0

Imperatriz: Secretaria de Saúde define ações do Outubro Rosa

Com a pandemia de Covid-19, a Divisão da Saúde da Mulher detectou uma diminuição em mais de 40%, da procura da população por exames de rastreio do câncer. Em virtude disso, a Prefeitura de Imperatriz, por meio da equipe da Secretaria Municipal de Saúde se reuniu para definir cronograma de ações da Campanha Outubro Rosa. Objetivo é reforçar a importância da continuidade do tratamento oncológico e dos exames diagnósticos. 

Este ano, a campanha de conscientização para o controle do câncer de mama e de colo uterino aborda a temática “Câncer de Mama não faz quarentena” e estará com ações descentralizadas nas Unidades Básicas de Saúde, da zona urbana e rural.

A secretária de Saúde do município, Mariana Jales, destaca que “o momento impede a realização de grandes palestras e reuniões, como em anos anteriores, mas os cuidados com a saúde devem ser mantidos, principalmente neste período de pandemia da Covid-19.  Por esta razão, enfatizaremos a Campanha do Outubro Rosa, pois a melhor forma de evitar o câncer ainda é realizando os exames de prevenção da doença”, relata.

A coordenadora do Programa Municipal de Saúde da Mulher e da campanha, Thamisa Fialho, pontua que as ações voltadas à saúde da mulher contam com a participação massiva da mídia. “Este ano houve uma diminuição de mais de 40% da procura dos exames de rastreio de câncer de mama e colo uterino. Contamos com a ajuda massiva da mídia, por meio dos canais oficiais da Prefeitura, grupos de WhatsApp da comunidade e emissoras de TV e rádio da cidade, para divulgarmos a importância dos exames de prevenção”, relata.

A Campanha Outubro Rosa segue com as normas e medidas preventivas para evitar a propagação da Covid-19. Os serviços voltados à saúde da mulher estão disponíveis nas UBS durante todo o ano. Para ter acesso, basta a paciente procurar uma unidade no seu bairro, com os seguintes documentos: cartão do Sistema único de Saúde (SUS), documento de identidade e o comprovante de endereço.

0

Deputado Fábio Braga ressalta importância da mamografia…

“Estamos finalizando o mês de outubro e nele tivemos justas homenagens à luta que a mulher brasileira, a mulher maranhense travam cotidianamente contra o câncer de mama, essa chaga que ameaça e infelicita as famílias, tirando a vida de milhares, quiçá de milhões de mulheres a cada ano no Brasil, no Maranhão e no mundo inteiro”, disse o parlamentar, abrindo sua fala na tribuna da Assembleia Legislativa, na última quinta-feira, 26.

“Este mês, propositalmente chamado de Outubro Rosa, soa como um grito de alerta para estimular e detectar precocemente a doença, porque reforça a luta pela cura, dissemina um maior volume possível de informação sobre acesso a serviços, diagnósticos e tratamento, contribuindo para o controle e, por consequência, para a redução da mortalidade desse tipo de câncer”, continuou.

Lembrou que a doença avançava com velocidade e intensidade porque, “segundo o Instituto Nacional de Câncer – INCA, são estimados mais 55 mil casos este ano no Brasil e que a idade da mulher surgia como um fator de risco importante para a doença, pois 80% de incidência acontecem justamente entre os 50 e os 69 anos de idade”.

E lamentou porque isso era um dado péssimo para o nosso país, já que segundo o IBGE, o Brasil possui uma população ao redor de 20 milhões de mulheres nessa faixa de risco, significando que estamos diante de uma realidade que impõe uma espécie de tratamento de choque, a fim de que a doença e essa moléstia não se propaguem ainda mais no país.

Lembrou, também, da importância do auto-exame, porque ninguém melhor do que a própria mulher conhece seu corpo, e ressaltou que a “mamografia era um dos exames obrigatórios para as mulheres a partir de 50 anos porque ele ajuda na identificação da doença antes mesmo do seu aparecimento”.

Relatou, ainda, que o “Sistema Único de Saúde-SUS garante a oferta gratuita do exame para a mulher brasileira em todas as faixas etárias, mas lamentou às dificuldades de muitas e muitas cidades, principalmente nas cidades mais carentes do nosso Estado, onde dificilmente temos a oferta de mamógrafo ou, em alguns casos, a baixa oferta na região de equipamento, o que representa uma dificuldade a mais para quem procura esse exame”.

E concluiu seu discurso:

“saúdo a mulher maranhense tão bem representada nesta Casa pelas deputadas Valéria Macedo, Nina Melo, Graça Paz, Ana do Gás, Andréa Murad e Francisca Primo, e torcendo para que este Outubro Rosa tenha sido mais um mês de uma luta que deve ser continuada durante todos os anos, para que se possa alardear e ter essa preocupação que temos no Estado do Maranhão, que é diminuir a mortalidade de um tipo  de um câncer, que tem uma possibilidade de cura superior a 90%, a partir do  seu descobrimento, portanto,  na fase inicial”.