10

Acordo pró-Weverton inclui aliança PDT/PSDB em São Luís, Imperatriz e Paço do Lumiar…

Weverton: rumo ao comando pedetista

Tem dois objetivos a posse do suplente Weverton Rocha (PDT) na vaga do deputado federal Carlos Brandão (PSDB).

O pimeiro: garantir o apoio do PDT às candidaturas tucanas de João Castelo, em São Luís, Sebastião Madeira, em Imperatriz, e Pinto Itamaraty, em Paço do Lumiar.

Mas o primeiro objetivo só deverá se consolidar após alcance do segundo: o controle do PDT por Rocha, via presidente nacional pedetista, ministro Carlos Lupi.

Toda a história foi contada pelo deputado federal Hélio Santos, que trocou o PSDB pelo PSD após a posse de Rocha. Segundo Santos, o acordo foi selado em um almoço com a presença de Brandão, Weverton e os três candidatos do PSDB.

Brandão: saída em nome do PSDB

Ainda segundo Hélio Santos, Brandão neociara com o próprio Lupi sua licença na Câmara.

Um semana após assumir, o novo deptuado federal pedetista esteve com o deputado estadual Carlinhos Amorim, que estava cotado para disputar a Prefeitura de Imperatriz pelo PDT. Aliado do próprio Madeira, Amorim poderá compor sua chapa.

Em São Luís, o processo de adesão do PDT está ainda mais encaminhado.

É aguardar e conferir…

3

Posse de Weverton Rocha na Câmara provoca saída de Hélio Santos do PSDB…

Hélio Santos sentiu-se traído no PSDB

O deputado federal Hélio Santos anunciou hoje ao blog o seu desligamento do PSDB.

O parlamentar se considerou traído pela legenda com a posse de Weverton Rocha (PDT) na Câmara.

– Não posso concordar que um membro do meu partido se afaste unicamente para beneficiar um adversário que está tentando me tomar o mandato – desabafou Santos.

Weverton Rocha (PDT) assumiu ontem a vaga do deputado Carlos Brandão (PSDB). O pedetista é autor de uma ação que tenta cassar o mandato de Santos, por crime eleitoral.

Se o PSDB optou por um adversário, não tenho por que optar pelo PSDB – disse o deputado.

Hélio Santos anunciou também que vai se filiar ao PSD.

Com ele, o novo partido passa a ter dois representantes na Câmara Federal.

6

O esvaziamento de Igor Lago no PDT…

Igor: distante dos companheiros, sem poder no PDT

Os líderes do PDT maranhense nem tomaram conhecimento da comando exercido pelo médico Igor Lago e fecharam, eles próprios, a aliança que vai embalar o projeto de reeleição do prefeito João Castelo (PSDB).

Projeto este consolidado, ontem, com a posse do suplente Weverton Rocha na Câmara Federal.

Rocha será deputado por 180 dias, na vaga do presidente do PSDB, Carlos Brandão, que pode, inclusive, assumir um posto de peso na administração castelista.

Igor foi esvaziado pela falta de identidade com o partido e com os companheiros de legenda.

Ausente do Maranhão durante todo o período em que o pai, Jackson Lago, liderou o partido, Lago filho chegou a hostilizar algumas das lideranças pedetistas após o fracasso do governo Jackson.

Weverton sempre esteve mais próximo de Jackson..

Com a morte de Jackson, estas mesmas lideranças acenaram com um armistício, mas descobriram cedo que Igor não tinha mesmo compatibilidade com os pedetistas maranhenses.

Ainda distante do Maranhão – continuou a ficar mais em Campinas (SP) – o médico filho de Jackson começou a perder poder com a ascensão de Weverton Rocha, muito mais forte que ele na direção nacional do PDT.

Já desesperado pelo esvaziamento, Igor ainda tentou uma jogada kamikase, que apenas precipitou seu isolamento.

Em recente encontro do PDT, propôs nada menos que o afastamento do mandatário do partido, o ministro Carlos Lupi – aliado incondicional de Weverton.

Sem relação com as lideranças históricas do partido no Maranhão e queimado com a direção nacional, restou ao filho de Jackson acompanhar a consolidação do projeto de união PDT/PSDB.

E, de sobra, terá que se conviver com a força política cada vez maior de Weverton Rocha na seara partidária.

8

O poder de Weverton Rocha no PDT maranhense…

Weverton era visto como sucessor pelo próprio Jackson

O grupo do suplente de deputado federal Weverton Rocha detém o poder no PDT do Maranhão.

O presidente da legenda, Igor Lago, é uma espécie de “rainha da inglaterra”.

Sem identidade partidária e sem traquejo na militância partidária, o filho de Jackson Lago mantém a tradição da história do ex-governador, mas sequer é comunicado dos rumos do partido. 

Agora com assento na Executiva Nacional, como presidente nacional da juventude pedetista, Weverton Rocha ganha ainda mais força, e já articula a definição do apoio da legenda ao prefeito João Castelo (PSDB).

Seu aliado Júlio França, secretário de Abastecimento, tem o apoio da maioria do partido para receber a indicação de vice de Castelo.

A despeito da sua controvertida trajetória política, Weverton Rocha consegue ter ascendência até sobre históricos do PDT, como o ex-secretário de Planejamento Abdelaziz Santos e o ex-vereador Renato Dionísio.

Parte da força do ex-secretário se deve à proximidade que ele tem com o chefe da legenda no país, o ministro do Trabalho Carlos Lúpi.

No Maranhão, portanto, o PDT seguirá o caminho que Weverton Rocha decidir.

Saiba ou não Igor Lago…

10

PDT vai analisar proposta para ter Weverton na Câmara…

Rocha agora depende da cúpula do PDT para assumir na Câmara

A cúpula do PDT maranhense se reúne na noite desta segunda-feira para discutir uma nova possibilidade de levar o seu secretário-geral, Weverton Rocha, para a Câmara Federal.

A história é a seguinte: o prefeito de São Luís, João Castelo (PSDB) teria conseguido convencer o deputado Carlos Brandão (PSDB) a deixar a Câmara, abrindo vaga para o suplente Weverton. Em troca, o PDT assumiria oficialmente o apoio à candidatura de Castelo para as eleições de 2012.

Três problemas dificultam a aprovação da proposta.

Primeiro, a licença de Brandão seria por apenas quatro meses, o que garantiria ao pedetista apenas 121 dias de mandato, sendo que um parte deles – se começado agora, em agosto – cairia exatamente na época do recesso parlamentar de dezembro.

Segundo, apesar de ter o apoio incondicional da Executiva Nacional, Weverton Rocha não tem a simpatia absoluta dos membros da Executiva Regional do PDT, o que dificultaria a aprovação da proposta.

E, terceiro, a cúpula do PDT maranhense está se lixando para a aliança com João Castelo.

O blog tentou ovuir Carlos Brandão sobre o assunto, mas foi informado que ele não está em São Luís. Os pedetistas ouvidos confirmaram a pressão em favor de Weverton Rocha, mas desdenharam da aliança em favor de Castelo.

A reunião do PDT ocorre sempre às 18 horas…

3

Brandão classifica de “falacioso” convite de Castelo…

Brandão esclarece história sobre prefeitura

O deputado federal Carlos Brandão (PSDB) garantiu ontem ao blog nunca ter havido qualquer conversa dele com o prefeito João Castelo (PSDB) para que assumisse cargo na Prefeitura de São Luís.

Para o deputado, tal convite é “falacioso”, motivo pelo qual evitou comentar o fato.

A informação encaminhada ao blog é a primeira manifestação oficial do parlamentar sobre o assunto, que passou a ser especulado na imprensa no início da semana.

Brandão ocuparia um cargo no secretariado do governo e abriria vaga na Câmara para o suplente Weverton Rocha (PDT).

Em entrevista ao blog de Jorge Aragão, a deputada Gardeninha Castelo (PSDB), filha do prefeito, chegou a comentar o interesse de Castelo em levar Rocha para a Câmara.

Mas Carlos Brandão nega articulação para assumir secretaria municipal.

–  Nunca houve qualquer conversa pontual com a administração da prefeitura de São Luís – disse o parlamentar.

Assunto encerrado. Pelo menos pra Brandão…

12

Nem o PSDB confia mais em João Castelo…

Itamaraty foi o primeiro a recusar convite

A deputada Gardeninha Castelo (PSDB) confirmou hoje o desejo do prefeito de São Luís, João Castelo (PSDB), de levar o suplente Weverton Rocha (PDT) à Câmara Federal.

– A única coisa que posso dizer é que existe sim, por parte do prefeito João Castelo, esse desejo. Só não está certo o mecanismo de como será feito essa articulação política, mas isso já está sendo trabalhado – revelou Gardeninha, ao blog de Jorge Aragão.

Esta articulação é exatamente o entrave enfrentado pelo prefeito.

Castelo parece carecer de credibilidade mesmo no seio do seu partido.

Brandão não cogita deixar a Câmara

Primeiro, tentou levar para o secretariado o deputado tucano Pinto Itamaraty, que não chegou a bom termo para abrir vaga em favor de Weverton Rocha. (Releia aqui)

Agora, tenta convencer o também tucano Carlos Brandão, que, assim, como Pinto, não demonstra muita simpatia pela idéia. (Leia aqui)

A estratégia de dar um mandato federal ao pedetista tem o objetivo de consolidar o apoio do PDT, embora na cúpula da legenda há quem garanta que o prefeito comete erros ao negociar com pessoas, ao invés do partido.

O que só se agrava com a falta de confiança do próprio PSDB…

7

Tendência no PDT é de aliança com PCdoB…

Com Lupí à frente, Weverton pode convencer PDT

Se conseguir mesmo a vaga de deputado federal pela via desenhada pelo prefeito de São Luís, João Castelo (PSDB) – que estaria articulando a vinda de Carlos Brandão (PSDB) para a sua administração –  o suplente pedetista Weverton Rocha vai ter que trabalhar muito para convencer  o PDT a formalizar aliança com o prefeito.

A tendência no PDT é de aliança mais à esquerda, principalmente com o PCdoB, caso o agora presidente da Embratur, Flávio Dino, confirme candidatura.

É justamente para garantir a adesão pedetista – ainda não confirmada, mesmo com sete secretarias e vários postos de segundo escalão na prefeitura – que Castelo tenta levar Weverton Rocha para a Cãmara.

Primeiro tentou com Pinto Itamaraty (PSDB), que não chegou a um acordo satisfatório para virar secretário. Agora, articula com Brandão, segundo revelou o blog de Jorge Aragão.

O problema é que, das três correntes que compõem hoje o PDT, apenas uma defende aliança com Castelo. As outras duas querem candidatura própria ou aliança à esquerda, mas podem se unir dentro do mesmo objetivo.

Defensor da união pró-Castelo, Weverton Rocha, que já é secretário-geral da legenda, ganharia força interna, sobretudo com a forte influ^}encia que detém na direção nacional.

4

O “não” de Pinto Itamaraty e o “não” na política…

Pinto negou vinda para o governo Castelo

O deputado federal Pinto Itamaraty (PSDB)  negou ao titular deste blog, em matéria para o jornal “O Estado do Maranhão”, publicada hoje,  que esteja articulando sua vinda para o secretariado do prefeito João Castelo (PSDB).

– Tudo é especulação – afirmou o parlamentar, pela primeira vez tratando do assunto.

Em conversa com outra jornalista de O Estado – Carla Lima – Pinto confirmou que participaria, ontem, de uma reunião política, mas negou que Castelo fosse participar.

A política tem uma lógica própria, ensinam os mais experientes na área. Neste campo, sim quase sempre significa não; e não é sempre sim.

Alguns fatos da própria administração Castelo confirmam a máxima.

Em dezembro, surgiu a história de que o pedetista Clodomir Paz iria assumir um posto no governo João Castelo. Ele negou, o prefeito também negou.

Dias depois, Castelo e Clodomir se encontravam, festivamente, na posse do pedetista na Secretaria de Trânsito e Transporte.

Depois, foi a vez de Othelino Neto e o PPS negarem que estivessem articulando vaga na mesma gestão castelista. Não só Othelino, mas também Miosótis Lúcio – ex-vice de Flávio Dino (PCdoB) – já estão devidamente lotados na prefeitura.

A declaração de Pinto Itamaraty deve ser vista  pelo não dito, portanto…

27

O pós-Jackson no PDT…

De Jackson, tinha a admiração...

O PDT age rápido. O atual secretário-geral da legenda, Weverton Rocha, age rápido.

O suplente de deputado federal foi o primeiro a perceber o vácuo de poder no partido – antes mesmo da partida de Jackson Lago – e tratou de se viabilizar política e eleitoralmente.

Rocha é hoje o nome mais cacifado no PDT jackista para sustentar politicamente a legenda.

E tem um trunfo especial: o apoio incondicional da cúpula nacional do partido.

Ele é assessor especial do ministro do Trabalho, Carlos Lupi, que preside o PDT nacional – e tem trânsito absoluto na cúpula da legenda.

Com Lupi, a relação é fraterna...

Assim como Jackson tinha confiança absoluta de Leonel Brizola, Rocha tem a confiança absoluta de Carlos Lupi.

A trajetória política de Wevedrton Rocha é tão meteórica quanto controvertida, mas Weverton não se faz de rogado.

Sua ousadia e audácia se impõem a qualquer denúncia.

A despeito das acusações que lhe pesam, conseguiu se viabilizar no PDT a ponto de alcançar a primeira suplência de deputado federal já na primeira eleição que disputou.

Weverton Rocha não se incomoda, sequer, com o fato de, em tese, ser Julião Amin, vice-presidente, o sucessor legal de Jackson no comando do partido. É indiferente, até.

O suplente pedetista Faz até média com o “novo amigo”.

– Na minha opinião, o Julião é o comandante do partido. A discussão é maior: saber como levar o partido na ausência do nosso maior líder – prega, em tom de desprendimento.

O que importa é a força política que o suplente alcançou internamente entre os pedetistas, que pode garantir-lhe a condição de liderança e sucessor de Jackson.

Para isso, tem até um discurso ensaiado:

– o doutor Jackson é insubstituível. Ele é um pouco de todos nós.

É esta a nova cara do PDT maranhense…