0

Em entrevista à Rede Vida, deputado Hildo Rocha avalia o “recado das urnas”

O deputado federal Hildo Rocha disse que alguns partidos não conseguiram perceber os verdadeiros anseios da sociedade. De acordo com o parlamentar as urnas confirmaram o crescimento da onda anticorrupção, algo que a sociedade já vinha sinalizando há muito tempo.

“O crescimento do PSL, partido do candidato Jair Bolsonaro, que disputa o segundo turno com o petista Fernando Haddad, é a maior prova de que a população decidiu banir os desonestos. Muitos políticos vistos como corruptos foram derrotados. Qual é a bandeira do PSL? É combate à corrupção, ou seja, o partido defende um tema que a sociedade colocou como prioritário. Portanto, uma das mensagens que podemos extrair dar urnas é a seguinte: os partidos tem que se adequar à realidade, é preciso fazer a defesa daquilo que o povo está querendo”, destacou o parlamentar em entrevista ao Programa Frente a Frente, da Rede Vida de Televisão, emissora integrante da rede de comunicação da comunidade católica do Brasil.

Para reforçar a sua tese, Hildo Rocha citou o exemplo do MDB, partido ao qual é filiado. “O meu partido ainda defende bandeiras que só tinham sentido na época da ditadura. Isso está explicito até no nome da agremiação: Movimento Democrático Brasileiro. A questão é que a democracia está consolidada. Hoje o que as pessoas querem, além da democracia, é desenvolvimento,  empregos, segurança. Então, nós temos que passar a defender bandeiras referentes aos temas que mais afetam a população na atualidade”, argumentou o deputado.

A mensagem essencial extraída das urnas

Hildo Rocha ressaltou que o descontentamento da população em relação às reformas ficou cristalino. “Boa parte da população não aceitou  a forma como alguns deputados se comportaram com relação às reformas. Logo, podemos deduzir  a gente tem que aprimorar o diálogo com a população”, observou o parlamentar.

Renovação e perspectivas

Ao comentar sobre o índice de renovação do parlamento, o deputado demonstrou cautela. “A população escolheu dizendo o seguinte: “O velho, o antigo, não serve mais. Vamos eleger novos representantes. Assim foi feito. A maioria dos eleitos é completamente inexperiente no exercício de cargos públicos. Na próxima legislatura teremos até a bancada do Huck (apresentador de televisão que elegeu vários deputados federais). Vamos ver o que essa bancada irá produzir. A esperança é que não decepcionem a população”, disse Hildo Rocha.

O papel do congresso na pacificação da política

O deputado destacou que os novos congressistas, que assumirão em fevereiro do próximo ano, terão que se esforçar para apaziguar a guerra política e ideológica que hoje predomina no parlamento e na sociedade. “A paz política passa, obviamente, pelo Congresso Nacional. Nessa tarefa, caberá ao novo presidente fazer um chamamento para que possamos tranquilizar a população. Esse clima de guerra que hora vivenciamos não pode continuar”, declarou.

Democracia ameaçada?

Hildo Rocha foi taxativo ao afirmar que não vê riscos em relação à democracia. “Não acredito que possa haver o rompimento do status democrático atual, os dois candidatos que passaram para o segundo turno não representam ameaça ao nosso sistema de governo”, disse Hildo Rocha.

Como será o novo governo?

Hildo Rocha disse que teme um novo governo impopular logo no primeiro ano, pois a falta de aprofundamento dos debates acerca de temas relevantes, como a reforma da previdência, gera obscuridade acerca do próximo governo.

“Os candidatos estão calados, não falam nada sobre esse tema e outros assuntos relevantes, quando falam é de forma vaga, isso pode gerar frustrações na população quando o eleito tiver que colocar em prática as suas ações pertinentes a essa questão. Um terceiro governo impopular consecutivo pode trazer sérias consequências para o nosso país”, advertiu o deputado.

Grupo Sarney

Hildo Rocha foi questionado sobre o desempenho dos candidatos ligados ao grupo Sarney.

“Nosso grupo não se saiu bem, o resultado foi devastador para nós. Dos 18 deputados federais elegemos apenas quatro; para a Assembleia  Legislativa, apenas cinco. O governador Flávio Dino conseguiu eleger os dois senadores e tem a maioria dos deputados estaduais e federais. Saiu muito fortalecido dessas eleições”, disse o deputado.

0

A acirrada disputa na OAB-MA…

Fracasso da atual gestão, rachas e campanha midiática abrem a temporada de guerra pelo comando da entidade no Maranhão, que ocorrerá em novembro

 

Cinco candidatos devem disputar a eleição para o comando da seccional maranhense da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MA). São eles: Thiago Diaz, Pedro Alencar, Sâmara Braúna, Mozart Baldez e Carlos Brissac.

A disputa é marcada em boa medida pelo fracasso da atual gestão, comandada por Thiago Diaz.

Apoiado na última eleições por um grupo que pregava a renovação na Ordem, Diaz venceu o grupo do advogado Mário Macieira, ligado ao governo Flávio Dino (PCdoB).

Mas Diaz perdeu a maior parte de seu apoio já no primeiro ano de sua gestão; agora, tenta juntar os cacos, mas enfrenta a resistência do seu próprio vice, Pedro Alencar, que também pretende concorrer.

Por enquanto, a campanha se resume às redes sociais, com uma forte movimentação do advogado Mozart Baldez, que mobiliza advogados em todo o Maranhão.

A eleição na OAB está marcada para o dia 23 de novembro…

0

Zé Inácio prestigia Romaria de Nossa Senhora Aparecida…

Ao lado de Vete Botelho, Zé Inácio posa em frente à imagem santa

O Deputado Estadual Zé Inácio prestigiou a 13ª edição da Romaria de Nossa Senhora Aparecida, hoje (12), em Itinga do Maranhão, acompanhado da sua esposa e ex-Prefeita do município, Vete Botelho.

A Romaria teve início às 2h da manhã na Igreja Bom Jesus, localizada na sede do município, e seguiu em cortejo para o povoado do Cajuapara, que fica a 16km da sede.

O evento religioso, que é liderado pela Comunidade Católica, já é uma tradição em Itinga do Maranhão, e contou com um número significativo de fiéis de Itinga e de cidades vizinhas que acompanharam o cortejo e a imagem de Nossa Senhora Aparecida.

Zé Inácio destacou a importância de valorizar as tradições religiosas.

“É muito importante apoiar e prestigiar as tradições religiosas, pois elas representam a identidade do nosso povo, a fé que nos move para lutar por um mundo melhor. É um momento de agradecer e interceder por nossos familiares, amigos e pelo nosso país”, afirmou o parlamentar.

0

Fábio Câmara consolida espaço em São Luís…

Garantindo a primeira suplência de deputado estadual pelo PSL, ex-vereador foi o oitavo mais votado em São Luís e  reafirma projeto de concorrer novamente à Prefeitura da capital maranhense

 

Ex-vereador de São Luís e ex-candidato a prefeito, o candidato a deputado estadual Fábio Câmara (PSL) alcançou nas eleições do último domingo um patamar para consolidar seu espaço político na capital maranhense.

– Fui o oitavo mais votado em São Luís entre os deputados estaduais, mesmo sem a estrutura exibida por muitos. Consolidei minha liderança na capital maranhense e pretendo ampliá-la em 2020 – afirmou o candidato, que pretende disputar novamente a Prefeitura de São Luís.

Com 14.838 votos totais, Câmara obteve 10.520 votos em São Luís.

Para efeito de comparação, ficou à frente de vários atuais vereadores que foram candidatos e de vários deputados e ex-deputados que concorreram também com base na capital.

Fábio Câmara se define para 2020 como único representante da oposição na disputa, ao lado do deputado estadual Wellington do Curso (PSDB).

Neste campo ele não inclui nem mesmo o mais votado de São Luís, Eduardo Braide (PMN), que vê como um alinhado discreto ao governo Flávio Dino (PCdoB).

– Me consolidei na oposição. E é assim que disputaremos, apenas eu e Wellington neste campo – diz.

0

De como Flávio Dino aposta na vitória de Bolsonaro…

Reeleito governador e prestes a deixar o nanico PCdoB, comunista maranhense acredita que, com a derrota do PT, emergirá como referência da esquerda no embate com um governo de extrema direita que se desenha fascista e incompetente

 

Flávio Dino sabe que pode ser catapultado á liderança de oposição em um eventual governo Bolsonaro

É óbvio que o governador Flávio Dino (PCdoB) jamais votaria no presidenciável Jair Bolsonaro (PSL).

Mas o comunista maranhense torce, em suas entrelinhas políticas, pela vitória de Bolsonaro.

Seus gestos no primeiro e no segundo turnos apontam para isso; ele simplesmente ignorou a campanha de Fernando Haddad (PT) no primeiro turno e jogou flores em eleitores de Bolsonaro que, no fim das contas, também votaram nele. (Entenda aqui)

E neste segundo turno, Dino segue fazendo o contraponto midiático ao candidato do PSL sem, no entanto, mover uma palha pela campanha de Haddad.

E há uma razão política para a postura de Flávio Dino.

O comunista maranhense sabe que, com a derrota de Haddad e do PT, com o naufrágio do PSDB e com o isolamento de Ciro Gomes em seu PDT, será ele, Dino, a principal referência de oposição ao eventual governo bolsomínion.

Pouco importa os resultados disto para o Maranhão.

Quanto mais se indispor com o futuro governo, mais Flávio Dino se transformará em referência nacional, sobretudo diante de um cenário em que Lula continue preso e inelegível.

Para viabilizar este projeto, o comunista deverá deixar sua legenda nos primeiros meses após as eleições – seja antes ou depois da posse dos eleitos.

Buscará uma legenda mais adequada ao seu projeto nacional, que pode ser o próprio PT ou mesmo o PDT, partido que estarão na linha de frente da oposição a um futuro governo bolsonarista.

Com dois senadores aliados no Congresso, Dino terá porta vozes para denunciar a eventual perseguição de um governo bolsomínion e garantirá lugar de fala em Brasília para fazer o contraponto.

E aí, quem sabe, em 2022, ele surja como a opção ao capitão encastelado no Palácio do Planalto…

Leia também:

Flávio Dino e Bolsonaro: dois lados da mesma moeda…

Em vídeo, Maura expõe risco do embate Flávio Dino X Bolsonaro…

Marcos Lobo compara “Ele não!” de Bolsonaro à campanha de Flávio Dino…

0

Feirinha São Luís terá programação especial para crianças…

A Feirinha São Luís traz, neste domingo, 14, uma programação especial dedicada às crianças em homenagem ao seu dia, celebrado em 12 de outubro. A Feirinha é um projeto da Prefeitura Municipal e ocorre todos os domingos, na Praça Benedito Leite, das 8h às 15h.

Atividades específicas serão oferecidas ao público infantil como apresentações culturais, brinquedoteca e contação de histórias.

Segundo o secretário Ivaldo Rodrigues, coordenador do evento, o objetivo é atrair o público infantil, oferecendo às crianças e aos pais uma opção de lazer gratuita.

A Feirinha São Luís promove a reocupação do Centro Histórico e tem como uma de suas bandeiras o fortalecimento da agricultura familiar, integrando as políticas públicas para a área implantadas na gestão do prefeito Edivaldo. O evento visa dar oportunidade ao produtor de ter mais um espaço de comercialização dos seus produtos.

Além do viés da agricultura, a Feirinha também tem atraído grande público em razão de agregar cultura, artesanato e gastronomia em um mesmo espaço.

Do blog do Nedilson Machado

 

0

Em artigo, Sarney prega eleições limpas, fala de fraudes e abuso do poder político…

Ex-presidente analisou como atípica a eleição do último domingo, defendeu os princípios da democracia e disse perceber um país dividido, “marcado pelo ódio e pela pregação da divisão de classes”

 

Sarney analisa em artigo resultado das eleições

O ex-presidente José Sarney classificou de “atípica” a eleição do último domingo, 7, em todo o país. Em seu artigo semanal no jornal O EstadoMaranhão, ele lamentou o clima de ódio existente hoje no Brasil, mas disse acreditar que o país possa ressurgir, mesmo contorcido.

– O país vive um caos institucional – como no universo de Einstein, sempre em expansão – os poderes ocupando espaços veloz e autoritariamente, um querendo engolir o outro. Por outro lado, tornou-se um país dividido, marcado pelo ódio e pela pregação da divisão de classes, pela insegurança jurídica – desapareceram a coisa julgada e o direito adquirido -, por leis circunstanciais e casuísticas desintegrando o estado de direito. Nesse clima, com trinta e nove partidos, uma Câmara de Deputados atomizada e o Senado também, sem falar na qualidade da representação, é impossível governar – afirmou.

Sarney lembrou que as eleições são a essência da democracia, mas ressaltou que ela precisa ser limpa, sem interferências que possam manchar seu resultado.

– É por meio dela [da eleição] que o governo democrático se constitui. Por isso tem que ser limpa, sem deformação da interferência do poder político, econômico, militar e da fraude. Até hoje não conseguimos afastar essas ameaças, embora contra elas lute-se sempre – frisou o ex-presidente, sem citar exemplos locais ou nacionais.

Para o ex-presidente, o clima de hoje não se compara ao vivido poor ele próprio, quando assumiu o comando do Brasil pós-ditadura, em meio à morte do presidente eleito e num clima de insegurança pelo risco de votla dos militares ao poder.

– Muito pior vivi eu, em 1985, quando Tancredo morreu e assumi a presidência da República. Mas comandei a transição, deixei a Democracia restaurada e o país andando. Infelizmente, a Constituição de 1988, feita com os olhos no retrovisor, sem ver a sociedade do futuro, tornou o país ingovernável, e um anarcopopulismo levou-nos ao caos que atravessamos – analisou José Sarney.

Abaixo, a íntegra do seu artigo:

De Péricles às batatas

Ao discursar nas Nações Unidas, em 1989, tive a oportunidade de afirmar que “o caminho do desenvolvimento passa pela democracia”. A definição mais simples e mais antiga dela é a grega, cujos princípios básicos estão no discurso de Péricles, grande general e orador, aos mortos na guerra do Peloponeso, entre Atenas e Esparta.

Ali ele define democracia pela junção de duas palavras gregas: governo do povo. E define a obediência às leis (estado de direito, que James Harrington, citando Aristóteles, sintetizou, milênios depois, como governo das leis e não dos homens); igualdade de todos; democracia representativa, isto é, não ser o governo de um só homem, mas de muitos, sempre escolhidos pelo povo etc. Lincoln, na beleza com que escrevia, aprimorou sua definição para: Governo do povo, pelo povo e para o povo; já Churchill, com cruel realismo, disse: É a pior forma de governo, exceto todas as outras.

Esta introdução é para dizer que as eleições são a essência da democracia. É por meio dela que o governo democrático se constitui. Por isso tem que ser limpa, sem deformação da interferência do poder político, econômico, militar e da fraude. Até hoje não conseguimos afastar essas ameaças, embora contra elas lute-se sempre.

Tivemos uma eleição atípica no último dia 7. E o resultado também foi assim. O país vive um caos institucional – como no universo de Einstein, sempre em expansão, os poderes ocupando espaços veloz e autoritariamente, um querendo engolir o outro. Por outro lado, tornou-se um país dividido, marcado pelo ódio e pela pregação da divisão de classes, pela insegurança jurídica – desapareceram a coisa julgada e o direito adquirido -, por leis circunstanciais e casuísticas desintegrando o estado de direito. Nesse clima, com trinta e nove partidos, uma Câmara de Deputados atomizada e o Senado também, sem falar na qualidade da representação, é impossível governar.

Mas fico feliz, pois, esquecendo tudo isso, sei que o país vai superar suas septicemias e vamos viver um Brasil que se contorce, mas que vai ressurgir.

Muito pior vivi eu, em 1985, quando Tancredo morreu e assumi a presidência da República. Mas comandei a transição, deixei a Democracia restaurada e o país andando. Infelizmente, a Constituição de 1988, feita com os olhos no retrovisor, sem ver a sociedade do futuro, tornou o país ingovernável, e um anarcopopulismo levou-nos ao caos que atravessamos.

Como dizia Machado de Assis: aos vencedores as batatas. Mas que tenham sorte. São meus votos.

0

Segundo turno no Maranhão será nos tribunais…

Já declarado inelegível em ação de primeira instância, por abuso de poder nas eleições de 2016, governador Flávio Dino verá este e outros processos tramitarem na Justiça Eleitoral até chegar ao TSE, onde o comunista pode ter a cassação confirmada

 

Flávio Dino assumirá mandato de reeleição com uma série de problemas a perturbar-lhe o sono na Justiça Eleitoral

A eleição do governador Flávio Dino (PCdoB), em primeiro turno, com quase 60% dos votos, não encerrou o processo eleitoral de 2018 no Maranhão.

O comunista vai conviver com pelo menos dois processos tramitando na Justiça Eleitoral e que podem resultar na sua inelegibilidade e até na cassação do seu mandato.

O primeiro processo, no qual Dino já foi condenado e declarado inelegível, em primeira instância, é de 2016 e chegará agora ao Tribunal Regional Eleitoral, que pode confirmar ou não a sentença da juíza Anelise Nogueira Reginato, de Coroatá.

Qualquer que seja o resultado no TRE levará o caso ao Tribunal Superior Eleitoral, em Brasília, que dará a palavra final sobre a inelegibilidade do governador.

A outra ação pode resultar na cassação de toda a chapa de Dino nestas eleições.

O processo – uma Ação de Investigação Judicial Eleitoral (AIJE) – ainda está em fase de análise na Procuradoria Regional Eleitoral, mas caminha também diretamente no TRE.

São inúmeras denúncias de abuso de poder econômico em várias frentes, todas praticadas, segundo os autores, já nesta campanha de reeleição de Flávio Dino.

Esse caso também chegará fatalmente ao TSE, que também decidirá sobre os direitos políticos do governador e sobre a legalidade ou não de sua reeleição.

Portanto, serão quatro anos de expectativa sobre o futuro político do governador.

E a resposta virá; mais cedo ou mais tarde…

0

Desenho de São Luís 2020 já começa a ser esboçado…

Além do deputado Eduardo Braide, que sai do pleito de 2018 como favorito para a disputa, a eleição na capital maranhense deve ter outros atores, muitos dos quais sequer participaram deste processo encerrado domingo,7

 

Eduardo Braide, Wellington e Yglésio têm disposição para o debate municipal

Não há dúvidas de que o deputado Eduardo Braide (PMN), com seus mais de 131 mil votos em São Luís, inicia o ciclo eleitoral de 2020 como favorito à sucessão do prefeito Edivaldo Júnior (PDT).

E isto já poderá ser medido nas primeiras pesquisas sobre o pleito.

Mas, além de Braide, outros atores se movimentam para chegar bem em 2020. Alguns deles tiveram participação ativa no processo eleitoral que se findou – como os deputados federais eleitos Bira do Pindaré (PSB) e Pedro Lucas Fernandes (PTB), e os estaduais Wellington do Curso (PSDB), Duarte Júnior (PCdoB), Neto Evangelista (DEM) e Yglésio Moises (PDT).

Neto Evangelista e Pedro Lucas também aparecem cotados para 2020

E há outros atores que sequer tiveram na linha de frente da campanha de 2018.

No governo Flávio Dino, cita-se nos bastidores o nome do secretário de Educação Felipe Camarão (DEM), um dos preferidos do próprio Dino.

Já na gestão de Edivaldo Júnior (PDT) aparece cotado o secretário de Saúde, Lula Fylho, um dos mais próximos do prefeito, e o próprio atual vice, Júlio Pinheiro (PCdoB).

Astro de Ogum atuou fortemente nestas eleições e também figura como opção para 2020

E na lista incluem-se também o presidente da Câmara Municipal, Astro de Ogum (PR), que teve forte atuação nos bastidores da atual campanha, conseguindo favorecer a eleição de todos os seus candidatos.

Faltam ainda exatos dois anos para as eleições municipais, mas é este o esboço do desenho eleitoral hoje.

E nem lista de avaliação poderá ser feita sem incluir estes nomes…

0

Aluisio Mendes é um dos dez deputados com melhor desempenho nas eleições no Brasil

Aluisio recebe o carinho de eleitora durante sua campanha

O deputado federal pelo Podemos, Aluisio Mendes, é um dos dez parlamentares reeleitos para mais quatro anos de mandato com melhor desempenho em votação nas eleições deste ano no país.

Levantamento do portal G1 aponta que Mendes registrou um acréscimo de 108,8% no percentual de votos, em comparação com o pleito de 2014. Na eleição mais recente, Aluisio obteve expressiva votação (105.778 votos) contra 50.658 votos catalogados há quatro anos.

Considerando apenas o cenário estadual, Aluisio é o único parlamentar entre os 10 com melhor desempenho na votação, de acordo com o G1. Além disso, Mendes é o único deputado da Região Nordeste na lista seleta feita pelo portal de notícias nacional, com base nos dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

A constatação de que Aluisio Mendes elevou sua votação em apenas quatro  anos reforça a tese de que o parlamentar cumpriu com grande parte dos compromissos firmados com a população. Entre 2014 até este ano, foram várias ações realizadas nas áreas de saúde, segurança pública, infra-estrutura, esporte, previdência e agricultura familiar.

Outro fator que explica o expressivo desempenho foi a capacidade de articulação de Mendes com as lideranças nas cidades maranhenses.

Mendes também foi relator do projeto de lei na Câmara que inclui os guardas municipais entre as instituições de composição da Força Nacional de Segurança Pública. Ele também garantiu o andamento das propostas que dispõem sobre o controle e estoque de explosivos e que inclui a segurança pública na participação dos recursos de exploração do petróleo e gás natural.

Desde 2015, ano inaugural de seu primeiro mandato, Aluisio fez questão de comparecer a várias regiões do estado do Maranhão. Nos últimos três anos, viabilizou emendas que melhoraram a vida da população.  “Este é o meu dever como parlamentar, ou seja, lutar por melhorias para a nossa gente. Como o próprio slogan da nossa campanha enfatizou, nós sempre estamos e estaremos presente com a população, ouvindo reivindicações e viabilizando avanços”, disse.

Mendes também ressaltou que, para os próximos quatro anos, uma das metas será consolidar avanços no serviço de telefonia móvel. Outra meta é ampliar a área de cobertura do serviço da previdência, já que em municípios no Maranhão, a demanda coberta pelo INSS ainda é insuficiente.

“Além destas duas missões, vamos lutar por melhorias na saúde e educação das pessoas”, finalizou.