0

Novo escândalo do PCdoB pode reabrir investigação de propina a Flávio Dino…

Empresário acusa os comunistas de usarem sua empresa para lavar dinheiro, o que remete à denúncia de que o governador maranhense recebeu dinheiro de caixa 2 pago por empresas investigadas na Operação Lava Jato

 

O PCdoB aparece em diversas citações na Lava Jato como partido recebedor de propina da Odebrecht

A denúncia de que o PCdoB maranhense usou uma empresa de publicidade para esconder o destino de, pelo menos, R$ 800 mil reais, na campanha de 2014, pode levar à reabertura das investigações de suposto pagamento de propina ao governador Flávio Dino por empresas denunciadas na operação Lava Jato.

De acordo com representação feita diretamente à procuradora-geral da República, Raquel Dodge pelo advogado Otávio Batista Arantes de Mello, o PCdoB repassou, no mesmo dia em que entrou na conta de campanha de Flávio Dino, de 2014, R$ 1,3 milhão à empresa AldoImagem LTDA. (Releia aqui)

Mas o dono da empresa, Aldo Oberdan Motenegro, mostra extratos bancários provando que, desses R$ 1,3 milhão, apenas R$ 500 mil foram, de fato, depositados, apesar da contrapartida da nota fiscal.

Para o advogado que fez a denúncia, há indícios de que os comunistas usaram a empresa para lavar o dinheiro, que pode ser fruto de propina da Lava Jato.

Flávio Dino sempre conseguiu evitar que as investigações fossem a cabo nas suas relações com as empresas da Lava Jato

Desde 2014, tanto Flávio Dino quanto o PCdoB apareceram em diversas delações de executivos de empresas investigadas pela Lava Jato.

Essas acusações nunca foram investigadas na época em que o Ministério Público era chefiado pelo procurador Rodrigo Janot, que tinha o irmão de Flávio Dino, Nicolao Dino, como sucessor.

Agora, o advogado Arantes de Mello quer que o caso seja reanalisado pela procuradora Raquel Dodge, com base em novos documentos.

E o bicho pode, finalmente, pegar para o comunista maranhense…

Leia também:

Roberto Rocha afirma: Flávio Dino recebeu propina da JBS…

Flávio Dino e Odebrecht: a conexão Alcântara…

Flávio Dino cobrou R$ 400 mil da Odebrecht para campanha de 2014…

Lava Jato cada vez mais perto de Flávio Dino…

1

Sobre propinas e candidaturas…

Governo Flávio Dino dá apoio partidário e eleitoral a personagens como Simone Limeira e Rosângela Curado, flagradas no próprio governo cobrando para liberar serviços

 

Além de beijinhos, Simone ganhou de Dino até a legenda para ser candidata a prefeita

O governo Flávio Dino (PCdoB) tem se notabilizado pela quantidade de propina que seus agentes cobram de empresas e prestadores de serviços, segundo denúncia dos próprios achacados e de investigações da Polícia Federal.

Chama atenção também que, mesmo denunciados, os propineiros do governo Flávio Dino acabam recebendo uma espécie de salvo-conduto do próprio governador comunista, que entrega apoio político a esses personagens.

O governo já começou envolvido em escândalo deste tipo. Em 2015, a então auxiliar da Secretaria de Educação, Simone Limeira, foi denunciada por um líder indígena de ter cobrado propina de R$ 8 mil para liberar o transporte escolar nas tribos da região de Grajaú.

O indígena chegou a mostrar extratos e depósitos na conta da auxiliar comunista.

E o que fez Flávio Dino? Deu a ela a legenda do PCdoB para concorrer à Prefeitura de Grajaú.

A outra denúncia envolve a também ex-auxiliar comunista Rosângela Curado. Pilhada na Operação Pegadores da Polícia Federal, Curado teve reveladas conversas que mostram a cobrança de 10% de propina de empresas prestadoras de serviços da Secretaria de Saúde.

Afastada do governo desde 2015 – em condições obscuras – a ex-auxiliar continuou a mandar em unidades de saúde, até ser presa pela Polícia Federal.

E o que fez Flávio Dino com ela?

Deu apoio da legenda do PCdoB à sua candidatura a prefeita de Imperatriz…

Da coluna Estado Maior, de O EstadoMaranhão

2

Rocha responde ao bombardeio com mais bombardeio…

Acostumados a intimidar, constranger e agredir publicamente, aliados do governador Flávio Dino encontraram no senador do PSDB um adversário à altura para enquadrar a prática guerrilheira comum aos atuais ocupantes do poder no Maranhão

 

NA MESMA MEDIDA. Roberto Rocha é o adversário ideal para Flávio Dino, que adora expor adversários publicamente

Se pensavam que iriam chegar às eleições de 2018 soberanos, apenas respondendo com constrangimentos, intimidação ou agressões os adversários tradicionais, os comunistas já começaram a ver que o debate será no nível que eles quiserem.

O senador Roberto Rocha (PSDB) elevou o tom das críticas e tem mostrado aos aliados do governador Flávio Dino (PCdoB) que não está para brincadeira e tem munição para o embate em qualquer nível.

Depois de denunciar que Flávio Dino recebeu propina da JBS –  só não entrou na lista de governadores propineiros da empresa por que foi protegido pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot – Rocha passou a ser atacado em todos os aspectos de sua vida.

Mas não se intimidou; e partiu pra cima.

– O que se trata aqui é de uma delação que foi feita supostamente por um ex-procurador da República, que era o braço direito de um procurador, irmão do governador [Flávio Dino], e tinha como fiel amigo um advogado que foi preso em São Luís do Maranhão. Então, nós não podemos desconhecer essas relações – reafirmou o senador, agora na tribuna do próprio Senado.

Se achavam que navegariam em águas mansas com seus tradicionais – e resignados – adversários sarneysistas, Dino et caterva encontraram no senador tucano um adversário à altura.

E Rocha terá todo o tempo do mundo na TV para mostrar quem, de fato, é o governador comunista.

E fala com conhecimento de causa, o que é mais importante…

0

Roberto Rocha vai cobrar do Ministério Público dados sobre propina a Flávio Dino…

Senador tentou obter respostas do delator Ricardo Saud, da JBS, que optou pelo silêncio e disse que as informações “estão nos autos do processo”

 

16º NOME. Roberto Rocha reafirmou todas as declarações que fez na CPI do BNDES

O senador maranhense Roberto Rocha (PSDB), vai encaminhar, via CPMI da JBS, Ofício à Procuradoria-Geral da República cobrando informações sobre a operação de propina paga pela empresa a 16 governadores na eleição de 2016.

Rocha está convencido que o 16º nome da lista – mantido em segredo na delação premiada da JBS ao Ministério Público – é o do governador Flávio Dino (PCdoB). Para o senador, Dino foi protegido no acordo de delação por ser irmão do procurador Nicolao Dino, que o tucano chama de “alma de Rodrigo Janot”.

– Sou obrigado a buscar informações com a PGR. O Saud deixou claro que não iria falar; é preciso esclarecer esta informação – disse o senador, em conversa telefônica com o o titular deste blog, na noite de ontem.

SORVETE. Orlando Silva era o operador do PCdoB na arrecadação das empresas envolvidas na Lava Jato

Roberto Rocha vê um dado fundamental que leva à conclusão de que Flávio Dino recebeu dinheiro da JBS: o fato de o próprio delator da empresa confirmar ter pago R$ 13 milhões ao PCdoB.

– É claro que num bolo de R$ 13 milhões, o governador não ficou apenas com R$ 200 mil; é preciso lembrar que ele era a prioridade do PCdoB em 2014 – lembrou Rocha, citando informação já postada neste blog. (Relembre aqui e aqui)

Reação comunista

A postura de Roberto Rocha na CPI da BNDES gerou reação dos comunistas maranhenses.

O presidente da legenda, jornalista Márcio Jerry, o classificou de degenerado. O próprio partido usou as declarações de Jerry em uma nota própria, distribuída no início da noite.

Mas nenhum dos aliados do governador conseguiu explicar por que o delator da JBS preferiu ficar em silêncio a simplesmente negar que Dino tenha sido um dos 16 governadores propineiros nas eleições de 2014.

Isso, caberá agora à PGR esclarecer…

6

Roberto Rocha afirma: Flávio Dino recebeu propina da JBS…

Em sessão da CPMI que investiga a relação da empresa dos irmãos Batista com o BNDES, senador maranhense disse que o governador comunista é o 16º homem na lista dos agraciados com caixa 2 nas eleições de 2014

 

O senador Roberto Rocha (PSDB) fez nesta terça-feira, 31, uma verdadeira declaração de guerra ao governador Flávio Dino (PCdoB).

Em pleno dia das bruxas, durante depoimento do executivo Ricardo Saud, que delatou o esquema de corrupção financiado pela JBS, Rocha afirmou peremptoriamente que Flávio Dino (PCdoB) é um dos 16 governadores que receberam propina da empresa.

Disse mais o senador maranhense: o nome de Dino só foi tirado da lista por ser ele irmão do procurador Nicolao Dino, um dos responsáveis pela delação da JBS.

A declaração de Rocha deixa claro a posição de antagonismo que o senador quer ter em relação ao governador.

Veja o vídeo com as declarações do senador.

2

Direito de Resposta de Flávio Dino…

Atendendo a pedido administrativo da Procuradoria-Geral do Estado – encaminhada via Sedex (DY 02292690 0 BR), e recebida em 18/09, blog publica Nota do governo referente ao post “Denúncia Contra Flávio Dino, por propina da Odebrtecht, já está no STJ”, “no mesmo horário, mesmo destaque e periodicidade”

 

 

P.S.: O procurador-geral do Estado,  Rodrigo Maia, não é advogado pessoal do governador Flávio Dino. Não pode, portanto, usar a estrutura do Estado, seus servidores e equipamentos, pagos com dinheiro público, para defender os interesses pessoais de Flávio Dino. É Mais um crime gravíssimo do governo Dino. E nem o autoritarismo do seu procurador-geral é capaz de minimizar isso. Simples assim.

 

 

1

Nem bem escapa da Lava Jato, Waldir Maranhão já aparece em outro esquema…

Supremo Tribunal Federal publica acórdão que determina quebra de sigilo bancário da mulher do deputado, acusado de receber propina de doleiros

 

Maranhão ao lado de Eduardo Cunha: novo problema

Não durou nem uma hora a alegria do deputado federal Waldir Maranhão por estar fora das investigação co chamado “quadrilhão do PP”, investigação da operação Lava Jato específica para deputados do partido.

Praticamente no mesmo instante em que o blog do Gilberto Léda publicou informação dando conta de que Maranhão escapou da Lava Jato, o blog Atual7 informou a publicação do acórdão que pede a quebra do sigilo bancário da mulher do parlamentar.

De acordo com o blog, a decisão do STF ocorreu em 16 de setembro de 2016, mas só agora teve o acórdão publicado.

Pela decisão, será aberta investigação para apurar a suspeita de que Elisabeth Cardoso, mulher de Waldir, cedera a conta para que o marido recebesse propina do doleiro Fayed Traboulsi.

E quando Waldir pensava estar livre da dor de cabeça…

6

Antes de sair, Rodrigo Janot livra Flávio Dino da Lava Jato…

Procurador-geral a República – que tem irmão do governador como principal assessor – pediu ao STJ que fosse desconsiderada acusação do delator da Odebrecht, José de Carvalho Filho

 

Janot preferiu não esperar que o caso de Flávio Dino fosse encaminhado ao STJ pela sucessora, Raquel Dodge

Como era esperado na oposição e, principalmente, no governo maranhense, o procurador-geral de Justiça Rodrigo Janot decidiu – antes de deixar o comando do Ministério Público –  pedir o arquivamento da delação da Odebrecht contra o governador Flávio Dino (PCdoB).

Janot tem como principal assessor na PGR o irmão do próprio Flávio Dino, Nicolado Dino.

No pedido encaminhado ao ministro Félix Fischer em 24 de agosto, o Ministério Público alegou que as acusações do delator José de Carvalho Filho não servem “nem à deflagração de uma investigação criminal, nem muito menos, à uma ação penal”.

Flávio Dino conseguiu decisão favorável da PGR antes do fim da gestão que tem o irmão como assessor principal

No seu despacho, Fischer entendeu que, como o próprio MPF é o autor da ação, cabe ao STJ apenas atender ao pedido dos procuradores, que atuam por delegação do procurador-geral.

Rodrigo Janot deixa a chefia do Ministério Público no próximo dia 17 de setembro…

1

O inferno astral de Flávio Dino…

Na quinta-feira, governador teve ação por crime eleitoral protocolada no TSE; ontem, recebeu a notícia de que a denúncia sobre propina da Odebrecht chegou ao STJ, provando que, para ele, agosto foi, mesmo, o mês do desgosto

 

O governador Flávio Dino (PCdoB) entra na última semana do mês de agosto confirmando a tradição de tratar-se, de fato, do mês do desgosto. Pelo menos por enquanto. O mês que se encerrará na quinta-feira, 31, trouxe para Dino situações constrangedoras e arriscadas do ponto de vista legal.

Só na última semana, o comunista foi “agraciado” com nada menos do que duas denúncias contra ele – uma no campo eleitoral; outra nas varas criminais da Justiça Superior.

Na quinta-feira, o Ministério Público Eleitoral anunciou denúncia contra Flávio Dino por uso irregular do tempo de propaganda partidária do PCdoB e a propaganda institucional do próprio governo para promoção pessoal. A punição é amena, apenas multa e perda de espaço no horário político, mas não deixa de constranger o governador.

Nesta segunda-feira, Dino recebeu a informação de que a denúncia do Ministério Público Federal, sobre o caso de recebimento de propina para atender a interesses da Odebrecht foi, finalmente, encaminhada ao Superior Tribunal de Justiça. Se o STJ acatar a denúncia, abrirá investigação contra o governador, que, ao fim do processo, se condenado, poderá, inclusive, perder os direitos políticos, além de ser preso por corrupção.

Sem dúvida, o mês de agosto se encerra sendo o mês de desgosto. Pelo menos no caso do governador comunista do Maranhão.

Da coluna Estado Maior, de O EstadoMaranhão

0

Com nova procuradora, investigação contra Flávio Dino deve ser desengavetada na PGR…

Nova chefe do Ministério Público, Raquel Dogde vai priorizar esclarecimento de denúncias contra governadores; caso envolvendo governador do Maranhão dorme em uma das gavetas de Rodrigo Janot desde o início do ano

 

Janot mantém processo contra Dino engavetado, mas Dodge quer força-tarefa para esclarecer questões

Engavetado pelo procurador-geral da República Rodrigo Janot, desde abril, a denúncia por recebimento de propina da Odebrecht pelo governador Flávio Dino (PCdoB) deve, finalmente, ser encaminhada ao Superior Tribunal de Justiça.

A denúncia contra o comunista – de que ele recebera R$ 200 mil de propina nas eleições de 2010 – foi feita por executivos da Odebrecht no início do ano; e por determinação do ministro Edison Fachin, deveria ser encaminhada ao STJ. (Relembre aqui, aqui e aqui)

Mas Janot, que tem como um de seus principais auxiliares o irmão de Flávio Dino, procurador Nicolao Dino, decidiu segurar o processo até o momento.

O chefe da PGR tinha como candidato à sua sucessão o próprio Nicolao Dino, que chegou a ser o mais votado entre os procuradores, mas foi preterido pelo presidente Michel Temer.

Raquel Dodge deve tomar pose no início de setembro, e já determinou força-tarefa específica para encaminha o caso dos governadores ao STJ – inclusive o de Flávio Dino.

Se os ministros decidirem que Dino deve ser investigado, sua situação se complica para as eleições de 2018.

É aguardar e conferir…