0

Hildo Rocha votou contra proposta que aumenta crise fiscal…

O deputado federal Hildo Rocha votou contra a aprovação do Projeto de Lei Complementar (PLP) 270/16, do Senado, que modifica a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). A proposta permite que municípios possam estourar o limite de gastos com pessoal sem sofrer punições mesmo que o percentual ultrapasse o limite de 60% da receita corrente líquida, obtida com tributos, descontados os repasses determinados pela Constituição.

A matéria recebeu 300 votos favoráveis; 46 contra e 5 abstenções.

“Votei contra o projeto porque essa mudança contraria todos os princípios da responsabilidade fiscal. Os prefeitos já tem oito meses para adequar o gasto com pessoal quando atinge o limite prudencial, podendo diminuir diárias, gratificações, cargos comissionados, etc, para poder ter dinheiro para comprar medicamentos para os pobres, ajeitar uma rua esburacada, construir creches e realizar outros serviços”, sentenciou Hildo Rocha.

Serviços públicos ineficientes

O parlamentar advertiu que as consequências poderão ser extremamente prejudiciais para a sociedade. Rocha ressaltou que a flexibilização abre brechas para que as prefeituras façam contratações desnecessárias motivadas apenas por interesses de alguns prefeitos e partidos políticos.

“Isso vai fazer com que muitos municípios deixem de investir nas áreas que as pessoas mais precisam. A contratação de servidores não significa dizer que os serviços vão melhorar, a tendência é piorar porque as prefeituras deixarão de investir em asfalto, saúde, educação para fazer o pagamento de salários de servidores contratados apenas para atender pedidos  políticos. Dessa forma, haverá uma verdadeira indústria de contratação de funcionários sem que haja necessidade e sem que as prefeituras tenham de fato condições financeiras para bancar as despesas geradas por essa prática”, afiançou Hildo Rocha.

0

Inelegibilidade de Sérgio Frota não altera composição da Assembleia…

Jurisprudência da Lei Eleitoral estabelece que, quando o candidato entra na disputa com a garantia dos votos válidos, prevalece a vontade do eleitor e a votação dada ao cassado passa para a coligação

 

Sérgio Frota teve a inelegibilidade confirmada, mas seus votos continuam com a coligação

Muita gente fez festa com a decisão do Tribunal Superior Eleitoral, nesta quinta-feira, 29, confirmando a inelegibilidade do deputado estadual Sérgio Frota (PR) por crime eleitoral cometido ainda nas eleições de 2014.

Frota, que não conseguiu a reeleição, foi condenado em última instância e ficou inelegível até as eleições de 2022.

Mas seus votos continuarão a ser computados para a coligação pela qual ele concorreu.

Neste caso, não haverá alteração da composição da Assembleia Legislativa, permanecendo a mesma lista divulgada pela Justiça Eleitoral no dia 7 de outubro.

Ninguém entra e ninguém sai da Assembleia.

Pelo menos por enquanto…

1

Aluisio Mendes dobra votação e sai fortalecido das eleições….

O deputado federal reeleito, Aluisio Mendes (PODE) sai fortalecido das eleições deste ano. Com 105.778 votos dados a ele, de acordo com o Tribunal Regional Eleitoral (TRE), o deputado dobrou a sua própria votação, em relação ao total registrado em 2014, saindo do décimo oitavo mais votado há quatro anos para o oitavo representante maranhense na Câmara em número de votos.

Segundo o parlamentar reeleito, o saldo da campanha é extremamente positivo. Vários municípios foram visitados e nestes locais, Aluisio Mendes reforçou o empenho para abraçar bandeiras de serviços essenciais. Em cada local, Aluisio foi recebido por grandes grupos de aliados e mobilizou milhares de pessoas em atos populares.

Para Aluisio, o Maranhão acredita em seu trabalho.

“Quero agradecer aos mais de 105 mil votos recebidos na eleição deste ano. Essa votação é a prova de que o povo do nosso estado acredita em nosso trabalho. Podem ter certeza de que continuarei trabalhando, sempre em busca de benefícios para toda a população. Esta é a minha obrigação e o meu compromisso. Me dedicarei ao máximo para cumprir com estas metas e para honrar toda essa confiança”, disse Aluisio após a confirmação da reeleição.

Ele também agradeceu à população dos municípios visitados e aos aliados de campanha. Aluisio Mendes destacou ainda que continuará trabalhando e aplicando suas emendas em prol do povo maranhense.

“Com esta votação tão expressiva, nossa responsabilidade aumenta. Se já mostramos ações positivas no primeiro mandato, será necessário mostrar ainda mais nos próximos quatro anos. Não medirei esforços para trazer mais benefícios, assim como fizemos na segurança, infraestrutura, agricultura, previdência, esporte e lazer, saúde e em outros setores”, afirmou.

3

2020 já começou…

Um dos deputados federais mais votados do Maranhão, Eduardo Braide se consolida como opção em São Luís, mas outras peças se movem no xadrez da política com força para o debate municipal de daqui a dois anos

 

Eduardo Braide manteve recall das eleições de 2016; e confirmou favoritismo em São Luís nas urnas

Com seus mais de 180 mil votos, o deputado estadual Eduardo Braide (PMN) consolidou-se como nome mais forte para as eleições de 2020 em São Luís.

Sobretudo pelo fato de que, desses votos, nada menos que 131 mil foram obtidos exatamente em São Luís.

Para se ter uma ideia do potencial de Eduardo Braide, sua votação na capital maranhense foi três vezes maior que a do segundo colocado, Pedro Lucas Fernandes (PTB), ou mais de quatro vezes a do também deputado Bira do Pindaré (PSB).

E tanto Pedro Lucas quanto Bira são da base do prefeito Edivaldo Júnior (PDT).

O parlamentar do PMN teve nada menos que 25% dos votos de São Luís em sua eleição de deputado federal, ou 1/4 do eleitorado.

Só perdeu em termos de votos para os dois senadores eleitos – Weverton Rocha (PDT) e Eliziane Gama (PPS) – que também têm forte base eleitoral na capital.

E pode estar bem aí o desenho do jogo eleitoral de 2020.

Mas esta é uma outra história…

 

5

São Luís terá mais de 90 mil votos soltos para a Assembleia em 2018..

Pelo menos sete deputados estaduais planejam disputar outros cargos nas próximas eleições – ou simplesmente não disputar – o que abre chance para candidatos com base eleitoral na capital maranhense

 

Wellington dev e disputar o governo; Roberto pode assumir prefeitura de Bacabal

O colégio eleitoral de São Luís poderá ter nada menos que 90.068 votos sem “dono” nas eleições de 2018.

Este total representa a soma dos votos de sete deputados estaduais, que deverão concorrer a outros cargos nas eleições.

São eles: Wellington do Curso (PP), Eduardo Braide (PMN), Bira do Pindaré (PSB), Neto Evangelista (PSDB), Andrea Murad (PMDB), Adriano Sarney (PV) e Roberto Costa (PMDB).

Wellington, que foi o quarto mais votado em São Luís nas eleições de 2012, com 17.138 votos,  estuda disputar uma candidatura ao Governo do Estado, sobretudo para manter o recall das eleições municipais, quando superou a casa dos 100 mil votos.

Roberto Costa, por sua vez, trabalha para assumir a prefeitura de Bacabal, o que o tiraria da disputa de 2018.

Neto, Braide e Bira definiram candidatura a deputado federal; Andrea e Adriano também podem concorrer

Todos os demais devem disputar eleição de deputado federal, incluindo Eduardo Braide (PMN), que teve 10.198 votos em 2014 e superou nada menos que 24o mil votos em 2016 na capital maranhense.

Além dele, devem concorrer às vagas de deputado federal Bira do Pindaré (17.983 votos), Neto Evangelista (11.472), Andrea Murad (11.222) e Adriano Sarney (6.772).

A entrada desses personagens na disputa federal abre espaço para candidatos como o ex-vereador Fábio Câmara (PMDB).

Em 2012, Câmara obteve 11.999 votos em São Luís, chegando à sétima colocação.

Em 2016, subiu para quase 20 mil votos na disputa pela prefeitura, o que o credencia a uma vaga na Assembleia.

É aguardar e conferir…

3

Eduardo Braide agradece votação na área Itaqui-Bacanga…

Deputado estadual e ex-candidato a prefeito reuniu-se neste domingo com lideranças dos bairros que compõem a área para reafirmar seu compromisso com as comunidades e agradecer à votação

 

Eduardo Braide em momento de confraternização com as lideranças da área Itaqui-Bacanga

Eduardo Braide em momento de confraternização com as lideranças da área Itaqui-Bacanga

O deputado estadual Eduardo Braide (PMN) reuniu-se na manhã deste domingo, 6, com lideranças da área Itaqui-Bacanga que aderiram, voluntariamente,á sua campanha pela Prefeitura de São Luís.

Braide foi agradecer à votação que obteve na região e firmou compromisso com os moradores.

A área Itaqui-Bacanga compõe a 91ª Zona Eleitoral, onde Eduardo Braide registrou 25.575 votos, pouco mais de 5 mil a menos que Edivaldo Júnior (PDT), que tinha um vice morador da área.

O deputado recebeu o carinho de lideranças e eleitores e participou de homenagens na área.

O parlamentar pretende fazer visitas a várias outras comunidades agradecendo pelos votos…

3

Edivaldo aumentou sua votação em menos de 5 mil em quatro anos…

Prefeito foi eleito em segundo turno, em 2012, com 280.809 votos; e teve  no segundo deste ano 285.242 votos, diferença de meros 4.433 votos, o que reforça a ideia de compra de votos para ajudar a manter o prefeito no cargo

 

Edivaldo: quatro anos para 4 mil votos a mais

Edivaldo: quatro anos para 4 mil votos a mais

Preste atenção neste número: 280.809 votos.

Esta foi a votação obtida pelo prefeito Edivaldo Júnior (PDT) no segundo turno das eleições de 2012.

Passados quatro anos, Edivaldo disputou novamente o segundo turno em São Luís e obteve 285.242. , Uma diferença de apenas 4.433 votos a mais que o obtido há quatro anos.

Em outras palavras, Edivaldo passou quatro anos no poder e só conseguiu ampliar seu eleitorado em menos de 2%, o que caracteriza a rejeição à sua gestão.

Os números mostram também que a eleição de Holandinha foi a fórceps, um estupro popular com compra de votos e uso da máquina administrativa, única forma de barrar a rejeição ao prefeito.

E foi assim que Edivaldo se manteve no poder em São Luís…

7

Clima na cidade é todo favorável a Braide…

Cidadão comum reage à opressão da compra de votos da máquina que opera em favor de Holandinha desde o início da manhã deste domingo

 

Eduardo e seus aliados: campanha da alegria contra a opressão

Eduardo e seus aliados: campanha da alegria contra a opressão

O cidadão comum parece ter se apercebido da opressão das duas máquinas públicas que operam para tentar garantir mais quatro anos de mandato ao prefeito Edivaldo Júnior (PDT).

A reação negativa ao nome de Holandinha tem sido vista em toda as seções, em todos os bairros.

O clima favorável ao candidato do PMN, Eduardo Braide, é latente em toda a cidade.

O eleitor parece reagir à compra d voto, parece querer dar um basta nesse estado de coisas que se implantou em São Luís – como dinheiro público, diga se – e tenta soltar um grito de basta.

Para o cidadão comum – aquele que não está envolvido diretamente com o pleito e não se contaminou pela torcida – a percepção é a de que Eduardo Braide é melhor que Edivaldo Júnior em todos os aspectos.

mais preparado, mais competente, mais sereno, mais equilibrado, menos tutelado, menos submisso e mais pronto para o exercício do poder.

A campanha de Edivaldo parece maior que o próprio Edivaldo.

Seus votos são fruto de um processo de compra de votos a abuso descarado0 da máquina da própria prefeitura, que oprime o eleitor mais carente a se submeter.

Mas a reação popular parece estar crescendo em São Luís…

1

Eliziane Gama confiante no 2º Turno…

Candidata do PPS votou acompanhadas filhas e demonstrou absoluta confiança em sua presença num confronto direto em São Luís

 

Eliziane e as filhas: confiança no 2º turno

Eliziane e as filhas: confiança no 2º turno

A deputada Elizine Gama (PPS) chegou para votar acompanhada das duas filhas, na manhã deste domingo, 2, em São Luís.

E deixou claro a convicção de estar no 2º Turno.

– Tenho certeza que a verdade das urnas revelará que estamos em um 2º turno. E vamos vencer a eleição – afirmou a candidata.

Com índices na casa dos 20% de intenção de votos, segundo pesquisa do Instituto Jales, divulgada ontem pelo jornal Atos & Fatos, Eliziane disputa com Wellington do Curso (PP) presença em em um confronto direto com o prefeito Edivaldo Júnior (PDT).

Eliziane vai acompanhar a apuração dos votos  em casa, acompanhada da família e de assessores…

0

Roberto Rocha vota pela admissibilidade do impeachment…

Na mesa dos trabalhos, Roberto Rocha acompanha voto de colega senador

Na mesa dos trabalhos, Roberto Rocha acompanha voto de colega senador

O senador Roberto Rocha (PSB-MA) anunciou seu voto pela admissibilidade da abertura de processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff, analisado na sessão do Senado que começou nesta quarta-feira, 11, e se estende pela madrugada.

“Entendo que o processo de impeachment é de natureza política, com fundamento jurídico. A denúncia que chega a esta Casa, amparada por 367 votos, por si só já configura um veredito político, que nós senadores, pelo menos nessa etapa, não podemos ignorar”, declarou.

O senador afirmou que nesse primeiro momento o que está em questão é admissibilidade do processo e o aspecto jurídico deverá ser enfrentado na votação subsequente, com mais detalhado parecer sobre o reconhecimento dos três requisitos básicos que possam caracterizar a responsabilidade da presidente, quais sejam o elemento objetivo, o elemento subjetivo e a materialidade ou relevância.

No entanto ressaltou que para votar favoravelmente à admissibilidade fundamentou sua decisão em minucioso estudo realizado tecnicamente por sua assessoria, abordando os aspectos legais imputados na denúncia.

E disse que sua posição não implica qualquer censura à conduta e à dignidade pessoal da presidente, de quem sempre recebeu tratamento republicano, marcado pela civilidade e respeito mútuo

Roberto Rocha lembrou que o Maranhão foi o estado que deu a maior votação proporcional à presidente Dilma, e mesmo assim recebeu menos investimentos, em todos os governos do PT.

“Em 13 anos, nenhuma grande obra pública de infraestrutura foi inaugurada no estado do Maranhão”, disse.