4

PCdoB e os Esportes…

São muitas – e graves – as denúncias de corrupção no Ministério dos Esportes.

O ministério é hoje um feudo do PCdoB, que, segundo denúncias dos principais veículos de comunicação do país, utiliza a pasta para aparelhar o esquema comunista Brasil a fora.

É desde os tempos de Agenllo Queiroz, passando por Orlando Sulva e agora na gestão de Aldo Rebello.

Leia também:

Imprensa publica novas denúncias contra Orlando Silva

Aldo Rebello nem assumiu e já aparecem denúncias contra ele

O Ministério dos Esportes é o canal por onde o PCdoB “fortalece” sua estrutura política.

O PCdoB já decidiu que sua prioridade na adminsitração Edivaldo Holanda Júnior (PTC) em São Luís é controlar a hoje inexpressiva Secretaria Municipal de Esportes.

Será por quê???

Marco Aurélio D'Eça

4 Comments

  1. QUEM É OS SECRETARIO DE SAÚDE DO ESTADO, SERÁ QUE NESSA SECRETARIA NÃO TEM CORRUPÇÃO. MAIOR PICARETA O RAPOSA MURAD.

  2. RELEMBREM AS PILANTRAGENS DO PCdosBESTAS,PARTIDO DE FLÁVIO CHORAO E COMANDITA.

    Na semana passada, téc­­nicos do Tribunal de Contas da União (TCU) davam os últimos retoques na redação final de uma série de investigações sobre convênios celebrados entre o Ministério do Esporte ( comandado pelo PC do B, ministro Orlando Silva)  e Organizações Não Governamentais (ONGs) espalhadas por todo o País. As apurações tiveram início em fevereiro, depois que vieram à tona denúncias de irregularidades no principal programa do ministério, conhecido como Segundo Tempo, cujo orçamento para 2011 soma R$ 255 milhões.
     
     
    “São irregularidades graves”, diz o procurador do Ministério Público no TCU, Marinus Marsico. Como o Tribunal não pode quebrar sigilos bancários, as investigações serão remetidas nos próximos dias para a Polícia Federal. “O objetivo é descobrir o destino final do dinheiro entregue às ONGs, seja pelo governo federal, seja pelas prefeituras cobradas indevidamente”, afirma Marsico. Procedimento similar deu origem à Operação Voucher, que levou o Ministério Público Federal a denunciar 21 pessoas do Ministério do Turismo.
     
     
    No caso do Programa Segundo Tempo,  das entidades investigadas nos últimos sete meses, a que mais tem exigido “taxas administrativas” das prefeituras é a ONG Pra Frente Brasil, comandada pela vereadora do PCdoB em Jaguariúna (SP) Karina Rodrigues.
     
     
    Nos últimos sete anos, a entidade recebeu R$ 28 milhões do Ministério do Esporte, sendo R$ 12,9 milhões apenas no ano passado. Com trânsito livre nos corredores do ministério, a vereadora se apresenta como a responsável pela implantação do Segundo Tempo nas cidades do interior de São Paulo.
     
     
    Segundo os auditores do TCU, está comprovado que a Pra Frente Brasil há anos cobra dos prefeitos uma taxa de administração para que o município seja favorecido. O ministro Marcos Bemquerer, relator de alguns dos casos investigados, assegura que a prática é ilegal e esse dinheiro deverá ser objeto de investigação específica da Polícia Federal.
     
     

    INTERMEDIÁRIA
    A ONG Pra Frente Brasil, em Jaguariúna, é apontada pelo TCU
    como responsável pela cobrança ilegal de taxas administrativas.
     
     
    Os relatórios do TCU sobre a atuação das ONGs nos convênios do ministério não se restringem à atual gestão. Nos próximos dias, o ministro Aroldo Cedraz se pronunciará sobre um convênio de R$ 2 milhões com a Federação Brasiliense de Kung Fu. O dinheiro foi pago em 2005 e deveria servir para implantar o programa Segundo Tempo em dez núcleos espalhados pela periferia do Distrito Federal. Os auditores detectaram irregularidades graves na execução física e financeira do convênio.
     
     
    Em seus informes ao ministro, a Secretaria de Controle Externo do TCU afirma que quimonos não foram distribuídos, refeições não foram oferecidas aos alunos e a meta de beneficiar dez mil jovens ficou longe de ser atingida. O ministro Cedraz deve pedir o ressarcimento aos cofres públicos de cerca de R$ 4 milhões, em valores atualizados. ( Fonte > Isto Independente 16.10.11)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *