4

30 anos de oposição em São Luís; só o governadores fizeram…

Avenida Litorânea: marco do governo Lobão

Avenida Litorânea: marco do governo Lobão

Nos trinta anos em que a oposição  mantém o controle da Prefeitura de São Luís, apenas os governadores ligados ao chamado grupo Sarney realizaram obras importantes para o desenvolvimento urbano da capital maranhense.

Quando iniciou o primeiro mandato oposicionista em São Luís, em 1985, a prefeita Gardênia Gonçalves (PDS) tinha como governador Epitácio Cafeteira (1986/1990). Cafeteria construiu o Viaduto do Outeiro da Cruz, duplicou a avenida dos Africanos e a avenida dos Holandeses, recuperou todo o Centro Histórico e fez o Aterro do Bacanga.

Em 1989, assumiu em São Luís o pedetista Jackson Lago. E nada de obra.

Em 1990, o sarneysista João Alberto assumiu por nove meses o governo: recuperou os canais da Macaúba, do Retiro Natal e da Raimundo Corrêa. E fortaleceu a segurança pública na capital, com a valorização da polícias e ações contra a crescente indústria de invasões.

Jackson Lago ficou no mandato até 1992, quando conseguiu eleger Conceição Andrade (PSB).

E ambos viram o governador Edison Lobão (1990/1994) construir a Avenida Litorânea, duplicar as Avenidas Carlos Cunha e dos Holandeses, prolongando até o Araçagy.

Lagoada Jansén, um dos muitos cartões-postais construídos por Roseana

Lagoada Jansén, um dos muitos cartões-postais construídos por Roseana

Roseana Sarney assumiu o governo em 1995 e ficou até abril de 2002. Em seu mandato, ela conviveu com os prefeitos Conceição, Jackson e parte do mandato de Tadeu Palácio (PDT e PP).

Não há na história maranhense um período de tantas construções em São Luís como no período roseanista.

Ela construiu os viadutos do Calhau, da Cohama, da Cohab e parte do Alcione Nazaré. Transformou a Lagoa da Jansén em cartão postal, investiu no Centro histórico, fez a avenida Ferreira Gullar, a Luis Eduardo Magalhães e a Estrada da Maioba. Também modernizou a Litorânea, duplicou a Estrada do Araçagy e  o trecho da BR-135 da Guajajara até o Estreito dos Mosquitos. Além disso, urbanizou vários bairros, com a construção das praças de Esportes e Lazer chamadas “Vivas”.

A partir de 2002 assumiu José Reinaldo Tavares (primeiro no PFL; depois no PSB).

No início, Tavares apenas concluiu obras deixadas por Roseana. Mas a partir de 2004, passou a usar o mesmo discurso oposicionista, trocando a realização de obras pelos ataques ao grupo Sarney. Seu modelo foi seguido por Jackson Lago, a partir de 2007, mesmo quando se tinha a oportunidade de ter prefeito e governador trabalhando juntos.

Viaduto construído por Cafeteira; obra cujos efeitos positivos duram até hoje

Viaduto construído por Cafeteira; obra cujos efeitos positivos duram até hoje

São Luís só voltou a ser canteiro de obras novamente a partir de 2009, quando Roseana voltou ao poder.

Neste mandato, que termina este ano, Roseana constrói na capital a avenida do Quarto Centenário e a Via Expressa, que vão desafogar o trânsito no sentido Centro/Bairro.  Também construiu o Espigão da Ponta D’Areia, que acabou com a ameaça das marés na orla marítima e está em fase de urbanização.

No novo mandato, Roseana conviveu com João Castelo, que construiu as avenidas já citadas em posts anteriores e recuperou outras.

Depois, veio Edivaldo Júnior (PTC), que ainda não mostrou seu elenco de obras para além das operações tapa-buracos.

E assim se passaram 30 anos, período em que a oposição controla a Prefeitura de São Luís…

Publicado originalmente em 10/02/2014

Marco Aurélio D'Eça

4 Comments

  1. Marco, salvo engano, o start da avenida litorânea foi dado pelo governador Luiz Rocha. Creio que o nobre jornalista tem como dirimir essa dúvida.

  2. Pois eu sempre achei a tal “rebeldia” da ilha uma tremenda burrice ! “Ilha rebelde” só dificultou tudo ! “Ilha Burra “seria bem mais apropriado !

    • o que dizer do maranhão então? se são luis foi burra em eleger oposição, o maranhão foi o que em ter essa quadrilha comandando o estado por quase 50 anos?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *