0

Com eleição acirrada, debate da Difusora pode definir vagas no 2º turno

Programa da TV Difusora ganhou ainda mais importância após cancelamento do debate da TV Mirante; e – assim como ocorreu em 2016 – deve influenciar diretamente o resultado do primeiro turno em São Luís

 

Todos os candidatos foram convidados para o debate da Difusora FM, que será transmitido ao vivo pela TV Difusora, como último do primeiro turno

Ganha cada vez mais importância o debate da TV Difusora, marcado para a próxima quinta-feira, 12 – o último antes do primeiro turno das eleições em São Luís.

Em 2016, o último programa deste tipo, exibido pela TV Mirante três dias antes do pleito, desbancou então favoritos e resultou na ida do então azarão Eduardo Braide (Podemos) ao segundo turno.

Em 2020, sob orientação da Globo, a Mirante desistiu do debate no primeiro turno, o que levou a TV Difusora a encampar o programa já marcado na rádio Difusora FM, levando-o para o mesmo dia e horário do que seria realizado na Mirante.

A campanha de mídia e propaganda – além do acirramento da disputa pelas vagas no segundo turno – gera uma forte expectativa em torno do programa, que pode influenciar diretamente a decisão do eleitor.

Placas de outdoor com anúncio do debate da Difusora foram vandalizadas no fim de semana, numa tentativa de esconder o programa da população

O debate da Difusora ganhou tanta repercussão que outdoors de propaganda foram vandalizados no fim de semana, como que para impedir que o eleitor tomasse conhecimento do programa.

E ganha feições ainda mais dramáticas quando se sabe das relações dos candidatos Eduardo Braide (Podemos) e Duarte Júnior (Republicanos) com a emissora.

Mas esta é uma outra história…

3

Como ler as pesquisas eleitorais?!?

Analistas e comentaristas equivocam-se em bombardear levantamentos ou vincular institutos a candidatos; pesquisa é estimativa, e como tal, nunca pode ser precisa, já que trabalha com variantes pré-estabelecidas

 

É possível, sim, ler o pensamento de milhares de pessoas com uma amostra mínima de extratos desta população; e é isso que fazem as pesquisas

Ensaio

Nos últimos dias, a divulgação de pesquisas eleitorais se intensificou em São Luís; e os números, aparentemente divergentes, foram fortemente bombardeados por analistas e setores da imprensa.

Cada um puxando para um lado ou tentando favorecer seu próprio candidato.

Mas estes analistas estão equivocados ao desqualificar os levantamentos ou vinculá-los gratuitamente a candidatos.

É preciso saber ler as pesquisas como elas são: estimativas.

E estimativas devem levar em conta as variantes de sua aplicação.

A rigor, as pesquisas Escutec, Ibope, DataM, DataILha e Exata – mesmo com as suas variáveis numéricas – dizem exatamente a mesma coisa, cada uma a seu modo.

Para entender cada uma, deve-se levar em conta não apenas os seus números, mas os seus fatores variantes, que são o momento da coleta dos dados, a margem de erro e o Intervalo de confiança, para citar apenas alguns.

A esta altura do campeonato eleitoral, por exemplo, qualquer pesquisa que apresentar o líder Eduardo Braide (Podemos) com índices de votos entre 34% e 40% está correta.

Diante dos dados já divulgados, é certo afirmar também que Rubens Júnior tenha 7% das intenções de voto; ou 10%, ou apenas 4%.

Nada de errado com um número ou outro.

O caso mais emblemático – e que gera mais polêmica entre jornalistas – é o acirramento da disputa entre Duarte Júnior (Republicanos) e Neto Evangelista (DEM) pela vaga no segundo turno.

Exageros numéricos à parte, não há nenhum equívoco em apontar um dos dois com 19%; é correto também estimar que um deles possa ter apenas 13%.

E os dois podem até mesmo estar, cada um, com 17%.

Isto é ler e entender pesquisas; os demais textos que se ver por aí são meras expressões de desejos ou encomendas de grupos para fortalecer midiaticamente candidato A, B ou C.

E as pesquisas nada têm a ver com isso.

Os números estão dizendo exatamente X, com variáveis de Y a Z; e os números, como se sabe, não mentem jamais.

É simples assim…

0

Flávio Dino parte pra cima de Braide e Roberto Rocha

Cada vez mais envolvido na campanha – mesmo sem assumir um candidato específico – governador comunista tem chamado ao debate o candidato do Podemos, deixando claro à base quem são seus adversários em São Luís

 

A resposta de Flávio Dino nas redes sociais; governador cada vez mais ativo contra adversa´rios dos eu grupo político

O governador Flávio Dino (PCdoB) voltou nesta segunda-feira a responder e provocar o candidato do Podemos a prefeito de São Luís, Eduardo Braide. 

Desta vez, ele se incomodou com o principal aliado de Braide, o senador Roberto Rocha (PSDB), que o acusou de ter “patrocinado” matéria no jornal Folha de S. Paulo – já retirada por determinação da Justiça – apontando Braide como investigado por corrupção.

– A última agressão de um líder de Bolsonaro no Maranhão é me acusar de ter comprado uma matéria na  Folha de S. Paulo contra o candidato Braide – frisou Dino, sem citar o nome de Roberto Rocha.

No mesmo post, no Instagram, Dino referiu-se com provocações também a Braide.

– Quem deve explicações na Polícia e na Justiça deve prestá-las. E não mentir ou inventar factoides para desviar a atenção – ressaltou.

Têm sido cada vez mais frequentes as provocações ou respostas de Flávio Dino a Eduardo Braide, que lidera todas as pesquisas de intenção de votos em São Luís.

Mesmo sem se definir por um candidato específico, com a postura, ele deixa claro para a própria base quem são seus adversários.

Um sinal claro de que quer todos os aliados unidos no segundo turno…

1

Duarte, Neto e Rubens rigorosamente empatados por vaga no 2º turno

Candidatos do Republicanos e do DEM têm diferença de menos de 1 ponto percentual; comunista fica a pouco mais e dois pontos do terceiro colocado, numa disputa que tende a se acirrar na última semana do primeiro turno

 

Os três principais candidatos da base do governador Flávio Dino se engalfinham pela última vaga no segundo turno em São Luís

Pesquisa do Instituto DataILha divulgada na tarde desta segunda-feira, 9, no programa Brasil Urgente, da TV Band, mostra um rigoroso empate entre Duarte Júnior (Republicanos), Neto Evangelista (DEM) e Rubens Pereira Júnior (PCdoB) pela segunda vaga no segundo turno da disputa em São Luís.

De acordo com o levantamento, a diferença entre Duarte (15,6%) e Neto (14,7%) é de menos de 1 ponto percentual; Já entre Neto e Rubens Júnior chega a pouco mais de 2 pontos.

O rigoroso empate entre os três candidatos da base do governo Flávio Dino torna acirrada a última semana do primeiro turno.

A pesquisa DataIlha mostrou que o candidato Eduardo Braide tem 37,2%, consolidado em primeiro lugar, embora a vantagem já não seja tão significativa quanto a do início da campanha.

Outro dado que chama atenção é a rejeição de Braide, agora a maior dentre os candidatos, ao lado de Rubens Pereira Júnior: respectivamente ele têm 22,8% e 22,4% de eleitores que disseram não votar em um deles de jeito nenhum.

A pesquisa DataIlha abre a última semana de campanha do primeiro turno; outros levantamentos devem ser divulgados até sábado, antes do pleito, que acontece no domingo, 15.

5

Braide já trabalha para ter Duarte como adversário no segundo turno…

Líder nas pesquisas sabe da dificuldade de enfrentar Neto Evangelista ou Rubens Pereira Júnior – que agregariam a maior parte da base do governo Flávio Dino e da gestão de Edivaldo Júnior -; e atua para ter o adversário do PRB, que tem dificuldades de juntar aliados

 

Sabendo da dificuldade de Duarte Júnior de unir a base de Flávio Dino e atrair Edivaldo pro palanque, Braide torce parta tê-lo como adversário no segundo turno

Análise de conjuntura

A pesquisa do Ibope, divulgada nesta sexta-feira, 23, expôs um estratagema que é trabalhado diuturnamente na campanha do favorito nas pesquisas, deputado Eduardo Braide (Podemos).

Com forte queda nas pesquisas, ele já tem consciência de que, dificilmente, teria condições de vencer em primeiro turno.

Mas escolheu quem quer enfrentar no segundo turno: o deputado estadual Duarte Júnior (PRB).

Esta torcida já foi revelada em vários textos no blog Marco Aurélio D’Eça, como se pode relembrar aqui e aqui.

A estratégia da campanha de Braide envolve não apenas o seu comitê de campanha, mas setores da imprensa, institutos de pesquisa e lideranças políticas de todos os partidos.

A escolha de Braide tem um elemento obviamente prático: ele sabe que é mais difícil vencer Neto Evangelista (DEM) ou Rubens Pereira Júnior (PCdoB) em um segundo turno, pelo fato de que estes dois adversários conseguem unir, se não a totalidade, ao menos a maior parte da base do governo Flávio Dino (PCdoB) e da gestão do prefeito Edivaldo Júnior (PDT).

Duarte não tem essa força; ficará isolado e forçará até mesmo aliados da base a cerrar fileiras em torno de Braide.

Por isso a campanha do candidato do Podemos, inteligentemente, atua nos bastidores, influenciando pesquisas, lideranças políticas e sobretudo a imprensa.

Braide não quer repetir o erro de 2016, quando perdeu para as duas máquinas em São Luís.

E Duarte é para ele a tempestade perfeita…

1

Braide cai oito pontos; Duarte e Neto crescem, diz Ibope…

Faltando nove dias para o primeiro turno, instituto carioca divulga no JM2, da TV Mirante, sua terceira pesquisa sobre a corrida eleitoral em São Luís, mostra queda acentuada do líder e consolida o cenário de realização de segundo turno

 

Braide teve queda acentuada no Ibope; Duarte e Neto cresceram dentro da margem de erro e estão no limite do empate. Rubens está estagnado

O  Ibope mostrou nesta sexta-feira, 6, uma queda de oito pontos percentuais nas intenções de votos do líder Eduardo Braide (Podemos) na disputa pela Prefeitura de São Luís.

Em 23 de outubro, Braide tinha 44%; agora, apareceu com 36%.

A pesquisa desta sexta-feira – a terceira do instituto carioca na capital maranhense – mostrou também crescimento dos candidatos Duarte Júnior (Republicanos) e Neto Evangelista (DEM), ainda que dentro da margem de erro. 

Duarte foi de 19% para 22%; Neto, que tinha 14% em 23 de outubro, subiu para 16%. Os dois continuam no limite do empate técnico pela segunda vaga para o segundo turno.

De acordo com o instituto, o candidato do governador Flávio Dino, Rubens Pereira Júnior (ambos do PCdoB), se manteve estável, com 7% das intenções de votos.

Faltando nove dias para o primeiro turno, o Ibope mostra que Braide começa a sentir os efeitos da polarização entre Duarte e Neto e tem seus índices achatados, assim como estimou o blog Marco Aurélio D’Eça ainda em setembro.

Esta tendência de queda de Braide e crescimento dos seus adversários vem se confirmando desde a primeira pesquisa Ibope, divulgada em 23 de setembro. 

Os dados da pesquisa divulgada hoje pela TV Mirante consolidam também a realização de um segundo turno na capital maranhense.

Falta definir quem será o adversário de Eduardo Briade…

2

Aliados de Brandão torcem por vitória de Braide…

Embora ainda acreditem na ida de Duarte Júnior para o segundo turno – mesmo depois de pesquisa que aponta ter sido ele ultrapassado por Neto Evangelista – simpatizantes do projeto do vice-governador querem evitar o desgaste de ter que se posicionar

 

Brandão gente aliados seus na campanha de Eduardo Braide; e estes aliados sonham com a aliança dos dois em 2022

Análise de conjuntura

Os aliados do vice-governador Carlos Brandão (PRB) têm duas bandeiras nestas eleições de São Luís:

Primeira: torcer para que o candidato republicano Duarte Júnior chegue ao segundo turno, o que caracterizaria uma vitória pessoal do vice de Flávio Dino (PCdoB);

Segundo: se Duarte definhar a ponto de perder a vaga no segundo turno – como já foi mostrado na pesquisa DataM – trabalhar para que Eduardo Braide (Podemos) vença logo em primeiro turno.

O problema é que a maior parte desses aliados de Brandão estão exatamente na campanha de Eduardo Braide.

Membro da confraria de Brandão, Joaquim Haickel foi um dos articuladores do apoio da ex-deputada Conceição Andrade a Braide

São nomes tradicionais da política, como o ex-governador José Reinaldo Tavares, o ex-deputado federal Jaime Santana, os ex-estaduais Aderson Lago, Marcone Farias e Joaquim Haickel, dentre outras raposas.

Aliás, esta confraria – auto-denominada “irmandade” – foi revelada pelo blog Marco Aurélio D’Eça ainda em outubro de 2019.

Para eles, a vitória de Braide significaria a vitória de Brandão, uma vez que forçaria – acreditam eles – o senador Weverton Rocha (PDT) a recuar na pretensão de candidatar-se ao governo em 2022.

Em outras palavras, os aliados de Brandão o queriam mesmo com Eduardo Braide, mesmo com seu partido tendo candidato a prefeito.

E ainda afirmam que o próprio governador Flávio Dino torce por esta composição.

Mas o próprio Dino já estabeleceu quem é seu adversário nesta eleição, segundo mostrado pelo blog Marco Aurélio D’Eça.

Dino quer um de seus aliados políticos no segundo turno.

Vai permitir Brandão no outro lado?!?

0

Segundo turno em São Luís cada vez mais consolidado…

DataM é o terceiro instituto a apresentar a soma dos adversários com índice maior que a do líder Eduardo Braide, o que garante a realização de um confronto direto entre ele e outro candidato, hoje mais para Neto Evangelista

 

Os números do DataM praticamente confirmaram o que já havia sido mostrado tanto por Ibope quanto por Escutec: disputa será acirrada pela segunda vaga no segundo turno

Os números do DataM divulgados nesta terça-feria, 3, pela TV Difusora, mostram cada vez mais a consolidação de uma eleição em dois turnos em São Luís.

Assim como Ibope e Escutec, o levantamento de hoje mostrou o líder Eduardo Braide (podemos) variando na casa dos 40% de intenção de votos – um pouco acima, um pouco abaixo – índices insuficientes para matar o pleito em primeiro turno.

Entre os aliados de Braide esta certeza de dois turnos já está consolidada. Tanto que não há m,ais releases ou declarações sobre vitória em primeiro turno.

A novidade trazida pelo DataM é a presença de Neto Evangelista à frente de Duarte Júnior pela primeira vez, o que indica uma tendência de virada do candidato do DEM.

O blog Marco Aurélio D’Eça já havia alertado que a estrutura de campanha o volume da militância nas ruas seriam fundamentais na reta final para definir o adversário de Braide em segundo turno.

Fatores que, ao que parece, começam a pesar fortemente a favor de Neto…

2

Segundo turno será entre Braide e Neto, aponta DataM

Pesquisa divulgada nesta terça-feira, 3, pela TV Difusora mostra o candidato democrata ainda rigorosamente empatado com o republicano Duarte Júnior, mas pela primeira vez numericamente à frente do adversário

 

Braide e Neto tendem a se enfrentar em um segundo turno em São Luís, de acordo com números do instituto DataM revelados na tarde desta terça-feria, 3

Faltando 12 dias para o primeiro turno, pesquisa do Instituto DataM divulgada nesta terça-feira, 3, mostrou, pela primeira vez, que o cenário mais provável de segundo turno em São luís será entre Eduardo Braide (Podemos) e Neto Evangelista (DEM).

A pesquisa mostrou Braide com 38% das intenções de voto, contra 14,7% de Neto Evangelista, que aparece pela primeira vez à frente de Duarte Júnior (14,5%), mesmo ainda em condição de empate técnico.

DataM acertou o resultado das eleições de 2016, em São Luís, assim como as eleições de governador e de senador em 2018.

É o quarto instituto seguido a apontar segundo turno nas eleições de São Luís, o que já é admitido até mesmo na campanha de Eduardo Braide.

Os números do DataM repetiram a tendência já apontada em outros institutos conceituados, como Ibope e Escutec

O empate técnico entre Neto e Duarte vem se mantendo desde o início da campanha, e mostrado pelos mais conceituados institutos de pesquisas.

Com maior volume de campanha dentre todos os candidatos, Evangelista tem em sua coligação também a militância do PDT, comandada pelo senador Weverton Rocha.

E os pedetistas garantem fazer a diferença na reta final…

5

Base de Flávio Dino rejeita apoio a Duarte em eventual 2º turno…

Adversários, lideranças partidárias e aliados do governo apontam que a ida do candidato do PRB a um eventual segundo turno é a forma mais rápida – caso a eleição não se decida em primeiro turno – de Flávio Dino dar a vitória a Eduardo Braide

 

Indisposto com toda a base do governo Flávio Dino, Duarte tem agora apenas o apoio dos grupos de Brandão e Josimar, com praticamente nenhuma penetração eleitoral em São Luís

Em um vídeo divulgado na semana passada, o deputado Duarte Júnior (PRB) praticamente inviabilizou sua política de alianças em um eventual segundo turno em São Luís.

Ele, que já havia se indisposto com os companheiros de base Dr. Yglésio (Pros) e Neto Evangelista (DEM), acabou criando arestas pessoais com Rubens Júnior (PCdoB) e todo o entorno do Palácio dos Leões.

Também já havia imposto dificuldade a um apoio do prefeito Edivaldo Júnior (PDT), criticado quase que diariamente em sua campanha.

O blog Marco Aurélio D’Eça, inclusive, alertou do risco que Duarte corria, de inviabilizar a própria campanha.

A antipatia dos candidatos a prefeito soma-se à antipatia da classe política em relação ao candidato do PRB; lideranças do PT, do PCdoB, do MDB, do PTB, do PSB e do PDT avaliam que a forma mais fácil de Flávio Dino perder a eleição para Eduardo Braide (Podemos) é a ida de Duarte ao segundo turno.

– Os dois caminhos mais curtos para Braide chegar ao Palácio La Ravardière:  1) Ganhar em primeiro turno; 2) disputar o segundo turno contra Duarte – disse o petista e ex-secretário Márcio Jardim.

Para Jardim, com apenas um vídeo, o candidato do vice-governador Carlos Brandão conseguiu posicionar todo mundo contra ele.

Mas os aliados ainda insistem que o governador Flávio Dino fará a base se unir em torno de um candidato governista, mesmo que seja Duarte Júnior.

– O único candidato que pode derrotar o Braide, é, sem dúvida nenhuma, o Duarte – afirmou ao blog, ainda na semana passada, o deputado federal Zé Carlos (PT).

Duarte tem o apoio do vice-governador Carlos Brandão e do deputado federal Josimar de Maranhãzinho (PL), ambos com projetos vinculados à eleição de 2022.

Pelo que se vê, o candidato aposta nas estruturas dessas duas lideranças – nenhuma delas com peso importante na capital maranhense – para garantir competitividade em eventual segundo turno.

Mas sua postura pode tirar-lhe a chance, já no primeiro turno, de testar seus líderes…