0

“O DEM está fechado com Weverton”, diz Juscelino Filho a Brandão

Deputado federal e presidente regional do partido afirmou que ele, o pai, a irmã e todos os aliados do DEM comunicaram ao vice-governador que trabalham em favor do senador e torcem para que haja um consenso na base governista

 

Levados pelo ex-deputado Stênio, os Rezende disseram de corpo presente a Brandão: apoiam Weverton Rocha para o governo

Chamado a uma reunião no Palácio dos Leões para mais uma tentativa de conversa com o vice-governador Carlos Brandão (PSDB), o presidente regional do DEM, deputado federal Juscelino Filho, reafirmou seu apoio à candidatura do senador  Weverton Rocha ao governo.

– Na reunião deixei claro ao vice-governador Carlos Brandão, pessoa ao qual tenho relação e respeito, a nossa posição política. Minha, da minha irmã Luanna, prefeita de Vitorino Freire, e do meu pai ex-deputado Juscelino Rezende, assim como todos correligionários do DEM: estamos apoiando a pré candidatura do senador Weverton – afirmou o deputado.

Nas várias tentativas de construção de uma narrativa de fortalecimento de Brandão, seus aliados na mídia têm criado todo tipo de especulação sobre apoios.

Basta surgirem imagens de Brandão com lideranças políticas para as especulações ganharem a mídia alinhada ao Palácio dos Leões.

Juscelino Filho disse que aguarda a decisão do governador Flávio Dino (PSB) sobre as candidaturas em sua base; torcendo pelo consenso.

– Torcendo para que, em novembro, momento o qual o governador definiu pela escolha do candidato, estejamos todos unidos em torno de um só projeto – afirmou Juscelino.

4

Fala de Jerry sobre vice anima aliados de Weverton e irrita “brandonistas”

Em entrevista ao jornal O Imparcial, secretário de  cidades confirma que será candidato a  deputado federal, mas diz que poderia – e está preparado para – disputar qualquer cargo, o que levou a uma série de interpretações ao agrado de cada patrão

 

Principal interlocutor de Flávio Dino, Márcio Jerry é mais próximo de Weverton do que de Brandão; mas sua candidatura é a deputado federal

Uma simples resposta retórica do secretário de Cidades, Márcio Jerry, ao jornal O Imparcial, gerou uma série de narrativas sobre as eleições de 2022 e até à formação de chapa para a disputa de governo.

As partes essenciais da declaração estão transcritas abaixo:

“Disputarei a eleição de federal no ano que vem. (…) Mas, evidentemente, com toda humildade, que eu me sinto preparado para qualquer desafio. As pessoas para assumir uma função no Executivo, por exemplo, precisam ter biografia, e eu tenho. Precisa ter conhecimento do Maranhão, eu tenho e muitíssimo. Para ter uma vida pública marcada pela probidade, pela honestidade, eu também tenho, de modo que estou habilitado a disputar qualquer cargo dentro do Maranhão”.

Os aliados do senador  Weverton Rocha (PDT), um dos pré-candidatos do grupo de Flávio Dino (PSB) animaram-se em interpretar a resposta como uma admissão de possibilidade de compor a chapa.

Jerry é adversário político da família do vice-governador Carlos Brandão (PSDB), em Colinas, o que dificulta qualquer aliança em torno do tucano. Natural, portanto, que a possibilidade de ele compor chapa encaminhe a interpretação para  Rocha.

Mas os aliados de Brandão buscaram também as suas interpretações para a frase de Márcio Jerry; e chegaram a afirmar que ele não apenas descartou candidatura a vice como também descartou aliança do PCdoB com o PDT.

Retóricas narrativas apenas.

A análise sintática, semântica e morfológica do texto de Márcio Jerry leva a uma simples, clara e única interpretação: o secretário é candidato a deputado federal; mas, no caso de vir a ser chamado a disputar outro posto – e apenas nesta hipótese – disse sentir-se preparado para tal.

Foi apenas isso, e tão somente isto, que o presidente Márcio Jerry disse ao jornal O Imparcial.

O resto, é construção narrativa de aliados de candidatos.

Simples assim…

3

A aproximação entre Brandão e Weverton…

Vice-governador e senador têm se reunido cada vez mais, desde a reunião com o governador Flávio Dino, e buscam juntos o consenso para a escolha do candidato da base governista em 2022

 

Brandão e Weverton em mais uma tentativa de armistício: para muitos, mais uma humilhação de Dino aos dois; para outros, busca de consenso

As imagens que ganharam a imprensa, a blogosfera e as redes sociais no fim de semana foram a confirmação de um fato já consolidado nos bastidores: o vice-governador Carlos Brandão (PSDB) e o senador Weverton Rocha (PDT) têm-se reunido cada vez mais para discutir a sucessão do governador Flávio Dino (PSB)

Desde a reunião do dia 6 de julho, em que Dino estabeleceu os critérios para escolha do seu candidato, os dois principais nomes da base têm conversado constantemente, um tentando convencer o outro de que é a melhor opção do grupo.

Há duas semanas, por exemplo, o vice-governador e o senador reuniram-se em um jantar a sós, em que foram colocados argumentos de convencimento mútuo.

O blog Marco Aurélio D’Eça apurou que, neste jantar, Weverton ofereceu, mais uma vez, apoio a Brandão em uma eventual indicação para o Tribunal de Contas do Estado.

– Se o TCE é tão bom, por que não vai você? – teria respondido Brandão.

Mas, mesmo diante desta “treta”, o clima tem amenizado de lado a lado.

Weverton, por exemplo, deixou de realizar reuniões no interior e de ostentar apoios de partidos, prefeitos e lideranças, embora mantenha suas articulações nos bastidores. 

O senador espera que os termos do Pacto assinado por Flávio Dino e Brandão sejam cumpridos em novembro, quando pretende mostrar o cumprimento de todos os pré-requisitos para ser o candidato da base.

Brandão, por sua vez, também recuou na pressão para que Flávio Dino assuma logo sua preferência por ele. Mas continua realizando reuniões políticas com partidos fora da base, a exemplo do MDB e do PSD, que fazem oposição de Dino.

O vice-governador espera ser indicado em novembro dentro de critérios próprios, como o fato de que assumirá o governo em abril e terá condições de manter as políticas implantadas por Flávio Dino.

Neste clima mais amistoso é que os dois pré-candidatos vão se movimentando neste período de recesso parlamentar.

O clima deve esquentar, porém, a partir de agosto, quando ambos pretendem intensificar as articulações para se consolidar como a melhor opção do grupo.

Mas esta é uma outra história…

5

Movimentos de Weverton reforçam unidade na base de Flávio Dino…

Senador reúne os principais critérios definidos pelo próprio governador para escolha do candidato do seu grupo: alcance popular, apoio partidário e garantia de continuidade das ações do governo; e ainda reúne lideranças nacionais dos partidos alinhados ao campo popular e democrático

Senador Weverton Rocha reúne os critérios definidos pelo próprio governador Flávio Dino

Se fosse decidir hoje pela escolha do candidato da sua base – e levando em conta os critérios assinados por ele mesmo na carta-compromisso do dia 5 de julho – o governador Flávio Dino (PSB) optaria pelo senador Weverton Rocha (PDT).

Weverton é, hoje, o único candidato da base que atende aos pré-requisitos estabelecidos por Flávio Dino, quais sejam: alcance popular, conjunção de partidos e forças políticas e garantia de continuidade das ações do governo.

Weverton lidera todas as pesquisas de intenção de votos entre os candidatos da base, além de ter a maior percepção de vitória entre os eleitores e de apresentar a menor rejeição.

O senador pedetista reúne o maior número de partidos e lideranças na base do governo; além disso, tem apoio nacional de lideranças de peso, como o ex-presidente Lula, os presidentes da Câmara e do Senado e presidentes de partidos como PSOL, PDT, PCdoB, PSB e PT.

Weverton é também a garantia de continuidade das ações de Flávio Dino num eventual governo, o que se demonstra já agora, na lealdade ao governador.

São exatamente estes critérios que o próprio Dino quer do candidato escolhido.

É com base nessa garantia de Flávio Dino que Weverton vem cumprindo a sua parte no acordo.

O compromisso foi assumido também, pelo próprio presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, que aceitou os termos do “pacto” assinado por Dino, Weverton, Carlos Brandão (PSDB), Simplício Araújo (Solidariedade) e presidentes de partidos aliados.

A parte de Flávio Dino agora, é cumprir os termos deste documento.

A decisão está prevista para novembro…

3

José Dirceu conclui com Roseana agenda com aliados do PT

Ex-ministro, que está no Maranhão desde a semana passada – recebido pelo senador Weverton Rocha – já esteve também com o governador Flávio Dino e com militante do PCdoB e do PT

 

Mesmo em férias, José Dirceu, que pé o principal interlocutor de Lula, cumpre agenda política no maranhão com vistas às eleições de 2022

O ex-ministro e ex-presidente do PT, José Dirceu, cumprirá na tarde desta sexta-feria, 23, sua agenda de compromissos políticos com potenciais aliados do partido pára as eleições de 2022.

Ele vai se reunir com a ex-governadora Roseana Sarney, que preside o MDB maranhense.

No Maranhão desde a semana passada, Dirceu está hospedado em Barreirinhas, na casa do senador Weverton Rocha (PDT).

No Maranhão, ele já se reuniu também com o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, com o governador  Flávio Dino (PSB) e com líderes do PCdoB, a exemplo do deputado federal Márcio Jerry.

Principal interlocutor do ex-presidente Lula, o objetivo de Dirceu é encaminhar as costuras para a montagem da frente ampla de esquerda que pretende formar para as eleições presidenciais.

Além de PDT, PCdoB, PSB e MDB, o PT dialoga também com o PSOL.

O ex-ministro já havia se encontrado com Roseana Sarney, em Brasília, no início de junho, quando conversou sobre os caminhos do PT no Maranhão.

Na conversa de hoje, deve reforçar com a ex-governadora a posição de Lula em relação ao estado.

José Dirceu deve deixar Barreirinhas no início da próxima semana…

6

Weverton é para Flávio Dino o que Lobão sempre foi para Sarney…

Ex-ministro de Minas e Energia sempre se manteve leal ao ex-presidente – mesmo preservando a sua independência política – assim como o atual senador em relação ao atual governador

 

Lobão se manteve leal a Sarney durante toda a sua vida política, mesmo com independência; e se mantém até hoje ao lado do ex-presidente

Ensaio

A reação de aliados do vice-governador Carlos Brandão (PSDB) – e de oposicionistas, tanto sarneysistas quanto bolsonaristas – ao encontro do governador Flávio Dino (PSB) com o ex-ministro Carlos Lupi (PDT), terça-feira, 20, fez lembrar a expectativa que aliados e oposicionistas do sarneysismo tinham na relação do ex-ministro, ex-governador e ex-senador Edison Lobão com o ex-presidente José Sarney. 

Lobão sempre foi leal a Sarney, embora mantivesse por toda a sua trajetória política uma independência clara em relação ao ex-presidente.

Sem precisar bajular Sarney, Lobão elegeu-se deputado federal, senador e governador, foi ministro de Minas e Energia e presidente do Senado, mantendo seu grupo alinhado ao projeto do próprio Sarney, sem dependência.

Oposicionistas à esquerda e à direita do sarneysismo sempre incensaram Lobão a romper com Sarney para liderá-los em um levante pelo poder no Maranhão.

Lobão sempre recusou e se manteve fiel ao grupo. 

A história mostra que o grupo Sarney perdeu força após um racha por traição – não de Lobão – mas de quem sempre se vendeu como “o mais leal entre os leais”.

Weverton tem vida política própria, grupo próprio, mas se mantém leal ao projeto do governador Flávio Dino desde a sua entrada na vida pública

Bolsonaristas, sarneysistas e aliados de Carlos Brandão criaram para o encontro entre Dino e Lupi narrativas distintas, mas com o mesmo objetivo: afastar o senador Weverton Rocha (PDT) do governador  Flávio Dino (PSB).

Os oposicionistas – bolsonaristas e sanreysistas – querem o rompimento, obviamente, por que necessitam de alguém que possa liderá-los em um levante contra o dinismo.

Já os aliados de Brandão querem tirar Weverton do páreo da disputa pelo Governo do Estado dentro da base dinista.

Uma mera repetição da história: Weverton Rocha é hoje para Flávio Dino o que Lobão foi para Sarney ao longo dos últimos 50 anos.

Assim como Lobão em relação a Sarney, o senador pedetista se mantem leal a Flávio Dino, mesmo mantendo uma independência política clara em relação ao governador.

Weverton cumpre as regras estabelecidas pelo próprio Flávio Dino e trabalha para ser candidato a governador, mas respeitando o pacto firmado por toda a base, mantendo-se leal ao projeto dinista.

Lobão sempre teve vida própria em relação a Sarney, mas respeitou sua liderança e se manteve leal por toda vida, inclusive hoje, após aposentadoria política.

Fiador do vice Brandão, José Reinaldo Tavares impôs duro golpe a Sarney, passou por Jackson, juntou-se e afastou-se de Dino e agora está novamente ao lado do governador

Para completar a história: contemporâneo de Lobão, o ex-governador José Reinaldo Tavares era tido por todos como uma espécie de “filho postiço mais velho” de Sarney.

Mas foi Zé Reinaldo – e não Lobão – quem impôs ao ex-presidente a mais violenta traição, logo na primeira oportunidade de poder.

É assim que a história política, como a história do mundo, se repete ao longo dos anos.

Como farsa ou como tragédia…

1

“Construindo de forma correta”, disse Weverton, sobre projeto 2022

Senador participou do encontro do governador com o presidente do PDT, Carlos Lupi, para tratar das eleições de 2022, em evento classificado por ele como “dentro do cronograma” da pré-campanha

 

Weverton conversa com Lupi e Dino após reunião no Palácio dos Leões para tratar do processo eleitoral de 2022

O senador Weverton Rocha (PDT) declarou-se “animado” após reunião da qual participou, com o governador Flávio Dino (PSB) e o presidente nacional pedetista, Carlos Lupi.

Para Weverton, o encontro com Dino está dentro do cronograma da pré-campanha a governador, que, segundo ele, está sendo construída seguindo as regras do pacto assinado por toda a base no início de julho.

– Construindo de forma correta [a agenda de campanha] – afirmou o senador.

A reunião entre Lupi e Dino – da qual participou também o secretário de Cidades Márcio Jerry – tratou da formação de uma frente ampla para as eleições presidenciais e suas implicações nas eleições estaduais.

PDT trabalha a formação de uma aliança que inclua também o PT, o PSB, o PCdoB e o PSOL; Segundo o presidente Lupi, o objetivo agora é fazer de Weverton o candidato “do coração de Flávio Dino”.

O secretário Márcio Jerry confirmou que o encontro tratou da relação eleitoral entre “os partidos do campo democrático”.

No sábado, Jerry esteve com Weverton Rocha em Barreirinhas, na conferência municipal do PCdoB; é pra Barreirinhas que segue Carlos Lupi, onde se reúne nesta quarta-feira, 21, com o ex-ministro José Dirceu, eminência parda da campanha do ex-presidente Lula.

Após reunião com Lupi, é Dirceu quem vem a São Luís, para encontro com Flávio Dino, o que deve ocorrer nesta quinta-feira, 22.

Mas esta é uma outra história…

4

Esquerda busca união em torno de Lula também no MA…

PT, PDT, PCdoB e PSOL fazem movimentos de unidade em torno da candidatura do ex-presidente, o que pressiona o PSB, do governador Flávio Dino, a antecipar decisão sobre alianças para 2022

 

Flávio Dino terá que decidir se repete no Maranhão, com Weverton, a frente de esquerda em torno de Lula, ou leva o PSB a apoiar o PSDB, de Carlos Brandão

O encontro do presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, com o governador Flávio Dino (PSB), nesta terça-feira, 20, tem uma pauta principal – a eleição presidencial – e suas correlações no estado.

Um movimento cada vez mais intenso prega a aliança entre PT, PDT, PCdoB, PSOL e PSB em torno do ex-presidente Lula, o que pressiona o governador Flávio Dino por uma decisão no Maranhão.

Dino entende que necessita da estrutura que será herdada pelo vice-governador Calos Brandão, do PSDB, mas sabe que a presença tucana nesta frente ampla é cada vez mais improvável.

No fim de semana, os líderes do PDT, senador  Weverton Rocha; do PCdoB, deputado federal Márcio Jerry, e do PT, ex-ministro José Dirceu, trataram mais claramente desta frente, que pode levar, inclusive, a um recuo do PDT com a candidatura do ex-ministro Ciro Gomes.

Dirceu está em Barreirinhas desde sábado, sendo hóspede de Weverton Rocha; Jerry participou de conferência do PCdoB local.

Sem espaço no PDT e na esquerda, polarizada por Lula, Ciro já articula, inclusive, transferência para o DEM, partido mais à direita, em busca do nicho hoje ocupado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Essa possibilidade de mudança de partido por parte de Ciro também será um dos temas do almoço desta terça-feira, 20, entre o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, e o governador  Flávio Dino.

Caberá unicamente a Flávio Dino decidir se mantém a integralidade da frente de esquerda no projeto nacional de eleger Lula, ou subverte este conceito no Maranhão, levando o PSB a uma aliança com o PSDB.

É aguardar e conferir…

6

Weverton recebe petistas, comunistas e pedetistas em Barreirinhas…

Senador e pré-candidato a governador teve agenda agitada no fim de semana, ao receber o ex-ministro José Dirceu, o comunista Márcio Jerry e o vice-governador do Distrito Federal, Paco Brito, um dos líderes do Avante

 

Com Márcio Jerry e lideranças do PCdoB, Weverton participou, sábado, da conferência estadual do partido em Barreirinhas, onde mora

Os dias têm sido agitados na agenda do senador maranhense Weverton Rocha, pré-candidato do PDT ao Governo do Estado.

Com o ex-ministro José Dirceu “passando uns dias” em sua casa, em Barreirinhas, Weverton também se reuniu no último sábado, 17, com o presidente estadual do PCdoB, secretário Márcio Jerry, durante conferência municipal do partido.

Ele também almoçou com o vice-governador do Distrito Federal, Paco Britto, um dos principais líderes do Avante.

Com todos, discutiu, a formação de alianças para as eleições de 2022 e a repercussão nos estados.

O petista márcio Jardim divulgou esta foto, com José Dirceu, em Barreirinha,s o ex-ministro é recepcionado pelo senador Weverton Rocha

Na quarta-feira, 21, o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, também será recebido por Weverton, em um almoço com José Dirceu, que é o principal interlocutor do ex-presidente Lula e uma das principais lideranças do PT.

Nesta terça-feira, 20, Lupi almoçará com o governador Flávio Dino (PSB), com quem vai tratar sobre as eleições de 2018; Rocha deverá participar também deste almoço.

Mas esta é uma outra história…

1

Flávio Dino deve receber Carlos Lupi na próxima terça-feira…

Presidente nacional do PDT vai almoçar com o governador maranhense em encontro que discutirá uma frente ampla de esquerda para as eleições presidenciais, com repercussão nos estados

 

 

Carlos Lupi vai falar a Flávio Dino sobre os planos do PDT para as eleições presidenciais de 2022 e suas implicações no Maranhão

O presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, será recebido em almoço pelo governador Flávio Dino (PSB), na próxima terça-feira, 20.

Lupi vai tratar das eleições presidenciais e suas implicações nas corridas eleitorais dos estados; o presidente pedetista será recebido no Maranhão pelo senador Weverton Rocha, principal interlocutor do PDT nas articulações nacionais.

A reunião de Lupi com Flávio Dino ocorrerá quase uma semana depois de o governador se reunir com o ex-presidente Lula; assim como Lupi e Dino, Lula quer uma frente ampla de esquerda que se replique nos estados.

Em maio, em nome do PDT, Weverton esteve em um jantar com Lula e a cúpula nacional do PT; dias depois, recebeu, também em nome de Lupi, o ex-presidenciável Guilherme Boulos (PSOL) e o deputado federal José Orlando (PCdoB).

A recepção aos líderes do PDT ocorre também semanas após Dino se filiar ao PSB com a perspectiva de entrar no debate nacional pelo partido.

Logo após o encontro com Flávio Dino, Lupi se reunirá também com membros do PDT maranhense, que tem Weverton como pre-candidato a governador…