2

Os pontos obscuros em mais um crime do assassino de Décio Sá…

Menos de um mês depois de os principais acusados da morte do jornalista deixarem a prisão, pistoleiro que está em Pedrinhas se envolve em uma contenda e mata – para não morrer – o líder de uma das mais perigosas facções criminosas do Maranhão

 

O assassino Jonathan durante reconstituição do caso Décio

Há pontos que precisam ser esclarecidos no episódio de Pedrinhas envolvendo Jonathan de Sousa, assassino confesso do jornalista Décio Sá.

Preso em cela individual no presídio, sabe-se lá desde quando – até porque ele deveria estar em um presídio federal – o pistoleiro matou a golpes de ferro retirado do banheiro de sua cela (?) o líder do Bonde dos 40, Alan Kardec Dias Mota.

O episódio é tão nebuloso quanto nebulosa é a história do seu protagonista anunciado pela polícia, à época da morte de Décio, como um matador serial, contumaz e incorrigível.

Tanto que, ainda em 2013, um ano após a prisão dos envolvidos na morte de o jornalista, este blog publicou o post “A farsa chamada Jonathan de Sousa”.

A briga de Jonathan com Alan Kardec ocorreu menos de um mês depois de a Justiça mandar para casa dois dos principais acusados de participação na morte de Décio Sá – Gláucio Alencar e Júnior Bolinha, presos há cinco anos mesmo sem julgamento. (Releia aqui e aqui)

O próprio pistoleiro revelou que matou o líder do Bonde dos 40 para não morrer.

E como alguém consegue ter desentendimentos com o líder de uma facção criminosa deste porte e ainda se dá ao luxo de se preparar para matá-lo?

E até que ponto o silêncio do próprio Bonde dos 40 é normal neste caso?

O assassino Jonathan de Sousa é um personagem sombrio e nebuloso da crônica policial maranhense.

E a cada episódio em que se envolve torna-se ainda mais nebuloso…

Leia também:

Três nomes, o mesmo mistério….

Apagados ou desaparecidos…

Prisão de homem-chave pode causar reviravolta no caso Décio…

3

Uma ameaça chamada Janderson Landim…

Empresário que tentou intimidar jornalista em Pinheiro já tentou se passar por Promotor de Justiça e por oftalmologista; e age em diversos municípios do interior maranhense

 

Janderson: delegado, promotor ou oftalmologista?

Janderson: delegado, promotor ou oftalmologista?

Este homem ao lado é Janderson Landim, muito conhecido das autoridades policiais do estado.

São várias notificações envolvendo ele e seu irmão, William Landim, em episódios nos quais tenta se passar por autoridades.

Landim foi denunciado ontem pela jornalista Glaucione Pedrozo, ao tentar – armado – intimidar militantes políticos, em Pinheiro. (Leia aqui)

De acordo coma  denúncia da jornalista, Janderson Landim tentava se passar o delegado de polícia quando foi desmascarado por ele, ocasião em que ele sacou da ama e apontou para a cabeça da jornalista.

Mas não é a primeira vez que Janderson Landim usa do artifício da vigarice.

Em fevereiro de 2012, ele e seu irmão, William, invadiram uma emissora de TV em Olho D’Água das Cunhãs, apresentando-se como Promotor de Justiça. (Saiba mais aqui)

Pouco tempo depois, foram denunciados em Chapadinha, ao se passar por oftalmologistas. (Relembre aqui)

Agora, Janderson Landim age em Pinheiro, como delegado de polícia.

E é uma ameaça real à sociedade….

2

Greve dos Bancários…

Por J.R Campos*, com ilustração do blog

Em o “Desafio Mundial”, o ultrafamoso escritor Jean Jacques Servan Schreiber, mais conhecido como JJSS, diz que o primeiro negócio mais rentável do mundo é o petróleo; que o segundo também é o petróleo; e que o terceiro ainda é o petróleo. Sim, porque dele nada se perde. Até o último de seus subprodutos custa caro, o asfalto. Assim, do petróleo tudo se aproveita.

Antes do advento da OPEP, companhias petrolíferas americanas e inglesas ditavam os preços do mercado internacional a seu bel-prazer, prejudicando com preços vis a economia dos países produtores. Elas, como os grandes refinadores e distribuidores dos derivados, deitavam e rolavam nos seus lucros absurdos; e os produtores, a chupar dedo.

url

No Brasil, não se conhece um outro negócio que dê mais lucro que a atividade bancária. Mas só para os banqueiros. Os bancários, mantida a devida analogia com a produção de óleo cru, estão na mesma condição dos produtores de petróleo antes da fundação da OPEP em 1960, ou seja, produzem todo o trabalho do banco para que apenas os banqueiros desfrutem dos lucros fantásticos, os maiores do planeta Terra, à custa de salários miseráveis pagos aos bancários.

Sem dúvida que a greve, que já dura vários dias, prejudica sobremodo toda a população. Mas, plagiando o slogan do PSTU, que já virou refrão em todo o país, “só a luta muda a vida”, os bancários não vão conseguir absolutamente nada sem greve, pois a ganância dos banqueiros não lhes permite dividir os lucros exorbitantes do que ganham com taxas e serviços arbitrados por eles mesmos.

A instituição bancária, ao que se sabe, parece não sofrer a tão decantada “rigorosa fiscalização” do Banco Central no que tange a taxas e serviços, juros de mora e todo um rosário de cobranças que os correntistas veem em seus extratos. Até para manter uma conta, todo correntista paga uma taxa mensal, que varia de acordo com a ganância da diretoria de cada banco.

Por conta disso, os correntistas têm direito somente a um extrato “gratuito” por semana. Pode? Pode! Eles, banqueiros, estão livres, leves e soltos. São os donos do pedaço. Veja a desigualdade entre quem ganha rios de dinheiro como os bancos e, nós, brasileiros assalariados: nós pagamos Imposto de Renda; os bancos, a despeito de seus lucros exorbitantes, não! Não sei se a legislação mudou para que os bancos passassem a pagar IR. Mesmo que paguem, os lucros são fabulosos!

As grandes instituições bancárias deste país, como Bradesco, Itaú, Unibanco, HSBC e outros, e até mesmo as oficiais, como o Banco do Brasil, Basa, Banco do Nordeste e Caixa Econômica, têm lucros astronômicos que não dividem com seus funcionários, os verdadeiros geradores da riqueza dos bancos.

Em tempos remotos, diga-se de passagem, ser funcionário de uma dessas instituições oficiais era garantia de um bom salário e de muitas vantagens, como plano de saúde, auxílio “xis”, auxílio “y”, etc. Ou seja, o bancário de uma dessas instituições tinha amplas condições de sustentar sua família, dar bons colégios aos filhos, etc.

Hoje, os bancos oficiais – para barrar a ganância dos bancos privados – praticamente forçam seus funcionários com as mesmas exigências para cobrir cotas de vendas de planos de seguro, títulos de capitalização, de aplicação em renda fixa e uma enxurrada de outras “grandes vantagens” para os clientes. Em suma: são outros gananciosos.

Pior: essas cotas, como qualquer empresa de vendas, como os laboratórios farmacêuticos, têm data de fechamento – o bancário que fica sem cobrir sua cota por um ou dois meses vai para a linha de tiro ao alvo, isto é, está marcado para perder seu emprego num banco privado. Afinal, vender é uma habilidade que se pode adquirir à custa de muito treinamento. Mesmo assim, só a desenvolve quem tem facilidade, características para venda, dom que não é para todos.

Nas instituições oficiais… bem, o caso merece estudo e coragem de seus funcionários para virem a público denunciar a pressão que sofrem para se transformar em grande vendedor dos produtos do banco.

O resultado visível dessa forte pressão, hoje chamada pelos psicólogos de assédio moral, é um grande estresse, úlcera, insônia, perda de peso ou ganho exagerado de peso, desequilíbrio emocional e toda sorte de doenças do sistema nervoso. O mais estranho é que não se vê a Imprensa falar sobre este assunto. É como se ele não dissesse respeito a sociedade.

Em recente pesquisa junto a hospitais psiquiátricos sobre profissões que apresentam maior índice de distúrbios nervosos, os bancários ocupavam o topo da lista, seguidos de corretores de valores mobiliários e, pasmem os colegas!, de jornalistas, outra categoria mal remunerada em todo o país, exceto em canais de TV das Regiões Sul-Sudeste.

Também estou sendo prejudicado pela greve dos bancários, mas não vejo para eles outra solução que não a greve, até que os banqueiros decidam dividir os lucros exorbitantes com quem realmente os produz, os bancários.

* Jornalista e professor

7

Polícia elucida morte de blogueiro potiguar…

F. Gomes: polícia potiguar elucidou o crime

A polícia civil do Rio Grande do Norte elucidou ontem o assassinato do blogueiro Francisco Gomes Medeiros, o F. Gomes.

Ele foi executado em outubro de 2010, nos moldes do assassinato do jornalsita Décio Sá.

Assim como Décio, F. Gomes mantinha um blog que denunciava políticos, empresários e autoridades do Rio Grande do Norte.

De acordo com as informações da imprensa potiguar, Gomes foi morto por encomenda do comerciante Lailson Lopes, com participação também do pastor Gilson Neudo Soares do Amaral.

Ainda de acordo com a polícia, o pastor usou parte do dízimo para pagamento do crime.

O articulador da execução foi o advogado Rivaldo Dantas.

Além deles, o coronel Marcos Antonio de Jesus Moreira e o policial militar Evandro Medeiros também ajudaram no crime. O assassinato custou R$ 8 mil. 

Todos os envolvidos já estão presos…

Leia aqui a notícia sobre a morte de F. Gomes