2

O custo da inoperância da prefeitura…

http://2.bp.blogspot.com/-GXzSSpaZgvE/UDI3twbN5yI/AAAAAAAACMA/9AOj8FBL1Zg/s1600/imgBinary.asp.jpg

Quem não quer se atrasar, usa o serviço clandestino dos taxis-lotação

Enquanto Edivaldo Holanda Júnior (PTC) insiste em protelar as exigências do Ministério Público, e reorganização dos sistema, classe média e empresários arcam com os custos da falta de transporte público, gerando um círculo vicioso que pode gerar crise em outros setores da sociedade

O Ministério Público já executou a prefeitura para cumprimento do Termo de Ajustamento de Conduta que obriga à reorganização de todo o sistema de transporte em São Luís.

Mas setores da SMTT ainda falam em adiar a reformulação para 2015 – a mesma que deveria ter sido executada em dezembro de 2013.

http://2.bp.blogspot.com/-d1JYxD3Bt_k/T0lf6h5Iu3I/AAAAAAAAPTo/RYsTz0jz__M/s1600/s%25C3%25A3o%2Bluis.jpg

A expectativa é que os ônibus voltem a circular amanhã (04)

Enquanto Holandinha protela a solução para a crise no transporte, a população paga a conta.

Empresários estão sendo obrigados a arcar com os custos da passagem de seus funcionários – que está girando em torno de R$ 20,00 por pessoa/dia – para poder manter seu negócio em pé.

Empresas como Potiguar, City Lar e Centro Elétrico fretaram ônibus para elevar seus trabalhadores de casa pro trabalho e vice-versa. Outras, como a Extrafarma, faz o transporte de Van.

A falta de ação de Holandinha também atinge a classe média.

Quem mantém empregados domésticos também paga cerca de R$ 25,00 por dia para garantir a arrumação da casa e as refeições.

Todos estes custos geram mais problemas e a empresas e população.

E a conta só tende a aumentar…

Marco Aurélio D'Eça

2 Comments

  1. Nada mais do que a ganância dos empresários que só querem encher seus bolsos ainda mais, isso tudo é culpa de pessoas assim que só querem dinheiro e fazem tudo por dinheiro, nad ame tira da cabeça que tem gente por traz desas greves todas acabar com o prefeito pq ele é a mudança que precisamos.

  2. Um fraco, um sem pulso. E na Prefeitura o povo que depende de ônibus não vai trabalhar desde o segundo dia de paralisação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *