4

Cúpula nacional veta participação do PT em chapa de Brandão…

Lideranças do partido com influência direta na campanha do ex-presidente Lula decidiram que não haverá petistas na composição com o vice-governador tucanosocialista e muito menos na suplência do governador Flávio Dino, ainda que o partido decida apoiar a candidatura do Palácio dos Leões

 

Principal pensador da campanha de Lula, José Dirceu tem sido o responsável pelas mensagens do PT aos estados

Uma mensagem clara da cúpula do PT nacional foi emitida semana passada aos membros do partido no Maranhão: o PT não deverá indicar nenhum nome para compor como vice do tucanosocialista Carlos Brandão e muito menos à suplência do governador Flávio Dino (PSB).

A pancada política foi fortalecida com a negativa do PSB pela federação partidária com o PT e pela possibilidade de o ex-governador Geraldo Alckmin filiar-se a outro partido e não ao de Flávio Dino.

Segundo apurou o blog Marco Aurélio D’Eça, as mensagens eleitorais do PT estão sendo comunicadas pelo ex-ministro José Dirceu, uma dos mais influentes líderes petistas na campanha do ex-presidente Lula; é Dirceu quem opera, nos bastidores, toda a máquina partidária comandada pela deputada Gleisi Hoffmann.

Ainda segundo apurou este blog, a cúpula do PT disse que o compromisso com o secretário Felipe Camarão é viabilizá-lo como candidato a deputado federal, a pedido de Flávio Dino.

Na semana passada, o próprio Lula já havia comunicado aos petistas maranhenses e ao governador Flávio Dino que não iria participar da campanha no Maranhão e que havia liberado o uso de suas imagens pelo senador Weverton Rocha (PDT).

Brandão tem usado fotomontagens ao lado de Lula, que já gravou vídeos e posou para fotos com Weverton.

A decisão do PT de não ter representante na chapa governista reforça ainda mais a presença de Lula na campanha de Weverton.

Simples assim…

1

Sem federação, Lula está desobrigado de apoio a Brandão…

Ainda que o ex-presidente tenha como vice um filiado do PSB, uma eventual coligação nacional não obriga a repetição nos estados, o que libera o petista para apoiar outros candidatos a governador, a exemplo do pedetista Weverton Rocha no Maranhão

 

Imagens como essa, autêntica, não será possível para o candidato do Palácio dos Leões, que usa fotomontagens para se ligar a Lula

As fotomontagens que o serviço de marketing do Palácio dos Leões está usando com Carlos Brandão ao lado de Lula é o máximo que o tucanosocialista terá em relação ao ex-presidente.

Sem a federação nacional entre o PT e o PSB – descartada nesta quarta-feira, 9 – Lula está desobrigado de declarar apoio a Brandão, mesmo com o eventual apoio do PT à “escolha pessoal” do governador Flávio Dino (PSB).

O ex-presidente já declarou sua preferência pelo senador Weverton Rocha (PDT) e vai manter diálogo com o pedetista durante toda a campanha; e muito provavelmente nem virá ao Maranhão durante o processo eleitoral.

Ainda que o PT fique na coligação brandonista – de forma cartorial – Weverton terá liberdade para usar as fotos e vídeos autênticos de Lula em seu favor.

E Brandão continuará a usar as fotomontagens criadas por Ricardo Capelli.

Simples assim…

1

Aliados de Brandão já tratam federação entre PT e PSB como “difícil”

Auxiliares mais próximos do governador Flávio Dino veem com pessimismo a formação da aliança em âmbito nacional, o que dificultará para o vice-governador a vinculação de sua imagem à do ex-presidente Lula

 

Márcio Jerry v~e chances remotas de federação entre PT e PSB, o que beneficiaria Carlos Brandão

Dois dos principais aliados do governador Flávio Dino (PSB) manifestaram nos últimos dias o pessimismo com a formação da federação partidária entre o PT e o PSB em âmbito nacional.

A formalização da aliança nacional seria a única chance de o vice-governador Carlos Brandão – ainda no PSDB, mas com transferência anunciada para o PSB – vincular diretamente a sua imagem à do ex-presidente Lula (PT), principal objetivo de Flávio Dino.

Na segunda-feira, 7, o secretário de Saúde e pré-candidato a deputado estadual Carlos Eduardo Lula admitiu ao programa Bastidores, da TV Mirante, que o debate é nacional e sem a influência direta do Maranhão. 

– Infelizmente há debates que não se travam aqui no Maranhão. Na composição com outros estados, tem um gargalo em São Paulo: a candidatura do Márcio França e do Haddad a governador do estado, que estão impedindo essa união no país – disse Lula.

Também na segunda-feira, 7, em conversa direta com o titular do blog Marco Aurélio D’Eça, o secretário de Cidades Marcio Jerry classificou como “remota” a federação ente PT, PSB, PCdoB e PV.

– Há a federação com PT e PV e uma outra possibilidade, melhor, porém remota, que inclui o PSB – admitiu Jerry, ao falar sobre a chapa do PCdoB para as eleições de deputado federal.

Sem a federação, ainda que os dois partidos se coligue para uma chapa nacional – com Lula tendo o ex-governador Geraldo Alckimin como vice – o ex-presidente fica desobrigado de assumir o palanque de Brandão no Maranhão.

Lula já manifestou várias vezes, inclusive ao próprio Flávio Dino, que prefere a candidatura do senador Weverton Rocha (PDT) no Maranhão.

Mas esta é uma outra história…

9

O acordo de Lula com Weverton Rocha….

Ex-presidente já manifestou publicamente sua preferência pelo apoio do PT ao senador pedetista, mas, mesmo se a federação partidária com o PSB for aprovada, autorizou o aliado a usar imagens já captadas na campanha

 

Imagens como esta, espalhadas no Maranhão, reforçam a certeza da preferência de Lula pelo senador Weverton Rocha no governo

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tem interesse público e aberto em apoiar o senador Weverton Rocha (PPDT) para o Governo do Maranhão.

Esta preferência já foi manifestada por Lula publicamente em diversas ocasiões, mesmo diante de todas as artimanhas usadas pelo governador Flávio Dino na tentativa de convencer o petista de que o vice tucano Carlos Brandão é a melhor opção do PT no estado.

Além de nem sequer conhecer Brandão, Lula tem relação histórica com Weverton, consolidada em todas as campanhas que disputou desde 1989, quando o pedetista ainda era um adolescente do movimento estudantil.

O grande trunfo de Flávio Dino para ter Lula no palanque do seu vice é a transferência do tucano para o PSB, que  articula uma federação partidária com o PT e outros partidos.

Mas Lula já garantiu a Weverton Rocha: se a federação passar, a campanha no primeiro turno será feita de forma remota, sem a presença do ex-presidente; e Weverton terá a garantia de usar suas imagens em seu palanque no interior.

Nos vários encontros que já teve com Lula, Weverton captou importantes registros fotográficos e de vídeo, que já estão sendo usados na pré-campanha no interior.

Flávio Dino ainda tenta construir uma agenda de Brandão com o ex-presidente para tentar exatamente a mesma coisa.

Vai conseguir?!? 

0

PT é o único partido da base dinista ainda indefinido no MA

Das 12 legendas que compõem hoje o grupo do governador comunosocialista, sete estão com Weverton Rocha e um com Simplício Araújo; Carlos Brandão continua apenas com PSB, PCdoB e PROS, controlados pelo próprio Dino

 

O PT continua na base de Flávio Dino, mas dividido entre as candidaturas do seu vice, Carlos Brandão, e do senador Weverton Rocha

Passados os primeiros trinta dias da definição do vice-governador Carlos Brandão (ainda no PSDB) como candidato do governador Flávio Dino ao Governo do Estado, apenas um partido da base, o PT, se mantém indefinido no Maranhão.

Os petistas estão divididos entre as candidaturas e Brandão e a do senador Weverton Rocha (PDT), que lidera as pesquisas e tem a preferência do ex-presidente Lula e da cúpula nacional.

Mesmo após a “escolha pessoal” de Flávio Dino, Brandão não conseguiu avançar partidariamente e só tem apoio das legendas ligadas ao próprio governador, quais sejam: PSB, PCdoB e PROS; o vice ainda tentou cooptar o Cidadania, mas perdeu a legenda, que formará Federação Partidária com o PSDB e terá o controle da senadora Elizane Gama, aliada de Weverton.

Nos primeiros 30 dias após a escolha de Dino, Rocha mantém sua base com PDT, União Brasil, Republicanos, PP, Rede Sustentabilidade e agora o Cidadania e o PSDB; tem aos eu lado, portanto, a maioria absoluta das legendas que dão sustentação a Flávio Dino, seu candidato a senador.

O Solidariedade já está definido com a candidatura do ex-secretário Simplício Araújo, o que significa dizer que Brandão terá, no máximo, três partidos em sua coligação eleitoral; pode chegar a cinco, se conseguir o PT e atrair o PP, do deputado André Fufuca.

Tem cerca de 90 dias para conseguir seus intentos…

1

Carlos Brandão dividido entre a perda do PSDB e a incerteza da federação PSB/PT

Pouco identificado ideologicamente com o ex-presidente Lula, vice-governador já não tem mas a garantia de que o PSB fará aliança nacional com o PT, o que pode tornar inútil sua filiação ao partido de Flávio Dino; e agora vê o ninho tucano caminhar para o palanque do senador Weverton Rocha, a partir da federação com o Cidadania

 

Após ir e voltar do PSDB, Brandão já não tem garantias de candidatura pelo ninho e nem a certeza do apoio de Lula mesmo filiado ao PSB

O vice-governador Carlos Brandão (ainda no PSDB) não tem qualquer identificação ideológica com o ex-presidente Lula e com o PT, mas aceitou se filiar ao PSB por que a aliança com os petistas é importante para o seu padrinho, o governador Flávio Dino (PSB).

Ocorre que a federação do PSB com o PT já é dada como fracassada, o que não garante a Brandão o apoio do PT no Maranhão, mesmo filiado ao PSB.

Brandão poderia manter sua candidatura pelo PSDB, mas traiu seus companheiros de ninho para atender aos projetos de Flávio Dino; agora, fica difícil um recuo em cima da hora, já com o desgaste provocado pela relação azedada.

É uma escolha muito difícil para o candidato de Flávio Dino.

Se ficar no PSDB perde o palanque com Lula e o apoio do PT; se for para o PSB, perderá o PSDB e não terá garantias da presença de Lula em seu palanque.

Para quem patina nas pesquisas – ainda disputando vaga no segundo turno – tem pouca base partidária em sua coligação e não tem apoio de lideranças institucionais de peso, a crise partidária da “escolha pessoal” de Flávio Dino é um problema a mais para resolver em curto período de tempo.

Mas elas são resultados das escolhas e projeções políticas do próprio Flávio Dino.

Que agora cobram seu preço…

11

Zé Inácio destaca avanço de Lula no eleitorado evangélico

Segmento social mais bolsonarista do Brasil tem começado a perceber o fracasso do atual governo e optado pelo candidato do PT nas pesquisas de intenção de votos, numa mudança significativa em relação às eleições de 2018

 

Zé Inácio entende que há espaço para crescimento consistente de Lula no eleitorado evangélico

O deputado Zé Inácio (PT) analisou em discurso na Assembleia Legislativa o crescente desempenho do ex-presidente Lula no eleitorado evangélico.

Antes rechaçado por este segmento social, Lula já tem hoje 32% das intenções de votos, quebrando a hegemonia do presidente Jair Bolsonaro (PL) que aparece com 40%.

– Os evangélicos estão enxergando que o presidente Lula, de fato, é a esperança do povo brasileiro para dias melhores, para acabar com essa carestia dos preços altos, garantir comida no prato, moradia digna, retomar a geração de emprego e renda, uma educação de qualidade e saúde para o povo – ressaltou Inácio.

Os evangélicos são, ao lado dos militares, o segmento social mais bolsonarista do país; lideranças evangélicas mais progressistas, porém, já começam a perceber o fracasso do governo Bolsonaro.

Diante desta nova percepção evangélica, Zé Inácio entende que há espaço para crescimento do PT no segmento.

– É essa luta que nós vamos travar de forma muito firme em 2022 – finalizou Zé Inácio.

4

Felipe Camarão torna-se o principal nome do PT na disputa de deputado federal

Secretário de Educação deve deixar o cargo no início de abril para disputar vaga na Câmara; e apresenta um forte balanço de entrega de escolas e melhorias na qualidade do ensino, o que lhe credencia com um dos principais candidatos do partido do ex-presidente Lula

 

Com forte desempenho na Secretaria de Educação, Camarão tornou-se o principal nome do PT na disputa federal

O secretário de Educação Felipe Camarão (PT) chega à reta final de sua gestão como um dos principais auxiliares do governador Flávio Dino (PSB).

O volume de obras e serviços de melhorias no ensino no Maranhão é um dos maiores da história da Seduc.

Sua atuação o põe como um dos principais nomes do PT na disputa por vagas na  Câmara Federal.

Camarão chegou a figurar na lista de candidatos a governador, mas abriu mão da disputa e se prepara para ser o principal nome do PT na disputa pela Câmara Federal.

Ele deve entregar o cargo no início do mês de abril…

2

Presidente nacional libera PDT para palanque com Lula nos estados

Carlos Lupi disse que não pode botar uma camisa de força nos candidatos a governador que têm relação com o PT e com o ex-presidente Lula, apesar da candidatura pedetista de Ciro Gomes

 

No Maranhão, Lula terá como opção o palanque do senador Weverton, mesmo com a candidatura de Ciro Gomes pelo PDT

O presidente nacional do PDT, ex-ministro Carlos Lupi, liberou as negociações dos seus candidatos a governador com o PT, para formação de palanques com o ex-presidente Lula.

– Em alguns estados terão (palanques duplos) mais à esquerda, outros mais ao centro. Quem colocar uma camisa de força nas realidades estaduais está fadado ao fracasso – afirma Lupi. 

Apesar da candidatura de Ciro Gomes – que segue estagnada nas pesquisas – o PDT tem ao menos nove candidatos a governador que atuam diretamente ligados a Lula e deverão abrir palanque para o PT nos estados.

No Maranhão, o próprio lula já disse que não abre mão do palanque do senador  Weverton Rocha.

 

2

Lula busca reaproximação com Sarney e Roseana…

Ex-presidente quer o MDB em sua aliança eleitoral e entende que as antigas lideranças do partido têm peso para definir os rumos partidários; ex-governadora deve participar de encontro em Brasília

 

Lula esteve com Roseana e José Sarney em São Luís, no ano passado; e agora busca o apoio dos dois no convencimento do MDB nacional

O ex-presidente Luiz Inácio lula da Silva iniciou tratativas para reaproximação com o também ex-presidente José Sarney e coma  ex-governadora Roseana Sarney.

o petista quer o apoio do MDB e entende que a influência de Sarney é fundamental.

Roseana deve participar nos próximos dias, em Brasília, de uma reunião com o senador  Renan Calheiros, outro aliado histórico de Lula no MDB. 

Lula esteve com Sarney e Roseana em agosto do ano passado, quando visitou o maranhão na pré-campanha eleitoral.

Mas o MDB decidiu lançar a senadora Simone Tebet (MT) candidata a presidente

Em busca de uma aliança de centro-esquerda, Lula quer que os antigos caciques emedebista convença a ala mais distante a desistir da candidatura de Simone.