3

Dividida entre sarneysistas e dinistas, comunicação do governo Brandão ainda bate cabeça

Parte da mídia é controlada e orientada pelo secretário de Comunicação Ricardo Capelli, homem de confiança do ex-governador Flávio Dino; a outra parte segue alinhada ao jornalista Sérgio Macedo, ex-secretário do governo Roseana Sarney e ex-superintendente do Grupo Mirante

 

Capelli é o homem d e confiança de Flávio Dino no governo Brandão; patrulhador, gera insatisfação em jornalistas alinhados ao projeto do governador-tampão

Passados quase 20 dias da posse do governador-tampão Carlos Brandão (PSB), a comunicação construída em torno dele parece não estar funcionando como esperava os comandantes de sua campanha pela reeleição.

Há uma clara divisão entre dinistas e sarneysistas no setor de marketing e mídia do governo, que traz reflexos na divulgação das ações do governador e do candidato nos setores da imprensa.

De um lado está o secretário de Comunicação Ricardo Capelli, homem de confiança do ex-governador Flávio Dino (PSB); de postura beligerante, Capelli patrulha abertamente veículos de comunicação e jornalistas que se alinham ao projeto dinobrandonista.

Sérgio Macedo é ligado ao grupo Sarney e atua basicamente nos bastidores da imprensa, com construção de pautas para a mídia alinhada

Do outro lado fica o chefe da comunicação de campanha do governador-tampão, o ex-secretário Sérgio Macedo; ligado ao antigo grupo Sarney, Macedo é mais afável que Capelli, porém duro no jogo da discórdia e da criação de pauta negativas contra adversários.

O problema é que os setores da mídia que seguem cada um dos dois comunicadores mostram-se sem rumo, tentando encontrar um discurso único que possa embalar o governador e o candidato ao mesmo tempo.

Enquanto não se alinham os discursos, Brandão vai vendo passar os dias dos 90 que separam sua gestão da pré-campanha, quando já não poderá agir como governador e candidato ao mesmo tempo.

E quanto mais tempo passa, pior para o tampão…

1

A difícil missão da terceira via no Maranhão

Cada vez mais distantes do bloco principal de candidatos – liderado pelo senador Weverton Rocha – o senador  Roberto Rocha, o deputado federal Josimar Maranhãozinho, o ex-prefeito Edivaldo Júnior e o prefeito Lahésio Bonfim precisam encontrar um rumo para ainda sonhar com o segundo turno sonhado pelo Palácio dos Leões

 

Flávio Dino e Ricardo Capelli sonham em tirar Weverton Rocha do segundo turno, mas os candidatos esperados por ele não conseguem deslanchar nas pesquisas

A pesquisa Escutec divulgada nesta terça-feira, 22, pelo Grupo Mirante frustrou a cúpula do Governo Flávio Dino (PSB).

O Palácio dos Leões sonha – e trabalha – para tirar o senador Weverton Rocha (PDT) do segundo turno, para que o vice-governador Carlos Brandão (PSDSB) enfrente um nome alternativo, da chamada terceira via.

Mas, além de mostrar Weverton consolidado em primeiro lugar – com índices que podem variar entre 19% e 25% das intenções de voto – a pesquisa revelou que o bloco de candidatos que poderiam representar a chamada terceira via está cada vez mais distante da disputa pelo segundo turno.

O ex-prefeito de São Luís, Edivaldo Júnior (PSD) aparece em terceiro lugar, com 12%, empatado tecnicamente com o senador  Roberto Rocha (PSDB), com 11%, mas a distância para Brandão – que pode ter entre 16% e 22%, dependendo da margem de erro – aumentou consideravelmente.

Já os outros dois candidatos alternativos, Lahésio Bonfim (Agir) e Josimar Maranhãozinho (PL) mostram-se ainda mais distantes, com 6% e 5%, respectivamente.

Os números da Escutec/Imirante confirmam as análises do blog Marco Aurélio D’Eça e mostram que a eleição está polarizada entre Weverton e Brandão, que tendem a disputar cabeça a cabeça o grosso do eleitorado.

Mesmo levando em consideração o número de indecisos, a missão da terceira via torna-se cada dia mais difícil, à medida que se aproximam as convenções.

E não adianta os agentes do Palácio dos Leões forçar a barra para criar artificialmente uma competitividade que não existe neste bloco de candidatos.

Os números não mentem… jamais. 

5

Escutec confirma eleição polarizada entre Weverton e Brandão…

Senador mantém a liderança da corrida pelo Governo do Estado, mas agora tendo o vice-governador como principal adversário, assim como já havia antecipado o blog Marco Aurélio D’Eça

Weverton mantém liderança e Brandão agora ocupa o segundo lugar isolado, confirmando a polarização prevista no blog Marco Aurélio D’Eça

A primeira pesquisa Escutec/Imirante de 2022 sobre a sucessão do governo Flávio Dino (PSB) confirmou prognóstico do blog Marco Aurélio D’Eça e mostrou a corrida polarizada entre o senador Weverton Rocha (PDT) e o vice-governador Carlos Brandão (PSB).

Este cenário havia sido desenhado por este blog em 21/2 no post “As perdas e ganhos de Weverton e Brandão”.

Weverton mantém a liderança dos votos, com 22%, praticamente inalterado em relação à pesquisa de dezembro.

Brandão avançou nos votos dos demais candidatos – Roberto Rocha (PSDB), Edivaldo Júnior (PSD), Lahésio Bonfim (Agir) e Josimar Maranhãozinho (PL) – e agora aparece com 19%.

Levando-se em consideração a metodologia de cada instituto, os números da Escutec estão dentro dos cenários já apresentados pelos instituto Exata e DataIlha, mas descola Brandão dos demais candidatos na disputa pela segunda vaga no segundo turno.

A pesquisa mostra ainda que, ao contrário do que torce o Palácio dos Leões, a disputa deve se dar mesmo entre Weverton e Carlos Brandão, sem espaço aparente para uma terceira via.

E aponta para uma batalha imprevisível no segundo turno…

0

Imirante/O Estado divulga nesta terça-feira primeira pesquisa Escutec de 2022…

Levantamento vai balizar o desempenho dos candidatos à corrida pelo Governo do Estado e pelo Senado, dando continuidade à série histórica iniciada pelo instituto em março de 2021

 

O Instituto Escutec divulga nesta terça-feira, 22, no Imirante.com/O Estado, a primeira pesquisa de intenção de votos de 2022 sobre a sucessão do governador Flávio Dino (PSB).

O levantamento vai divulgar números da disputa pelo Governo do Estado e para o Senado, dando continuidade à série histórica iniciada em março de 2021.

Nesta pesquisa, o Instituto Escutec não incluirá mais o nome da ex-governadora Roseana Sarney (MDB) que anunciou em janeiro sua candidatura a deputada federal.

Na série do instituto realizada nos meses de março, junho, setembro e dezembro de 2021, o senador  Weverton Rocha (PDT) manteve a liderança em todos os cenários sem Roseana; a expectativa é que o desempenho do vice-governador Carlos Brandão (PSDB) possa refletir os efeitos de ter sido escolhido como candidato pelo governador Flávio Dino.

A pesquisa será divulgada na página do jornal O EstadoMaranhão no site imirante.com … 

0

Escutec fecha hoje ciclo de pesquisas de 2021…

Instituto deve divulgar última rodada de levantamentos sobre a sucessão estadual de 2022, fechando o pacote iniciado em março pelo Grupo Mirante; a partir de janeiro, só pesquisas registradas na Justiça Eleitoral poderão ser divulgadas

 

O Instituto Escutec divulga na tarde desta quinta-feira, 30, sua última rodada de pesquisas sobre as eleições de 2022.

O resultado será divulgado pelo Grupo Mirante.

O levantamento Escutec encerra o ciclo de pesquisas sobre a sucessão do governador Flávio Dino (PSB) iniciado em março.

A partir do dia 1º de janeiro, todas as pesquisas precisam de registro na Justiça Eleitoral para serem divulgadas.

Os números da Escutec – os últimos de 2021 – serão divulgados nos veículos do Grupo Mirante…

5

Família Sarney no palanque de Flávio Dino em 2022…

Adesão do deputado estadual Adriano Sarney à candidatura do vice-governador Carlos Brandão é o desfecho da aproximação que o governador Flávio Dino vem buscando com a família do ex-presidente José Sarney desde 2018 – e que culminou com sua eleição à Academia Maranhense de Letras

 

Adriano é o primeiro membro da família Sarney a aderir à escolha de Flávio Dino para o governo; mas outros membros do grupo já estavam com o governador

Uma cena inimaginável há 10 anos atrás deve ficar comum nas eleições de 2022: membros da família Sarney pedindo votos no mesmo palanque do governador  Flávio Dino (PSB),

Esta possibilidade tornou-se mais real nesta quinta-feira, 16, quando o deputado estadual Adriano Sarney (PV) anunciou apoio ao vice-governador  Carlos Brandão (PSD), “escolha pessoal” para as eleições de 2022.

A adesão de Adriano é o desfecho de uma aproximação que Flávio Dino vem fazendo da família do ex-presidente José Sarney desde 2018 – e que culminou com sua eleição, a pedido de Sarney, à Academia Maranhense de Letras.

O grupo Sarney – que inclui políticos, empresários e a força do Grupo de Comunicação Mirante – está em sua maioria alinhado a Flávio Dino há pelo menos um ano; a resistência ainda se dá pelos ex-governadores Edison Lobão e Roseana  Sarney (ambos do MDB).

A tendência é que a própria família do ex-presidente apoie a eleição de Flávio Dino ao Senado.

Inclusive com a  possibilidade de um suplente na chapa…

3

Minha vida no jornal O EstadoMaranhão…

A carreira jornalística que escolhi como profissão se confunde com parte da história do próprio veículo, onde comecei como repórter de Cidades, passei pela editoria de Polícia e cheguei à cobertura Política, em que fui repórter, subeditor e editor

 

Com Linhares Júnior e Carla Lima, entrevistando Roseana Sarney no projeto Sabatina O Estado, um dos mais importantes projetos do jornalismo político recente

 

Por Marco Aurélio D’Eça

Tive dois empregos diretos como jornalista em minha carreira profissional.

Em 1992, antes mesmo de entrar na faculdade de Jornalismo da Universidade Federal do Maranhão (Ufma), cheguei à rádio Esperança FM, onde fui repórter, produtor, apresentador, editor e diretor de Jornalismo.

A partir de 1995 ingressei no jornal O EstadoMaranhão, aprovado em um seletivo público, na maior reforma gráfica e editorial que o jornal experimentou.

Ali descobri a minha vocação para as letras do jornalismo escrito.

Para se ter ideia da importância desta escolha, meu teste para o jornal – uma reportagem sobre os terminais de integração, à época apenas um projeto da então prefeita Conceição Andrade – acabou transformando-se na manchete de primeira página de O Estado; era o dia 12 de julho de 1995.

Não há dúvida de que minha carreira jornalística se confunde com pelo menos metade da história do jornal O EstadoMaranhão.

Naquela redação vivi as transformações pessoais, do mundo, da política maranhense e da própria profissão de Jornalismo no último quarto de século.

Tudo o que sei sobre a prática jornalística aprendi na redação da Avenida Ana Jansen 200, após rico embasamento teórico na Ufma e na Faculdade Estácio de Sá.

Tive a sorte de ter como mestres nomes como Ribamar Corrêa, Newton Ornellas, Jaqueline Heluy, Ademir Santos, Manoel dos Santos Neto, Mário Reis, Alfredo Meneses, Edivan Fonseca, Ribamar Cardoso, Benito Neiva e Pergentino Holanda.

Convivi com ícones do jornalismo maranhense moderno, como Clóvis Cabalau, Felix Alberto, Zeca Pinheiro, Karina Lindoso, Érica Rosa, Sílvia Moscoso, Wal Oliveira, Othelino Neto, Waldirene Oliveira, Edwin Jinkings e Francília Cutrim dentre vários outros.

No jornal O EstadoMaranhão pude descobrir e comandar jovens talentos, como Carla Lima, Gilberto Léda, Mário Carvalho, Ronaldo Rocha, Batista Matos e Décio Sá, maior repórter da história recente do Jornalismo, com quem convivi desde a infância, passando pelo ensino médio e pela faculdade.

Quando era garoto, ainda lá no bairro do Coroado, lia o jornal O Estado em exemplares antigos, que minha mãe trazia da feira. Gostava da coluna Estado Maior; nunca imaginei que, um dia, seria responsável por esta coluna, a mais importante do jornalismo maranhense.

Como repórter de o Estado testemunhei a ascensão do roseanismo, a partir do governo Roseana  Sarney – que se confunde com a minha própria chegada ao jornal – e a queda do sarneysismo, a partir do rompimento do governador José Reinaldo Tavares, em 2003.

Foto de 1996, em uma visita do então presidente Fernando Henrique Cardoso ao Maranhão; repórteres de todo o Brasil no avião presidencial

Foram nada menos que 12 coberturas eleitorais ininterruptas – 1996, 1998, 2000, 2002, 2004, 2006, 2008, 2010, 2012, 2014, 2016, 2018 – sendo o repórter com mais tempo a cobrir política por um mesmo veículo.

Pelo Estado conheci o Maranhão inteiro, nos Governos Itinerantes.

Foi minha a manchete com selo de exclusividade revelando o destino da famosa carreta roubada que deu origem à CPI do Crime Organizado, um dos mais importantes momentos da história política recente.

Com Roseana estive em São Paulo durante a campanha de 1998 – em que ela venceu em primeiro turno, sem precisar viajar pelo interior.

À época, a governadora internada no Hospital das Clínicas e eu fazendo o acompanhamento diário, encaminhando por fax matérias escritas à mão e digitadas na redação.

Em 2014, já como editor de Política, criei o conceito de texto final; o programa consistia no fato de que todos os membros da editoria eram, ao mesmo tempo, repórter, editor e paginador.

O modelo foi seguido depois por toda as editoriais do jornal.

Em 2016, idealizei, organizei e ancorei o projeto Sabatina O Estado, um dos mais importantes espaços jornalísticos na campanha eleitoral, que se repetiu nas eleições de 2018 e 2020.

Em 2018 decidi encerrar minha passagem por O Estado, em comum acordo com a direção da empresa; decisão acertada, que deixou portas abertas e uma amizade ainda sólida com a família e com todos que fazem a empresa.

Raramente escrevo em primeira pessoa no blog Marco Aurélio D’Eça, mas para testemunhar a importante história do jornal O EstadoMaranhão, é preciso narrar fatos.

E só quem viveu fatos tem a experiência de poder contar esta parte da história maranhense.

Uma história que jamais se encerrará com o fim da edição impressa do jornal, neste sábado 23.

Ela continuará por que é marca do próprio Maranhão…

1

Escutec conclui coleta eletrônica para pesquisa que sai neste sábado

Pesquisadores do instituto estiveram em todas as regiões do Maranhão para medir a preferência do eleitorado sobre os candidatos a governador, senador e presidente nas eleições de 2022

 

Os pesquisadores do Instituto Escutec nas ruas do estado, entrevistando eleitores para a pesquisa do jornal O Estado

O jornal O EstadoMaranhão divulga amanhã a terceira rodada de pesquisas do instituto Escutec sobre a corrida eleitoral de 2022.

Como o jornal circula com as informações desta sexta-feira, 1º, significa que o levantamento da Escutec estará pronto hoje.

Nos últimos dias, os pesquisadores do instituto estiveram em várias regiões do estado, fazendo a coleta eletrônica dos dados da pesquisa.

A Escutec tem parceria de 20 anos com o jornal O Estado; em 2021, contratou quatro pesquisas, no meses de março, junho, setembro e a última, em dezembro.

O instituto deve manter a parceria no período eleitoral de 2022…

0

Vem aí nova pesquisa Escutec…

Terceira rodada do levantamento encomendado pelo Grupo Mirante sobre a preferência do eleitor maranhense para o Governo do Estado será divulgada até o final de setembro

 

Weverton e Roseana têm ocupado as primeiras posições nas pesquisas do Instituto Escutec já realizadas para o Grupo Mirante

A terceira rodada da pesquisa Escutec/Grupo Mirante sobre a preferência do eleitor maranhense  para o Governo do Estado nas eleições de 2022 será divulgada até o fim de setembro.

A Escutec já realizou em 2021 duas pesquisas para o Grupo Mirante – em março e em junho – que apontaram liderança da ex-governadora Roseana  Sarney (MDB) e do senador  Weverton Rocha (PDT).

No total, serão quatro pesquisas Escutec, com a última de 2021 sendo divulgada em dezembro.

A partir de janeiro de 2022, o instituto deve continuar com seus levantamentos para o Grupo Mirante.

Mas já dentro das novas regras eleitorais estabelecidas para o processo eleitoral do ano que vem.

0

Ribamar: Eudes Sampaio mostra preparo e conhecimento de gestão em sabatina

O prefeito de São José de Ribamar e candidato à reeleição, Eudes Sampaio, foi o último sabatinado da série promovida pelo programa Na Mira, da rádio Mirante FM. O atual gestor mostrou preparo e conhecimento da gestão para solução para os principais problemas do município, avançando em outras áreas onde a gestão ainda não atuou.

“Pra qualquer coisa que vai fazer na vida é preciso ter o mínimo de conhecimento. Respeito todos os candidatos, mas ser prefeito de São José de Ribamar não é uma aventura, exige extrema responsabilidade. Por isso precisa ser administrada por quem conhece sua economia, sua geografia e seus problemas. Precisamos de uma gestão eficiente e que coloque o cidadão em primeiro lugar. É isso que estamos fazendo e vamos continuar fazendo pelos próximos quatro anos”, afirmou o prefeito.

Confira o que disse Eudes sobre os principais temas tratados:

Educação na pandemia

“Durante a pandemia fizemos ensino remoto, pesquisa com a comunidade escolar e atividade à distância, com as mães buscando a atividade na escola. Conseguimos atingir durante a fase aguda da pandemia 80% dos alunos. Estamos levantando o número de alunos não atingidos para atingirmos 100%”.

“Vamos voltar em modelo híbrido em 2021, com kits de segurança sanitária para os alunos. Vamos atender os alunos não foram atendidos. 20% dos alunos de Ribamar corresponde a aproximadamente 5 mil alunos. São 113 escolas. Melhorando acesso à Internet temos condições de atingir esses alunos. Temos como atingir esse número”.

Limite entre municípios da Ilha

“Existe um grande equívoco na questão de se colocar que existe problema na definição dos limites na Ilha. Os limites estão absolutamente resolvidos. O governador Flávio Dino sancionou três leis, que solucionou a divisão. Não há mais qualquer tipo de dúvida. São 350 pontos identificados. Quem falar isso está desinformado. Foi uma luta muito dura. Iniciamos isso em 2005 quando nosso grupo político entrou na prefeitura. Eu era secrteário da Receita e coordenei o trabalho. No Censo 2010, melhorou. E em 2017, quando Luís Fernando voltou fomos a campo, o projeto foi aprovado na Assembleia e foi resolvido. A questão do IPTU, sentamos com a prefeitura de São Luís para não mandar para o Cohatrac V e resolvemos”.

Geração de empregos

Por sermos o único município que faz limite territorial em fronteira terrestre com São Luís e termos uma economia mais frágil, 60% da nossa população trabalha em São Luís. E temos que criar infraestrutura no que temos potencial, como o Turismo. Precisamos criar infraestrutura turística, para que o turista que vem em Ribamar para o turismo religioso, fique mais um pouco e consuma mais como em outros lugares. Por isso, temos um plano para melhorar o setor, principalmente o turismo náutico, temos uma baía muito bela. Agora mesmo conseguimos recurso para revitalizar a Meira Mar, vamos urbanizar o espigão e atrair mais turistas. E vamos investir na educação profissionalizante. Ainda perseguimos a implantação do distrito industrial para atender a Ilha, que vai gerar muitos empregos na nossa cidade.

Infraestrutura

“O problema de uma cidade que chove seis meses no ano é drenagem. Nas vias asfaltadas que não tem drenagem, o asfalto vai danificar. Devemos fazer o que estamos fazendo hoje, como na Mascarenhas de Moraes. Todo ano ali acabava e estamos fazendo uma obra que vai durar uns 30 anos. Esse é um exemplo que vamos atacar nos próximos anos. São vários trechos como esse, por exemplo, no Parque Vitória, e vamos evitar esses problemas atacando a drenagem”.