10

Música maranhense faz a festa no carnaval de São Luís…

Beto Pereira comanda a festa do Cordão

O carnaval da música maranhense é sucesso de público nos bailes de São Luís.

Enquanto o interior se requebra com o pseudo-forró, praga que assola todos os municípios – e arrasta as piriguetis e pitboys desmiolados – a capital se diverte com o que há de melhor no carnaval.

O cantor Beto Pereira é uma destas pérolas.

Multidão agita nas ruas do centro Histórico e da Madre Deus

Sua levada de guitarra para sucessos como “Maguinha do Sá Viana”, de César Nascimento, e para suas próprias composições, encantou o público nos salões do “Cordão do Ponto Com”, sábado e domingo.

Em seguida, o Bicho Terra e seu som característico, autêntico carnaval de rua, marcado pelas marchinhas bem-humoradas e letras com duplo sentido sem ser vulgar. E ainda tem Alcione Nazaré para completar a festa.

Bandida comanda na Litorânea

Na Avenida Litorânea a festa é da Bandida, com sua jardineira movimentada pelas marhinhas e composições próprias – autêntico carnaval maranhense.

Também passa o GDAN, outro bloco autenticamente maranhense, marcado pelo som do reggae e a ginga dos “regueiros-guerreiros”. Tudo em nome da preservação da festa popular.

E o Bicho faz a festa em todo lugar...

E o circuito Deodoro/Madre Deus completa a festa popular, que valoriza a música maranhenses – onde são feitas as melhores marchinhas – e por sucessos carnavalescos de todos os tempos.

Assim se faz o carnaval e São Luís, um dos melhores do país…

Imagens: Rafael da Hora, Honório Moreira e Geraldo Furtado

Marco Aurélio D'Eça

10 Comments

  1. Me informaram que na litoranea estava tocando os pseudo-forro (eu nao, quero nao, posso nao; liga da justiça, entre outros…)

    resp.: Outra cosia insuportável. Errou o represntante do governo que trouxe uma porcaria descartável destas pra São Luís. é influenciar a alienação do jovem. Quem gosta disso não tem cérebro – nunca leu os clássicos.

  2. Abram as porteiras, PAI FRANCISCO chegou!!!
    Caboclo, muito boa essa tua matéria. Muito boa essa sua observação. È importante que seja inciada uma discussão em torno dessa questão. Realmente, temos presenciado o descompromisso que muitos prefeitos tem com a cultura maranhense. È muito triste sabermos que gestores eleitos pelo povo, que têm a obrigação promover a cultura, sejam tão irresponsáveis, cotratando essas bandas infernais para a realização dessas festas. Seria muito bom se abrissemos esse debate, pois a coisa tá feia no interior do estado. A situação se torna mais grave porque trata-se de dinheiro público. Seria bom se o poeta Bulcão, via secreataria de cultura, encontrasse mecanismo que coibisse essa prática. Talvez condicionando a liberação de verbas estaduais à contratação de cantores maranheses…não sei,mas alguma coisa há de se fazer! Eu desistir, há vários anos, de brincar o carnaval lá no meu municipio natal, justamenete devido essa questão. È horrivel, vc assistir essas bandas, que não tocam nada, lá de um interior da Balhia ou do Ceará, que por lá não teve vez, vir para o Maranhão e aqui deitar e rolar junto a esses desmiloados que só curtem o barulho. Essas bandas não valem nada, são bandas arranjadas nessas épocas, da pereferia desses estados, só para ganharem dinheiro das prefeituras do Maranhão! Aqui, basta dizer que veio da Balhia ou de Ceará que faz sucesso! È muita pobreza! Agora, mais que isso, é bastante suspeito a preferencia dos prefeitos maranhenses por essas bandas! Acho que a coisa vai muito mais além… Penso que a coisa tem a ver também com desvio de verbas públicas do município, pois é mais fácil justificar altos gastos com uma banda de fora, que se diz famosa, mas que na realidade não vale nada, do que com os cantores maranhenses, cujos cachês já são de conhecimento público…
    Ainda bem que temos São Luis! Aqui se ouve coisa boa. A Madre Deus tá o bicho! È musica maranhense de verdade! Que me desculpem meus amigos e familiares do meu querido município, mas Carnaval e São João só em São Luis…pelos mesnos enquanto existirem esses prefeitos nojentos…

    • Meu Caro Pai Francisco,
      Teu texto é facilmente reconhecido. Realmente, o Bulcão deve condicionar a liberação dos recursos às prefeituras desde que elas contratem o Bicho no carnaval e o Boizinho no S. João, pois para o pai francisco esse é o único grupo que faz música no carnaval e s. joão. Ganharia dinheiro com o show e os milhares que estão sendo pagos pelo ECAD. E poderia tambem pagar a Alcione 300 mil para cantar 5 músicas no Baile de Gala.
      Mario

  3. Marcos,
    O Estado precisa disciplinar a liberação de verbas para as prefeituras, condicionando a valorização dos nossos artistas que estão sendo aleijado do processo. Não tenho nada contra quem vem de fora ganhar honestamente o seu dinheiro em nosso Estado trabalhando, divulgando e apresentando a sua criação artística.
    Não podemos deixar de valorizar os nossos artistas que produzem um belo trabalho e não é divulgado da forma como deveria pelas redes de comunicações do nosso Estado e muito menos pelos empresários do entretenimento que preferem divulgar trabalhos de outras paragens, quase e sempre de péssima qualidade e gosto duvidoso, quando não muito até atentatório contra os bons costumes e os valores morais, onde a temática é a apologia às drogas, à atitudes que atentam contra a dignidade da pessoa incitando as vulgaridades e em muitos casos até a prostituição coisa que muito tem se combatido, mais sempre sem os efeitos e os resultados que se espera serem atingidos.
    O Mestre JOÃO CHIADOR faz uma denúncia desse descaso das autoridades com a nossa cultura e com os nossos artistas quando diz em uma de suas belas toadas: “meu folclore popular nunca foi agraciado, nem olhado com respeito, parece que não tem valor, querem atrair turistas copiando coisa alheia… a vida é mesmo assim, não liga rapaziada, água corre é para o rio, prata de casa é furada…”.
    A Assembleia não pode assistir a tudo isso sem tomar uma providência, já passou da hora de se apresentar um projeto de lei que discipline a aplicação de dinheiro públicos nas manifestações culturais do nosso Estado e contribuir para valorizar o que produzimos, que por falta de oportunidade não é visto e muito menos tomado conhecimento pelos nossos estudantes, jovens e pessoas da nossa Terra.
    Faz muito bem quando traz à tona esse assunto que é do interesse de todos e vital para a sobrevivência das nossas manifestações e dos nossos artistas que estão hoje sem espaços para apresentar os seus trabalhos e garantir a sobrevivência.

    • PARABENS PARA CULTURA POPULAR, VIVA JOÃO CHIADOR E TODOS OS BOIEIROS DO MARANHÃO.

  4. a a unica musica do ma q existe é a bancada pelos cofres da secretaria de cultura e mesmo assim nao presta… lixo

    Resp.: Para o seu nível é mesmo…

  5. É ISSO AI MARCO D’EÇA, TEMOS QUE VALORIZAR NOSSA MULTICULTURA, NOSSOS MÚSICOS E TRADIÇÕES. MAIS DEIXE DE IMPLICAR COM ESSES FORROZEIROS QUE PRECISAM TAMBÉM DE UM LUGAR AO SOL.POR QUE TÚ NÃO IMPLICA TAMBÉM COM ESSES CHORÕES PAGODEIROS? AH!! AH!!!

    resp.: felizmente, os pagodeiros chorões estão fora do carnaval. A implicância com o pseudo-forró é pelo fato de ter invadido, como praga, o carnaval do interior. E o que diabos tem a ver este tipod e música com carnaval?

    • Só no Maranhão vcs chamam a Alcione de Alcione Nazaré.
      Pra nós do sudeste Alcione só existe uma: a marrom.

      resp.; mas você, como se auto-define, é um mentecapto. Nós não!

  6. É isso aí, Marco!
    Enquanto muitos prefeitos do interior estimulam o processo de “burritização” das massas, com a importação das “calcinhas meladas” da vida, São Luís caminha em sentido oposto: a valorização da nossa rica tradição carnavalesca. Este ano preferi ficar em São Luís e brincar um carnaval genuíno, autenticamente maranhense. Afinal de contas, apesar de as vezes me sentir um ET, teimo em não deixar que transformem meus ouvidos em penico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *