8

Fracasso de Flávio Dino no combate à miséria expõe também fracasso econômico e político

Governador chega às vésperas de passar o bastão com o humilhante aumento da pobreza no Maranhão, ganha a imagem de implacável cobrador de impostos, mostra-se rachado em relação à própria base e vira refém do vice-governador que assume o cargo em abril

 

Pobreza aumentou no Maranhão em sete anos e já atinge 60% da população, que não tem o que comer, o maior fracasso do governo comuno-socialista que se elegeu com esta bandeira

Ensaio

Faltando apenas cinco meses para entregar o cargo ao vice Carlos Brandão (PSDB), o governador Flávio Dino (PSB) enfrenta a dura realidade da frustração de expectativas em todos os campos de sua gestão.

Ele fracassou em sua principal promessa, o combate à pobreza, e entrega um Maranhão com índices de miseráveis ainda maiores que o recebido em 2015, quando assumiu o governo com a promessa de acabar com a miséria no estado. (Leia mais aqui, aqui e aqui)

Flávio Dino chega ao fim de mandato com a imagem de um implacável cobrador de impostos, com altos reajustes de ICMS, mas, ao mesmo tempo, favorecendo empresas que têm parceria com o seu governo.

Esta forma de ver a economia resultou, inclusive, na quebradeira de setores inteiros, como o de supermercados, o da construção civil e o agronegócio.

Nestes cinco meses que o separam do fim do seu mandato, Dino reforça a imagem de perseguidor daqueles que entendem o debate de ideias como salutar para democracia; incapaz de diálogo, Dino persegue, censura, bloqueia e cancela opositores. (Relembre aqui, aqui, aqui, e aqui)

E o resultado de todos estes aspectos negativos na personalidade do governador é o fracasso também, em sua articulação política.

O líder inconteste de sete anos atrás se transformou numa figura caricata, birrenta, falastrão, que vive às turras com sua base e é refém da estrutura governamental para se eleger senador

O comuno-socialista deve deixar o governo em abril sem base político-partidária, indisposto com aliados de peso, como o senador Weverton Rocha (PDT) , o presidente da Assembleia Othelino Neto (PCdoB) e alguns dos principais prefeitos maranhenses.

E ainda ficará refém de Carlos Brandão, que assumirá o governo com poder de decidir sobre o futuro de sua candidatura ao Senado.

Para alguém que assumiu o mandato como a esperança do povo maranhense e com a certeza de que o estado estava, a partir de então, em mãos de quem sabe o que faz, chegar ao final da gestão com todos estes aspectos, é o fracasso como gestor, como político, como liderança, como cidadão.

E é assim que Flávio Dino encerra o seu ciclo no Maranhão…

Marco Aurélio D'Eça

8 Comments

  1. Flávio Dino é imbatível pq mesmo 60% dos maranhenses passando fome ainda preferiram votar e dar vitória esmagadora em 1° turno

  2. Não tinha como dar certo. Um partideco puxadinho da OCRIM do PT liderado por um megalomaníaco que se acha deus e um pulha de um rato, que encheu o estado de sindicalistas inúteis (pleonasmo vicioso) e militantes aloprados, entre outras porcarias, fez o pior governo que o MA já presenciou. Mas tudo isso era uma tragédia anunciada pelos atores e ideias envolvidos. Só pela formação do secretariado já dava para saber que não ia adiante.
    Lembrando que dinossauro torrou milhões que estão fazendo falta em propagandas enganosas para divulgá-lo nacionalmente e que recebeu um estado enxuto. Agora k brasil está descobrindo a farsa.

  3. Menos meu caro, Marco. O aumento da miséria e da fome é MACRO, o país inteiro está enfrentando tal mazela. Fruto da tal política neoliberal (Guedes). Aqui no MA, a situação agravou-se ? Sim, infelizmente. Contudo é importante ressaltar importantes esforços por parte do executivo estadual. Cito: 60 restaurantes populares, Mais IDH, fortalecimento da agricultura familiar, escolas técnicas estaduais (IEMA´S)

    • Menos babão, bem menos. Se a situação é MACRO, por que só mostraram o MA? Pelo recorde de arrecadação que o estado teve e pelos bilhões que recebeu na pandemia, estas merdas que tu listaste são ações insignificantes perto do apurado e recebido. O governo se limita a entregar cestinhas básicas e assinar OS que nunca saem do papel. Nenhum grande empreendimento ou obra conseguiu executar, torraram milhões indo passear na china para nada, a sorte foi a havan. A prefeitura de Teresina tem mais obras e ações que todo governo do MA.
      E o blogueiro só está mostrando a realidade crua e nua que nenhum puxa-saco de dinóquio tem argumento para refutar.

      • Martinho, que não é o LUTERO, porque é um covarde e não mostra o nome. As tais ações INSIGNIFICANTES que você cita conseguiram ter resultados sim, quando diz que o governo do MA resume-se em entregar cestas básicas, está mentindo, as política públicas da SAF, junto á agricultura familiar, surtiram resultados, visite os 30 municípios atendidos pelo MAIS IDH, agora o que vocês não querem entender é que o resultado e melhora do IDH não é alguns anos, leva algumas décadas, sem falar que em 2017, o IDHM do Maranhão era 0,687. O Estado ocupa o oitavo lugar no ranking das maiores variações positivas de 2016 a 2017 (empatado com Bahia e Pará), a tendência se repete nos índices que compõem o IDHM: longevidade, educação e renda. Foi o oitavo Estado com maior variação na longevidade (2012-2017), o terceiro que mais avançou na educação (2012-2017) e o 16º aumento no indicador de renda (2016-2017). E aí MARTINHO ? Diga algo seu patife !!!

        • Calma santa, a sra. só se baseia em IDHM que nem é oficial e ainda nem saiu o de 2020 até porque não teve censo e dois dos três fatores que está alardeando aí são da época de roseana. Se os números oficias, do governo federal mostram o contrário do IDH e tu ficas focado em detalhes insignificantes, é porque está na busca desesperada por algo de bom neste desgoverno e não encontra. E, se, como tu dizes, o IDH leva décadas, por que dinóquio se baseia nestes dados? O que vale são índices reais/oficiais econômicos e sociais e nestes não tem nada para mostrar.
          Resumindo: é um governinho chifrin, limitado, incompetente, retrógado que só existe nas propagandas da flavética e nas cabeças dos milhares de comissionados inúteis que só servem para fazer o papelão de defender o indefensável com números ridículos.

          • Ela, continua nervosa, e quer desqualificar dados OFICIAIS. No teu caso caberia, exemplos e mais exemplos, contudo mesmo assim, tu desqualifica o debate. O IDH de estado, município e etc. Levam também em consideração a situação e políticas desenvolvidas no PAÍS, insisto é uma questão MACRO. Porém cabe lembrar que o IDH do estado avançou, contudo não o suficiente para subir mais posições. Flávio lançou a “semente” com programas que podem alavancar essa realidade. Tu que procure outro palco pois aqui tu não vai ter plateia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *