esquerda.

O pior de tudo é que ainda existe um verdadeiro exército popular pronto a sair em defesa das atitudes de Bolsonaro, sejam elas quais forem – muitos dos quais defendem mesmo a absurda volta dos militares ao poder.

Felizmente, a sanha golpistas dos agentes bolsonaristas – e do próprio presidente, cada vez mais convencido de que é uma vítima da imprensa, da esquerda e das instituições – não encontra eco na caserna, entre os generais, muitos dos quais já decepcionados pela sua performance.

Mas que o risco está cada vez mais iminente, ninguém pode negar…

0

Coronel Monteiro acusa Flávio Dino de truculência para impedir evento pró-Militares na AL…

Palestra seguida de debate sobre o Golpe Militar der 64 – que os organizadores chamam de “revolução” – foi transferido para a Ufma, atualmente sob o controle do governo Jair Bolsonaro

 

ALIADO DE BOLSONARO, CORONEL MONTEIRO CONSEGUIU NOVO ESPAÇO PARA DEBATE sobre o golpe militar de 64, que ele chama de Revolução

O coronel Monteiro Segundo, coordenador do movimento “Endireita Maranhão” acusou diretamente o governador Flávio Dino (PCdoB) pela não liberação da Assembleia Legislativa para um evento sobre o golpe militar de 1964.

– Infelizmente o evento não ocorreu pela truculência e ditatorial interferência do governador Flávio Dino, que determinou ao Othelino que não cedesse a “casa do Povo” para este debate democrático – afirmou Monteiro, ao blog Marco Aurélio D’Eça.

O evento organizado organizado pelo “Endireita Maranhão” teria o próprio Coronel Monteiro como palestrante. Foi anunciado na Assembleia Legislativa para a última quinta-feira, dia 4. (Relembre aqui)

No mesmo dia em que este blog publicou a informação, porém , o presidente Othelino Neto (PCdoB) descartou a cessão da Casa, e classificou de “aviltante eventos que celebrem a ditadura militar”.

Agora, o evento está marcado para a sexta-feira, 12, a partir das 15h30, no auditório do Centro de Ciências Humanas (CCH) da Universidade Federal do Maranhão (Ufma).

Além do debate, será apresentado o filme “1964-entre armas e livros”…

2

A construção de um golpe de estado…

História do Brasil mostra que o enfraquecimento da classe política, a desmoralização do Judiciário e a aparente convulsão social são construções midiáticas preparatórias para intervenções militares que sempre acabaram em ditadura e perseguições

 

Tanques de guerra nas ruas com apoio popular; o povo foi levado a acreditar que seria bom

As duas declarações de generais do Exército – praticamente uma atrás da outra – sobre o momento político do Brasil, acenderam no fim de semana o sinal de alerta em todos os que lutaram para construir e ainda lutam pela consolidação da democracia no país.

O comandante do Exército, general Villas Boas, afirmou ao jornal Folha de S. Paulo que, diante da crise política instalada no país, é possível que o próximo presidente não tenha a legitimidade necessária para governar. (Leia aqui)

Antes dele, o vice de Jair Bolsonaro (PSL), general Hamilton Mourão, admitiu que um eventual governo pode dar um autogolpe se considerar momento de anarquia no país. (Relembre aqui)

Os que viveram a época pré-ditadura militar no país, no início dos anos 60, testemunham que viveram clima parecido com o que atualmente existe no Brasil.

Os golpes de estado e as ditaduras são sempre antecedidas por três fatos correlacionados, todos construídos midiaticamente:

1 – A manipulação das massas com notícias de caos social e econômico, exatamente como ocorreu a partir de 2013, ainda no governo Dilma;

2 – O enfraquecimento da classe política, que se deu com o advento da Lava Jato e a sequência de líderes presos, denunciados ou processados na Justiça

2 – A desmoralização do Judiciário, com revelações na mídia de posições supostamente imorais ou análise crítica de votos ou do perfil de seus membros.

Lula sendo levado preso para Curitiba; líder popular impedido de disputar a presidência

Todos estes três pontos já ocorreram no Brasil pós-Lula, mas precisa outros fatores fundamentais: a envolvimento da mídia, o apoio do mercado e, sobretudo, do império americano.

É com a garantia destes três entes que o golpista se sente a vontade para dissolver o Congresso, destituir o Judiciário e assumir o comando supremo de um país.

E estes já se fizeram presentes no Brasil atual.

Está claro que a mídia quatrocentona, o mercado e o império, unidos, já se mobilizam para impedir a vitória da esquerda nas eleições de outubro.

Mas se não conseguirem, o golpe já está preparado…

Leia também:

As três fases do golpe no Brasil…

A mãe de todos os golpes…

Golpe contra Lula caminha para o STF…

5

Um Brasil que ninguém quer…

Ao admitir à GloboNews um golpe de estado, caso entenda haver anarquia no Brasil, o vice da chapa de Jair Bolsonaro, General Mourão, acena com um país de volta aos anos de chumbo, quando muitos morreram apenas por discordar do governo

 

ELE NÃO TOMA JEITO. Enquanto Bolsonaro faz gesto de armamento em hospital, seu vice já admite golpe militar no Brasil

 

O candidato a vice-presidente na chapa de Jair Bolsonaro, general Mourão, admitiu, em entrevista à Globo News, que pode haver um autogolpe com apoio das forças armadas, se eles sentirem que há anarquia no Brasil. (Leia a matéria aqui)

A tradução óbvia é: se eles considerarem que há convulsão social, fecham o Congresso e o STF; e o Exército vai pras ruas.

E qualquer um que for contra, leva cacete e cadeia.

Este é o problema: o que para Bolsonaro e seus soldados pode ser considerado uma anarquia?

Nos anos de chumbo da Ditadura – quando o Brasil também foi escravizado por militares – qualquer manifestação crítica contra o governo era considerado ultraje.

E muitos morreram por causa disso.

Agora, quando se vê que um auxiliar de um possível presidente diz estar preparado para fechar tudo, a população que não segue o rebanho precisa ficar alerta.

Porque este é o Brasil que ninguém quer…

4

Maranhense que atuou na 2ª Guerra ainda espera anistia do governo…

Ruy Moreira Lima: para a FAB, um subversivo

É maranhense um dos três pilotos da Força Aérea Brasileira que lutaram na 2ª Guerra Mundial e ainda estão vivos.

Natural de Colinas, o major-brigadeiro Ruy Moreira Lima só conseguiu esta patente em 1992. E hoje, aos 92 anos, ainda espera a patente de tenente-coronel-brigadeiro.

A história de Ruy Moreira Lima começa em uma pequena fazenda, no interior de Colinas, em 1934, quando ele decidiu seguir para o Rio de Janeiro e estudar no Colégio Militar.

– No dia 6 de outubro de 1944 entramos em combate. Eu completei 94 missões na Europa. Em três delas, quase morri – conta o brigadeiro, hoje morador do Rio de Janeiro e torcedor fanático do Fluminense.

De volta ao Brasil, o ex-combatente foi nomeado comandante da Base Aérea de Santa Cruz, em 1962, às vésperas do golpe militar. Paradoxalmente, foi exatamente o golpe militar o que mais lhe prejudicou. Fiel aos princípios do pai, de que “um soldado jamais conspira contra a pátria”, o brigadeiro não apoiou a revolta e foi cassado pelo regime militar.

Preso três vezes pela Ditadura, torturado e cassado, o maranhense foi também proibido de voar.

Em 1992, o piloto foi, finalmente, pomovido a major-brigadeiro. Mas a promoção a tenente-coronel ele ainda espera.

Enquanto isso, mantém o vigor físico com caminhadas pelo Bairro Peixoto, no Rio.

Sempre ao lado da mulher, Julinha, de 88 anos…

Leia Também:
“Os últimos subversivos” – revista IstoÉ.