4

Faltou petistas no encontro de Flávio Dino com o PT

Autodeclarado dono do “time de Lula no Maranhão, ex-governador levou membros do PCdoB, do PSB, muitos funcionários públicos e os dirigentes do partido do ex-presidente Lula que estão empregados no Palácio dos leões – e até do sarneysista PV – menos a militância de base, formada por trabalhadores, sindicalistas e representantes de movimentos sociais

 

Imagem do encontro do PT – postada pelo próprio Flávio Dino – mostra o ex-governador com seu tampão, Carlos Brandão, e o petista postiço Felipe Camarão; atrás, muitas bandeiras do PSB e até do sarneysista PV, e nada do PT

Análise da notícia

As imagens falam por si só.

No encontro com o PT promovido pelo ex-governador Flávio Dino (PSB) nesta sexta-feira, 13, em um luxuoso espaço de eventos de São Luís, tinha de tudo, menos petistas.

Nas imagens pode-se ver o governador-tampão Carlos Brandão, o deputado federal Bira do Pindaré e o estadual Duarte Júnior, todos do PSB; também se viu muitas lideranças do PCdoB, mas nenhum petista de base.

Para justificar a presença do PT nas fotos, Dino insistiu na imagem de Felipe Camarão – que ele impôs ao partido como vice de Brandão; mas Camarão é o que se chama de petista postiço, aquele sem história de luta no partido.

E a plateia estava lotada, bem lotada de… funcionários públicos.

Mais uma imagem do time de Lula que Dino tem a bola: Márcio Jerry do PCdoB, Bira do Pindaré, do PSB, Rodrigo Lago e uma camisa verdade do PV, mas nenhum petista histórico representado na foto

É assim que Dino tenta se tornar dono do “time Lula” no Maranhão; mas ele pode até ser o dono da bola, mas seu time carece de jogadores da base, formada por centrais sindicais como a CUT, representantes de trabalhadores como o Sindsep e a Fetaema e representantes de segmentos sociais.

O time que Dino montou para embalar a candidatura do seu tampão tem apenas os dirigentes do PT empregados no Palácio dos Leões – eles ou seus parentes, muitos deles.

O encontro do PT com Flávio Dino, portanto, teve de tudo.

Menos petistas…

3

Adriano Sarney conversa com outras legendas sobre candidatura…

Deputado estadual que deve disputar uma cadeira na Câmara Federal tem conversado com membros do PP, sondando a possibilidade de montagem de chapa competitiva em 2022; PV enfrenta dificuldades em atrair candidatos

 

Adriano Sarney quer viabilizar sua candidatura a deputado federal em chapa consistente

O deputado estadual Adriano Sarney (PV) tem conversado com lideranças de outras legendas em busca de espaços para disputar uma cadeira na Câmara Federal.

Na semana passada, ele esteve com o colega Ciro Neto, cujo pai, ex-prefeito de Presidente Dutra, Juran Carvalho, é listado como um dos candidatos do PP à Câmara.

Comandado pelo deputado federal André Fufuca, o PP interessaria a Adriano pelo fato de ter uma boa chapa de candidatos e forte possibilidade de obter legenda para a disputa federal, o que não é o caso do PV.

Afastado do cenário eleitoral desde as eleições de 2020, o neto do ex-presidente José Sarney voltou à cena em meados deste ano, anunciando que estará na disputa de 2022.

Sua mudança de partido abriria espaço tanto para ele, em uma legenda mais competitiva, como deixaria o PV à disposição de outras lideranças que buscam comandar uma legenda no estado.

Mas esta é uma outra história…

4

PV deve participar forte das eleições no Maranhão

Com o ex-ministro Sarney Filho nas articulações em Brasília e o deputado estadual Adriano Sarney no maranhão, partido inicia diálogo com outras forças para formação de alianças visando 2022

 

Sarney Filho e Adriano Sarney já iniciaram diálogo com as forças que se movimentam para as eleições de 2022

A reaparição do deputado estadual Adriano Sarney, há duas semanas – quando anunciou que vai disputar as eleições de 2022, como candidato à reeleição ou a deputado federal – levou a uma série de especulações sobre os rumos do PV.

O partido do ex-ministro Sarney Filho tem articulado forte em Brasília e no Maranhão.

Na capital federal, Sarney Filho já tratou sobre as eleições pelo Governo do Estado, coisa que Adriano também tem tratado no Maranhão.

Diante do quadro de pré-candidatos a governador, em que a maioria dos nomes tem, de uma forma ou de outra, ligação com o governo Flávio Dino (PSB), o PV vai buscar aliança com os mais independentes.

Os verdes têm como principal trunfo o tempo de TV, que pode contribuir para qualquer coligação.

E os diálogos seguirão por todo 2021… 

6

Adriano Sarney de volta ao cenário político…

Deputado estadual pretende disputar a reeleição em 2022, mas não descarta uma candidatura a deputado federal, em uma articulação que passa também pelas eleições de governador

 

Adriano está de volta ao debate político estadual, como presidente do PV

Após período fora dos holofotes, desde as eleições municipais de 2020, o deputado estadual Adriano Sarney (PV) retomou o debate político.

Como presidente do PV maranhense, ele está aguardando a definição das regras eleitorais para definir a que posto concorrerá.

– Sou presidente do PV. Vou continuar no partido e sou candidato a estadual ou federal, vai depender das definições das regras eleitorais – disse ele, ao blog do Diego Emir.

De acordo com o que apurou o blog Marco Aurélio D’Eça, Adriano Sarney está em sintonia com o pai, ex-ministro Sarney Filho, nas discussões sobre alianças do PV para a sucessão estadual.

O partido já tem alguns encaminhamentos relacionados a candidatos a governador, mas também vai esperar a definição das regras eleitorais.

O PV deve anunciar uma posição logo após definição dos rumos do grupo do governador Flávio Dino, que hoje tem cinco pré-candidatos na disputa.

É aguardar e conferir…

1

PV oficializa segunda-feira seus candidatos em São Luís

Deputado estadual Adriano Sarney será candidato a prefeito, e terá uma mulher como companheira de chapa, a ser anunciada durante o evento

 

Adriano e César Pires em reunião com os dirigentes municipais do Partido Verde: últimos detalhes para a convenção municipal de segunda-feira

Os últimos preparativos para a convenção municipal do Partido Verde (PV), em que será oficializada a candidatura do deputado e presidente estadual do PV, Adriano Sarney, à Prefeitura de São Luís, foram o assunto principal do encontro que reuniu o pré-candidato com o deputado e vice-presidente estadual da legenda, César Pires, e o secretário de Meio Ambiente do Distrito Federal, Sarney Filho.

A convenção acontecerá na próxima segunda-feira (31), das 17hs às 20hs.

“O PV decidiu participar das eleições em São Luís com um pré-candidato a prefeito com talento, competência, experiencia administrativa e fundamentação técnica na área econômica e administrativa, para propor à população uma gestão inovadora, capaz de levar nossa cidade a um outro patamar de desenvolvimento. Por isso escolhemos o deputado Adriano, que tem esse perfil, pois é um jovem com pós-graduação em instituições renomadas fora do Brasil”, enfatizou César Pires.

No encontro, que também contou com a participação da dirigente do diretório do PV em São Luís, Bárbara Soeiro, do empresário Marcos Sarney e o publicitário Gabriel Sarney, outro assunto debatido foi a escolha da candidata a vice-prefeita.

Como há dois nomes em discussão, também levando em consideração o perfil técnico definido pelo partido, a definição sobre a companheira de chapa do deputado Adriano será amadurecida neste final de semana e oficializada na convenção de segunda-feira.

11

“Vivemos época diferente”, diz Adriano, sobre apoio de sarneysistas

Pré-candidato do PV a prefeito de São Luís confirmou análise do blog Marco Aurélio D’Eça sobre a falta de alianças em sua campanha, negou viver isolado na Assembleia e garante que apresentará o “melhor plano já visto para a capital maranhense”

 

Adriano garante não se sentir isolado na Assembleia, muito menos na campanha; e não pretende repetir a história da família

O deputado estadual Adriano Sarney, candidato do PV a prefeito de São Luís, encaminhou nota ao blog Marco Aurélio D’Eça na qual comenta conteúdo do post “No fim das contas, Adriano é o único sem apoio de sarneysistas…”

Em síntese, o texto de Adriano acaba por confirmar os três pontos básicos do post:

1 – que ele não tem apoio de sarneysistas, mesmo sendo legitimamente um Sarney;

2 – que pediu a supressão do sobrenome Sarney do seu nome parlamentar na Assembleia Legislativa, e;

3 – que sarneysistas estão hoje espalhados por toda a base do governo Flávio Dino (PCdoB).

O pré-candidato do PV contrapõe apenas a informação de que viva isolado na oposição na Assembleia Legislativa, por problemas de relacionamento.

– Sou líder do Bloco de Oposição da Assembleia Legislativa do Maranhão. Portanto, não vejo “problemas de relacionamento” como você afirma. Pelo contrário, respeito todos os meus pares e tenho uma boa relação com eles, inclusive com deputados(as) governistas – afirmou.

Na nota encaminhada a este blog, Adriano reafirma sua candidatura a prefeito, “sem a mínima pretensão de repetir a história de meus familiares”, e diz que se defenderá na campanha, com “o melhor plano já visto para administrar São Luís”.

Abaixo, a íntegra da nota de Adriano Sarney:

Sobre o post “No fim das contas, Adriano é o único sem apoio de sarneysistas…” do dia 29/02/2020, esclareço os seguintes pontos:

1. Roseana Sarney foi lançada pré-candidata a prefeita de São Luís pelo MDB.
2. O PV me escolheu como pré-candidato a prefeito de São Luís.
3. O deputado Edilazio Jr, presidente do PSD, declarou apoio ao candidato do Podemos.
4. Esses três partidos, o PSC e o PMB foram os que se mantiveram fiéis à Roseana, Sarney Filho e Edson Lobão nas últimas eleições e hoje estão dispersos. Apesar de ter uma ótima relação com Roseana e Edilazio, cada um segue o seu caminho. Eu também.
5. Sobre não ter o apoio de partidos como o PP e o DC, vale ressaltar que o espectro de “ex-sarneisistas” abrange quase a totalidade dos políticos do Maranhão (assim como de alguns jornalistas). Não ter o apoio deles é natural, uma vez que a grande maioria se encontra na base comunista.
6. Sou líder do Bloco de Oposição da Assembleia Legislativa do Maranhao. Portanto, não vejo “problemas de relacionamento” como você afirma. Pelo contrário, respeito todos os meus pares e tenho uma boa relação com eles, inclusive com deputados(as) governistas.
7. No que tange meu sobrenome, tendo ele ou não no painel da Assembleia sou um Sarney com muito orgulho e não canso de defender o legado de José Sarney, Sarney Filho e Roseana. No entanto, também tenho ideias próprias, mas sem a mínima pretensão de repetir a história de meus familiares, vivemos em uma época diferente. Sobre os meus adversários usarem isso contra mim, estou acostumado, sempre usaram meu sobrenome para me atacar. Discurso velho.
8. Estou preparado para me defender como sempre e para mostrar o melhor plano já visto para administrar São Luís.

Seguimos na luta!

Cordialmente,
Adriano Sarney

7

A difícil missão de Adriano Sarney…

A menos de 10 meses das eleições, deputado estadual não consegue agregar ao seu projeto de candidatura a prefeito nem mesmo partidos aliados ao seu grupo político; e pode deixar a disputa com cacife menor do que entrou

 

Lançado pelo PV desde novembro, Adriano Sarney não conseguiu até agora sinalização de apoio sequer dos partidos que compõem a base do seu grupo político

Faltando apenas 10 meses para as eleições de outubro, o pré-candidato do PV a prefeito de São Luís, deputado Adriano Sarney, vive um drama. 

Mesmo sem levar em consideração os números das pesquisas – e analisando apenas sob o aspecto das articulações político-partidárias – o parlamentar está em um patamar que pode diminuir seu cacife ao longo da campanha.

Adriano Sarney não conseguiu agregar nenhum dos partidos históricos da base do sarneysimo – como MDB e PSD –  e ainda teve que aturar o surgimento da ex-governadora Roseana Sarney (MDB) nas pequisas, o que ofuscou seu próprio nome, forçando-o a uma declaração de que será candidato com ou sem a presença da tia.

Em alguns momentos, declarações como a sua – a exemplo do que ocorre também com outro oposicionista, Wellington do Curso, em relação ao PSDB – são acusações de golpes e sintomas de desespero político.

Além, do aspecto eleitoral, o neto do ex-presidente José Sarney isolou-se na Assembleia; e nem na tribuna consegue abrir debate sobre São Luís, o que, a essas alturas, seria fundamental para sua candidatura. 

Adriano Sarney tem até agosto para consolidar seu nome; mas precisa ter a consciência de que, se decidir concorrer de qualquer jeito, pode sair do pleito bem menor do que entrou. 

Mas pode desistir e levar o seu PV a uma aliança que aponte para futuro crescimento partidário sem personalismo.

O candidato tem seis meses para esta reflexão…

3

Adriano reafirma candidatura, mesmo com lançamento de Roseana

Deputado estadual ressalta ser, além de sobrinho, também aliado da ex-governadora; mas justifica que sua candidatura já foi escolhida por unanimidade no PV e chancelada pela direção nacional do partido

 

Adriano Sarney em conversa com Roseana, anos atrás; ambos agora surgem como opções para a Prefeitura de São Luís

O deputado estadual Adriano Sarney (PV) mostrou neste sábado, 14, que não pretende recuar da candidatura a prefeito, mesmo com a possível entrada da ex-governadora Roseana Sarney (MDB) na disputa.

– No que diz respeito a minha pré-candidatura a prefeito de nossa capital após recentes movimentos envolvendo a ex-governadora Roseana Sarney, da qual sou aliado e sobrinho, nada muda – disse o parlamentar, em artigo publicado no jornal O EstadoMaranhão, em que aponta a importância de sua atuação e a do seu partido na oposição maranhense.

Apesar de nunca ter declarado se entra ou não na disputa de 2020, Roseana teve seu nome lançado em evento do MDB, há duas semanas.

Para Adriano, a escolha unânime do seu nome pelo PV – e a chancela da direção nacional da legenda – impõe-lhe a responsabilidade de concorrer.

– Reafirmo minha pré-candidatura escolhida pela unanimidade de meus correligionários e agora chancelado pelo presidente nacional do partido como uma das prioridades do PV a nível Brasil – disse.

O MDB já anunciou também que pretende incluir o nome de Roseana em uma pesquisa a ser divulgada, muito provavelmente até janeiro.

Os números podem redefinir os caminhos dela e do sobrinho-candidato.

É aguardar e conferir…

7

Adriano Sarney confirma candidatura “de peito aberto e cabeça erguida”

Em encontro do PV e artigo de jornal, deputado estadual lembra que entrou na vida pública quando seu grupo já estava fora do poder, mesmo podendo “ter seguido a tradição que quase todos os parentes de políticos seguem” no Maranhão

 

Adriano com a militância do PV e o pai, Sarney Filho: coragem para enfrentar rótulos e preparo para discutir São Luís

Em contundente artigo publicado neste fim de semana – logo após encontro do PV que ratificou sua pré-candidatura a prefeito de São Luís – o deputado estadual Adriano Sarney disse que entrará na disputa de “peito aberto e cabeça erguida”.

– Assumi meu primeiro cargo público quando meu grupo saiu do poder. Dessa forma, comecei minha carreira política com o gratificante ofício de ser um político de oposição. Ou seja: por toda a minha vida eu tive a chance de ser aliado do poder mas não o fiz – afirmou, Adriano.

Com 3% de intenção de votos  na última pesquisa do Instituto Exata, Adriano já polariza com candidatos governistas como Osmar Filho (PDT), Neto Evangelista (DEM) e Bira do Pindaré (PSB) e fica à frente do candidato do governador Flávio Dino, o secretário Rubens Pereira Júnior (PCdoB).

Tanto no discurso durante o encontro do PV quanto em seu artigo, o deputado fez questão de lembrar que, ao contrário de outros parentes de políticos, que seguiram ou seguem a carreira com os antecessores ainda no poder, ele optou por se preparar, recusando ao longo da vida adulta cargos na esfera estadual e federal.

– Fiz a opção pelos estudos. Fui convidado para assumir cargos estaduais e federais. Entretanto, sempre recusei, pois preferi estudar, me preparar. Não sou político profissional, sou administrador e economista, fiz carreira em empresas multinacionais e na iniciativa privada. Então, após concluir minha formação aos 34 anos e ter êxito na minha carreira profissional, decidi ajudar os meus conterrâneos, para cumprir a missão que me foi dada pela oportunidade que tive – ressaltou.

Nesta fase da campanha, Adriano Sarney tem visitado o bairros e realizado reuniões com lideranças comunitárias, em que constata o abandono da cidade e a falta de projetos e futuro.

– Pelas nossas andanças nos bairros constatamos ausência total do poder público. O que observamos é que a capital do Maranhão foi aprisionada em uma visão administrativa que se nega a acompanhar o desenvolvimento da história. Nossos grandes empreendimentos se resumem a asfalto, isso é muito revoltante – diz, pregando a modernização da cidade e projetos de futuro.

O deputado do PV se diz pronto a enfrentar rótulos por causa do seu nome ou sobrenomes.

– De peito aberto e cabeça erguida, contra todo o tipo de preconceito sobre nomes ou sobrenomes vão tentar me rotular, mas o destino e a coragem que Deus me deu não me impedirá de lutar por uma São Luis melhor para se viver – concluiu.

1

Gesto de Adriano busca unidade no grupo Sarney…

Deputado estadual acerta em esforço de diálogo com as forças que sobraram no sarneysismo após as eleições de 2018 – notadamente o MDB, o PV e o PSD – embora enfrente resistências pela dificuldade de relacionamento interno

 

ADRIANO SARNEY MOSTRA ESFORÇO DE ENTENDIMENTO COM AS FORÇAS REMANESCENTES DO SEU GRUPO, notadamente o MDB, o PV e o PSD

É preciso ser entendido como um esforço de diálogo o artigo em que o deputado Adriano Sarney conclama forças do MDB, do PV e do PSD a uma unidade nas eleições de 2020 que resulte na consolidação de uma vitória em 2022.

Embora tenha envolvido no discurso, publicado no jornal O Estado no último domingo, 15,  também as forças oposicionistas vinculadas ao presidente Jair Bolsonaro – lideradas pelo senador Roberto Rocha (PSDB), pela ex-prefeita Maura Jorge (PSL) e pelo deputado estadual Wellington do Curso (PSDB) – Adriano mirou mesmo a base remanescente do sarneysismo, formada pela trinca PV/MDB e PSD. (Leia a íntegra aqui)

Tanto que, no artigo, ele não se põe como opção definitiva de candidato a prefeito em 2020, citando o deputado federal Edilázio Júnior (PSD) e nomes do MDB e da própria oposição bolsonarista.

Mas está exatamente na incapacidade de relacionamento a dificuldade de convencimento do neto do ex-presidente José Sarney.

De temperamento forte, Adriano é pouco afeito a relações de compadrio e acordos pontuais tão comuns na convivência política.

E com este perfil acabou-se isolando na Assembleia já a partir do primeiro mandato, em 2015, afastando-se exatamente das novas gerações do sarneysismo – notadamente os deputados Roberto Costa (MDB) e Edilázio Júnior (PSD), que hoje dão as cartas em seus partidos.

Mas o gesto do deputado encaminha um debate que precisa ser iniciado nas hostes sarneysistas o mais breve possível: de que forma o grupo quer se posicionar no processo de 2020 como porta de entrada para 2022?

Neste aspecto, Adriano ganha ainda mais estatura quando se recusa a ver-se como opção inarredável, abrindo espaço para uma candidatura única na trinca partidária sarneysista – para ganhar ou para perder.

E esta aliança passa, inclusive, pela ex-governadora Roseana Sarney (MDB).

Mas esta é uma uma história…