7

A ascensão nacional de Eliziane Gama…

Presença constante na grande mídia desde o início do mandato, senadora é a representante maranhense na CPI da CoVID-19, com forte atuação e participação direta nos depoimentos dos principais expoentes do governo Bolsonaro

 

Eliziane confrontou Pazuello na CPI da CoVId-19; senadora é destaque nas intervenções no Senado Federal

Desde que assumiu mandato no senado Federal, a senadora Eliziane Gama (Cidadania) focou suas ações em uma pauta nacional, com postura independente ao governo, embora com postura crítica também em relação à esquerda.

A atuação rendeu forte participação na grande mídia, com destaque quase diário no Jornal Nacional, principal noticiário do país.

Destaque este ressaltado desde o início de sua atuação também no blog Marco Aurélio D’Eça. (Relembre aqui, aqui e aqui)

Esta posição de destaque de Eliziane se consolidou com a instalação da CPI da CoVId-19; ela tem participação efetiva, como a mais destacada representante da bancada feminina e a única representante maranhense.

Mesmo sem ser membro efetivo da comissão, Eliziane tem enquadrado expoentes do governo Bolsonaro, como o general Eduardo Pazuello, responsável por uma das piores gestões do Ministério da Saúde em todos os tempos.

Com sua postura dura e embasada, Eliziane Gama ganhou destaque na prestigiada coluna eletrônica do jornalista Ribamar Corrêa, um dos mais experientes e acreditados do Maranhão.

O blog Marco Aurélio D’Eça republica abaixo diálogo de Eliziane com Pazuello, que foi publico por Corrêa:

Senadora Eliziane Gama – Ministro, o senhor leva a sério o que o presidente da República fala nas redes sociais?

Ex-ministro Eduardo Pazuello – Eu só levo à sério quando as coisas são tratadas pessoalmente comigo, como ministro. Agora, as posições do presidente nas redes sociais, as posições de Twitter, aquilo é a figura política dele. Dali eu não extraio ordens e determinações para nada. 

Eliziane Gama – Ou seja, o senhor não leva à sério. 

Eduardo Pazuello – O termo não é ‘levar à sério’, eu não falei isso. Eu falei que dali eu não extraio ordens.

Eliziane Gama – Porque, ministro, com todo respeito ao senhor, mas a sensação que eu tenho é que parece que o senhor está meio que brincando com a cara da gente na CPI. O senhor já mentiu demais nessa comissão, ministro, mas muito mesmo!

Este diálogo ganhou os meios de comunicação nacional, sobretudo pelo fato de Eliziane estar embasada em provas documentais e mostrar firmeza diante do ex-ministro.

Claro que esta postura despertou revolta entre os bolsonaristas – sobretudo evangélicos – que tentam desqualificar a atuação da senadora.

Mas, se continuar assim, não há dúvidas de que Eliziane marcará sua história no Senado.

E na política brasileira…

7

A força nacional de Eliziane Gama…

Senadora maranhense tem destaque na cobertura da grande imprensa com a sua postura independente no Congresso; e ganha ainda mais espaço ao defender maior participação feminina nas instâncias de decisão do Senado

 

Governista tentaram calar a voz de Eliziane Gama, que se impôs, buscando espaço para as mulheres na CPI da CoVID-19

A senadora Eliziane Gama (Cidadania) tem ocupado a grande mídia desde o início do seu mandato, sempre com discussões de relevância na pauta nacional. 

O debate desta quarta-feira, 5, em pleno Jornal Nacional, é apenas mais uma das pautas em que a líder do Bloco Independente no Senado tem aparecido ao longo dos últimos dois anos e meio.

Eliziane é uma árdua defensora do maior destaque à presença feminina nas decisões do Senado e do Congresso Nacional. Ela conseguiu abrir espaço para as mulheres como bloco com direito a voto.

Agora, tem lutado pela presença de uma mulher na CPI da CoVID-19, por isso a participação efusiva na audiência do ex-ministro da Saúde, Nelson Teich.

É a parlamentar m,aranhense com maior presença na mídia nacional, sempre em assuntos de nteresse da nação, como este blog já mostrou no post “Eliziane Gama e a mídia nacional…”

E já começa a ser voz também na questão da disputa presidencial de 2022…

2

Flávio Dino terá teste de tolerância política nas eleições de outubro

Governador vê diversos adversários com força eleitoral em alguns dos principais municípios – incluindo São Luís – mas sabe que sua interferência poderá ter repercussão negativa em seu próprio projeto de poder para 2022

 

Da sacada do Palácio dos Leões, Flávio Dino aponta cada vez mais para horizontes além do Maranhão; mas sabe que precisa cada vez menos de guerra paroquial

Ensaio

O governador Flávio Dino tem um projeto de poder desenhado para 2022: ele quer ganhar cada vez mais influência política nacional para tentar se viabilizar como candidato a presidente, ou, quem sabe, vice-presidente.

Mas sabe que, para viabilizar seu projeto, é preciso cada vez menos beligerância no plano estadual, evitando repercussão negativa.

Por isso, Dino terá um teste de tolerância política nas eleições de outubro.

Adversários do governador são favoritos ou disputam em igualdade de condições em municípios como São Luís, Imperatriz, Coroatá, Barra do Corda e Lago da Pedra.

E seus aliados, obviamente, querem sua interferência para evitar eventuais derrotas.

Ricardo Murad é adversário duro e corajoso; e sabe usar as armas de que dispõe contra seus adversários, estejam onde estiverem

Mas como se comportará Dino – cada vez mais no papel de estadista – em relação a campanhas como a Eduardo Braide (Podemos), favorito em São Luís; Maura Jorge (PSL), líder em Lago da Pedra, e Ricardo Murad (PSDB), com amplas chances em Coroatá?

Interlocutores do blog Marco Aurélio D’Eça no Palácio dos Leões dizem que Dino tenta, cada vez mais, isentar-se do debate eleitoral municipal.

Mas reconhecem que situações como a de Lago da Pedra e a de Coroatá – bem mais do que a de São Luís – preocupam o governador.

Maura Jorge e Ricardo Murad são adversários intensos, ostensivos e com forte repercussão midiática; no poder, ampliam essa força e podem fazer estragos na imagem de Dino.

Maura Jorge já demonstrou coragem contra o próprio Flávio Dino; e ainda dispõe de forte penetração nas redes sociais, campo necessário ao comunista

É, portanto, um caminho difícil para o comunista.

Se decidir ficar neutro mesmo nestes municípios com adversários históricos, nada garante que eles saberão reconhecer o silêncio caso vençam as eleições.

Mas se forem provocados, atacados e perseguidos – e mesmo assim vencer as eleições em suas bases – sairão das urnas com sede suficiente para uma campanha de desconstrução do governador.

As eleições de 2020 são, portanto, uma escolha estratégica do governador.

E ele terá que avaliar suas consequências…

0

César Pires volta a denunciar maquiagem nos números da covid-19 no MA

Deputado estadual acha suspeito que os números da Secretaria Estadual de Saúde apresentem nova discrepância em comparação aos boletins municipais justamente quando o total de infectados ameaça romper a barreira dos mil casos por dia

 

César Pires tem contestado sistematicamente, com documentos oficiais, os números da pasta do secretário Carlos Lula, que culpa o sistema nacional pela defasagem

O deputado estadual César Pires (PV) voltou a denunciar nesta quinta-feira, 21, o que chama de “maquiagem do governo Flávio Dino (PCdoB) nos números oficiais da coVID-19” no Maranhão.

Para o deputado, é mais suspeito ainda que essa maquiagem – para diminuir o total – ocorra exatamente quando o Maranhão ameaça romper a barreira dos mil casos por dia.

– É suspeito que o governo Flávio Dino corrija os números exatamente depois que a gente faz a primeira denúncia; e volte a maquiar os números quando os casos ameaçam romper a barreira de mil por dia – acusou Pires.

Não é a primeira vez que César Pires denuncia a manipulação nos números da coVID-19.

Há três semanas, ele apresentou uma série de boletins de prefeituras do interior que mostravam absoluta defasagem no total de casos divulgados pela SES se comparados com os números dos municípios.

Depois da denúncia, a SES passou a corrigir os números, até igualá-los aos dados municipais, o que fez o registros de casos disparar no estado. (Relembre aqui)

O boletim oficial da Secretaria de Saúde apresentou oficialmente ontem apenas 204 casos de coVID-19 registrados em Códo…

Mas, aos poucos, os dados do governo voltaram a ficar defasados em relação aos dos municípios, até culminar com a diferença gritante nos relatórios desta quarta-feira, 20, justamente quando o total de infectados pela coVID-19 beira os mil casos.

– O boletim de ontem do governo mostrava apenas 204 casos em Codó; mas o boletim da prefeitura, no mesmo dia, apresenta 461 casos. Só essa diferença de 257 casos já faria os 944 casos anunciados pela SES subir para 1.201 –  comparou o parlamentar.

…Mas o boletim oficial da Prefeitura de Codó, no mesmo dia, diz que os casos confirmados são, na verdade, 461, uma diferença de 257 casos

Repare que a conta incluindo os números reais de Codó elevaria o total de casos de coVID-19 para próximo ao pico de 1,5 mil casos, estimado pela Universidade Federal de Minas Gerais para ocorrer só em 5 de junho, conforme pesquisa já publicada no blog Marco Aurélio D’Eça. (Entenda também aqui)

O governo alega que os dados ficam defasados por que as prefeituras informam diretamente ao Ministério da Saúde, o responsável por atualizar o sistema, usado pela própria SES.

Mas César Pires suspeita que o objetivo do governo é sustentar o discurso vendido na mídia nacional, de sucesso nas medidas contra o coronavírus.

– Ele [Flávio Dino] vende na imprensa nacional que o Maranhão tem o controle da pandemia; esses números mostram que não ha´controle algum – concluiu Pires.

E sem controle, nenhum planejamento funciona.

Simples assim…

1

Eleições em São Luís despertam interesse da mídia nacional…

Primeira disputa do pós-Sarney e da era Flávio Dino no Maranhão chama atenção também pela disputa em São Luís, protagonizada por jovens lideranças emergentes no cenário político da capital maranhense

 

Edivaldo, Wellington e Eliziane: jovens candidatos na era pós-Sarney

Edivaldo, Wellington e Eliziane: jovens candidatos na era pós-Sarney

Jornalistas dos principais jornais e revistas do país já começaram a desembarcar em São Luís para acompanhar as eleições na capital maranhense.

O que acham atenção na disputa em São Luís é o fato de ser o primeiro pleito na era pós-Sarney, e as primeiras eleições municipais com o Maranhão sob a gestão do governador Flávio Dino (PCdoB).

Jornais como Folha de S. Paulo, O Globo, Estadão; revistas como Veja, IstoÉ e emissoras de TV devem ficar na capital maranhense até o fim do primeiro turno.

Além da era pós-Sarney, o que chama atenção da mídia nacional é o fato de a eleição em São Luís reunir em sua plenitude jovens candidatos, a maioria abaixo dos 50 anos, disputando a prefeitura da principal cidade maranhense.

As produções jornalísticas a partir de São Luís devem ser registradas já nos próximos dias…