0

Família maranhense entre as vítima de desabamento no Rio…

O casal e o filho foram soterrados pelos escombros de prédio que caiu na madrugada da última sexta-feira, e agora aguarda decisão sobre traslado para a terra natal

 

ÁREA ONDE O PRÉDIO DESABOU, NA ZONA OESTE DO RIO; maranhenses entre as vítimas

Um casal de maranhenses e o filho menor também foram mortos no desabamento de um prédio no Rio de Janeiro,m na última sexta-feira, 12.

Hilton Berto Rodrigues Souza e Maria de Nazaré Sá Sodré foram retirados mortos dos escombros. O filho, Hilton Guilherme Sodré de Souza, 13, chegou a ser levado para o hospital, mas morreu na mesa de cirurgia.

O casal era morador do prédio, que caiu, matando 7 pessoas até agora. outras 10 ainda estão desaparecidas.

A Prefeitura do Rio de Janeiro se prontificou a arcar com os custos do sepultamento dos três, mas familiares das vítimas querem trazê-los para o Maranhão.

Não há informações sobre movimentação para que esse desejo seja atendido…

0

O poema sujo…

Abaixo, o primeiro trecho do Poema Sujo, de Ferreira Gullar, maranhense que morreu hoje no Rio de Janeiro, aos 86 anos. Gigantesco, o poema é considerado um dos 10 melhores da língua portuguesa. Foi escrito no exílio, na Argentina, como uma forte crítica à repressão militar. Gullar era considerado o maior poeta brasileiro vivo

 

gullarturvo turvo
a turva
mão do sopro
contra o muro
escuro
menos menos
menos que escuro
menos que mole e duro menos que fosso e muro: menos que furo
escuro
mais que escuro:
claro
como água? como pluma? claro mais que claro claro: coisa alguma
e tudo
(ou quase)
um bicho que o universo fabrica e vem sonhando desde as entranhas
azul
era o gato
azul
era o galo
azul
o cavalo
azul
teu cu
tua gengiva igual a tua bocetinha que parecia sorrir entre as folhas de banana entre os cheiros de flor e bosta de porco aberta como uma boca do corpo (não como a tua boca de palavras)

como uma entrada para

eu não sabia

tu não sabias
fazer girar a vida
com seu montão de estrelas e oceano
entrando-nos em ti

bela bela
mais que bela
mas como era o nome dela?
Não era Helena nem Vera
nem Nara nem Gabriela
nem Tereza nem Maria
Seu nome seu nome era…
Perdeu-se na carne fria
perdeu na confusão de tanta noite e tanto dia
perdeu-se na profusão das coisas acontecidas (…)

1

Sampaio Corrêa tem irmão gêmeo no Rio de Janeiro…

Este é o escudo do Sampaio carioca

Na onda da boa campanha que faz o Sampaio Corrêa do Maranhão na Copa do Brasil, este blog foi atrás de um time homônimo, na Segunda Divisão do futebol carioca.

O Sampaio Corrêa Futebol e Esporte, fundado em 2006, venceu a série C do Carioca em 2009 e, desde então tenta chegar à Primeira Divisão do Rio de Janeiro.

Elenco que venceu a Série C do Cariocão pelo Sampaio Corrêa-RJ

Usa as cores azul, amarelo e branco e tem este nome em referência ao Distrito de Sampaio Corrêa, o terceiro maior do município de Saquarema.

Diferente do irmão maranhense, o Sampaio Corrêa de Saquarema é um time-empresa. Está construindo um Centro de Treinamento em seu município, com estádio para dez mil pessoas.

O objetivo é chegar ao Cariocão já em 2012…

Conheça aqui a história do Sampaio Corrêa carioca e aqui a campanha na Segundona do RJ
12

GTA em ação no Rio de Janeiro…

O helicóptero maranhense em ação no Rio

A imagem ao lado é do helicóptero do Grupo Tático Aéreo do Maranhão. Está no Rio de Janeiro, auxiliando o trabalho de assistência às vítimas das enchentes e deslizamentos em Petrópolis, Teresópolis e Nova Friburgo.

O helicóptero do Governo do Maranhão é um dos mais modernos em operação no Rio de Janeiro. Está preparado para todo tipo dem missão aérea.

Além das ações de resgate, a equipe do GTA participa do transporte de militares e buscas nas áreas de difícil acesso.

Os militares maranhenses ficarão no Rio de Janeiro o tempo que for necessário.

11

Como o Rio caiu nas mãos das facções…

Do blog de Caio Hostílio

Três fatos históricos paralelos, ocorridos entre o fim dos anos 1970 e começo dos anos 1980, foram decisivos para moldar o perfil das facções de drogas no Rio e marcar as diferenças do crime fluminense do existente nos demais Estados brasileiros. O primeiro foi a convivência de presos políticos e bandidos comuns no Presídio de Ilha Grande, relação que ensinou os fundadores da nascente Falange Vermelha a se unirem e a se organizarem em busca de alternativas criminosas lucrativas. 

O sucesso da aposta no tráfico de drogas, feita pela nova facção, só ocorreu porque, nessa época, cartéis bolivianos e colombianos buscavam contatos na América Latina para ampliar a exportação de cocaína e diversificar a venda além dos Estados Unidos. Por fim, a ampliação da rede varejista de drogas nas favelas do Rio, intensificada entre 1981 e 1986, foi favorecida pela política do governador trabalhista Leonel Brizola, que a partir de 1983 suspendeu a ação da polícia nos morros. 

CV e TC. As primeiras ações da Falange foram de roubo a banco. Em 1980, o grupo conseguiu liderar mais de cem fugas que resultaram em pânico na rede bancária a ponto de forças de segurança desconfiarem da reestruturação de grupos guerrilheiros. Os bancos se defenderam com estratégias eficientes, levando os bandidos a se aventurarem no tráfico.

 Com um bom fornecedor de cocaína, entre 1983 e 1986, o agora Comando Vermelho passou a dominar as bocas de fumo tradicionais, tocadas por pequenos traficantes de maconha. Em 1985, já detinha 70% de todos os pontos de venda em um grande e lucrativo mercado.

A concorrência sangrenta por territórios começa também nessa época. Em 1983, ainda no Presídio de Ilha Grande, bandidos que ficavam na terceira galeria, vindos principalmente da zona oeste do Rio, travaram uma guerra violenta com integrantes do CV. Nascia o Terceiro Comando, que optaria pelo tráfico para lucrar, se armar e disputar territórios com o CV.

Apesar das guerras contínuas, no começo dos anos 2000, relatórios do setor de inteligência da Polícia do Rio calculavam que o CV, com contatos no Paraguai, Bolívia e Colômbia, movimentava cerca de 240 milhões de dólares por ano.

ADA. A disputa por territórios ficaria ainda mais acirrada em 1994, quando ocorre aquela que é considerada uma das maiores traições no mundo do crime carioca. Orlando Jogador, líder do CV no Complexo do Alemão, é assassinado por Uê por causa de rixas ligadas a mulheres. Depois do homicídio, Uê cria os Amigos dos Amigos (ADA) no Morro do Adeus, vizinho do Alemão, e inicia uma batalha que vai durar até setembro de 2002. Ele consegue um bom fornecedor de cocaína e apoio de bandidos importantes como Escadinha, do Morro do Livramento.

A honra de Orlando Jogador foi lavada por Marcinho VP, que era seu antigo ‘fiel’, espécie de ajudante de ordens, e foi acusado de assassinar Uê. A força e a mística de VP no Comando Vermelho cresce nessa época. Foi VP que mandou ordens de dentro do Presídio de Catanduvas, orientando FB a iniciar os ataques que deixaram o Rio de Janeiro em pânico.

UPP. As rixas violentas entre o CV e a ADA foram revistas depois que as UPPs se instalaram nos morros do Rio de Janeiro. A queda no movimento no comércio de drogas, acentuada com a chegada da polícia, levou os antigos inimigos a se unirem. O Complexo do Alemão e a Vila Cruzeiro, para onde fugiu grande parte dos traficantes expulsos, são considerados quartel-general do CV. A Rocinha, que até 2003 era dominada pelo Comando, hoje é reduto e principal fonte de lucro da ADA. As facções se juntaram para lutar contra o Estado.

E poucos arriscam a prever os próximos capítulos da história…