0

Oposição reúne até 70% dos votos de São Luís, revela pesquisa…

Levantamento do Instituto Escutec divulgado nesta terça-feira, 14, mostra que os nomes que fazem contraponto ao grupo do prefeito Edivaldo Júnior e do governador Flávio Dino têm a maioria dos votos na capital maranhense

 

ADRIANO E BRAIDE ELEVAM OS ÍNDICES DA OPOSIÇÃO AO GRUPO DINO E EDIVALDO; Eduardo Braide se distancia fortemente

Os candidatos independentes ou de oposição ao governo Flávio Dino (PCdoB) e à gestão do prefeito Edivaldo Júnior (PDT) reúnem atualmente – faltando cerca de 1 ano e meio para as eleições de 2020 – a maioria dos votos de São Luís.

É o que revela pesquisa do Instituto Escutec divulgada nesta terça-feira, 14, pelo blog de Neto Ferreira. (Veja aqui)

De acordo com o levantamento, os candidatos Eduardo Braide (PMN), Wellington do Curso (PSDB) e Adriano Sarney (PV) chegam ater, juntos, nada menos que 70,7% das intenções de votos na capital maranhense.

A Escutec ouviu a opinião de 1.003 eleitores, entre os dias 1º e 5 de maio, apresentando três cenários básicos para a eleição. E em todos eles Eduardo Braide lidera, com percentual médio acima de 50% das intenções de voto.

No cenário mais favorável aos oposicionistas – em que aparecem apenas os deputados Neto Evangelista (DEM) e Bira do Pindaré (PSB) como opção da base governista – Eduardo Braide cvhega a registra 54,5% das intenções de votos, seguido à distância por Wellington do Curso, com 9,8%.

Neste cenário, Adriano Sarney registra 6,4%, totalizando 70,7% de intenções de voto nos candidatos da oposição.

O cenário adverso para a base dos governos Flávio Dino e Edivaldo Júnior – refletido na Escutec – é confirmado por outra pesquisa, do Instituto Prever, que deve ser divulgada nos próximos dias.

O levantamento deste instituto aponta que mais de 60% dos eleitores rejeitariam, hoje, um candidato apoiado por Edivaldo; outros 50% não queriam nem saber de candidato apoiado por Flávio Dino.

Mas esta é uma outra história…

2

Números apócrifos movimentam bastidores da disputa em São Luís…

Suposta pesquisa atribuída ao Palácio dos Leões e ao MDB – cujos agentes negam a contratação – aponta favoritismo de Eduardo Braide e competitividade de Duarte Júnior e Wellington do Curso, mas ignora nomes de Bira do Pindaré, Rubens Júnior e Neto Evangelista

 

EDUARDO BRAIDE E DUARTE JÚNIOR APARECEM COMO PRINCIPAIS CANDIDATOS em suposta pesquisa de São Luís

Circula nos meios jornalísticos números de uma suposta pesquisa sobre a sucessão de São Luís que estaria motivando acirramento do debate sobre os candidatos a prefeito.

Divulgada em primeira mão pelo blog Filipe Mota, o levantamento aponta favoritismo de Eduardo Braide (PMN), com 41% das intenções de votos, e põe o deputado estadual Duarte Júnior (PCdoB), com 30%, seguido do também deputado estadual Wellington do Curso (PSDB), com 16%.

Atribuída ao MDB – que nega a contratação – e ao Palácio dos Leões, a pesquisa não traz números de outros potenciais candidatos, como Bira do Pindaré (PSB), Rubens Pereira Júnior (PCdoB) e Neto Evangelista (DEM), o que a descredibiliza.

De qualquer forma, a simples menção ao levantamento acirrou os ânimos de candidatos como Duarte Júnior e Wellington.

Embora apócrifos, os números podem ser divulgados sem nenhuma restrição porque a Justiça Eleitoral só exige a oficialização do registro de pesquisas a parir de 1º de janeiro do ano eleitoral.

Mas não há como garantir sua veracidade…

1

Carlos Brandão, Weverton Rocha e a sucessão de 2022…

Principais nomes já discutidos como opção para a sucessão do governador Flávio Dino convivem harmoniosamente na base do governo, cada um a seu modo fazendo sua articulação que pode levar ao comando do estado

 

WEVERTON E BRANDÃO TÊM OPERADO NA MESA BASE, e recebem a atenção das lideranças, como Erlânio Xavier e Juscelino filho

Muita gente – da oposição e do governo Flávio Dino (PCdoB) – aposta que a próxima eleição estadual representará o tradicional racha que, ao longo da história da humanidade, tem resultado na queda dos impérios.

No que depender do senador Weverton Rocha (PDT) e do vice-governador Carlos Brandão (PRB), no entanto, esse racha será adiado ao máximo.

Principais nomes já discutidos como opção para suceder Flávio Dino, Brandão e Rocha convivem naturalmente na base, cada um a seu modo fazendo a sua articulação política.

WEVERTON TEM CONSTRUÍDO UMA FORTE BASE QUE REÚNE PREFEITOS, DEPUTADOS FEDERAIS, ESTADUAIS E VEREADORES, que deve se consolidar em 2020

Senador eleito com quase 2 milhões de votos, Weverton tem reunido em torno de si uma boa fatia de prefeitos, deputados federais e estaduais, além de vereadores e lideranças em todos os 217 municípios. (Saiba mais aqui)

Aposta, sobretudo, nas eleições de 2020, quando espera eleger os prefeitos de São Luís e de Imperatriz, ainda que não necessariamente do PDT.

CARLOS BRANDÃO TEM O PODER DA ARTICULAÇÃO, A ORÇA EM TODOS OS GRUPOS POLÍTICOS e um trunfo que é só dele: estará no governo em 2022

Mais discreto que Weverton, porém igualmente articulado, Brandão vai costurando em torno de si uma base que reúne não apenas aliados de Flávio Dino, mas gente da oposição e até aqueles que já tinham deixado a política. (Entenda aqui)

E tem um trunfo que pode ser decisivo em 2022.

Como vice governador, será o governador do estado na sucessão de Dino, podendo, inclusive, concorrer à reeleição.

São com essas armas que atuam hoje nos bastidores os dois principais atores da sucessão comunista, os dois tentando evitar o racha.

Que, se virá ou não, apenas o tempo irá dizer…

7

Roseana X Luis Fernando: uma disputa de peso…

Com a possibilidade de o governador Flávio Dino ser proibido de concorrer à reeleição, e com a ex-governadora totalmente livre das ameaças da Operação lava jato, torna-se cada vez mais real a tendência de se ter, em 2018, criadora e criatura em um embate eleitoral

 

Roseana deu notoriedade estadual  Luis Fernando, que pode ser uma das opções de 2018 do grupo adversário

Roseana deu notoriedade estadual Luis Fernando, que pode ser uma das opções de 2018 do grupo adversário

Já se sabe que o Senado Federal pode por fim ao princípio da reeleição já a partir de 2018, o que tirar o  governador Flávio Dino (PCdoB) do páreo da própria sucessão daqui a dois anos.

Já se sabe também que a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) ganha cada vez mais musculatura para a disputa de 18, agora ainda mais forte, com o arquivamento das acusações que lhe pesavam os ombros na operação lava Jato.

O que nãos e sabe, ainda, é que, dentre os nomes de Flávio Dino para uma eventual proibição de sua própria candidatura é o prefeito eleito de São José de Ribamar, Luis Fernando Silva (PSDB).

É claro que Dino tem outras opções para a disputa, mas nenhuma tão segura e tão confiável quanto a opção Luis Fernando.

E essa possibilidade abre a expectativa de uma disputa entre “criadora e criatura” nas eleições estaduais, numa emocionante e imprevisível peleja.

Este cenário depdente, obviamente, do que decidirá o Senado.

Mas não deixa de ser um cenário estimulante do ponto de vista histórico…

10

Ricardo Murad candidato a prefeito, no PMDB ou fora dele…

Murad espera que Roseana assuma comando do PMDB para repensar o partido para 2016

Murad espera que Roseana assuma comando do PMDB para repensar o partido para 2016

O ex-deputado Ricardo Murad já decidiu que, se o PMDB não definir seu rumo político até setembro, poderá se transferir para o PTN, que tem o deputado Sousa Neto como presidente regional.

Murad quer disputar a Prefeitura de São Luís, mas tem visto o PMDB cada vez menos desinteressado dos projetos de poder – numa crise de indefinição de rumos sem precedentes.

O ex-deputado defende que a ex-governadora Roseana Sarney assuma o comando da legenda, como forma de garantir a permanência na oposição ao governo Flávio Dino (PCdoB).

De uma forma ou de outra, Ricardo Murad vai participar do debate sobre a sucessão do prefeito Edivaldo Júnior…

5

Roseana no jogo da sucessão…

O gesto é de apenas um "até logo". Será?

O gesto é de apenas um “até logo”. Será?

Engana-se quem pensa que a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) esteja desligada do cenário político de São Luís, sobretudo em relação às eleições de 2016.

Ela entende que o PMDB deva ter participação ativa na sucessão do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PTC), como protagonista do processo.

E, se for o caso, com ela própria no projeto.

Pesquisas de consumo interno mostram que a ex-governadora tem um recall considerável na capital maranhense, a ponto de polarizar com os principais candidatos já apresentados.

Roseana tem garantido a aliados que só ainda não entrou no debate sucessório pra valer por que pretende, primeiro, resolver algumas pendências pessoais.

Mas ela não descarta estar à frente do projeto peemedebista.

E já começou a trabalhar pela unificação do partido…

2

Tadeu é lançado sem vice, à espera de Eliziane…

Palácio ainda espera Eliziane

O ex-prefeito Tadeu Palácio teve a ua candidatura homologada hoje, em convenção do PP. Como este blog havia anunciado, ele conseguiu o apoio do PR.

Mas a convenção não definiu o vice do ex-prefeito, que deverá ser apresentado em outra oportunidade.

Tadeu Palácio ainda aposta em uma aliança com a deputada estadual Eliziane Gama (PPS).

Eliziane ainda insiste na candidatura e teria conseguido o apoio do PSD, que lhe garantiria acréscimo importante no tempo que terá na propaganda eleitoral.

Por isso, Palácio e seus aliados no PR decidiram aguardar, pelo menos até o fim do prazo para convenções, qeu termina neste sábado.

Caso a parlamentar decida mesmo ser candidata, o PR indicará o companheiro de chapa de Tadeu.

 

2

PDT convoca para duas convenções no mesmo dia…

A convocação do grupo de Weverton

Do blog de Jorge Aragão

Por mais surreal que possa parecer, o fato aconteceu com o PDT de São Luís, o que demonstra que o partido ainda está em intensa disputa interna. Foram duas convocações para duas convenções, mas para um único partido.

A primeira convocação foi publicada no Jornal Pequeno de sexta-feira (22), na página 14 e assinada pelo presidente da Comissão Provisória Municipal de São Luís, o deputado federal Weverton Rocha.

…E a do grupo de Julio França

Por essa convocação, a convenção do PDT acontecerá às 8h, do dia 29 de junho, ou seja, na próxima sexta-feira, na sede do partido, localizada na Rua dos Afogados, 468, Centro de São Luís. (Clique na publicação para ampliar)

No entanto, para a surpresa de muita gente, foi publicada uma segunda convocação para uma segunda convenção. A convocação está publicada no Jornal Pequeno deste sábado (23), na página 15 e é assinada pelo “também” presidente em exercício da Comissão Provisória Municipal de São Luís, Júlio França. Continue lendo aqui…

0

PSB reafirmará posição eleitoral nesta quarta-feira…

Roberto Rocha vai falar sobre posição do PSB em São Luís

O ex-deputado Roberto Rocha e o dirigentes do PSB em São Luís vão anunciar, nesta quarta-feira, a posição oficial do partido nas eleições da capital maranhense.

Na verdade, a legenda vai reafirmar o que já tem dito, mas agora de forma pública.

– Nós estávamos agindo apenas nos bastidores, por que a época é de fazer política. Agora, vamos tornar pública nosso posicionamento – afirmou Rocha, em conversa telefônica com o titular do blog.

Embora não tenha relacionado os fatos, a coletiva do PSB tem a ver com a movimentação dos parceiros políticos nos últimos meses.

Desde o início do ano, tanto o PP quanto PPS – e depois o PTC – tomaram posicionamentos públicos em relação às eleições de São Luís.

Ainda em janeiro, o PP lançou a pré-candidatura do ex-prefeito Tadeu Palácio. Na semana passada, foi a vez do deputado federal Edivaldo Holanda Júnior (PTC), que anuncia para sábado o lançamento de sua campanha.

Ontem, o PPS definiu-se pela entrega dos cargos que ocupava na Prefetura de São Luís, o que abriu caminho para a candidatura da deputada estadual Eliziane Gama.

Falta op PSB, que procura agora ocupar os espaços que faltam.

Resta dizer como ficará o grupo com tantos candidatos lançados…

8

Roberto Rocha muda o eixo do debate em SL…

Roberto Rocha descarta aproximação com João Castelo

Causou efeito imediato em todos os grupos que se preparam para disputar as eleições de 2012 as declarações do presidente municipal do PSB, Roberto Rocha.

Segundo ele, os socialistas só coligarão com os partidos da base do governo Dilma Rousseff (PT) – o que inclui PT e PMDB.

Os socialistas que advogam a adesão ao prefeito João Castelo (PSDB) tentaram desqualificar a matéria, publicada domingo em O Estado do Maranhão, atribuindo a inclusão de PMDB e PT à livre interpretação do repórter.

Obviamente que os partidos da base de Dilma são PT, PMDB, PCdoB, PSB, PDT, PSD e PTC, além de outras pequenas legendas: exatamente nesta ordem.

Se a aliança com PMDB ou PT se concretizará, ninguém sabe. Mas as legendas compõem a base de Dilma. O PSDB de João Castelo, não!, exatamente como disse Rocha. 

Mas o PT e o PMDB também reagiram.

Na mesma matéria com Roberto Rocha, o pré-candidato do PMDB, Max Barros, deixou claro que seu nome não é uma imposição e mostrou-se aberto ao diálogo com Roberto Rocha.

Max Barros: importante é manter a aliança nacional

A este blog, Max incluiu também na lista de opções para 2012 o deputado federal Edivaldo Holanda (PTC). “É um excelente nome”, frisou.

No PT as declarações de Rocha empolgaram os dois pré-candidatos da legenda – Zé Carlos da Caixa e Bira do Pindaré – e também o vice-governador Washington Oliveira, responsável pelas aticulações pró-2012.

Aos membros do PSB pró-Castelo, as declarações de Roberto Rocha serviram como recado. Até por que, o próprio ex-deputado deixou claro quem é que manda.

– Nas cidades com mais de 200 mil habitantes, não é o municipal ou estadual quem decide. Isso é de responsabilidade do diretório nacional – explicou Rocha.

E ao que se sabe, o nacional do PSB é Roberto Rocha desde criancinha…