0

Maranhão terá quatro senadores a partir de sexta-feira…

Além de Roberto Rocha, Weverton Rocha e Eliziane Gama, Mecias de Jesus, natural de Graça Aranha, foi eleito por Roraima, ao derrotar ninguém menos que o histórico Romero Jucá

 

Mecias é um dos quatro senadores com origem no Maranhão

Quatro maranhenses irão ocupar cadeiras no Senado Federal a partir de sexta-feira, 1º quando tomam posse os novo senadores.

Além de Roberto Rocha (PSDB), que tem mais quatro anos de mandato, tomam posse como novos senadores eleitos pelo estado Weverton Rocha (PDT) e Eliziane Gama (PPS).

Mas Mecias de Jesus, eleito por Roraima – ao derrotar Romero Jucá, uma das lendas políticas do Brasil, também é maranhense, natural de Graça Aranha, segundo revelou ao mundo, ontem, o blog de Robert Lobato.

Segundo contou Lobato, Mecias de Jesus mudou-se para Roraima há 41 anos, quando tinha 12 anos; trabalhou como garçom, jardineiro e engraxate, até entrar no serviço público, em 1979.

Em 1992, elegeu-se vereador; e foi por seis vezes deputado estadual, além de presidir a Assembleia de Roraima.

Com a presença de Messias, o Maranhão terá quatro representantes no Senado pela segunda vez na história.

Durante o período em que o ex-presidente José Sarney (MDB) esteve na Casa, o estado também manteve quatro representantes.

A diferença é que, ao contrário de Sarney, Mecias não tem ligações políticas com o Maranhão, o qual deixou há 41 anos…

1

Sem imposições, Weverton Rocha consolida grupo político…

Vitórias de Osmar Filho, na Câmara Municipal, e de Erlânio Xavier, na Famem, reforçam a ideia de que o senador eleito – em seu estilo conciliador – é hoje o principal e mais independente aliado do governador Flávio Dino

 

Com firmeza e diálogo, Weverton consolidou a candidatura do aliado Erlânio Xavier na Famem

Há um forte simbolismo político na imagem do governador Flávio Dino (PCdoB) com os prefeitos Erlânio Xavier (PDT) e Cleomar Tema Cunha (PSB), no gesto que selou o consenso na Federação dos Municípios.

A presença de Dino consolidou aquilo que o senador eleito Weverton Rocha sempre buscou: a unidade entre os prefeitos na Famem em torno do seu candidato a presidente.

Foi o próprio Flávio Dino quem decidiu agir para evitar o racha na entidade, que se desenhava com o amplo favoritismo de Erlânio.

Enquanto isso, o senador estava em Brasília, preparando a própria posse.

Da mesma forma como ocorreu na Famem, Weverton já havia construído a unidade em outra instância de poder, a Câmara Municipal, com a eleição do aliado Osmar Filho (PDT).

Weverton Rocha é hoje para o grupo Flávio Dino o que o senador Edison Lobão (MDB) foi, durante anos, para o grupo Sarney: um aliado leal, mas independente.

E é com  a mesma habilidade de Lobão que o pedetista vai construindo os cenários que possam favorecer seu projeto político nos próximos anos.

Seja já em 2022 ou mesmo lá na frente, em 2030.

Flávio Dino entre Erlânio e Tema: conciliação para resguardar a base governista

Muita gente pensa – e até aposta – em um iminente rompimento de Weverton e Flávio Dino já nas nas próximas eleições para governador. Quem convive mais diretamente com o senador eleito, sabe que esta possibilidade é remotíssima.

E jamais ocorrerá partindo do próprio pedetista.

Weverton pode muito bem ser candidato à sucessão de Flávio Dino, mas desde que as condições políticas, partidárias e de grupo estejam alinhadas. Caso contrário, ele pode esperar até mesmo depois da própria eventual tentativa de reeleição ao Senado, que se apresentará em 2026.

Essa explicação o próprio senador dá a quem lhe pergunta sobre o assunto.

O pedetista pode esperar, por exemplo, um período de transição com o vice Carlos Brandão (PRB) à frente do governo; ou mesmo a viabilização de outro aliado do grupo, como o deputado federal Rubens Pereira Júnior (PCdoB) ou a também senadora Eliziane Gama (PPS).

É uma postura diferente, por exemplo, à do também senador Roberto Rocha (PSDB), que decidiu afastar-se de Dino imediatamente após a eleição de 2014, em busca da viabilização que não ocorreu em 2018.

Mas, apesar de paciente e conciliador, Weverton Rocha sabe criar as “condições políticas, partidárias e de grupo” citadas acima.

Um exemplo é sua própria candidatura ao Senado: foi Weverton, de forma independente, quem construiu as bases que viabilizaram suas chances, dando a Flávio Dino apenas a opção de apoiá-la ou não.

O resultado foi uma eleição com quase 2 milhões de votos.

A maior da história do Maranhão…

0

Weverton e Eliziane seguirão juntos no Senado…

Parlamentares que tomarão posse na sexta-feira, 1º, farão parte do mesmo bloco partidário e devem, inclusive, seguir juntos na eleição para presidência da Casa, que terá forte repercussão no país

 

Weverton e Eliziane: eleição conjunta e posicionamento conjunto

Eleitos na mesma chapa – ao lado do governador Flávio Dino (PCdoB) – os senadores Weverton Rocha (PDT) e Eliziane Gama (PPS) – que tomarão posse na próxima sexta-feira, 1º terão atuação conjunta na Casa.

Os dois maranhenses compõem o bloco formado por PDT, PPS, Rede e PSB, que terá oito senadores em plenário.

E a eleição para a Mesa Diretora do Senado deve ter também um posicionamento conjunto dos dois senadores.

Apesar de terem sido eleitos na chapa de Flávio Dino – cujo partido, o PCdoB, tende a apoiar o alagoano Rena Calheiros (MDB) – Weverton e Eliziane ainda não se posicionaram.

E a tendência é que busque uma posição menos hostil na Casa.

A eleição no Senado acontece exatamente na mesma sexta-feira, 1º, após a posse dos novos senadores…

3

Eliziane se prepara para atuação no Senado…

Deputada federal troca de Casa a partir do dia 1º de fevereiro para um mandato de oito anos; e se prepara para atuação em nome do Maranhão em Brasília

 

Eliziane terá atuação de destaque ao lado de senadores como Randolfe Rodrigues, em Brasília

A deputada federal Eliziane Gama (PPS) tem o projeto definido para a sua atuação no Senado, onde assume mandato a partir do dia 1º de fevereiro.

A parlamentar pretende focar seus oito anos de mandato em duas frentes: atuação direta pela viabilização de projetos maranhenses em Brasília e fortalecimento da relação com suas bases e aliados no estado.

Nome forte para a Prefeitura de São Luís m 2020, Eliziane também deve figurar naturalmente nas listas para a sucessão do governador Flávio Dino (PCdoB).

Mas se foco principal será mesmo a atuação no Senado.

Imediatamente após a eleição, a senadora maranhense passou a ser uma das figuras exponenciais do PPS nacional e deve ocupar cadeira de destaque na interlocução do partido.

Desta forma, ela atuará de forma independente no Senado, buscando relação direta nos ministério, com busca de projetos para o estado e estreitando as relações com o governo Flávio Dino.

Após a posse, Eliziane se reunirá com a bancada do PPS para definir os líderes da legenda.

Mas esta é uma outra história…

1

A sensatez de Bolsonaro e a estupidez de seus seguidores…

Nenhum dos eleitores, simpatizantes, colaboradores ou apaixonados pelo novo governo foi tão lúcido quanto o próprio presidente ao analisar a situação do senador eleito Flávio Bolsonaro e seu precoce rosário de malfeitos

 

Flávio Bolsonaro enrola o governo do pai Jair com apenas 20 dias de mandato; e antes mesmo de assumir o Senado Federal

Veja o que disse o presidente Jair Bolsonaro (PSL) sobre o extenso rosário de picaretagens protagonizadas pelo seu filho, Flávio, antes mesmo de assumir o mandato no Senado:

– Se ele errou e isso ficar provado, vai ter que pagar.

Em nenhum momento da campanha, do pós-eleitoral e até agora, nestes 24 dias de mandato, Bolsonaro foi tão lúcido e sensato quanto nesta sentença.

E ainda fez calar a estupidez dos milhões de apaixonados, colaboradores e membros do governo que ainda insistem em buscar justificativas para cada deslize da “família real” descoberto pela mídia.

Jair Bolsonaro foi sensato porque sabe o que seu filho fez.

E sabe porquê também fez, como deputado.

E sabe porque sabe que isso é praxe em Brasília, no Rio de Janeiro, no Maranhão e no Brasil inteiro.

Seus aliados mais apaixonados se mostraram estúpidos ao tentar justificar as revelação sobre o Bolsonaro-filho 01 como fruto de uma tentativa de golpe da mídia.

E revelam ainda mais estupidez ao blindar o Bolsozinho com a calhorda justificativa de que “todo mundo faz”.

Ora, não foi por que “todo mundo faz” que botaram lá Bolsonaro? para que não se fizesse mais?

Toda cretinice da turba bolsonariana no episódio, encerra uma lição: Bolsonaro é só mais um no mar de políticos de Brasília e do Brasil, com os mesmos vícios e defeitos.

E ninguém tinha conhecimento disto porque eles habitavam um ambiente escuro da capital: o baixíssimo clero do Congresso Nacional.

Jogou-se luz sobre eles e deu no que deu.

É simples assim…

1

Weverton participa de entrega de equipamentos agrícolas e de pesca a municípios

“Quero parabenizar o governador Flávio Dino e ao secretário Edjahilson Souza por esta parceria com os 68 municípios e entidades que estão recebendo os mais diversos equipamentos para auxiliá-los na produção e no desenvolvimento local”, falou o senador eleito Weverton Rocha (PDT), nesta terça-feira (22), durante a entrega de equipamentos agrícolas e de pesca para 54 municípios e 24 entidades do estado, no Palácio Henrique de Lá Roque, em São Luís.

Weverton lembrou que durante todo o seu mandato como deputado federal destinou muitos recursos para a agricultura dos municípios.

“Entregamos dezenas de equipamentos e vamos continuar nesta parceria, porque aí sim: com apoio, o homem do campo produzirá mais e, obviamente, contribuirá mais para o desenvolvimento do seu município e do nosso estado”, afirmou.

A entrega dos equipamentos faz parte do Programa ‘Caminhos da Produção’, uma iniciativa do Governo do Maranhão, por meio da Secretaria de Estado da Agricultura, Pecuária e Pesca (Sagrima), com o objetivo de dar continuidade à política de desenvolvimento das cadeias produtivas no estado.

“Nosso foco é o combate as desigualdades sociais e regionais, como a Constituição determina. E um dos caminhos para que a gente obtenha este resultado é garantir que as pessoas possam produzir, em busca de autonomia econômica das comunidades e municípios beneficiados”, destacou Flavio Dino.

2

Roberto Rocha deve compor base de apoio a Bolsonaro no Senado…

Remanescente do PSDB, após derrota do partido nas urnas de outubro, senador maranhense deve se alinhar ao projeto do governador de São Paulo, João Dória, que pretende dar o apoio tucano ao novo presidente

 

Roberto Rocha com Flávio Bolsonaro: alinhamento no Senado

Embora sem nenhum movimento oficial que indique seu caminho político no Senado a partir de fevereiro, o senador maranhense Roberto Rocha (PSDB) deve mesmo se alinhar ao governo Jair Bolsonaro (PSL).

Candidato a governador em 2018, Rocha viu seu partido ser derrotado nas urnas e ter sua importância política diminuída no país.

Agora, sob a liderança do governador de São Paulo, João Dória, o PSDB busca recuperar sua força política – inclusive com a possibilidade de disputar o comando do Senado.

Para Roberto Rocha, é natural o alinhamento a Jair Bolsonaro, sobretudo pelo fato de o presidente ser adversário político do governador maranhense Flávio Dino (PCdoB).

A aproximação do tucano com os principais membros do governo bolsonarista é uma indicação de como será seu posicionamento no Senado. (Veja foto acima)

Que a partir de fevereiro começa a ficar mais claro…

1

Direita Maranhense quer campanha do “Não” contra Renan Calheiros…

UDM iniciou na internet uma espécie de “Petição Virtual” contrária à eleição do senador alagoano para a presidência do Senado

 

A União da Direita Maranhense iniciou uma espécie de Petição Virtual contra o senador alagoano Rena Calheiros (MDB), que é candidato a presidente do Senado.

– AJUDE SEU PAÍS A SER MELHOR! Assine e repasse a petição que diz NÃO a Renan Calheiros para Presidência do Senado – prega a campanha, que está sendo organizada no Maranhão pelo médico Allan Garcêz.

Renan Calheiros é um dos principais nomes para presidir o Senado Federal, mas não agrada ao grupo do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

A ideia da UDM é promover uma comoção nacional na Internet para constranger o senador e evitar a oficialização de sua candidatura.

A eleição no Senado ocorre no dia 1º de fevereiro…

1

Weverton volta à região do Turu para agradecer apoio em sua eleição ao Senado

O senador eleito Weverton Rocha (PDT) voltou ao bairro da Divinéia, para agradecer ao vereador Marquinhos (DEM) e à comunidade do polo Turu que participa do projeto ‘Viva Bem Mais’, pela expressiva votação que recebeu na região.

“É uma grande satisfação voltar aqui a este projeto, que conta com o apoio do vereador Marquinhos e agradecer pela linda eleição que tivemos no Maranhão. Faltaram aproximadamente 2.500 votos para chegarmos a dois milhões”, destacou o deputado federal, reafirmando seu compromisso de, no Senado Federal, continuar lutando pelos trabalhadores e pelo estado.

O vereador Marquinhos lembrou das lutas que ele e Weverton travaram no passado no movimento estudantil e, atualmente, pelas causas comunitárias e sociais.

“É uma grande satisfação poder recebê-lo mais uma vez, prestigiando o nosso projeto, a nossa comunidade”, falou.

Ele acrescentou ter certeza que o senador eleito corresponderá às expectativas da comunidade do bairro ao escolhê-lo como seu representante no Senado. O projeto ‘Viva Bem Mais’ é uma ação que desenvolve várias atividades esportivas e de lazer, com o apoio do vereador.

O senador eleito voltou ao espaço nesta sexta-feira (21),  no momento em que a comunidade realizava sua confraternização de Natal, com apresentações artísticas do próprio projeto, entre outras atividades.

A visita é mais uma entre as inúmeras que Weverton tem feito àqueles que o apoiaram nas eleições de 2018 para agradecer pelo apoio recebido.

0

Weverton será diplomado Senador nesta terça-feira pelo TRE…

O senador eleito Weverton Rocha (PDT) será diplomado nesta terça-feira (18), no Centro de Convenções Pedro Neiva de Santana, em São Luis.

Na cerimônia organizada pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) para a diplomação dos candidatos eleitos no Maranhão nas eleições de 2018, 98 eleitos receberão o diploma,  sendo o governador e o vice, dois senadores e os respectivos suplentes, 18 deputados federais e 42 estaduais mais os 1º e 2º suplentes de cada partido e/ou coligação.

Concorrendo a uma das duas vagas disponíveis para o Senado Federal no Maranhão pela coligação liderada pelo governador Flávio Dino (PCdoB), Weverton obteve quase dois milhões de votos, com uma margem de votação jamais alcançado antes na história do estado por outro candidato ao cargo. Foram 1.997.443 votos – 35,02% da preferência do eleitor que validou seu direito de eleger seus candidatos.

A diplomação atesta quem são os eleitos e os suplentes com a entrega ou a disponibilização do diploma devidamente assinado. Para que o candidato eleito seja diplomado pela Justiça Eleitoral a legislação exige que suas contas estejam julgadas.