0

Pesquisa Escutec será divulgada sábado…

Levantamento sobre a sucessão em São Luís sairá na edição de fim de semana do jornal o EstadoMaranhão, como baliza para o atual momento da campanha pela sucessão do prefeito Edivaldo Júnior

 

Será divulgada na edição do fim de semana do jornal O EstadoMaranhão a primeira pesquisa Escutec sobre a corrida eleitoral em São Luís.

Os pesquisadores do Instituto estão nas ruas desde o início da semana.

A pesquisa servirá como primeiro balizamento do momento atual da sucessão do prefeito Edivaldo Júnior (PDT).

Estarão no levantamento todos os candidatos já postos como opção para o eleitor de São Luís.

É aguardar e conferir…

0

Em artigo, Sarney prega eleições limpas, fala de fraudes e abuso do poder político…

Ex-presidente analisou como atípica a eleição do último domingo, defendeu os princípios da democracia e disse perceber um país dividido, “marcado pelo ódio e pela pregação da divisão de classes”

 

Sarney analisa em artigo resultado das eleições

O ex-presidente José Sarney classificou de “atípica” a eleição do último domingo, 7, em todo o país. Em seu artigo semanal no jornal O EstadoMaranhão, ele lamentou o clima de ódio existente hoje no Brasil, mas disse acreditar que o país possa ressurgir, mesmo contorcido.

– O país vive um caos institucional – como no universo de Einstein, sempre em expansão – os poderes ocupando espaços veloz e autoritariamente, um querendo engolir o outro. Por outro lado, tornou-se um país dividido, marcado pelo ódio e pela pregação da divisão de classes, pela insegurança jurídica – desapareceram a coisa julgada e o direito adquirido -, por leis circunstanciais e casuísticas desintegrando o estado de direito. Nesse clima, com trinta e nove partidos, uma Câmara de Deputados atomizada e o Senado também, sem falar na qualidade da representação, é impossível governar – afirmou.

Sarney lembrou que as eleições são a essência da democracia, mas ressaltou que ela precisa ser limpa, sem interferências que possam manchar seu resultado.

– É por meio dela [da eleição] que o governo democrático se constitui. Por isso tem que ser limpa, sem deformação da interferência do poder político, econômico, militar e da fraude. Até hoje não conseguimos afastar essas ameaças, embora contra elas lute-se sempre – frisou o ex-presidente, sem citar exemplos locais ou nacionais.

Para o ex-presidente, o clima de hoje não se compara ao vivido poor ele próprio, quando assumiu o comando do Brasil pós-ditadura, em meio à morte do presidente eleito e num clima de insegurança pelo risco de votla dos militares ao poder.

– Muito pior vivi eu, em 1985, quando Tancredo morreu e assumi a presidência da República. Mas comandei a transição, deixei a Democracia restaurada e o país andando. Infelizmente, a Constituição de 1988, feita com os olhos no retrovisor, sem ver a sociedade do futuro, tornou o país ingovernável, e um anarcopopulismo levou-nos ao caos que atravessamos – analisou José Sarney.

Abaixo, a íntegra do seu artigo:

De Péricles às batatas

Ao discursar nas Nações Unidas, em 1989, tive a oportunidade de afirmar que “o caminho do desenvolvimento passa pela democracia”. A definição mais simples e mais antiga dela é a grega, cujos princípios básicos estão no discurso de Péricles, grande general e orador, aos mortos na guerra do Peloponeso, entre Atenas e Esparta.

Ali ele define democracia pela junção de duas palavras gregas: governo do povo. E define a obediência às leis (estado de direito, que James Harrington, citando Aristóteles, sintetizou, milênios depois, como governo das leis e não dos homens); igualdade de todos; democracia representativa, isto é, não ser o governo de um só homem, mas de muitos, sempre escolhidos pelo povo etc. Lincoln, na beleza com que escrevia, aprimorou sua definição para: Governo do povo, pelo povo e para o povo; já Churchill, com cruel realismo, disse: É a pior forma de governo, exceto todas as outras.

Esta introdução é para dizer que as eleições são a essência da democracia. É por meio dela que o governo democrático se constitui. Por isso tem que ser limpa, sem deformação da interferência do poder político, econômico, militar e da fraude. Até hoje não conseguimos afastar essas ameaças, embora contra elas lute-se sempre.

Tivemos uma eleição atípica no último dia 7. E o resultado também foi assim. O país vive um caos institucional – como no universo de Einstein, sempre em expansão, os poderes ocupando espaços veloz e autoritariamente, um querendo engolir o outro. Por outro lado, tornou-se um país dividido, marcado pelo ódio e pela pregação da divisão de classes, pela insegurança jurídica – desapareceram a coisa julgada e o direito adquirido -, por leis circunstanciais e casuísticas desintegrando o estado de direito. Nesse clima, com trinta e nove partidos, uma Câmara de Deputados atomizada e o Senado também, sem falar na qualidade da representação, é impossível governar.

Mas fico feliz, pois, esquecendo tudo isso, sei que o país vai superar suas septicemias e vamos viver um Brasil que se contorce, mas que vai ressurgir.

Muito pior vivi eu, em 1985, quando Tancredo morreu e assumi a presidência da República. Mas comandei a transição, deixei a Democracia restaurada e o país andando. Infelizmente, a Constituição de 1988, feita com os olhos no retrovisor, sem ver a sociedade do futuro, tornou o país ingovernável, e um anarcopopulismo levou-nos ao caos que atravessamos.

Como dizia Machado de Assis: aos vencedores as batatas. Mas que tenham sorte. São meus votos.

2

Amadorismo e má-fé…

Blog publica abaixo artigo do jornal O EstadoMaranhão que destrói os argumentos do governador Flávio Dino sobre o aluguel camarada da Clínica Eldorado

 

Impressiona, em tudo e por tudo, a total incapacidade do Governo Flávio Dino em reconhecer os seus malfeitos reincidentes.

Esse contrato de locação entabulado com a Clínica Eldorado, é, em realidade, um atentado contra os princípios que devem nortear a Administração Pública, previstos no art. 37 da Constituição Federal.

Aliás, juristas como ambos são, tanto o governador do Estado, quanto o secretário de Saúde, têm o dever de conhecer e reconhecer as ilegalidades e inconstitucionalidades que contaminam a essência do propalado contrato de locação.

A improbidade administrativa pelas razões expostas a seguir é também manifesta, seja em razão do dano ao Erário, seja, como já dito, em razão das ofensas aos princípios constitucionais, notadamente o da moralidade, impessoalidade e eficiência.

Ora, num lugar minimamente civilizado, jamais se poderia aceitar que um contrato feito mediante dispensa de licitação (isso é uma outra história, apta a render novo editorial) pudesse ser firmado entre um ente público e um particular, quando este particular tem uma filha que é servidora de confiança da pasta por meio da qual saiu a dotação orçamentária.

Assim, o contrato de locação com a Clínica Eldorado também é um contrato nepotista, ou seja, é nulo por esse motivo igualmente.

O pior mesmo, contudo, é a desfaçatez ao querer o governador e seus asseclas zombar, para não dizer tripudiar, da inteligência do povo maranhense ao afirmar que o contrato nada tem de errado.

Não mesmo governador? O senhor está certo disso?

Será que as regras de experiência nunca lhe ensinaram que vigora na praxe do mercado imobiliário a figura da carência? Carência é justamente o período em que o locador, no caso o Estado do Maranhão, deixa de efetuar o pagamento dos aluguéis para compensar com os investimentos feitos no imóvel por ele locado.

Por que não se fez uma carência nesse contrato, governador?

Assim, o imóvel estaria alugado e os cofres públicos não estariam sangrando, isto é, o imóvel poderia, sim, sofrer a reforma depois de alugado, diferentemente do que afirmou o governador nas redes sociais. Isso é básico, bem básico, caríssimo governador.

Aliás, com uma administração dessa, fica difícil mesmo o Estado do Maranhão não quebrar, conforme o confessado pelo chefe do Executivo, recentemente, no Município de Caxias. Tanto mais, quando situações como a presente, como já se viu, são recorrentes e não apenas um caso isolado.

O fato é que o Estado do Maranhão já pagou mais de R$ 1 milhão, entre aluguel e reforma, que não voltarão mais para o erário.

Dizer, por outro lado, como disse Flávio Dino nas redes sociais, que o art. 35 da Lei do Inquilinato garantiria o reembolso da quantia investida, nada mais é do que o direito de espernear, pois o contrato de locação diz claramente em sua cláusula 8.2 que as benfeitorias úteis, que são as que estão sendo realizadas no imóvel, não serão indenizadas, pouco importando o que diz a legislação, já que, quanto a esse aspecto, o que ficou estipulado no contrato é soberano e haverá, infelizmente, de prevalecer.

É de se concluir que a mais nova crise do governo estadual, ocasionada pela inobservância dos princípios que regem a administração pública, é um misto de amadorismo e má-fé, resultante em flagrante prejuízo material ao Estado. Lamentamos!

Que a OAB, Ministério Público e demais autoridades competentes, tomem as providências que o controle social requer!

Publicado na edição desta quinta-feira, 17, do EMA

1

Jornal é o meio de imprensa mais confiável, diz pesquisa..

Quase 60% da população acredita sempre nas notícias que lê no veículo impresso; a credibilidade dos jornais supera a do rádio e da televisão; TV ainda é o meio mais acessado para notícias, à frente da internet

 

O leitor ainda busca nos jornais impressos as notícias mais confiáveis

Pesquisa realizada  no ano passado pela Secretaria de Comunicação da presidência da República apontou que o jornal impresso ainda é o veículo de maior credibilidade em se tratando de notícias.

De acordo com o levantamento, 59% dos entrevistados disseram “sempre acreditar” ou “quase sempre” nas informações prestadas pelo impresso.

A credibilidade dos jornais é maior que a do rádio (57%) e a da televisão (54%).

O EstadoMaranhão em primeiro

Na mesma pesquisa, foi confirmado que o jornal O EstadoMaranhão está entre os 20 mais lidos do país.

O matutino maranhense – do qual o titular deste blog orgulha-se de ser editor – ficou na 20ª colocação, numa lista de mais de 200 jornais.

Entre os entrevistados maranhenses da pesquisa, O Estado ficou em primeiro lugar como o mais lido do Maranhão.

A pesquisa apontou ainda que a televisão ainda é o veículo mais acessado na busca por notícias: este meio supera o rádio e a internet, inclusive.

2

José Sarney: “o medo não pode nos tirar a esperança”…

Em contundente artigo em que relaciona o medo historicamente, ex-presidente destaca trecho sobre o momento político do Maranhão, em que a intimidação, a perseguição e a imposição da força têm marcado as relações políticas

 

leviata

No Maranhão hoje, o medo é esse instrumento utilizado politicamente.

Todos têm medo: os comerciantes têm medo das fiscalizações dirigidas; os políticos têm medo das comissões de inquérito semelhantes às da inquisição, que levaram às fogueiras; os funcionários têm medo das ameaças e das demissões.

Cada cidadão tem medo de uma forma de perseguição.

Uma denúncia aqui, uma demissão acolá, uma ameaça mais além, chantagens, pressões, insinuações, calúnias, difamações, falsidades…

Tudo isso rasga a coesão social, rompe a vida das famílias, mina o futuro.

A ideologia semeia dogmas – e ai daqueles que não acreditem. Hoje ela desapareceu, tornou-se retórica antiquada; só fez mal à humanidade.

Nada fez mais medo – nem a guerra nuclear – que o regime encarnado em Stalin, que matou mais de 30 milhões de pessoas.

Será que alguém pensa que o comunismo pode renascer no Maranhão?

Que saudade do medo simples de minha infância, quando – é minha primeira memória – eu e meus irmãos espiávamos, de detrás da porta, os índios que entravam na cidade em fila!

O que o medo não pode nos tirar é a esperança…

Trecho do artigo “O Medo como intimidação”, publicada na edição de fim de semana de O EstadoMaranhão

0

Escutec vai medir a influência do debate na reta final…

Pesquisa que está sendo concluída hoje para divulgação neste sábado, pelo jornal O EstadoMaranhão, ainda tem praticamente metade das entrevistas par ser feitas, o que captará a impressão do eleitor sobre o desempenho de cada candidato

 

Canidatos no debate, mdido pela Escutec: o povo sabe definir quem foi o melhor

Candidatos no debate, medido pela Escutec: o povo sabe definir quem foi o melhor

A última pesquisa do Instituto Escutec sobre a sucessão em São Luís será divulgada neste sábado, 1º.

E o levantamento – cujas entrevistas começaram ontem e devem ser concluídas nesta sexta-feira, 30 – devem captar o desempenho de cada candidato no debate da TV Mirante, que encerrou a campanha eletrônica.

A pesquisa, com cerca de 1 mil entrevistas, será publicada no jornal O EstadoMaranhão, e será o último levantamento antes do pleito de domingo.

Os números devem indicar se haverá ou não segundo turno nas eleições de São Luís.

E, se houver, quem disputará o confronto direto…

6

Escutec mostra polarização entre Edivaldo e Wellington…

Prefeito conseguiu reduzir drasticamente a rejeição, e mantém cerca de 11 pontos sobre o adversário do PP; Eliziane confirma tendência de queda, agora restando apenas 20 dias de propaganda na TV

 

numeros

Os números da pesquisa Escutec divulgados neste sábado pelo jornal O EstadoMaranhão consolidam duas situações em relação aos candidatos:

1 – O prefeito Edivaldo Júnior (PDT) reduziu drasticamente a rejeição, agora para algo em torno de 25%, já quase nos mesmos níveis da de Eliziane Gama (PPS).

2 – Eliziane reflete intenso desgaste das primeiras três semanas de campanha, e perde considerável terreno para Wellington do Curso (PP), agora consolidado em segundo lugar.

fabio

De acordo com a pesquisa, Edivaldo tem hoje 33,5% das intenções de votos, exatos 11,2 pontos percentuais à frente de Wellington, que aparece com 22,3%, na segunda colocação.

Eliziane agora registra 15, 8% de intenção de votos, ou 6,5 pontos percentuais atrás do segundo colocado.

Como a margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos, pode-se dizer que Wellington supera em apenas 0,5 pontos percentuais a condição de empate técnico com Eliziane Gama.

Rejeição

Outro ponto fundamental da pesquisa Escutec é a questão da rejeição.

Enquanto Edivaldo reduziu drasticamente seus índices nas últimas semanas, registrando agora 25,9%, Eliziane tem desgaste acentuado, registrando, agora, 21,3% de eleitores que declaram não votar nela de jeito nenhum.

Wellington do Curso tem rejeição de apenas 8,8%, o que lhe dá condições de brigar fortemente com Edivaldo em um eventual segundo turno.

Segundo Turno

Uma eventual disputa de segundo turno Edivaldo Júnior e Wellington do Curso – o cenário mais provável – a situação é de rigoroso empate técnico, com o candidato do PDT registrando 42% e o pepista aparecendo com 40%.

Detalhe: Wellington está em viés de alta, o que pode ser fundamental neste aspecto.

Em todos os cenários de segundo turno, Eliziane perderia para os dois principais adversários…

A pesquisa Escutec ouviu 800 eleitores, entre os dias 7 e 9 de setembro. Foi registrada no TSE sob o número de protocolo MA-00724/2016.
2

Escutec terá uma pesquisa por semana até as eleições…

Levantamentos sobre a corrida eleitoral em São Luís serão divulgados pelo jornal O EstadoMaranhão, sempre aos sábados, até o dia 1º de outubro, véspera do pleito

 

pesquisa

O Instituto Escutec e o jornal o EstadoMaranhão consolidaram a parceria eleitoral e decidiram fazer acompanhamento integral das eleições em São Luís.

Serão quatro pesquisas sobre a preferência do eleitorado da capital maranhense, já a partir deste sábado, 10.

De acordo com o diretor do instituto, Fernando Júnior, com o acompanhamento, o jornal terá um cenário claro da campanha em todos os seus momentos, dando ao eleitor a ideia exata de como está o processo.

Além deste sábado, 10, serão divulgadas pesquisas nos dias 17 e 24 de setembro, e no dia 1º de outubro, uma espécie de boca de urna.

Todas as pesquisas serão divulgadas integralmente pelo jornal O EstadoMaranhão, em suas edições de fim de semana…

1

Pesquisa Escutec deve por ordem na casa em São Luís…

Diante da confusão gerada por uma série de levantamentos – e da disparidade drástica entre um  e outro – instituto de maior credibilidade no Maranhão deve apontar os rumos exatos do atual cenário da corrida eleitoral em São Luís

 

escutec3

O Instituto Escutec vai divulgar no sábado, 3, na edição de fim de semana do jornal O EstadoMaranhão, a sua terceira rodada de pesquisas de intenção de votos sobre a sucessão em São Luís.

A pesquisa, já registrada no site do Tribunal Superior Eleitoral, deve ser a palavra final neste momento da campanha na capital maranhense, num momento em que institutos apresentam números tão díspares e antagônicos entre si, que fica impossível fazer qualquer leitura do cenário.

É uma espécie de fechamento do ciclo de pesquisas da primeira semana de propaganda eletrônica efetiva.

Os dados do registro da pesquisa Escutec, para publicação sábado, em O EstadoMaranhão

Os dados do registro da pesquisa Escutec, para publicação sábado, em O EstadoMaranhão

De acordo com o dados do registro, a Escutec vai às ruas até sexta-feira, 2, para medir também o alcance da primeira semana de propaganda eleitoral no rádio e na televisão.

A pesquisa será publicada integralmente no jornal O EstadoMaranhão, que começa a circular no sábado, 3 de setembro…