8

O Abba e a eterna loucura dos anos 80…

O Abba em sua formação original: clássico dos anos 70

O grupo sueco Abba surgiu em 1966, mas sua força mundial é mais característica do final dos anos 70 e início dos anos 80.

Era o final da Era Disco e começo da revolução musical que perpassou toda a década de 80, dominada pela poderosa cena musical inglesa e suas bandas melancólicas – que influenciaram grupos de todo o mundo.

Os anos 80 ainda dominam a cena musical mundial

Foi nesta época que alcançaram grande sucesso bandas como New Order, The Smiths The Cure – todas surgidas a partir das lendárias Joy Division e Depeche Mode.

 Mas o Abba também dividia espaço com eles. Até o final dos 80, a banda sueca – cuja sigla é formada pelas iniciais dos nomes do seus integrantes – se manteve como sucesso das chamadas danceterias – sobretudo com Dancing Queen e a belíssima The Winner Takes It Hall – convivendo perfeitamente com bandas mais atuais, como Erasure, Information Society e Pet Shop Boys.

A Era Disco, eternizada por Jonh Travolta e ainda hoje revisitada

Os anos 90, que carecem de criatividade musical, acabou se transformando numa extensão da década oitentista – período em que prevaleceram a baixa qualidade da melodia e o baixo nível das letras do forró eletrônico e do pagode sem razão.

Nesta época, o balanço dos anos 70 e 80 passa a ser considerado brega, trash, kistch

Abba resurge  com força a partir de meados dos anos 2000,  agora cult, como sequência flashback das pistas de dança, ao lado dos clássicos de Tina Charles, Bee Gees, Glória Gaynor, Donna Summer e até as mais recentes, como Cindy Lauper e Madonna. 

Hoje não há qualquer tipo de festa – casamento, aniversário, batizados, balada ou mesmo reunião de amigos – que não inclua no repertório os clássicos da banda sueco, misturados aos hits dos anos 80 e até sucessos brega, como Signey Magal, Dominó e Gretchen.

Esta é a força da representatividade do Abba, homenageado daqui a pouco no Centro Histórico.

Emoção que só quem viveu os loucos anos 80 pode descrever…

Marco Aurélio D'Eça

8 Comments

  1. “A nossa vida se resume em viver e aproveitar tudo de bom que a vida nos oferece, então vivamos, e deixemos viver.
    Porque vivendo é que aprendemos a morrer com dignidade(aqueles que querem), ou então
    deixem morrer na ignorância àqueles que não querem ou não sabem como viver, e que por medo de serem chamados de “bregas”, não aproveitam o que realmente está dentro do coração de sí mesmos… O bom gosto, o respeito, e a dignidade,
    Sábios são os que sabem ouvir, e não só criticar!”

  2. “Eu viví esses anos gloriosos e inexquecíveis, anos que a gente se divertia até o amanhecer sem brigas, sem drogas, namorando muito, e comonão poderia deixar de ser… dançando muito.
    Quem fala que aquelas músicas eram músicas de bicha, é porque são despeitados da própria razão, ou enrrustidos de gostos e prazeres, (gostam, mas não assumem!). Quem viveu, vive até hoje com a eterna lembrança daqueles anos lindos, e suas músicas e ritmos maravilhosos, que sobrevivem até hoje no âmago de nossos corações, ao contrário de hoje, que músicas sem o menor timbre, e com cantores sem a menor noção fazem sucesso, e daquí à dois, no máximo três anos, ninguém se lembra nem do cantor e nem da letra de suas músicas.
    Então meu amigo, pena de vc que não teve o prazer de curtir o abba, porque morrerá sem ter o grandioso prazer de escutar um dos maiores ícones da música mundial!
    Quer mais? Só ouvindo, falou mané?

  3. ESSA BANDAS SÃO SÓ APOLOGIA A BICHARADA DE SÃO LUIS E DO MUNDO E TÚ AINDA VAI DANÇAR ESSAS MUSICAS CAFONAS DO ABBA.

    Resp.; Mil vezes melhor que as porcarias inúteis de Cláudia Leitte, Asa de Água, Aviões do Forró e outras porcarias do gênero.

    • “É isso meu amigo, deixe esse despeitado pra lá, que é dos velhos que elas gostam mais, pois esses aí na verdade não sabem o que é bom, vai ver que ele não gosta nem de mulher!”

  4. Sou fã do ABBA, mas convenhamos, não temos público para esse tipo de espetáculo, mas por que¿ é simples! Somos ausentes de cultura e educação no Estado. Por 50 anos o Estado sofre com a péssima qualidade educacional devido a falta de investimentos dos governos dos Sarney´s, Uma leitura aprofundada (não aquela feita em IES particular) em Adorno pode visualizar melhor esse problema. O público maranhense não esta carente desse tipo de show, mas é por que ele não foi educado para aceita-lo como tal. Fico muito triste, seremos reféns dos shows de forró e axé por muitos e muitos anos, só se, somente se, a tua governadora agora, no final de sua vida politica resolver de uma vez o problema educacional do Estado, o que eu acho difícil. Ela não paga nem os professores substitutos da UEMA no interior, imagine tentar fazer o que não fez em décadas.

    resp.; Pois o show foi maravilhoso. Um espetáculo como nunca visto em São Luís. O público dançou e cantou a noite inteira, com uma estrutura magnifica. Fou um dos mais belos shows da minha vida.

  5. Anos 80! Quem os viveu não esquece. Não gosto de ser saudosista, mas não há como não lembrar daqueles anos. Como esquecer da boate PH 83 (primeiro, na av.guaxenduba, perto da então luzitana, depois, no são francisco), noites ao som de garota dourada (rádio táxi) e de areias escaldantes (lulu santos), da boate apocalypse (no hotel vila rica), da danceteria flashdance (no casino), aos domingos? Quem pode não lembrar do 1º rock in rio (1985), quem esteve lá (eu tive) viu: Queen, Iron Maiden, George Benson, Al Jarreau, The B-52’s, AC/DC (ufa!)? Como foi bom ver o nascimento dos paralamas, barão, blitz, titãs, kid abelha, kiko Zambianchi, rpm, cazuza, nenhum de nós, plebe rude, aborto elétrico, legião (marco, sabe a diferença dessa geração de música para a de hoje? os caras sabiam tocar de verdade. hoje os caras mal tocam um instrumento). Quanta saudade, cara.

  6. ESSE ABBA QUE VEIO PARA SÃO LUIS É DE MENTIRA (COVER), OS ORGANIZADORES DO SHOW FORAM PRESO EM GOIANIA, POR VENDER O SHOW DO ABBA E NA HORA APRESENTAR O ABBA COVER.

    Resp.; Todos os que compraram ingressos – inclusive eu – sabem que se trata de uma homenagem ao Abba original. E é um dos mais belos espetáculos sobre a banda sueca já produzidos no mundo. Portanto, meu caro, não se preocupe: quem vai ao show, vai sabendo do que se trata.

  7. Do ponto de vista da composição e estética musical, o Abba é questionado por muitos. Acho que a banda passava conteúdo, apesar de aparentemente nunca ter tido um sério compromisso com as causas mais polêmicas, de ter se engajado politicamente. Talvez seja por isto que até hoje, eles consigam divertir e embalar festas por todo o mundo.

    Resp.; Exatamente esta a proposta da banda: embalar e divertir festas; Músico engajado é mais chato do que intelectual engajado. Músico é músico. Produz, no máximo, arte, que tranmsforma o mundo. uestões políticas são resolidas por políticos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *