2

Após espernear, Flávio Dino já admite rever contrato da Funac…

Comunista diz que vai analisar juridicamente para aplicar a lei em relação ao pagamento de 17 meses de aluguel por uma casa fechada que pertence a um membro do seu partido e funcionário do seu governo

 

Flávio Dino esperneou, mas não teve jeito: vai ter que rever o contrato

O governador Flávio Dino (PCdoB) esbravejou, gritou, reclamou, esperneou e abateu-se durante uma semana, mas, finalmente, admitiu:

– Vou analisar juridicamente a  situação de o cidadão ser empregado de uma empresa pública.

Mas, arrogante, o comunista faz questão de eximir-se do problema que ele agora reconhece:

– friso: tal nomeação não passa por mim.

É uma posição louvável de Flávio Dino, desde que ele não use o argumento apenas para ganhar tempo e deixar o caso cair no esquecimento.

Por isso, é fundamental que o governador tome a posição imediatamente.

Até por que, na condição de ex-juiz federal – como ele mesmo faz questão de frisar – já deveria saber da ilegalidade de servidor público firmar contrato com o poder público.

O contrato com Jean Carlos Oliveira, é uma ilegalidade.

E nem se leva em consideração o fato de, além de servidor do governo que alugou sua casa, ele ser também membro do partido do governador, o que pode não ser ilegal.

Mas é uma imoralidade…

Marco Aurélio D'Eça

2 Comments

  1. Flávio Dino já fala em punir os envolvidos (Secretários/Ordenador de Despesa, diretora da Funac, Contratado, Assessoria Jurídica e CSL) que contrataram e pagaram o dono do prédio ilegalmente, mas se esquece que ele foi omisso nesse caso quando deixou que o seu governo pagasse o comunista Jean Carlos por vários messes seguidos sem usar o prédio, afrontando o princípio constitucional da Legalidade, da Moralidade e da Eficiência, portanto cometendo improbidade administrativa também por omissão. Ele pensa que com essa sua tese de embromação ele irá se safar dessa tremenda enrolada que o seu governo lhe meteu, ele está muito enganado!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *