3

Líderes da Assembleia de Deus visitam Roseana e falam de 2018…

Representantes estaduais e pré-candidatos já escolhidos em convenção estadual da denominação evangélica articularam com a ex-governadora apenas uma semana depois de o governador Flávio Dino tomar até parte na Santa Ceia promovida pelo pastor José Coutinho

 

Em destaque Gildenemy e pastor Joaci, dois dos mais importantes líderes assembleianos, com outros membros da igreja

Um grupo dos mais destacados representantes da Igreja Evangélica Assembleia de Deus no Maranhão foi recebido nesta segunda-feira, 7, pela ex-governadora Roseana Sarney (PMDB).

E o assunto não podia ser outro: as eleições de 2018 no estado.

Presentes na comitiva assembleiana o ex-presidente estadual da denominação, pastor Joacir Almeida Costa, e o pré-candidato a deputado federal escolhido em convenção da igreja, pastor Gildenemy Lima de Sousa.

Joacir, apesar de já aposentado, é um dos mais respeitados pastores assebleianos do Maranhão; Gildenemy é o principal líder político da denominação, tanto que teve o apoio de 90% dos pastores à sua candidatura.

Dos quatro pré-candidatos escolhidos na convenção da Assembleia de Deus, também compõem o grupo mais simpático a Roseana Mical Damasceno e Pastor Bel, escolhidos candidatos a deputados estaduais.

O encontro é ainda mais significativo porque ocorre uma semana depois de o governador Flávio Dino (PCdoB) ter participado do culto de Ação de Graças da AD e ter, inclusive, tomado parte na Santa Ceia oferecida pelo pastor Coutinho, mesmo sem ser batizado.

A reunião dos líderes assembleianos com a ex-governadora mostra que Dino terá que tomar parte ainda em muita Santa Ceia para se viabilizar entre os evangélicos.

2

Flávio Dino e a Santa Ceia do Senhor na Assembleia de Deus…

Mesmo sem ser batizado pela denominação religiosa, governador tomou parte na cerimônia presidida pelo pastor José Guimarães Coutinho, que deveria ser restrita a membros em plena comunhão com Deus, segundo a tradição evangélica

 

DE BÍBLIA NA MÃO. Dino ao lado do pastor Coutinho, no culto de Santa Ceia: vilipêndio

O governador Flávio Dino (PCdoB) não tem feito restrição doutrinária a qualquer tipo de situação religiosa – católica, evangélica, espírita ou qualquer outra – nestes anos de poder político no Maranhão.

E tem sido criticado por este blog pelo vilipêndio. (Relembre aqui, aqui e aqui)

Mas o que Dino fez na última reunião de Assembléia Geral da Igreja Assembleia de Deus em São Luís – segundo contam líderes da denominação – é considerado abominável aos olhos da fé evangélica.

De acordo com os presentes ao culto, o governador comunista tomou parte até mesmo na Santa Ceia do Senhor, presidida pelo líder da denominação em São Luís, pastor José Guimarães Coutinho.

Dentro da tradição evangélica, só podem tomar parte na Santa Ceia os membros batizados de uma denominação religiosa, e que estejam em plena comunhão com o Senhor.

O assunto foi, inclusive, abordado nesta terça-feira, na coluna Estado Maior, do jornal O EstadoMaranhão.

Leia também:

De Jackson a Dino: ateísmo e religião como profissão de fé política…

A conversa de “Deus” com o papa…

O comunismo e a religião…

SINCRETISMO DE BÊNÇÃOS. Flávio Dino em dois momentos, com pastores e com padre: ajoelhou, tem que rezar

Para o presbítero André Sanchez, do site esboçando ideias, o princípio do batismo antes da Ceia – embora não esteja explicitamente ordenado na Bíblia – é o mesmo do “crer antes do batismo”.

– O “crer” em Jesus é a condição mais básica do discipulado, que vai avançando na direção do batismo e do ensino cada vez mais aprofundado da doutrina de Cristo (crescimento cristão). Parece óbvio no texto que existe certa sequência no acontecimento das coisas. Será que seria correto alguém ser batizado antes de crer em Jesus e professar essa fé? Óbvio que não. Uma coisa depende da outra. O batismo só faz sentido se a pessoa já creu em Jesus. Da mesma forma, será que alguém poderia participar da Santa Ceia antes de ter crido em Cristo? Não parece lógico e apoiado pelas Escrituras que as coisas aconteçam assim, em uma sequência confusa e sem embasamento algum – explicou Sanchez. (Leia a íntegra aqui)

Mas para Dino, tudo parece permitido; e pior: aos olhos complacentes de líderes religiosos.

Ele já se ajoelhou em missa católica, passou a usar o Tau, vestiu cocar de pajé indígena e agora saboreia a Santa Ceia na Assembleia de Deus.

Tudo em nome de um projeto de poder…