3

“Tem tudo para ser e tudo para não ser”, diz Tadeu Palácio sobre candidatura em SLZ…

Em conversa pessoal com o titular do blog, ex-prefeito mostrou empolgação com o convite para voltar à vida pública, mas deixou claro que só aceitará se a missão for parte de um projeto maior, que envolva toda a sociedade

 

DE BEM COM A VIDA: BOLSONARISTA DECLARADO DESSE AS ELEIÇÕES DE 2018, TADEU PALÁCIO pode ser o candidato do PSL em São Luís

O ex-prefeito de São Luís Tadeu Palácio confirmou ao titular do blog Marco Aurélio D’Eça que está mesmo pensando em disputar a Prefeitura de São Luís.

Em um agradável encontro casual na lanchonete do Hospital de Referência Oftalmológica (HRO), que faz parte do complexo São Domingos, Palácio mostrou-se simpático, entusiasmado, mas sereno em relação à vida pública.

– Hoje estou feliz, realizado e com uma qualidade de vida no trabalho que abracei neste hospital; mas me sinto feliz ao ouvir das pessoas que faço falta na prefeitura. Isso não deixa de ser lisonjeiro – disse um saudável, bem-humorado e tranquilo ex-prefeito.

Na conversa com o titular do blog Marco Aurélio D’Eça, Palácio contou que foi procurado pelo amigo e vereador Chico Carvalho, com a perspectiva de disputar a eleição pelo PSL.

– Tem tudo para ser e tudo para não ser. Não penso em voltar à prefeitura, mas sei que, na atual conjuntura, faria um contraponto importante ao deputado Eduardo Braide (PMN) e aos candidatos que se digladiam no grupo de Weverton Rocha e do governador Flávio Dino (PCdoB) – disse ele, para completar:

– Seria uma espécie de referência numa disputa entre jovens. Teria como ir para o segundo turno. E lá, seria a promessa contra o que já foi feito; qualquer um iria dizer que vai fazer; eu mostrarei o que fiz.

“Mas porque o PSL de Bolsonaro?!?”, quis saber o jornalista.

– Só dá para realizar algo com o apoio do governo federal. Não adianta querer dizer que pode isso e aquilo; mas, repito: pode ser e pode não ser. É preciso que seja um projeto mais amplo, não uma vontade pessoal. Essa necessidade eu não tenho – pondero o ex-prefeito, que fez campanha para Bolsonaro em 2018.

Palácio diz que tem passado todo o dia no terceiro andar do HRO, onde funciona o conjunto de consultórios de oftalmologia que divide com o filho, Guilherme. E que, mesmo assim, ainda é parado na rua com sinais de apoio pelo que fez em São Luís.

O titular do blog Marco Aurélio D’Eça testemunhou pelo menos duas dessas manifestações simpáticas ao ex-prefeito, de pacientes ou visitantes que chegavam ao local.

As lembranças destacam, sobretudo, o trabalho na Educação e na limpeza urbana.

Sem dar definição de quando definirá se aceitará ou não o convite do PSL, Palácio diz apenas que conversa com carinho com amigos como Chico Carvalho.

E fecha a conversa com o “Tem tudo para ser e tudo para não ser”…

3

Tadeu Palácio pode quebrar tabu de ex-prefeitos de São Luís…

Desde a redemocratização do país, nenhum dos gestores da capital maranhense que conseguiram – ou quiseram – concluir a sequência de mandatos no cargo teve sequência na vida pública

 

TADEU PALÁCIO PREPARA VOLTA à disputa pela Prefeitura de São Luís

Desde a retomada das eleições diretas nas capitais, São Luís teve sete prefeitos.

Nenhum daqueles que conseguiu chegar ao fim de suas gestões – fosse um ou dois mandatos – conseguiu dar sequência a uma vida pública após encerrar o último dia no cargo.

Se conseguir a proeza de eleger-se em 2020, o ex-prefeito Tadeu Palácio – anunciado como possível candidato – pode quebrar este tabu.

Alguns poderiam dizer: E Jackson Lago?!?

O pedetista Jackson Lago não cumpriu todo o último mandato, entre 2000 e 2004, deixando-o na metade – e quebrando a sequência – para concorrer ao governo, em 2002, elegendo-se governador apenas em 2006.

Ou seja, o ex-governador não passou pelo tabu da conclusão de todos os mandatos.

A primeira prefeita de São Luís eleita após a redemocratização foi Gardênia Gonçalves.

Ela assumiu em 1985 e ficou no cargo até dezembro de 1988; de lá para cá, nunca mais se elegeu a nenhum outro posto político.

Jackson teve o seu primeiro mandato entre 1989 e 1992, elegendo Conceição Andrade sua sucessora; Esta, que já havia sido deputada estadual e candidata a governadora, permaneceu até 1996, quando devolveu o posto a Jackson, já seu desafeto.

E nunca mais se elegeu a nenhum outro cargo.

Em 2000, Jackson se reelege e renuncia em 2002, deixando no posto o vice, Tadeu Palácio, que se reelege em 2004, ficando até 2008.

Desde então, Palácio nunca mais conseguiu novo mandato.

O ex-governador João Castelo se elege prefeito em 2008, mas não consegue a reeleição em 2012, interrompendo um ciclo que poderia durar até 2016. 

Talvez por isso, Castelo voltou a ser deputado em 2014, falecendo em 2015.

O atual prefeito Edivaldo Holanda encerra sua gestão em 2020; terá dois anos para se preparar e quebrar o tabu dos que vão até o fim de seus mandatos.

mas a bola da vez pode ser Tadeu Palácio…

8

Edivaldo Júnior não quer ser um novo Tadeu Palácio…

Prefeito sabe que, se não imprimir um ritmo de gestão com a sua cara, mostrando pulso para gerenciar e atitude de líder político, pode amargar o ostracismo a partir de 2020, quando deixar o posto no vazio entre dois pleitos

 

A imagem de insegurança perseguiu o prefeito no primeiro mandato

A imagem de insegurança perseguiu o prefeito no primeiro mandato

Pelo menos no discurso – não dele, mas dos aliados – o prefeito Edivaldo Júnior (PDT) deve adotar nova postura político-administrativa em sua gestão a partir de janeiro.

Mais ágil, mais firme, mais presente, mais duro.

Fortemente desgastado nos primeiros quatro anos de gestão – a ponto de ser dado como morto político até antes de começar a campanha, que só venceu pelo uso ostensivo e exagerado da máquina administrativa – Holandinha quer mostrar a população uma mudança de perfil pessoal e profissional que lhe garanta estofo suficiente para seguir na vida pública a partir de 2020, quando encerra o segundo mandato.

O prefeito não disputará as eleições de 2018.

Ele próprio prometeu isso ao eleitor de São Luís durante a campanha, e mudar os planos no meio do mandato soaria como traição ao eleitor já desconfiado com sua insegurança. Além disso, nenhum posto em disputa daqui a dois anos tem tanta força para Edivaldo quanto o de prefeito da capital maranhense.

Leia também:

Edivaldo na versão “duro de matar”…

Holandinha tutelado…

Edivaldo Júnior é assim mesmo…

Uma imagem com perfil mais firme, mostrando mais segurança, começou a ser exibida na sabatina O Estado, no segundo turno

Uma imagem mais firme, mostrando mais segurança, começou a ser exibida na sabatina O Estado, no segundo turno

Se não conseguir construir uma imagem sólida  de liderança política – o que não foi feito nos quatro anos sob a tutela do governador Flávio Dino (PCdoB), Edivaldo corre o risco de ser um novo Tadeu Palácio, o ex-prefeito que chegou a se reeleger, mas amargou o ostracismo após o fim do segundo mandato.

E é por isso que cada vez mais aliados pregam uma mudança de perfil no Edivaldo do segundo mandato em relação ao do primeiro.

Mais forte, mais ágil, mais firme, mais presente.

Ele próprio, no entanto, e não apenas seus aliados, precisa dar mostras de que está neste caminho.

E o primeiro passo é tomar o controle absoluto de sua gestão.

Afinal, 2020 é logo ali…

2

Ex-prefeitos apoiam Rose Sales…

Candidata do PMB, vereadora recebeu apoio público de Tadeu Palácio e Conceição Andrade e pretende usar esta deferência para fortalecer-se na campanha em São Luís

 

Rose e Conceição: anúncio segunda, dia 15

Rose e Conceição: anúncio segunda, dia 15

A vereadora Rose Sales, candidata do PMB à Prefeitura de São Luís, receberá nesta segunda-feira, 15, o apoio oficial da ex-prefeita Conceição Andrade.

Com Tadeu, a aliança se fez na quinta, 11

Com Tadeu, a aliança se fez na quinta, 11

O evento de adesão da ex-prefeita está marcado para as 9h30, no salão de Eventos Ícaros Recepções, na Ivar Saldanha,

Na última quinta-feira, Rose Sales já havia recebido o apoio de outro ex-prefeito, Tadeu Palácio (PP).

Com cerca de 7% nas pesquisas de intenção de votos, Rose está em quarto lugar na disputa.

E pretende fortalecer seu projeto com apoios importantes de quem já passou pelo comando municipal.

6

Mais rejeitados, mas não derrotados…

João Castelo e Tadeu Palácio: mais rejeitados em São Luís…

O sociólogo Carlos Alberto Almeida, autor de “A cabeça do eleitor”, afirma que o índice de rejeição é fatal para qualquer candidato a cargo eletivo.

Ele baseia sua tese no estudo de diversas campanhas eleitorais no Brasil.

Para Almeida, há dois tipos de rejeição, a “rejeição positiva” – quando o eleitor diz que não votará no candidato apenas por não conhecê-lo – e o inverso, quando o eleitor rejeita justamente por conhecer a história política do candiato.

No atual cenário de São Luís, os dois principais concorrentes ao cargo prefeito – João Castelo (PSDB) e Tadeu Palácio (PP) – são exemplos de rejeição negativa do eleitorado.

Castelo já foi governador e está no exercício do mandato de prefeito. Tadeu Palácio já foi vereador, duas vezes vice-prefeito e duas vezes prefeito.

Seus índices de rejeição, portanto, estão no patamar em que estão exatamente por que o eleitor de São Luís já os conhece.

Mas quem imagina que eles serão derrotados apenas por isso???

 

7

Candidatos do PPS já admitem aliança com o PP…

Eliziane e Tadeu Palácio ainda negociam aliança

Os candidatos do PPS a vereador de São Luís já vêem com bons olhos a possibilidade de coligação com o PP, que tem Tadeu Palácio como candidato a prefeito.

Presidente do diretório municipal, o vereador Vieira Lima vê na estratégia, defendida pela deputada Eliziane Gama, uma forma de garantir a renovação do mandato.

O candidatos pepessistas teriam imensa dificuldade de garantir vaga na Câmara Municipal se forem obrigados a disputar em chapa pura, tendo Eliziane como candidata a prefeita.

Mas a deputada só admite deixar a disputa se for para compor com Tadeu Palácio, de quem já cogita ser vice.

Antes refratário a esta aliança, Vieira Lima vê a coligação como excelente para o seu projeto de se reeleger, e poderia compor com Eliziane se o caminho do PPS tiver que ser decidido no voto.

A resistência a uma coligação com Tadeu Palácio é exercida, sobretudo, pela professora Miosótis Lúcio, que ainda sonha ser vice do prefeito João Castelo (PSDB).

Em seu projeto, a professora teria o apoio de Paulo Matos e Othelino Neto – apesar de este último fingir que apóia a candidatura de Edivaldo Holanda Júnior (PTC) para não perder a vaga na Assembleia, aberta pelo PCdoB.

O PPS tem até quinta-feira para decidir que caminho seguir nas eleições de São Luís…

7

PTB pode indicar Roberto Fernandes à chapa de Tadeu Palácio…

Roberto Fernandes é o nome do PTb para a disputa municipal

A direção municipal do PTB deve decidir hoje à tarde os rumos do partido nas eleições de São Luís.

A direção da legenda demonstra interesse em compor com o candidato do PP à prefeitura, Tadeu Palácio – indicando o jornalista Roberto Fernandes para vice. Mas o grupo do candidato Washington Luís acha que a ameaça é apenas uma forma de pressionar o PT a fazer coligações proporcionais. 

De qualquer forma, Roberto Fernandes ainda não apresentou seu programa na rádio Mirante esta semana, uma mostra de que está cumprindo as regras eleitorais – indício de que espera mesmo a indicação.

A aliança com o PTB fortaleceria a candidatura de Tadeu Palácio em dois aspectos.

Numa coligação com PP, PR e PTB, o candidato teria ampliado o seu tempo no horário eleitoral gratuito, ganhando força para a disputa.

Também se fortaleceria politicamente, já que a indicação de Roberto garantiria o apoio formal do grupo do ex-candidato a prefeito Eurico Fernandes (PCdoB), esvaziando ainda mais a candidatura de Edivaldo Holanda Júnior (PTC).

Pai do petebista que pode compor como nvice de Palácio, Eurico Fernandes já vinha dando demonstrações ao PCdoB de que tinha preferência pelo ex-prefeito. Assim como ele, outros comunistas – como o sindicalista Júlio Guterres e a vereadora Rose Sales – também demonstram mais simpatia por Tadeu do que por Holanda Júnior.

Até o final da tarde, o PTB irá declarar o seu posicionamento na campanha.

Quando se saberá se o projeto de poder é pra valer ou apenas uma forma de pressão ao PT…

2

Tadeu é lançado sem vice, à espera de Eliziane…

Palácio ainda espera Eliziane

O ex-prefeito Tadeu Palácio teve a ua candidatura homologada hoje, em convenção do PP. Como este blog havia anunciado, ele conseguiu o apoio do PR.

Mas a convenção não definiu o vice do ex-prefeito, que deverá ser apresentado em outra oportunidade.

Tadeu Palácio ainda aposta em uma aliança com a deputada estadual Eliziane Gama (PPS).

Eliziane ainda insiste na candidatura e teria conseguido o apoio do PSD, que lhe garantiria acréscimo importante no tempo que terá na propaganda eleitoral.

Por isso, Palácio e seus aliados no PR decidiram aguardar, pelo menos até o fim do prazo para convenções, qeu termina neste sábado.

Caso a parlamentar decida mesmo ser candidata, o PR indicará o companheiro de chapa de Tadeu.

 

23

Eliziane Gama e Tadeu Palácio…

Eliziane estará com Tadeu – oficialmente ou não

A deputada Eliziane Gama (PPS) não será mais candidata a prefeita.

Mas o seu partido também não deverá se coligar com o prefeito João Castelo (PSDB). E muito menos com o deputado federal Edivaldo Holanda Júnior (PTC).

Eliziane pode ser a vice de Tadeu Palácio (PP) – ou, no mínimo, apoiar o seu projeto de voltar à prefeitura.

A deputada conta com o aval da direção nacional do PPS para definir os rumos do partido em São Luís.

Qualquer que seja ele.

É a partir da decisão de Eliziane que a legenda se movimentará no tabuleiro da sucessão municipal. Antes disso, os dirigentes e candidatos a vereador só podem esperar.

É por isso que eles não tomam qualquer decisão, por que sabem que a decisão só pode partir da própria Eliziane.

Seja pra ser candidata, pra ser vice ou simplesmente para declarar apoio a outro candidato.

E assim será…

10

Os caminhos de Eliziane Gama…

Eliziane ainda tenta manter o controle do PPS

A deputada Eliziane Gama insiste.

Faltando cinco dias para o fim do período de convenções eleitorais, ela ainda tenta convencer a direção nacional do PPS que pode ser candidata a prefeita mesmo sem coligação.

Contra ela em São Luís estão todos o demais membros do partido.

Dos “irmãos em Cristo” Vieira Lima e Batista Matos aos desafetos Miosótis Lúcio e Othelino Neto.

No meio, o presidente regional da legenda, Paulo Matos, só aguardando o momento de se alinhar com o prefeito João Castelo (PSDB).

Ou, quem sabe, Edivaldo Holanda Júnior (PTC).

Mas, se depender da própria Eliziane Gama, uma terceira opção será o ex-prefeito Tadeu Palácio (PP).

A deputada só não quer entregar o PPS ao prefeito Castelo.

Muito menos aos Holanda, pai e filho.

Nem que, para isso, aceite o sacríficio de ser candidata a vice-prefeita.

Que, no fundo, nem é tão sacrificante assim…