2

Mais dois na briga…

Entrada de Flávio Dino no palanque de Edivaldo soou “mais do mesmo” por que já esperada; Novidade foi o apoio de Wellington do Curso a Eduardo Braide, que movimentou a cena política na reta final da campanha em São Luís

 

Wellington e Braide fazem pacto de união em nome da população; apoio repercute positivamente

Wellington e Braide fazem pacto de união em nome da população; apoio repercute positivamente

Foi quase como uma resposta de um para o outro.

Bastou que o deputado Wellington do Curso (PP) declarasse apoio formal ao candidato do PMN, Eduardo Braide, para que o governador Flávio Dino (PCdoB) assumisse, de imediato, a campanha do prefeito Edivaldo Júnior (PDT).

Wellington declarou estar alinhado à campanha de Braide em discurso formal na Assembleia Legislativa, e já seguiu com ele para uma caminhada na área Itaqui-Bacanga.

Dino veio em seguida, anunciando-se no programa do candidato do PDT.

Desde o fim de semana, porém, já se especulava que tanto Flávio Dino quanto Wellington do Curso iriam declarar voto nesta reta final. O posicionamento de Wellington era esperado, diante da movimentação do seu eleitorado. Desde as primeiras pesquisas do segundo turno, ficou claro que os eleitores de Wellington optariam por Braide. Coerente com os mais de 103 mil votos, ele assumiu sua entrada na campanha do candidato do PMN.

Edivaldo já tinha o apoio forma de Dino, o que não trouxe novidade à sua declaração de voto

Edivaldo já tinha o apoio forma de Dino, o que não trouxe novidade à sua declaração de voto

O posicionamento de Flávio Dino tem outros fatores.

O governador tem dois objetivos com seu movimento extemporâneo em favor do seu já aliado Edivaldo Júnior. Em primeiro lugar, quer contrapor a repercussão da posição do próprio Wellington. Em segundo, acaba por neutralizar a força do seu principal adversário interno, o deputado federal Weverton Rocha (PDT), hoje o principal artífice da campanha de Edivaldo Júnior.

O próprio Weverton sabe disso, por isso trabalhou intensamente pela vitória de Edivaldo no primeiro turno. Não deu, e a força demonstrada na primeira batalha foi multiplicada no segundo turno, para que os pedetistas colhessem os louros da vitória sem a necessidade dos comunistas.

Coisa que, agora, Flávio Dino tenta jogar por terra…

Da coluna Estado maior, de OEstadoMaranhão, com ilustração do blog

10

Reta final favorece Eduardo Braide…

Apesar da intensa compra de votos e do uso da máquina na zona rural e na periferia em favor de Edivaldo Júnior, candidato do PMN entra na semana da eleição exatamente como queria: polarizado com o prefeito; e tem o trunfo do debate na TV Mirante para suplantar o adversário, que passa por treinamento intensivo para o confronto direto

 

Após o debate do primeiro turno, Eduardo passou a ser percebido pelo eleitor nas ruas

Após o debate do primeiro turno, Eduardo passou a ser reconhecido pelo eleitor nas ruas

O candidato do PMN, Eduardo Braide, tem uma única bala na agulha para vencer o segundo turno das eleições em São Luís: o debate da TV Mirante, na sexta-feira, 28.

Braide conseguiu chegar à reta final polarizado com Edivaldo; ora à frente, ora atrás, dependendo do instituto, mas sempre em condição de empate.

Diante da pancadaria que recebeu – e dos ataques pessoais desferidos pessoalmente até pelo próprio adversário pedetista – é o suficiente para que ele possa chegar ao confronto direto em condições de vencer, independente das ameaças, da compra de votos sistemática e da presença do governador no palanque de Holandinha.

As pesquisas já mostraram que o programa da TV Mirante terá influência sobre 65% do eleitorado indeciso. (Releia aqui)

Para se ter uma ideia do poder do debate, o próprio Eduardo Braide chegou ao segundo turno catapultado por este tipo de evento eleitoral. (Relembre)

Ele registrava 5% das intenções de votos, e ocupava a quarta colocação, um dia antes do debate do primeiro turno. Após o programa, subiu nada menos que 17 pontos percentuais e registrou quase 22% dos votos no domingo de eleição, tirando de Wellington do Curso (PP) a vaga no segundo turno.

Leia também:

Saiba de quantos debates Edivaldo fugiu nesta campanha…

A influência dos debates…

Edivaldo faltou à maioria dos debates, mas está chamando para o da Mirante

Edivaldo faltou à maioria dos debates, mas está chamando para o da Mirante

Edivaldo Júnior também sabe da força dos debates, por isso fugiu de muitos, no primeiro e no segundo turno.

E sem ter como fugir do debate da Mirante, Holandinha está tendo que se submeter a um treinamento intensivo para parecer mais agressivo e mais preparado diante do adversário.

Tímido, submisso e com cara de bom moço, Edivaldo teve que mostrar até “cara de mau” na propaganda dos últimos dias, como treinamento para o confronto final.

Mas especialistas alertam que não há fórmulas para debates; ou se é ou não se é preparado para este tipo de programa.

A aposta num treinamento artificial de Edivaldo pode transformá-lo em uma caricatura de si mesmo, um produto de laboratório, facilmente percebido pelo telespectador.

E isso também pode ser vantagem para Braide…

7

Vídeo revela as vítimas da Saúde na gestão de Holandinha…

Reportagem do Jornal Hoje mostra que, ao contrário do que diz o prefeito em sua propaganda, só existe uma central de marcação de consultas em São Luís, o que obriga até idosos em idade avançada a ter que ficar dois dias para tentar atendimento médico em São Luís

 

Em sua mudança de postura para parecer “mais macho” ao eleitor de São Luís, o prefeito Edivaldo Júnior (PDT) tem inventado, inclusive, que já existem 24 postos de marcação de consultas em São Luís.

A matéria do JH desmente o prefeito e revela que só existe uma Central de Marcação de Consultas na capital, que obriga até idosos já em idade avançada a ficar dois dias na fila para conseguir senha, que só dá direito a mais dois dias de espera por outra senha.

Como diz o próprio prefeito, “políticos nunca são vítimas”.

Pois estas são as vítimas da Saúde na gestão de Holandinha.

Uma das idosas ainda faz um apelo ao repórter:

– Mostre isso pro mundo inteiro, pra ver se tem solução – implorou ela.

Assista no vídeo acima a verdadeira situação humilhante da Saúde na gestão de Edivaldo Júnior…

10

Flávio Dino com Edivaldo: aliança ou oportunismo?!?

Blogs e perfis de redes sociais anunciam uma suposta declaração pública de voto do governador  no candidato na reta final da campanha em São Luís

 

Edivaldo com Flávio: apoio tardio incomoda aliados do prefeito

Edivaldo com Flávio: apoio tardio incomoda aliados do prefeito

A anunciada declaração de voto do governador Flávio Dino (PCdoB) no candidato do PDT, Edivaldo Júnior, surpreendeu os aliados do prefeito – para o bem e para o mal.

Alguns membros da campanha entendem que a presença do governador comunista é a consolidação da vitória de Edivaldo no próximo domingo, já que atrairia os eleitores dinistas ainda indecisos quanto ao futuro do candidato pedetista.

Outros, no entanto, veem no gesto de Flávio Dino um oportunismo sem tamanho.

Para estes, o governador só entrou agora na campanha por que sente um leve favoritismo do prefeito, carreado pela máquina da prefeitura comprando votos na zona rural e na periferia; e pela força da militância pedetista, que vestiu a camisa do prefeito e foi às ruas.

Em outras palavras: Flávio Dino quer colher os louros do trabalho feito por outros.

Desde o início do segundo turno, o governador Flávio Dino escondeu-se em uma neutralidade, por que não queria passar a ideia de derrotado, como ocorreu em grandes municípios no interior.

Entrar na última semana, pode ser decisivo – para o bem ou para o mal.

E é isso que incomoda os verdadeiros militantes de Holandinha…

7

Edivaldo aposta tudo na zona rural…

Candidato do PDT intensifica presença na região mais afastada e na periferia de São Luís para tentar garantir a vitória sobre Eduardo Braide, que tem apoio dos chamados “formadores de opinião”

 

Edivaldo entre eleitores da zona rural: na busca pela virada entre eleitores mais distantes dos grandes centros

Edivaldo entre eleitores da zona rural: na busca pela virada entre eleitores mais distantes dos grandes centros

O prefeito Edivaldo Júnior (PDT) esteve em caminhada, nesta sexta-feira, 21, pela região da Estiva, na Zona Rural de São Luís.

Holandinha tem intensificado presença na Zona Rural e na periferia de São Luís – tanto com a militância política quanto com a máquina da prefeitura – para tentar consolidar-se na disputa contra Eduardo Braide (PMN).

O candidato do PDT aposta que os votos nessas regiões são mais suscetíveis, e podem decidir a eleição na reta final; por isso intensificou a presença.

Além do próprio Edivaldo, vereadores alinhados ao projeto da prefeitura, e cabos eleitorais – muitos cabos eleitorais – estão diariamente nessas áreas em busca de votos.

E a tendência é que a presença seja intensificada na semana final de campanha…

33

Eleitores denunciam compra de votos em bairros de São Luís…

Moradores do São Cristovão foram surpreendidos pela presença de secretários e aliados do prefeito, na manhã de quinta-feira, propondo asfaltamento de ruas em troca do voto da comunidade; e tudo nas barbas da Justiça Eleitoral

 

Secretártios e aliados de Edivaldo conversam sobre asfaltamento em ruas do São Cristovão

Secretártios e aliados de Edivaldo conversam sobre asfaltamento em ruas do São Cristovão

Uma comitiva da prefeitura de São Luís, acompanhada de aliados do prefeito Edivaldo Júnior (PDT) desembarcou no São Cristovão, na manhã de quinta-feira, 20, com uma proposta aos moradores: o asfaltamento da rua em troca de votos para Edivaldo.

– Vocês acreditam que o secretário falou, eu um monte de bandeira bem aqui e disse que, se o asfalto sair é pra todo mundo levantar a bandeira – revelou uma moradora, em áudio distribuído em grupos de whatsapp.

Em outro trecho, a mulher conta que os secretários estão “batendo na porta e dizendo que é pra votar pro 12”, numa referência ao número de Holandinha.

As ruas que foram visitadas pela equipe da prefeitura estavam em cronograma de oras desde o ano passado, mas nunca oram feitas.

Agora, eles chegaram lá ás vésperas do segundo turno.

As máquinas operam nas ruas da periferia e os auxiliares de Edivaldo pedem o voto do eleitor

As máquinas operam nas ruas da periferia e os auxiliares de Edivaldo pedem o voto do eleitor

Tem sido comum relatos de moradores dano conta de que equipes da prefeitura estão asfaltando ruas em troca de votos, sobretudo na zona rural e na prefeitura.

Outras denúncias dão conta de que vereadores e aliados do prefeito estão oferecendo dinheiro em suas bases.

E tudo acontece nas barbas da Justiça Eleitoral e do Ministério Público Eleitoral.

Que parecem fingir que não é com eles…

23

Veja o que Holandinha pensa de quem foge de debates…

Vídeo da campanha de 2012, em que o atual prefeito critica o ex-prefeito João Castelo, parece até que foi feito agora; e parece que Edivaldo Júnior fala de si mesmo

 

O prefeito Edivaldo Júnior (PDT) critica  a si mesmo em um vídeo da campanha de 2012, quando disputou contra o ex-prefeito João Castelo (PSDB),.

Na vinheta, exibida na propaganda eleitoral daquele ano, o prefeito reclama do seu adversário,que não participou de nenhum debate.

– Ele faz isso para as pessoas esquecerem a verdade sobre seu governo. Uma verdade feita de muitas promessas não cumpridas – afirma Holandinha, para sentenciar:

– Me atacando, e com obras de véspera de eleição, ele quer que você esqueça de tudo o que aconteceu nos últimos quatro anos.

Até parece que o prefeito fala de si mesmo…

6

Um apelo aos juízes eleitorais…

Senhores magistrados saiam às ruas, vivam a realidade concreta, participem da movimentação de campanha e não decidam com base apenas na letra fria das ações. Agindo apenas de gabinete, estarão matando as liberdades democráticas

 

A opressão do Judicia´rio é fruto do autoritarismo de juízes

A opressão do Judiciário é fruto do autoritarismo de juízes

Editorial

O mundo do Judiciário tem uma realidade própria, e isso é uma verdade consolidada.

Mas os juízes eleitorais – que são os mesmos da Justiça Comum – deveriam ser obrigados, até pelo tempo curto de suas atuações mais efetivas, a sair às ruas durante a campanha eleitoral, esquecer os gabinetes e acompanhar a realidade concreta. 

Tanto eles e, principalmente, o Ministério Público, que tem neste ciclo eleitoral a sua mais fraca representação no TRE – pouco afeita à ação e desinteressada dos aspectos que mobilizam as candidaturas – precisam conhecer a fundo a realidade para evitar decisões fora da realidade.

Decisões como a que obrigou o candidato Fábio Câmara (PMDB) a retirar de sua página uma foto de Edivaldo Júnior (PDT) que o próprio Edivaldo havia divulgado publicamente tempos atrás.

Será que se o juiz conhecesse a realidade concreta não saberia que esta imagem é pública e está aí disponível há tempos?

E se soubesse da publicação da foto pelo próprio prefeito exigira mesmo a injustiça de forçar a retirada da página de Câmara?

Em toda campanha, as estruturas políticas engrenadas nas estruturas públicas montam verdadeiro batalhão de advogados para intimidar, pressionar e sufocar adversários e jornalistas que não sigam os interesses dessas estruturas.

A foto que Edivaldo jogou na internet e agora ele próprio quer tirar

A foto que Edivaldo jogou na internet e agora ele próprio quer tirar

E apostam exatamente na desinformação de juízes e promotores eleitorais para fazer esta intimidação.

O exemplo da página de Fábio Câmara – ou da ação criminal contra jornalistas que apenas levantaram a hipótese de o prefeito vir a ser substituído, imaginem só – são apenas exemplos de decisões sem base na realidade concreta.

Mas a mesma rapidez que a Justiça Eleitoral tem demonstrado na apreciação das causas pró-Holandinha não se vê na análise de ações impetradas contra o prefeito.

As duas ações do ex-juiz Marlon Reis, por exemplo, ainda dormem nas gavetas do TRE, sem previsão alguma de decisão que diga, ao menos, se elas seguirão ou não a tramitação normal.

E é por isso que este blog faz o apelo aos juízes eleitorais.

Saiam dos gabinetes, conheçam a realidade concreta, saibam do que os autores de ação estão falando quando apresentam as demandas ao TRE.

Não julguem apenas com base na letra fria.

Só assim a Justiça Eleitoral também será uma Justiça de fato…

6

Márcio Jerry culpa prefeitura por falta d’água em São Luís…

Em grupos de jornalistas no WhatsApp, secretário de Articulação Política do governo Flávio Dino sai em defesa da Caema e diz que as obras de asfaltamento em cima de asfalto na região do Centro está rachando a redes e tubulações da companhia

 

Ruas do Centro recebem asfalto sobre asfalto; e comprometem a rede de água, segundo Márcio Jerry

Ruas do Centro recebem asfalto sobre asfalto; e comprometem a rede de água, segundo Márcio Jerry

O secretário de Articulação Política do governo Flávio Dino (PCdoB), jornalista Márcio Jerry, responsabilizou a Prefeitura de São Luís, neste fim de semana, em grupos de jornalistas no WhatsApp, pelos problemas de abastecimento d’água na capital.

Aparentemente respondendo a questionamento dos próprios colegas – em vários grupos – Jerry encaminhou resposta que, segundo ele, seria do presidente da Caema, Davi Teles, para explicar os problemas no Centro.

– Por causa dos serviços de pavimentação, os rolos compactadores racham as redes muitas das vezes.  Foi o que aconteceu – disse Jerry, encaminhando mensagem do presidente da Caema.

A prefeitura resolveu “reasfaltar” ruas do Centro neste início de campanha eleitoral.

Mas o serviço não tem recuperação de drenagem ou colocação de  antepiso, apenas asfalto sobre asfalto, o que, na avaliação da Caema, segundo Márcio Jerry, compromete a rede de abastecimento d’água.

A declaração de Márcio Jerry teve forte repercussão nos grupos de jornalistas.

Tanto que chegou até o titular deste blog…

2

ISEC está obrigando contratados a abrir mão de seus direitos para receber parte dos atrasados…

Após denúncia de que os R$ 33 milhões do contrato com o instituto foram usados para comprar apoio ao prefeito Edivaldo Júnior, pessoal com carteira assinada foi chamado para assinar carta de próprio punho desfazendo-se de parte do que tinham a receber

 

Imagem mostra contratado assinando pedido de demissão exigido pelo ISEC

Imagem exclusiva mostra contratado assinando pedido de demissão exigido pelo ISEC

exclusivoA declaração abaixo é de uma das contratadas do Instituto Superior de Educação Continuada (ISEC) que não recebe seu salário há sete meses.

Eles não vão pagar os sete meses de atraso em carteira. Estão exigindo que a gente faça uma carta, de próprio punho, pedindo o desligamento. E só vão pagar o mês de fevereiro, mais 1/3 de férias e 1/3 do 13º, com data de 29 de fevereiro na carta”, revelou A. G. S.

A mulher é uma das centenas de indicadas por vereadores para receber salários do ISEC.

A elaboração e o preenchimento da carta pode ser vista na imagem que ilustra este post, feita na última quarta-feira, quando dezenas de contratados foram chamados à sede do instituto.

O depoimento de A.G.S. mostra o clima que se firmou no instituto desde que o ex-juiz da Ficha Limpa, Marlon Reis, pediu ao TRE a cassação do prefeito Edivaldo Júnior (PDT), pelo desvio dos R$ 33 milhões do contrato, apontado como o maior esquema de corrupção eleitoral já desbaratado em uma eleição municipal em São Luís.

De acordo com o que contou a mulher – que não quis se identificar publicamente, mas deixou seus dados com o titular do blog – o clima no ISEC é de pressão sobre os contratados, sobretudo os indicados por vereadores e lideranças partidárias.

– Eles obrigam a gente a fazer a carta por que afirmam que as denúncias não vão dar em nada. E dizem que é melhor pedir o desligamento e entregar a carteira para dar baixa. Fiz isso na quinta-feira – revelou a ex-contratada, sem definir a qual quinta-feira se referia.

O contrato com o ISEC foi firmado em julho de 2015, ao custo total de R$ 33,2 milhões.

Além da denúncia que pode resultar no afastamento de Edivaldo da campanha eleitoral, o caso está sendo investigado pelo Ministério Público.

E pode resultar também em ação criminal contra o prefeito…