1

Juiz só vai analisar revogação de prisão após Lidiane Leite entregar-se à polícia…

Lidiane Leite: mais de 30 dias foragida da Justiça

Lidiane Leite: mais de 30 dias foragida da Justiça

O juiz federal Magno Linhares Moraes deu uma espécie de oportunidade à ex-prefeita do município de Bom Jardim, Lidiane Leite, para que ela tenha seu pedido de revogação de prisão analisado por ele.

Em despacho a um pedido de Liberdade Provisória impetrado por Lidiane,  na última sexta-feira, 25, Moraes determina que a ex-prefeita entregue-se à Polícia Federal num prazo de 72 horas.

– Após esclarecimentos necessários, a investigada deve ser recolhida ao Quartel do Corpo de Bombeiros desta capital, à disposição deste juízo. Transcorrido o prazo acima estabelecido, com ou sem o cumprimento do mandado de prisão, voltem para análise do pedido de revogação – despachou o juiz federal.

Em outras palavras, Lidiane só terá a revogação de sua prisão após ser, efetivamente, presa pela Polícia Federal.

É simples assim…

3

Imagem do dia: a caminho de Pedrinhas…

presos

Os ex-secretários de Bom Jardim, Beto Rocha e Antonio Cesarino, foram levados hoje, algemados e no camburão da Polícia Federal, para o Complexo de Pedrinhas, onde permanecerão à disposição da Justiça, cumprindo prisão preventiva. A imagem se choca frontalmente com as fotos habituais  das redes sociais,  de Rocha com sua ex-mulher, Lidiane Rocha, prefeita de Bom Jardim, e hoje foragida da polícia. (Imagem: Biné Morais/O EstadoMaranhão)

18

Polícia deve pedir prorrogação da temporária de acusados no caso Décio…

Gláucio e seu pai, José Miranda: dois dos presos

A polícia deverá pedir a prorrogação da prisão temporária dos acusados na morte do jornalista Décio Sá.

O prazo da prisão atual termina na próxima quinta-feira, mas a comissão que investiga o caso deve se antecipar à Justiça.

Se a Justiça acatar o novo pedido – e há argumentos para isso – a polícia ganha mais 30 dias para concluir o inquérito do assassinato.

Estão presos desde o dia 13 de junho os agiotas Gláucio Alencar, José Miranda e Júnior Bolinha, o desocupado Fábio Buchecha, o capitão da Polícia Militar, Fábio Saráiva, além do matador, Jhonatan de Souza.

Após a nova temporária, é possível que as prisões evoluam para preventivas.

Dos atuais e de possíveis outros…

22

A vida é uma festa para matadores de Décio no Corpo de Bombeiros…

Protegido pela polícia, assassino de Décio se “hospeda” no Corpo de Bombeiros

Não é o que se pode chamar de prisão o que os matadores do jornalista Décio Sá estão vivendo em sua estada na sede do Corpo de Bombeiros, no Bacanga.

As instalações prisionais da corporação não são podem ser chamadas de prisão. Não tem jaulas e os presos – pelo menos os mais conhecidos  da tropa – podem circular normalmente.

A polícia não divulga quantos dos acusados foram mandados para lá, mas o blog apurou que pelo menos o matador Jhonatan de Souza está “hospedado” no local.

Há denúncias de que acusados que são levados para o Corpo de Bombeiros têm regalias.

O sargento Louro Bill, por exemplo,  condenado por tráfico de drogas, várias vezes teria saído da “prisão” para passar o final de semana em casa – em troca de benesses para o corpo da guarda.

O titular deste blog já presenciou pessoalmente, na praia do Calhau, há cerca de dois anos, um militar dos bombeiros curtindo com a namorada em uma moto, em plena madrugada.

Depois, ficou sabendo tratar-se de um condenado por tráfico.

É assim que funciona com as prisões na corporação…

7

Duas prisões; os mesmos criminosos…

Jhonatan, de camisa, e seu parceiro Gleysson (primeiro à esquerda) em foto de 2010

A foto ao lado, de O EstadoMaranhão, é de 2010.

Nela aparecem Jhonatan Sousa e Silva e Gleysson Marcena, presos por envolvimento em assassinatos no município de Santa Inês.

Gleysson Marcena é o primeiro sem camisa, à esquerda.

A foto de baixo, por sua vez, é da prisão do assassino de Décio Sá, na semana passada, em São Luís. Trata-se do mesmo Jhonatan da foto acima.

Auqi, a dupla novamente, após agir em São Luís

A polícia divulgou, primeiro, que ele fora preso por tráfico de drogas, em uma casa no Turu. Depois, revelou-se tratar do executor do jornalista.

E quem está ao seu lado? Exatamente o mesmo Gleysson Marcena, comparsa de crimes.

A coincidência das duas prisões mostra que a dupla é parceira não só no tráfico – como divulgou a polícia – mas também em execuções Brasil a fora.

É curioso que uma dupla como esta, já conhecida da polícia por assassinatos – e com processo tramitando até no Superior Tribunal de Justiça (Leia aqui) – tenha conseguido ficar solto entre uma e outra prisão.

E matando novamente…

15

Polícia libera “suspeito” do caso Décio Sá…

Décio Sá: solução cada vez mais distante...

A polícia soltou, desde a semana passada, Valdêmio José da Silva, que havia sido preso um dia depois do asassinato do jornalista Décio Sá.

Pelo que apurou o blog, não houve contra o suspeito qualquer prova que justificasse a manutenção de sua prisão temporária.

Valdêmio José foi preso juntamente com Fábio Roberto Cavalcante Lima, exatamente um dia depois da morte de Décio Sá.

Para prendê-los, a polícia baseou-se unicamente em um e-mail encaminhado a alguns veículos de comunicação – e repassados ao secretário de Segurança Pública, Aluísio Mendes – com ilações sobre a ligação dos dois homens com o crime.

Ilações que, ao longo do primeiro mês de morte de Décio Sá, se mostraram absolutamente frágeis.

Este blog já havia anunciado a soltura de um dos presos do caso Décio desde a semana em que o crime completaria 30 dias.

Não havia consistência na manutenção da prisão. (Releia aqui)

O outro suspeito permaneceu preso apenas pelo fato de haver acusações de outros crimes contra ele – inclusive com pedidos de prisão.

Com a soltura, o caso volta à estaca zero das investigações…

7

Polícia decidirá amanhã se liberta um dos suspeitos do caso Décio…

Décio Sá foi morto neste bar, na Litorânea, em 23 de abril

A cúpula da Polícia Civil deve decidir nesta quarta-feira se mantém preso ou liberta um dos suspeitos de envolvimento na morte do jornalista Décio Sá.

Logo após o crime, em 23 de abril, a polícia prendeu dois homens, baseada em informações do Disque-Denúncia. 

Um deles é Fábio Roberto Cavalcante Lima; o outro é Valdêmio José da Silva.

O blog apurou que a polícia já conseguiu a prorrogação da prisão de um deles, mas não conseguiu identificar qual.

Os delegados que comandam o  inquérito da morte de Décio se reunirão amanhã com o secretário Aluísio Mendes para decidir se põem ou não o outro suspeito em Liberdade.

O assassinato de Décio Sá completa 30 dias nesta quarta-feira…

4

Delegados confirmam prisão de suspeito da morte de Décio…

Décio: covardemente assassinado

Os delegados Maimone Barros e Guilherme Souza confirmaram ao jornalista Marcial Lima, a prisão de Fábio Roberto Cavalcante Lima, suspeito de envolvimento na execução do jornalista Décio Sá.

O suspeito está sendo ouvido desde o final da manhã e é apontado como um dos que deram fuga ao executor dos disparos.

Apesar de os delegados confirmarem a prisão, a polícia só irá se pronunciar oficialmente após a conclusão das investigações.

Fábio Roberto foi preso na noite de ontem, na Vila Pirâmide, a partir de informações do Disque-Denúncia.

23

Procuradora-geral e comandante da PM mentem à Justiça sobre promoção de coronel…

Coronel Franklin mente sobre promoção...

A ação judicial de promoção do major PM Ismael Souza Fonseca pode botar na cadeia a procuradora-geral do Estado, Helena Maria Cavalcanti Haickel, e o comandante da Polícia Militar, coronel Franklin Pacheco – por crime de desobediência e falsa comunicação.

O major Ismael move há anos uma ação judicial contra o Estado, alegando ter sido prejudicado no processo de promoção dos oficiais da PM. Ganhou em todas as instâncias, inclusive no Superior Tribunal de Justiça, que determinou ao comando geral da polícia sua promoção ao posto de coronel.

...E leva a procuradora a também mentir

Desde o primeiro semestre do ano passado, o major tenta ser promovido, ingressando, incluvive, com várias outras ações subsequentes para obrigar a Polícia Militar ao cumprimento da ação.

Numa das últimas respostas ao ministro responsável pelo caso, Helena Haickel informou que Ismael já havia sido promovido, mas não anexou nenhum ato assinado pela governadora Roseana Sarney (PMDB), como exigiu o minsitro, em seu despacho.

O despacho do ministro sobre a promoção

Ela se baseou apenas na informação do próprio coronel Franklin, que desdenhou da Justiça, informando o que não haiva feito.

A postura da PM em relação ao major Ismael é meramente política, perseguição mesmo.

E tem levado o estado a descumprir sistematicamente decisões judiciais, o que pode comprometer a administração.

E a única medida para evitar isso é botar a procuradora e o coronel na cadeia…