5

Algo de bom em Bolsonaro…

Impressiona que 1/4 da população vire as costas para a Democracia e aprecie a volta de doutrinas autoritárias e privativas de liberdades; mas o fato de essas pessoas estarem expostas – e não mais conspirando nas sombras, nos porões de entidades obscuras – é um remédio para a própria democracia

 

AO EXPOR À LUZ TIPOS COMO BOLSONARO, a Democracia dá a oportunidade de discutir sua própria história e tirar das sombras fantasmas que ainda aterrorizam

Editorial

O mundo democrático e civilizado tem se assustado com a onda que tomou conta do Brasil nestas eleições. Muita, mas muita gente boa – e até instruída – tem aumentado a voz para defender o voto no capitão do Exército Jair Bolsonaro (PSL), líder nas pesquisas de intenção de votos no primeiro turno das eleições.

É preciso estudo sociológico profundo para entender como pode 1/4 da população ativa de um país recém-chegado à Democracia defender ideias antidemocráticas, autoritárias e privativas das liberdades individuais.

A análise das pesquisas qualitativas à disposição apontam, felizmente, ser pouco provável que Bolsonaro consiga seu intento de se eleger; e mesmo que consiga, é mais improvável ainda que consiga implementar uma política do ódio, divisionista, radical e perseguidora.

Mas não deixa de ser assustador que haja cada vez mais gente – já chegam a mais de 1/3 quando a análise é de segundo turno – pregando ideias da ditadura militar como solução para o país.

E é esse o lado bom no fenômeno Bolsonaro.

A presença de um representante do Exército entre os principais candidatos a presidente deu ao país a oportunidade de discutir a sua própria história.

O Brasil teve oito eleições democráticas sucessivas sem, sequer, cogitar a possibilidade da volta do regime militar.

Mas os simpatizantes da ditadura, skin reds e ultranacionalistas não estavam extintos.

Eles estavam ali, conspirando nas sombras, reunindo-se em porões, à espreita, prontos para o ataque à Democracia.

As conspirações políticas dos últimos anos, o jogo de interesses empresariais e a derrubada da classe política fizeram surgir um tipo como Bolsonaro.

Primeiro nas redes sociais, como mero fanfarrão; depois, como opção de poder ao país, coisa que  impossível até de ser cogitada há menos de quatro anos, por exemplo.

E esta possibilidade trouxe à luz seus admiradores, de todos as cores, de todas as vertentes: militares, religiosos, conservadores e nacionalistas.

E no campo aberto da Democracia, eles estão mais aparentes, obrigados a expor suas ideias publicamente e a se mostrar, em todo o seu radicalismo.

Para que possam ser derrotados no voto.

E a Democracia, esta jovem senhora de apenas 33 anos anos, vai agradecer em sua, espera-se, longa trajetória…

Marco Aurélio D'Eça

5 Comments

  1. Você vota no Dino é?

    Bolsonaro representa a libertação do Povo sofrido nas mãos de falsos democratas, de socialistas e de comunistas ao longo destes 33 anos.

    No dia 07/10 lembre-se de somar 7+10

  2. acho uma ofensa quando vc reproduz este texto pois esta desqualificando a democracia e todos que o apoiam estamos em um estado de direto e todos tem o direito ao cargo eletivo e não os coronéis de sempre que vão passando de pai para filho o poder

  3. Não É preciso estudo sociológico profundo para entender que não vivemos uma ditadura. Ditadura era de fato, o que a esquerda capitaneada por pessoas como Jose Dirceu, Dilma, Genoíno, e outros que comandavam a guerrilha interna que o pais vivia a época. Se não fosse os militares, a muito teríamos caído no caos social, como hoje se vê na Venezuela.
    Cumpre esclarecer que o discurso do Bolsonaro não é um discurso de ódio, como a mídia, a serviço dessa dita esquerda socialista, deturpa, no sentido de criar no imaginário do povo que o candidato do PLS, é homofônico, etc., etc.
    Por fim, Bolsonaro foi atacado pelo ódio, violência e intolerância que ele combate.
    Se Deus quiser ele será eleito.

  4. Dizer que os que defendem os posicionamentos do candidato Bolsonaro são “…, nacionalistas…” é o mesmo que compara Anita com a rainha Elizabeth.
    Não custa lembrar que Bolsonaro votou a favor de todas as medidas de desmonte da CLT e tudo o que ela representa para o trabalhador.
    Só mesmo um incauto pode acreditar que alguém que fala abertamente na entrega do patrimônio do povo para particulares lucrarem é um “…nacionalista…”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *