0

Braide adota o estilo Braide na montagem do governo…

Discreto, reservado e independente, prefeito eleito tem controle absoluto sobre cada aspecto da gestão que vai conduzir a partir de janeiro e trabalha na escolha dos auxiliares de forma absolutamente pessoal

 

Apenas à mulher, Graziela, Eduardo deve confiar as informações mais importantes do seu futuro governo; discreto, o casal mantém a rotina no pós-eleição

Em outros tempos da política maranhense, a essas alturas, a imprensa já havia apresentado uma infinidade de nomes do futuro governo Eduardo Braide (Podemos); e as especulações estavam correndo soltas nos meios políticos.

Até mesmo este aspecto da pós-eleição mostra o quanto Eduardo Braide é diferenciado em relação aos políticos tradicionais.

O prefeito eleito monta seu gabinete, organiza sua equipe de transição e seu corpo de auxiliares sem que absolutamente nada vaze ou gere especulações na mídia.

É o jeito Eduardo Braide de ser.

O ainda deputado federal consegue analisar nomes, discutir currículos e ouvir sugestões sem que nenhuma informação fuja ao seu controle. Discreto, reservado e independente, Eduardo Braide terá uma equipe com a sua cara, em todos o setores da administração.

É óbvio que o prefeito eleito vai ouvir sugestões e indicações de partidos aliados e de lideranças que estiveram com ele na campanha; mas será sua a palavra final quanto ao secretário de qualquer pasta.

E o fato de, até agora, nem mesmo uma especulação tenha surgido quanto aos nomes de sua gestão, mostra o quanto ele tem e preza pelo controle daquilo que tem e que almeja.

E assim deve ser a sua gestão em São Luís…

0

Flávio Dino e Eduardo Braide podem ser decisivos em eleição da Famem

Insistência da dupla Carlos Brandão e Josimar de Maranhãozinho em trazer para a escolha do comando da entidade o debate sobre a sucessão de 2022 pode levar a um novo enfrentamento entre o governador e o prefeito eleito; e a disputa promete ser tensa

 

Derrotados na eleição municipal, Josimar e Brandão parecem querer vingança em nome de 2022; e forçam a barra para que Flávio Dino entre no jogo deles

O governador Flávio Dino (PCdoB) pode se envolver em um novo embate com o prefeito eleito Eduardo Braide (Podemos) após ter sido derrotado por este nas eleições de São Luís.

Dino vem sendo pressionado pelo vice-governador Carlos Brandão (Republicanos) e pelo deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) a entrar na briga pelo comando da Federação dos Municípios (Famem).

Obcecados pela antecipação do debate pela sucessão de 2022, os dois acham que é preciso derrotar o atual presidente da Federação dos Municípios, Erlânio Xavier (PDT), como forma de enfraquecer o senador Weverton Rocha (PDT).

Levando em consideração as alianças para eleição de São Luís, Erlânio teria hoje algo em torno de 74 votos, dos prefeitos filiados ao PDT, DEM, PTB, MDB, e pode conseguir também o PSL.

Um candidato apoiado por Brandão e Josimar teria de saída votos do PL, do Republicanos, do Patriota e do Avante.

Neste caso, a dupla dinâmica da base do governo iria precisar do apoio de Flávio Dino, com seus prefeitos ligados diretamente aos partidos mais próximos ao Palácio dos Leões: PCdoB, PSB, Solidariedade, Cidadania, PROS e PT.

Nesta conta, o PP não entra fechado por que, embora sejam filiados à legenda, estes prefeitos seguem orientações diversas, o que leva a um espalhamento das preferências.

Erlânio iria precisar, portanto, dos votos de partidos ligados ao prefeito Eduardo Braide: PSC, PSD, PSDB, PMN e Podemos.

Como se vê, Josimar e Brandão querem nova disputa entre Flávio Dino e Braide; se o comunista vencer, anulará a derrota pela prefeitura.

Se perder, acentuará seu desmanche de fim de mandato…

1

Destino de Duarte Júnior pode gerar novos traumas na base dinista

Derrotado nas eleições de São Luís e sem ambiente na Assembleia Legislativa, deputado estadual deve ser anunciado secretário do governador Flávio Dino a partir de janeiro, o que pode causar nova tensão entre os aliados

 

Duarte Júnior sabe que não tem clima entre seus pares na Assembleia Legislativas, mas ir para alguns setores do governo pode arrumar novo clima de conflito

O recesso parlamentar na Assembleia Legislativa, previsto para a segunda quinzena de dezembro, será uma espécie de freio de arrumação para o deputado estadual Duarte Júnior (Republicanos); de férias, ele ganhará tempo para preparar, sem trauma, a sua saída do Parlamento em direção ao Governo Flávio Dino (PCdoB).

Derrotado nas eleições de São Luís, Duarte não tem ambiente com seus pares na Assembleia Legislativa.

Mas o destino pretendido por ele e Dino – a de Secretaria de Desenvolvimento Social seria um deles, segundo apurou o blog Marco Aurélio D’Eça – pode ser mais uma dor de cabeça para o governador comunista.

A Sedes é comandada pelo também deputado estadual Márcio Honaiser (PDT), indicação direta do senador Weverton Rocha (PDT).

A exoneração de Honaiser fatalmente será vista como retaliação de Dino à postura do PDT nas eleições de São Luís; sobretudo se for para levar o próprio Duarte para lá.

Esse clima de tensão sobre o futuro do deputado durará até fevereiro, quando a Assembleia retoma seus trabalhos e Flávio Dino terá que resolver a vida do afilhado político.

Se o mantiver na Assembleia, terá que enfrentar a reação hostil dos deputados da base, com possibilidade, até, de um processo de cassação.

Se, por outro lado, decidir dar a ele a Secretaria de Desenvolvimento Social – excelente espaço para jovem e ativo político – arrumará nova encrenca com aliados.

Mas se correr o bicho pega; se ficar…

1

As perdas de Flávio Dino em 2020…

Governador não apenas saiu derrotado das eleições municipais como perdeu, a um só tempo, o controle de espaços de poder fundamentais para a manutenção do seu projeto político; e pode diminuir importância à medida que se aproximar as eleições de 2022

 

Dino diminuiu consideravelmente de tamanho dentro do próprio grupo político; e pode ficar cada vez menor à medida que se aproxima o processo eleitoral de 2022

O aspecto mais robusto da derrota do governador Flávio Dino (PCdoB) nas eleições municipais foi a vitória do deputado federal Eduardo Braide (PCdoB) em São Luís.

Mas o comunista não perdeu o controle apenas da capital maranhense; ele foi derrotado nos principais colégios eleitorais do Maranhão, a exemplo de Imperatriz, Barra do Corda, Codó e vários outros.

Além disso, o processo eleitoral municipal fez Dino perceber que já não tem o controle da bancada no Senado, perdeu o controle da presidência da Assembleia Legislativa e agora terá que negociar no varejo com a bancada federal, cuja base diminuiu consideravelmente, embora, tecnicamente, muitos ainda se declarem “aliados”.

A derrota pode aumentar ainda mais, se o governador se deixar levar pelos arroubos ressentidos de aliados mais próximos, sobretudo o vice Carlos Brandão (Republicanos) – que tenta a todo modo antecipar o controle da sucessão de 2022 – e o deputado federal Josimar de Maranhãozinho, outro a sonhar com a sucessão de Dino.

Inicialmente revoltado com a diminuição do volume de sua autoridade política, o governador parece ter retomado a razão, e se afastou de questões como a sucessão na Câmara Municipal e na Federação dos Municípios.

Mas os ressentidos insistem em botá-lo na linha de frente de uma reação aos próprios aliados.

O recado das urnas está dado a ele: não se deixe insuflar pelos recalques de Brandão e pela ambição de Josimar.

Mas Flávio Dino é maior e vacinado.

E deve saber o que faz…

3

Haroldo Sabóia aponta Flávio Dino candidato a federal

Ex-deputado federal analisa que o resultado das eleições municipais fortaleceu o projeto do senador Weverton Rocha, mas garantiu certa ampliação do vice-governador Carlos Brandão, “que imagina poder enfrentar Weverton sentado na cadeira dos Leões com a caneta dos convênios na mão”

 

Haroldo Sabóia acha que Flávio Dino vai deixar “triste legado” no Maranhão

O ex-deputado federal Haroldo Sabóia ampliou os efeitos da derrota do governador Flávio Dino (PCdoB) para além de 2020; Para Sabóia, a vitória de Eduardo Braide (Poddemos) pode levar o comunista a repensar sua candidatura ao Senado e optar por uma vaga de deputado federal.

– A disputa pelo governo do Estado em 2022, entre o Senador Weverton Rocha (PDT) e o vice governador Carlos Brandão (Republicanos), além de provocar uma grave fissura na base de apoio do governador Flávio Dino pode levá-lo a abandonar sua candidatura ao Senado para concorrer à Câmara Federal – avaliou o ex-deputado, em artigo no Facebook intitulado “Flávio Dino candidato a deputado federal em 2022?”.

Na avaliação de Haroldo Sabóia, a vitória de Eduardo Braide fortaleceu o projeto de Weverton Rocha, sobretudo pela importância do apoio de Neto Evangelista (DEM), lançado pelo senador pedetista.

Mas Sabóia não descarta o peso de Carlos Brandão, que, na avaliação do ex-deputado, ampliou sua base, sobretudo com o apoio do deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) e da senadora Eliziane Gama (Cidadania).

– Sentado na cadeira dos Leões e com a caneta dos convênios em mãos – [Brandão] imagina reunir forças suficientes para enfrentar o senador Weverton Rocha – avaliou.

Apontando outros grupos com interesse na disputa de governo em 2022, Haroldo Saboia cita o MDB de João Alberto e Roseana Sarney, o PSDB, do senador Roberto Rocha – que ele vê cada vez mais diminuto no estado – e os partidos mais à esquerda, como PSOL e PCB.

Outro imbróglio, segundo o ex-deputado,  será a disputa pela única vaga de senador – esta, na avaliação do ex-parlamentar sem a presença de Flávio Dino.

– Por exemplo, na coligação em torno do senador Werverton (PDT), a legenda de apoio mais forte é o DEM, dirigido por Juscelino Filho. Já o partido mais forte na base de sustentação do futuro governador e candidato a reeleição, o atual vice Carlos Brandão, não é nem o PCdoB, de Flavio Dino, nem o CIDADANIA, da senadora Eliziane Gama, e sim o PL do deputado federal Josimar do Maranhãozinho – aponta Haroldo.

E é por causa destes aspectos, que Sabóia afirma a candidatura de Flávio Dino a deputado federal, não a senador.

– Candidato a deputado federal, Dino poderá ter uma imensa votação que viabilize a reeleição dos atuais deputados do PCdoB, Marcio Jerry e Rubem Jr., além de eleger os seus secretários mais próximos, já anunciados candidatos, Carlos Lula, Clayton Noleto e Jeferson Portela – aponta.

Mas o ex-deputado não vê esta articulação de Dino de forma virtuosa, mas com certa crítica ao legado que o comunista pode deixar ao Maranhão.

– Triste legado, após oito anos de mandato, de um governo que se anunciou capaz de iniciar nova era de desenvolvimento econômico e de superar as terríveis desigualdades sociais no pobre Estado do Maranhão – concluiu Haroldo Sabóia.

Veja abaixo a íntegra do comentário:

DINO CANDIDATO A DEPUTADO FEDERAL EM 2022?
(notas sobre o triste quadro político-eleitoral da triste e antiga Província do Maranhão)

A disputa pelo governo do Estado em 2022, entre o Senador Weverton Rocha (PDT) e o vice governador Carlos Brandão (Republicanos), além de provocar uma grave fissura na base de apoio do governador Flávio Dino pode levá-lo a abandonar sua candidatura ao Senado para concorrer à Câmara Federal.

Embora derrotado no primeiro turno nas eleições de São Luís, Weverton sai fortalecido com a vitória de Eduardo Braide (PODEMOS). Todos reconhecem que o apoio de Neto Evangelista (DEM), candidato lançado pelo pedetista, foi decisivo para o resultado do pleito.

Carlos Brandão, por sua vez, apesar da derrota de Duarte, (filiado ao REPUBLICANOS do vice governador) conseguiu ampliar a base de sustentação de sua candidatura ao governo. Com o apoio do PL do deputado Josimar do Maranhãozinho, do CIDADANIA, de Eliziane Gama e do PCdoB de Flavio Dino, Carlos Brandão – sentado na cadeira dos Leões e com a caneta dos convênios em mãos – imagina reunir forças suficientes para enfrentar o senador Weverton Rocha.

É absolutamente improvável, todavia, que o cenário de 2022 fique restrito a essas duas candidaturas.
Duas outras legendas deverão ter candidatos majoritários no primeiro turno: o MDB (de João Alberto, Roseana Sarney, Hildo Rocha e João Marcelo) e o cada vez mais diminuto PSDB (do senador Roberto Rocha).

Bem à esquerda, teremos um nome apoiado pelo PSOL, pelo PCB e pela UP – organizações bem pequenas no Maranhão, mas fortalecidas nacionalmente pelo excelente desempenho de Guilherme Boulos nas eleições paulistanas.

Não podemos esquecer legendas com efetiva presença eleitoral no Estado, detentoras de mandatos na Assembleia e na Câmara Federal, que não deverão lançar candidatos majoritários. À direita, o PTB (Pedro Fernandes), o PP (André Fufuca), o PSC (Aluísio Mendes) PATRIOTA (Marreca Jr) e PSD (Edilázio Jr.). Ao centro-esquerda, também ausentes das disputas majoritárias, o PT (José Carlos da Caixa) e o PSB (Bira do Pindaré).

Essa plêiade, esse punhado de legendas, da direita ao centro esquerda, estarão em busca de acordos com os partidos que se colocarem na disputa para os Leões: PDT (com Weverton), REPUBLICANOS (com Brandão), MDB (com Roseana???) e PSDB (com Roberto Rocha ???).

Composições que – a exemplo daquelas feitas nas eleições municipais de São Luís – não obedecerão a quaisquer critérios políticos ou ideológicos. Nelas, bolsonaristas, sarneysistas, dinistas e outros quejandos, estarão entrelaçados, atados ou desatados sem qualquer pudor, ao sabor das circunstâncias.

Assim, serão alianças feitas com base no mais abjeto pragmatismo, no vale tudo da disputa pelo poder sem qualquer compromisso com os clamores populares por mudanças sociais. Serão balizadas pela corrida em busca de mandatos (federais e estaduais) pelos “donos” das legendas e “gestores” de fundos eleitorais milionários, em um quadro em que as conquistas de mandatos se tornam mais difíceis devido à proibição de coligações partidárias.

Em meio a tamanho imbróglio, outro elemento perturbador será a luta, nas diferentes coligações, pela outra candidatura majoritária : a disputa para única vaga ao Senado. Por exemplo, na coligação em torno do senador Weverton (PDT), a legenda de apoio mais forte é o DEM, dirigido por Juscelino Filho. Já o partido mais forte na base de sustentação do futuro governador e candidato a reeleição, o atual vice Carlos Brandão, não é nem o PCdoB, de Flavio Dino, nem o CIDADANIA, da senadora Eliziane Gama, e sim o PL do deputado federal Josimar do Maranhãozinho.

Nesse cenário, para assegurar a vitória de Carlos Brandão, seu vice e fiel escudeiro, além de contribuir para que o seu PCdoB possa superar a cláusula de barreira (feito que não conseguiu lograr em 2018) é bem provável que o governador Flávio Dino dispute uma vaga de deputado federal e apoie, em 2022, para Senador, o atual deputado do PL, Josimar do Maranhãozinho.

Candidato a deputado federal, Dino poderá ter uma imensa votação que viabilize a reeleição dos atuais deputados do PCdoB, Marcio Jerry e Rubem Jr., além de eleger os seus secretários mais próximos, já anunciados candidatos, Carlos Lula, Clayton Noleto e Jeferson Portela

Triste legado, após oito anos de mandato, de um governo que se anunciou capaz de iniciar nova era de desenvolvimento econômico e de superar as terríveis desigualdades sociais no pobre Estado do Maranhão.

Haroldo Sabóia

0

“Flávio Dino levou ‘taca’ nas eleições no Maranhão”, diz Edilázio

O deputado federal Edilázio Júnior (PSD) avaliou hoje, em pronunciamento na Câmara Federal, como vexatório o desempenho do governador Flávio Dino (PCdoB) – enquanto líder de um grupo político -, nas eleições municipais do Maranhão.

O parlamentar lembrou que em 4 dos 5 maiores colégios eleitorais do estado – aí incluída a capital, São Luís, o governador não obteve êxito com os seus candidatos a prefeito. Para Edilázio, Dino saiu menor destas eleições.

“Venho aqui destacar as derrotas do Partido Comunista do Brasil no estado do Maranhão. O governador Flávio Dino saiu pequeno das eleições deste mês de novembro. Flávio Dino perdeu em quatro das cinco maiores colégios eleitorais do nosso estado”, disse.

E completou: “Ele perdeu em São Luís. No primeiro turno o candidato dele [Rubens Júnior], teve míseros 10% dos votos. No segundo turno o governador apareceu na televisão mais do que o próprio candidato [Duarte Júnior] e coagiu funcionários e secretários para que trabalhassem pelo candidato, rachou o grupo dele e ainda assim entrou na taca onde a ‘Ilha Rebelde’ mostrou mais uma vez que não aceita cabresto”.

Edilázio lembrou que além de São Luís, Dino perdeu a eleicao em Imperatriz, em Caxias e em São José de Ribamar. “E a única cidade dos 5 maiores polos em que ele se saiu vitorioso foi no município de Timon, onde ele obteve apenas 40% dos votos. Ou seja, 60% dos munícipes de Timon também disse não à gestão comunista e aos aliados do governo comunista”, completou.

Edilázio ainda enfatizou, antes de concluir o seu pronunciamento, que Dino acumulou outras duas derrotas significativas no Maranhão: Lago da Pedra, que tem como prefeita eleita Maura Jorge e São Pedro dos Crentes, onde o prefeito reeleito Lahesio Bonfim obteve mais de 90% dos votos válidos, com a maior votação proporcional do Maranhão. Os dois combatem o comunismo no Maranhão de forma expressiva.

Ele também enfatizou que em 2016 o PCdoB encerrou o pleito com 45 prefeitos eleitos. Em 2020 esse número baixou para 22, a maioria em municípios pequenos.

“Em 2020 o Maranhão já mostrou que não quer mais esse tipo de governo, que coage, que persegue que usa a polícia de forma opressiva. O governador sai pequeno, se vende como um grande líder nacional, mas lá no seu quintal pegou taca de cabo a rabo no estado do Maranhão”, finalizou.

0

Com apoio de Paulo Victor, Osmar inviabiliza oposição na Câmara

Articulação do vereador pedetista – que teve a participação  da base do prefeito eleito Eduardo Braide – impediu que aliados do deputado Josimar de Maranhãozinho e do vice-governador Carlos Brandão criassem corpo para uma disputa que poderia levar a novo racha no governo Flávio Dino

 

Paulo Victor fechou com Osmar em nome da continuação da aliança capitaneada pelo Governo Flávio Dino

Com extrema habilidade – fortalecida pela articulação que garantiu o apoio do PDT ao prefeito eleito Eduardo Braide (Podemos) – o vereador Osmar Filho (PDT) construiu, em menos de uma semana após o resultado das urnas a sua reeleição à presidência da Câmara Municipal.

Coma  adesão nesta quarta-feria, 2, do vereador Paulo Victor (PCdoB), Osmar inviabilizou qualquer tentativa de oposição à sua recondução ao cargo.

Victor vinha sendo insuflado por aliados do vice-governador Carlos Brandão e do deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) a reunir um grupo governista capaz de peitar a candidatura de Osmar Filho.

A articulação foi desautorizada pelo governador Flávio Dino (PCdoB), que sofreu forte desgaste com a derrota no segundo turno.

O apoio da  base de Bradei a Osmar Filho faz parte dos desdobramentos do apoio do PDT, que pode resultar, inclusive, em aliança em 2022.

Mas esta é uma outra história…

10

Preservada da disputa em 2020, Eliziane aponta para 2022

Senadora maranhense até apoiou candidatos nas eleições de São Luís, mas ficou longe da guerra fratricida e do desgaste na base do governo Flávio Dino; e sempre bem avaliada nas pesquisas de intenção de votos, também é nome para a sucessão

 

Eliziane Gama pouco se envolveu na disputa em São Luís, apesar de apoiar dois candidatos; e tem recall eleitoral em pesquisas para estar no debate pela sucessão de Flávio Dino

Política com forte viés espiritual, a senadora Eliziane Gama (Cidadania) parece ter sido protegida do desgaste nas eleições de 2020.

Embora também tenha apoiado os candidatos Rubens Pereira Júnior (PCdoB) e Duarte Júnior (Republicanos), Eliziane acabou preservada do ônus da dupla derrota, que pesou apenas nos ombros do governador Flávio Dino (PCdoB) e de seu vice, Carlos Brandão (Republicanos).

Sempre bem avaliada em pesquisas de intenção de votos – em algumas ela aparece em primeiro lugar – Eliziane agora caminha para a sucessão de Flávio Dino.

E pode, inclusive, ser beneficiada com a guerra fratricida na base.

Para isso, basta estar mais efetiva no debate político.

E fortalecer politicamente seu partido, o Cidadania…

5

Futuro de Carlos Brandão pode ser no TCE…

Se não conseguir superar o senador Weverton Rocha nas pesquisas de intenção de votos, vice-governador pode ter como garantia pós-mandato em 2022, uma vaga de conselheiro, solução vista por Flávio Dino como ideal para diminuir a tensão na base

 

Weverton e Brandão são os candidatos da base de Flávio Dino, que quer apenas um candidato no grupo; resultado: o vice pode ir para o TCE

Uma das saídas buscadas pelo governador Flávio Dino (PCdoB) para evitar o aumento da tensão em sua base, é ter apenas um candidato do grupo a governador, corrigindo o erro de 2020, em que diversos candidatos se engalfinharam no mesmo grupo, acirrando os ânimos, sobretudo entre o senador Weverton Rocha e o vice-governador Carlos Brandão (PRB).

Nesta terça-feira, 2, o governador reuniu a base e revelou a intenção de arrefecer os ânimos entre Brandão e Weverton. Entre as propostas, ter apenas um candidato a governador em 2022 apoiado pelo Palácio dos Leões. 

Coincidentemente, no dia anterior, o blog Marco Aurélio D’Eça havia publicado o post “É hora de Flávio Dino mostrar inteligência…”

Mas o que fazer com Weverton ou Brandão, caso um dos dois não seja o escolhido?

Segundo apurou o blog com alguns dos que estiveram na reunião, a questão passa por uma vaga no Tribunal de Contas do Estado. E neste caso, a questão passa, então, pelo próprio Brandão.

Dino quer convencer o vice-governador a aceitar a vaga no TCE e garantir o apoio a Weverton, que aparece mais bem posicionado nas pesquisas.

Ainda segundo apurou o blog, o próprio Brandão já teria aceitado a ideia, desde que permaneça os nove meses como governador, em 2022, assumindo a vaga logo depois de deixar o cargo. Nesse caso, levando em conta a vitória do grupo, seria nomeado pelo próprio Weverton Rocha.

O plano só daria errado se o grupo de Dino perdesse a eleição; mas, para isso, seria necessário o surgimento de um candidato de peso na oposição, o que não se vislumbra no horizonte a curto e médio prazo.

Até por que, diante das articulações de 2020, é provável que o próprio prefeito eleito Eduardo Braide (Podemos) esteja na articulação envolvendo o PDT em 2022.

Mas esta é uma outra história…

1

Aliados de Brandão e Josimar forçam novo racha na base de Flávio Dino

Câmara Municipal e Famem elegem sua diretoria em janeiro – o que tem vinculação direta com as eleições de 2022 – razão pela qual secretários, aliados e jornalistas ressentidos com a derrota em São Luís querem forçar o governador a quebrar novas lanças contra o grupo que apoiou Eduardo Braide

 

Weverton apoia tanto Osmar Filho, na Câmara, quanto Erlânio Xavier, a Famem, o que incomoda aliados do vice-governador Carlos Brandão e do deputado federal Josimar de Maranhãozinho

A nova postura de conciliação do governador Flávio Dino (PCdoB) vai enfrentar desafios em janeiro, quando a Câmara Municipal de São Luís e a Federação dos Municípios (Famem) vão eleger seu comando.

Até agora, o vereador Osmar Filho (PDT) na Câmara Municipal, e Erlânio Xavier (PDT), na Famem, caminham como favoritos em suas respectivas instâncias de poder,

Mas os aliados diretos do vice-governador Carlos Brandão (PRB) e do deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL), ressentidos pela derrota de Duarte Júnior (Republicanos) querem insuflar disputa, o que pode gerar novo racha na base de Flávio Dino

Na Câmara, por exemplo, tentam insuflar vereadores do PCdoB e dos partidos ligados a Josimar de Maranhãozinho (PL) a formar resistência contra a reeleição de Osmar Filho (PDT), que já tem maioria consolidada, com apoio, inclusive, da base do prefeito eleito Eduardo Braide (Podemos).

O motivo principal da “tentativa de vingança” é a ligação de Osmar e Erlânio com o senador Weverton Rocha (PDT), líder do grupo que decidiu apoiar Braide – e adversário de Brandão e Josimar na corrida pela sucessão de Flávio Dino.

O governador já avisou aos aliados que não pretende esticar a corda com a parte do grupo que decidiu apoiar Braide (Podemos); para ele, o melhor é que essas próximas disputas sejam decididas interna corporis, sem influencia do governo.

Até por que, se resolver quebrar novas lanças, o comunista corre sério risco de novas derrotas.

Além de consolidar o esfacelamento da própria base para as eleições de 2022…