2

Ações por mais segurança no trânsito são debatidas em audiência pública…

A municipalização do trânsito em todas as cidades do Maranhão e o uso dos equipamentos de segurança por motociclistas que usam seus veículos no trabalho foram algumas das ações defendidas pelos participantes da audiência pública realizada pela Frente Parlamentar em Defesa da Vida no Trânsito, na terça-feira passada. Presidido pelo deputado César Pires (PEN), o encontro reuniu representantes do Judiciário, do Ministério Público, de órgãos estaduais e da Prefeitura de São Luís, além de entidades como o Observatório do Trânsito e do Instituto SOS Vida.

César Pires anunciou na ocasião que apresentará na Assembleia Legislativa dois projetos de lei que visam tornar mais seguro o trânsito no Maranhão. O primeiro obriga as empresas que contratam os serviços de motociclistas a fornecerem equipamentos de segurança exigidos para o uso desse tipo de transporte. O segundo estabelece a municipalização do trânsito como condição para que as prefeituras maranhenses possam firmar convênios com o Governo do Estado.

No Maranhão, mais de 60% da frota de 1.541.845 veículos são motocicletas (934.431). De acordo com o SAMU, em 2013 foram registrados 4.977 acidentes de trânsito com vítimas nos municípios da ilha de São Luís. Desse total, cerca de 75% envolveram motociclistas.

Além disso, mais de 70% dos leitos ortopédicos são ocupados por acidentados de trânsito. Outro dado preocupante é que apenas 58 dos 217 municípios maranhenses têm o trânsito municipalizado.

Com o objetivo de colher subsídios e propor medidas que possam tornar mais seguro o trânsito de pedestres e veículos nas ruas, avenidas e estradas de todo o Maranhão, a audiência pública contou com a participação da diretora do Detran, Larissa Abdalla; do juiz da Vara de Interesses Difusos e Coletivos, Douglas Martins; do promotor de justiça Agamenon Azevedo; de representantes das secretarias municipais de Saúde e Trânsito; da Secretaria de Estado da Educação; do Departamento de Infraestrutura Terrestre (DNIT) e da Polícia Militar.

Também na ocasião o diretor de Relações Institucionais da Cemar, José Jorge Soares, apresentou a iniciativa exitosa da empresa, que fornece todos os equipamentos de segurança aos funcionários que utilizam motocicletas em suas atividades profissionais.

2

Weverton Rocha na lista dos políticos mais influentes do país…

Deputado federal, líder do PDT na Câmara é o único maranhense que aparece no ranking anual “Os 100 Cabeças do Congresso”,  do respeitado Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap)

 

Weverton é hoje o mais influente parlamentar maranhense no Congresso

Weverton é hoje o mais influente parlamentar maranhense no Congresso

O líder do PDT na Câmara Federal, deputado Weverton Rocha, é o único maranhense entre os parlamentares mais influentes, na avaliação do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), que divulgou nesta quarta-feira, 3, a lista dos “Cabeças” do Congresso Nacional 2016.

Ele atribuiu a inclusão de seu nome entre os mais influentes à defesa intransigente da soberania nacional e da classe trabalhadora.

Fazer parte deste seleto grupo é uma prova de que estou no caminho certo, afinado, principalmente, com as demandas de interesse popular. Atuo com firmeza e coerência, lutando pelos ideais programáticos do nosso PDT, de Brizola. Divido com alegria e satisfação esta indicação ao povo maranhense, que depositou em mim toda a confiança para o exercício desta árdua missão”, ressaltou.

No mesmo período do ano passado, Weverton, em seu segundo mandato, mesmo não fazendo parte do grupo dos 100 mais influentes, figurou na categoria “Parlamentar em Ascensão”, por cumprir, com êxito, missões partidárias, políticas ou institucionais.

O Diap listou 100 nomes que, após terem a atuação avaliada, correspondente ao período de fevereiro a julho de 2016, foram considerados os “Cabeças do Congresso”.

Em resumo, são aqueles parlamentares que conseguem se diferenciar dos demais pela inteligência ao debater, negociar, articular e formular opiniões. Na lista há 62 deputados e 38 senadores.

O pedetista aparece no levantamento com estas características, mas com destaque pela capacidade de negociação, na busca pelo consenso entre as diferentes bancadas, visando o bem comum.

3

Suplentes diminuem média de idade da bancada maranhense…

Bancada maranhense é remoçada na Câmara

Provavelmente de forma involuntaria, a sequência de mudanças na bancada federal maranhense no Congresso Nacional tem caído drasticamente desde às eleições.

Sobretudo com as mudanças operadas em sua administração pela governadora Roseana Sarney (PMDB).

Atualmente, são cinco membros da bancada – um senador e quatro deputados – com média de idade abaixo de 35 anos.

Compõem a bancada de jovens parlamentares no Maranhão o senador Clóvis Fecury (DEM) e os deputados Edivaldo Holanda Júnior (PTC),  Alberto Filho (PMDB), Weverton Rocha (PDT) e Davizinho (PR)

E a tendência é aumentar ainda mais o “remoçamento” da bancada, com a entrada de Paulo Marinho Júnior (PMDB) e – provavelmente – Ricardo Archer (PMDB).

Se confirmadas as duas posses, o número de parlamentares considerados jovens equivalerá a 1/3 da bancada.

A vantagem das mudanças é a oxigenação dos representantes na Câmara e no Congresso.

Se isso corresponder também em melhoria da atuação nas casas legislativas, menos mal para o Maranhão…

2

Max Barros e a confiança da classe política…

Max Barros, ao centro: poucos inspiram tanta confiança quanto ele

Nada menos que 15 deputados estaduais estão hoje, desde cedo, ao lado do secretário de Infra-estrutura, Max Barros (PMDB), na Baixada Maranhense.

O evento é administrativo: Max lançará, em Viana, as obras de reconstrução total do trecho de 153 quilômetros da MA-014, um dos sonhos da região.

Mas o aspecto político do ato transparece na presença de cada deputado.

Os colegas de Assembleia Legislativa estão lá por que Max, como secretário ou como deptuado, inspira confiança.

A relação é com parlamentares de todas as gerações

Técnico dos mais corretos e preparados – conceito admitido inclusive pela oposição – o secretário de Infraestrutura é também político por opção.

São 15 parlamentares que acreditam no trabalho e nas ações do colega peemedebista.

Em termos políticos, eles representam nada menos que 1/3 da Assembleia Legislativa.

Respeito, inclusive, entre oposicionistas

Levando em consideração que Max Barros tem a admiração declarada do líder da oposição, Marcelo Tavares (PSB) – que, obviamente, não estará no lançamento da obra, em Viana – o deputado do PMDB demonstra ter condições de criar uma relação muito mais próxima com os colegas de Assembleia.

Por isso seu nome é falado insistentemente nos bastidores, para as próximas eleições na Casa.

E o pleito só acontece em dezembro…

12

Deputados do PR reafirmam “apoio irrestrito” ao governo Roseana

Raimundo Louro e Jota Pinto forma a bancada do PR

Os deputados Jota Pinto e Raimundo Louro, que compõem a bancada do Partido da República (PR) na Assembléia Legislativa, divulgaram nota, hoje, na qual reforçam o apoio à governadora Roseana Sarney (PMDB).

–  A bancada do PR na Assembleia Legislativa, integrada pelos parlamentares Jota Pinto e Raimundo Louro, reafirma seu irrestrito apoio ao governo do Estado no Poder Legislativo, compondo um dos blocos de sustentação governista, garantindo assim a estabilidade necessária para que a governadora Roseana possa realizar o melhor governo de sua vida – diz o documento assinado pelos parlamentares.

Além dos dois deptuados do PR, o líder do Bloco da União Democrática, Eduardo Braide (PMN), e o deputado Rogério Cafeteira (PMN) reafirmaram o compromisso com Roseana.

Os deputados Alexandre Almeida (PMDB), Léo Cunha (PSC) e Edson Araújo (PSL) chegaram, inclusive, a deixar o bloquinho, para se unir ao Blocão, como forma de mostrar a aliança em torno da governadora.

A movimentação dos deputados é uma reação às especulações de que a eleição da Mesa Diretora da Assembléia causou um racha na base governista, versão desmentida pelo próprio presidente da Casa, Arnaldo Melo (PMDB).

A idéia é consolidar a unificação da base e manter os 30 deputados governistas em plenário.

21

De que lado está Waldir Maranhão?

Maranhão trabalha o próprio interese político

O deputado Waldir Maranhão (PP) conseguiu emplacar um aliado na Secretaria de Informática da prefeitura de São Luís. foi um recado que deu à governadora Roseana Sarney (PMDB), após a perda de posições no Governo do Estado.

Os aliados de Roseana dizem ser este gesto o máximo a que se propõe o parlamentar.  Maranhão não se disporia a declarar um rompimento público com o governo.

Waldir Maranhão sempre teve posições furta-cor.

Nas eleições de 2006, esteve com o governador José Reinaldo Tavares (PSB) – e seu candidato, Jackson Lago (PDT) – durante todo o primeiro turno, até viabilziar sua eleição. No segundo turno já estava com Roseana Sarney.

Derrotada Roseana, o deputado tratou de reagrupar-se a Jackson Lago, mas manteve a ponte com a oposição.

Em 2009, Jackson foi cassado, Roseana assumiu e lá estava Waldir Maranhão.

Aproveitou a posição na Câmara Federal – tinha como suplente ninguém menos que o atual vice-governador Washington Oliveira (PT) – para negociar uma boa posição no governo. Assumiu a pasta da Tecnologia, o que garantiu sua reeleição.

Agora que Roseana se reelegeu, tentou voltar para o govenro – ou pelo menos indicar um aliado. Não conseguiu e foi namorar João Castelo. O prefeito, de olho em 2012, tratou de garantir o PP na futura coligação.

Mas é o máximo a que se propõe Waldir Maranhão…

12

Graça Paz vai trabalhar por espaço feminino na Mesa da Assembléia

Graça Paz: mulheres quererm espaço de poder na Assembléia

A deputada Graça Paz (PDT) pretende fortalecer a bancada feminina na Assembléia Legisaltiva. Para ela, é fundamental que as mulheres tenham participação na próxima Mesa Diretora.

– Vou pleitear esta vaga, dentro da proporcionalidade, como indicação da oposição. É fundamental que a Mesa tenha uma represetnante feminina – disse a parlamentar, reeleita no último dia 3 para o quarto mandato consecutivo.

A bancada feminina na Assembléia Legisaltiva será composta em 2011 por sete mulheres.

Além das reeleitas Graça Paz, Cleide Coutinho (PSB), Gardênia Castelo (PSDB) e Eliziane Gama (PPS), chegam também Vianey Bringel (PMDB, Francisca Primo (PT) e Valéria Macedo (PDT).

Graça Paz pretende pleitear vaga na Mesa tanto como representante feminina quanto por ser membro da oposição.

– É preciso manter o respeito à proporcionalidade, assim como garantir a presença de uma mulher na direção da Casa – pregou.

Na última eleição da Mesa Diretora, a deputada Cleide Coutinho (PSB) chegou a ser apontada como segunda-secretária, mas teve que se submeter a uma disputa, no dia da eleição, com o petista Valdinar Barros (PT), que tinmha o apoio da máquina governamental.

Para a bancada feminina, o gesto de Barros foi uma deselegância.

Graça Paz pretende evitar que isso ocorra novamente propondo a garantia de uma vaga antes mesmo de qualuer discussão.

34

Marcelo Tavares: o caminho do consenso na Assembléia…

Marcelo Tavares pode represetnar o consenso na Assembléia

Já existe um movimento de bastidores na Assembléia Legislativa – e em setores do próprio governo – pela permanência do atual presidente da Casa, Marcelo Tavares (PSB) na próxima legislatura.

A estratégia evitaria um provável desgaste na base do governo pelo cargo, uma espécie de guerra fratricida logo no início do governo Roseana, haja vista o número exagerado de candidatos já lançados.

A favor de Marcelo pesam a administração austera e correta e o bom relacionamento que mantém com o governo Roseana, embora se posicione claramente na oposição.

– Marcelo nunca criou problemas para o governo. A relação institucional tem sido perfeita nestes primeiros dois anos do governo Roseana – diz um membro do governo Roseana.

Segundo alguns parlamentares, a própria Roseana teria simpatia pelo deputado, que ficaria mais dois anos no comando, abrindo espaço em 2013 para um membro do governo Roseana. Seria a forma de uma transição de governo tranquila, em 2014.

Marcelo Tavares evita falar no assunto e reconhece que a eleição na Casa passa pelo governo.

Por isso, se mantém apenas como eleitor privilegiado…

28

O fenômeno de recuar para crescer…

Joaquim: feliz da vida

Mesmo não tendo se candidatado à reeleição, o ainda deputado estadual Joaquim Haickel (PMDB) anda rindo com as paredes. Ele elegeu todos os candidatos que, direta ou indiretamente, apoiou nas eleições do último domingo.

Como um dos coordenadores da campanha da governadora Roseana Sarney (PMDB), Haickel autou em diversas frentes, principalmente na política, onde foi o maior responsável pela formação e montagem das coligações proporcionais que apoiaram a governadora e acabaram por eleger 12 deptuados fedrais e 30 deputados estaduais.

Joaquim também é autor de um estudo eleitoral que previu – com índice de acerto de 100% para a Assembléia Legislativa e 90% para a Câmara Federal – a quantidade de vagas que cada coligação alcançaria non pleito. Também acertou os nomes de 39 dos 42 deputados estaduais e 17 dos 18 deputados federais.

Candidato de Haickel, Lourival Mendes chegou à Câmara Federal

Quando Roseana assumiu, em abril de 2009, Joaquim Haickel foi convidado para compor o governo, primeiro como secretário de Esportes; depois, como secretário de Minas e Energia, cargos que ele declinou em nome de Roberto Costa e Fufuca Dantas, posições cruciais para a eleição do primeiro e do filho do segundo.

Pessoalmente, Joaquim Haickel sai destas eleições maior e mais forte que da anterior, quando se reelegeu com expressiva votação, algo em tornod e 35 mil votos. deta vez, seu candidato a deputado estadual Rogério Cafeteira (PMN) e seu deputado federal Lourival Mendes (PTdoB) se elegeram com votação na casa dos 30 mil votos.

Além destes dois, o apoio de Haickel foi decisivo para a eleição de Carlos Filho (PV) e Vianey Bringel (PMDB).

Rogério Cafeteira se elegeu par a Assembléia

Joaquim Haickel, que foi também deputado federal constituinte (1987/91), deixa o parlamento 28 anos após entrar, então com 22 anos de idade – na época, o mais novo deputado estadual do Brasil, fato que foi igualado na última eleição com Rubens Júnior (PCdoB), e agora nesta, com André Fufuca (PSDB).

Sempre que perguntam porque não quis mais se candidatar, Joaquim esclarece que abriu mão de concorrer a este mandato, não da política, que, segundo ele, está tão prsente em sua vida quanto sua literatura e seu trabalho como empresário de radiodifusão.

Com a ausência de Joaquim Haickel e Helena Heluy (PT) na próxima legislatura, a assembléia do Maranhão perderá muito de seu brilho, pois os dois – assim como alguns pouquíssimos outros – são a garantia da existência de grandes debates, de proposições pertinentes e de práticas corretas e coerentes nos trabalhos daquela Casa.

Joaquim é um dos raros políticos sem inimigos. Quando muito, tem adversário. Eram famosas suas pelejas com o falecido deputado Pedro Veloso (PDT). Os dois eram votados por Pio XII, cada um por uam facção que disputava o controle do município. jamais, nem nas maiores tensões entre eles, Joaquim perdeu a compostura ou descambou para a baixaria – e memso ás vezes, sendo enérgico, sempre mantinha o decoro.

Nunca se ouviu falar que Joaquim Giajcel fosse um mau caráter. desleal ou coisa que o valha. Algumas pessoas discordam dele políticamente, ou mesmo filosoficamente. Mesmo estes, no entanto,  têm imenso respeito por ele.

A imagem de Joaquim Haickel fará falta ao parlamento maranhense. Inquieto, andando de um lado para o outro, orientando a bancada nas votações, pedindo apartes, fazendo discursos, apresentando e defendendo seus projetos e conversando com a imprensa abertamente, como é de seu temperamento.

Sem papas na língua…

34

Cassação de Cléber Verde: as coisas não são bem assim…

Cléber Verde sob riscod a Justiça

É preciso por os pingos nos is na questão da cassação do registro de candidato do deputado federal reeleito Cléber Verde (PRB).

Muita gente deu o caso como favas contadas, mas não é.

Ele ainda tem recurso ao próprio TSE – um Embargo de Declaração – que deve ser negado. A partir desta negação, ele pode seguir com Recurso Extraordinário ao Supremo Tribunal Federal.

E é aí que o bicho pega.

O STF não conseguiu deicidir sobre a Lei da Ficha Limpa. A última votação, todos lembram, empatou em cinco a cinco. Para resolver o problema, Lula terá que nomear um novo ministro.

A tendência é que Lula nomeie um ministro com posição contrária à Ficha Limpa. Simplesmente por que quer salvar, de uma vez só, seus aliados no Pará – Jáder Barbalho (PMDB) e Paulo Rocha (PT) – eleitos senadores “sub judice”.

O próprio Lula já disse que um senador equivale a três governadores. E a derrubada da Ficha Limpa agora, beneficiará diretamente a Cléber Verde.

É precipitado, potanto, apontar o deputado maranhense como definitivamente cassado…