2

“Flávio Dino fracassou”, decreta Maura Jorge, em entrevista à Difusora AM…

Pré-candidata do PSL ao governo diz que o Maranhão vive tempos de ditadura em que as pessoas têm medo de se posicionar porque acham que o comunista tem influência no Judiciário e no Ministério Público

 

A pré-candidata do PSL ao governo do Maranhão, ex-prefeita Maura Jorge, afirmou nesta quarta-feira, 9, em entrevista à rádio Difusora AM, que o governador Flávio Dino (PCdoB) fracassou em seu mandato.

– Ele perdeu o rumo. Quero lamentar, e é um lamento de todos os maranhenses. Eu não votei no governador Flávio Dino, mas acreditava que ele iria fazer uma excelência de gestão, um Maranhão diferente, uma prática diferente. lamentavelmente, um juiz com carreira marcante, como homem do direito, marcou sua histórica apenas por ambição política. Flávio Dino não tem tido a humildade de reconhecer que o seu governo fracassou. E usa toda a máquina, usa todos os meios para se manter no poder – afirmou Maura, em entrevista aos jornalistas Osvaldo Maia e Andressa Cerveira.

Para Maura Jorge, o Maranhão hoje, sob Flávio Dino, vive uma espécie de Ditadura, onde todos são obrigados a seguir seus pensamentos, sob pena de sofrer ameaças.

– Estamos vivendo em um estado onde a ditadura foi implantada. As pessoas têm medo por achar que ele é um juiz. A classe política, principalmente, porque acha que ele tem influência no Judiciário e no Ministério público, se sente acuada – afirmou a ex-prefeita.

Um dos exemplos citados por Maura Jorge para reforçar a imagem de “ditadura dinista”, é a descoberta da tentativa de usar a Polícia Militar para espionar adversários do governador.

– No interior, as pessoas sentem até medo de dizer que não vota no governador. Todos se sentem acuados a dizer que estão com ele – lamentou Maura.

A pré-candidata do PSL citou também o abuso de poder, com uso de cargos trocados por apoios, inclusive nas igrejas evangélicas.

– Infelizmente, em todas as classes, existem os bons e os ruins. Isso macula a imagem do evangélico, mas Deus separa o joio do trigo. O povo evangélico saberá separar quem é quem entre os evangélicos. E existem pastores que pregam a palavra de Deus e vivem a palavra de Deus – concluiu.

1

A admirável atitude da Difusora AM…

Emissora de rádio decidiu abrir um horário para a coirmã rádio Capital AM, que sofreu atentado na semana que passou e está fora do ar

 

A direção da rádio Difusora AM tomou neste fim de semana uma atitude de solidariedade digna de respeito e admiração.

A emissora da Camboa decidiu abrir um horário em sua programação diária exclusivamente para transmissão de programas da rádio Capital AM.

A Capital teve destruído, na semana que passou, o seu parque de transmissores, num obscuro atentado que a imprensa nacional tem apontado como de cunho político. (Saiba mais aqui e aqui)

A decisão de prestar solidariedade à emissora perseguida em sua liberdade de expressão foi tomada pelo casal Edinho e Paulinha Lobão, que dirigem a Difusora AM.

O gesto, admirável, repercutiu em toda a imprensa…

3

Em sabatina na Difusora, Edivaldo fala de “avanços na Cultura”…

Candidato do PDT foi entrevistado hoje pela manhã na emissora de rádio e garantiu que sua gestão reajustou patrocínio das escolas de samba de R$ 5 mil para R$ 60 mil

 

Edivaldo conversa com os jornalistas da rádio Difusora

Edivaldo conversa com os jornalistas da rádio Difusora

O prefeito Edivaldo Júnior, candidato à reeleição pelo PDT, afirmou nesta terça-feira, 18, em sabatina na rádio Difusora AM, que houve avanços históricos no setor da Cultura durante sua gestão.

Ele lembrou da criação do Sistema de Cultura, do Plano Municipal de Cultura e, principalmente, da efetivação da Secretaria Municipal de Cultura. 

E fez uma revelação, garantindo que multiplicou por 12 o valor do patrocínio ás escolas de samba durante o Carnaval.

– Regulamentaremos o Fundo Municipal de Cultura e atendemos a antigas reivindicações. Quando chegamos na Prefeitura as escolas de samba recebiam de patrocínio R$ 5 mil. Reajustamos para R$ 60 mil – exemplificou.

Durante cerca de 20 minutos, Edivaldo respondeu questionamentos dos jornalistas sobre saúde, educação, transporte, meio ambiente, infraestrutura.

Ao final da entrevista pediu mais um voto de confiança aos eleitores, a fim de promover mais políticas públicas em toda a cidade.

– Fizemos muito, mas queremos fazer muito mais. Me dê uma nova oportunidade para levar mais benefícios a outros bairros. No dia 30 de outubro, vote 12, meu nome é Edivaldo – concluiu o candidato.