5

A crise é no PSDB…

Embora os holofotes da mídia estejam voltados para a disputa interna pelo comando do PMDB, há um partido onde a crise se instalou bem antes, ainda no processo eleitoral maranhense de 2014.

Trata-se do PSDB, partido absolutamente subjugado pelo governador Flávio Dino (PCdoB) – o mesmo que tenta controlar também os passos do PT e do próprio PMDB. Dino tem ascendência sobre o vice-governador Carlos Brandão, presidente da legenda no estado. O ninho tucano maranhense vive uma guerra interna, surda, mas intensa, exatamente para tentar se livrar das garras do dinismo.

O principal foco desta insatisfação diz respeito às eleições de São Luís e de Imperatriz, maiores colégios eleitorais do estado, onde o PSDB patina claramente no aspecto de candidaturas.

Lideranças tucanas como o próprio João Castelo, Sebastião Madeira e o suplente de senador Pinto Itamaraty tentam convencer o PSDB nacional a intervir no Maranhão, garantindo as prerrogativas da legenda nas eleições de 2016 e apontando para rumos distintos ao do comunista Flávio Dino em 2018.

Na capital, apesar de ter um forte candidato, o deputado federal João Castelo, Brandão trabalha sob supervisão direta do comunista Márcio Jerry, lugar-tenente de Flávio Dino, que quer os tucanos alinhados ao projeto de Edivaldo Júnior (PDT). Em Imperatriz, nem candidato próprio o partido conseguiu viabilizar, e o prefeito Sebastião Madeirase vê obrigado a “engolir” nomesdo PCdoB impostos por Dino e Cia.

Para se contrapor aos adversários internos, e tentar vender a imagem de um PSDB pujante, em crescimento, sempre que há questionamentos quanto ao futuro da legenda, Brandão dispara releases sobre filiações no interior. Mas são filiações impostas pelo próprio Flávio Dino, como as do ex-peemedebista Luis Fernando Silva, em Ribamar, e a da família Bringel, em Santa Inês, sem qualquer satisfação dada ao vice-governador.

Lideranças tucanas como o próprio João Castelo, Sebastião Madeira e o suplente de senador Pinto Itamaraty tentam convencer o PSDB nacional a intervir no Maranhão, garantindo as prerrogativas da legenda nas eleições de 2016 e apontando para rumos distintos ao do comunista Flávio Dino em 2018.

E Brandão vai ter que escolher de que lado ficará.

Da coluna Estado Maior, de O EstadoMaranhão

Marco Aurélio D'Eça

5 Comments

  1. CASTELO JÁ ESTÁ ELEITO EM 2016 PARA PREFEITO DE SÃO LUÍS. (FATO). FORA EDIVALDO E LONGE DE DINO.

  2. Só uma pergunta, Castleo é ficha limpa? Pois até onde sei, ele foi condenado por um colegiado.

  3. Brandão e Evangelista estão certíssimos! Tem que ficar ao lado de quem está fazendo bem para São Luís e para o Maranhão.

  4. O PSDB da pena hoje restrito a Pinto, Brandão e neto evangelista a onde nós chegamos o que esperar em mudanças, são verdadeiros penetras da política, usam a política por questão de sobrevivência, triste Maranhão se o único Deputado Federal sair do Partido e melhor a Direção Nacional entregar pra Ricardo Murad

  5. Tu é babão e incoerente,faz tudo por dinheiro,mais tua capacidade de tentar da desviar o foco de tudo que diz respeito ou que vai respingar nos sarneys é impressionante kkkkkkkkkkk kkkkk
    Bobinho esse menino.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *