0

Flávio Dino dá mais um passo no sonho de ser Sarney

Ao constranger a Academia Maranhense de Letras a torná-lo imortal – apenas pelo fato de a cadeira em disputa ter pertencido ao seu pai – governador satisfaz o desejo pessoal, ainda que de forma caricata, de continuar seguindo a trajetória do ex-presidente da República

 

 

Flávio Dino vai movimentando as cordas que o poder lhe permite para construir, artificialmente, a trajetória que Sarney construiu de forma natural

Ensaio

O blog Marco Aurélio D’Eça publicou em 7 de novembro de 2014 – dias depois de o governador Flávio Dino (PSB) ter sido eleito para o primeiro mandato – o post “Flávio Dino cada vez mais Sarney…”.

Tratava-se de mais uma análise sobre o perfil do então comunista, que demonstrava em atos, movimentos, pensamentos e palavras o sonho de ser igualzinho ao ex-presidente, na trajetória, em prestígio político e em poder no Brasil.

Esse desejo de ser Sarney foi alimentado desde a infância, quando, ao lado de outros “herdeiros do poder”, como o senador Roberto Rocha (sem partido), se esbaldava nos corredores do Palácio dos Leões, assim como mostrou o blog Marco Aurélio D’Eça no post “Flávio Dino e sua relação histórica com os Sarney…”.

Sonho este reforçado pelo Jornal Pequeno – antes mesmo de ele ser eleito – como mostra artigo publicado em abril de 2014, e analisado pro este blog no post “Jornal alinhado a Flávio Dino orienta o comunista a ser como Sarney”.

O tempo passou, Flávio Dino foi reeleito governador e tentou repetir Sarney em tudo, incluindo o sonho – ainda inatingível – de tornar-se presidente da República.

Mas, se para o ex-presidente este caminho foi natural, Flávio Dino força a barra para percorrê-lo, como a que o tornou nesta quinta-feira, 21, membro da Academia Maranhense de Letras, num movimento tosco de constrangimento dos imortais, forçados a elegerem-no apenas pelo fato de a cadeira 32 ter pertencido ao seu pai, o imortal Sálvio Dino. 

Uma das características de José Sarney era a incapacidade de sentir ódio, que se somava à sua capacidade de converter adversários em aliados.

O próprio Flávio Dino já experimentou desta capacidade, tornando-se, nos últimos anos, sarneysista a ponto de oferecer a vaga de suplente de senador a um indicado do ex-presidente.

Dino ainda precisa percorrer um longo caminho até chegar perto do que Sarney foi: governador, presidente da República, quatro vezes presidente do Senado, maior político da história, escritor renomado e traduzido internacionalmente, membro das academias Maranhense e Brasileira de Letras e doutor honoris causa em diversas universidades mundo afora.

O ex-comunista – agora socialista e imortal postiço – está na estrada, como mostrou o blog Marco Aurélio D’Eça no post lá de 2014.

De qualquer forma, o próprio blog já alertava Flávio Dino, naquela época, do risco de se tornar caricato na tentativa de tornar-se outra pessoa.

E “virar uma mera cópia do que dizia combater”….

0

Brandão desconversa sobre apoio a eventual outro candidato…

Vice-governador põe dúvidas sobre a escolha de outro nome da base por Flávio Dino, o que reforça a ideia de que o governador não pretende cumprir a carta-compromisso assinada por ele próprio

 

Brandão aposta suas fichas na decisão do governador Flávio Dino, mesmo sem atender aos critérios da carta-compromisso de julho

O vice-governador  Carlos Brandão (PSDB) desconversou nesta quinta-feira, 21, em entrevista ao jornal O EstadoMartanhão, sobre a possibilidade de apoiar um eventual outro candidato da base escolhido pelo governador Flávio Dino (PSB).

– Eu acho que esse é um assunto que, na realidade, a gente tem que deixar um pouquinho mais para a frente para a gente se manifestar. Vamos aguardar o governador fazer essa análise, fazer essa composição, fazer esse diálogo, para a gente ver – disse Brandão.

Embora tenha dito que, ao assinar a carta todos os pré-candidatos autorizaram Dino a decidir por si mesmo, o vice-governador fala em decisão coerente.

– Eu acho que todos nós vamos seguir essa carta. Já que a gente assinou, nós autorizamos. Eu credito que a decisão dele será coerente, eu prefiro aguardar essa decisão dele – afirmou.

Entre os critérios estabelecidos pelo governador, em comum acordo com os candidatos, estão a melhor posição em pesquisas e o maior poder de agregação entre os partidos da base.

Brandão não atende a nenhum destes critérios.

A entrevista do vice-governador a O Estado reforça a suspeita de que Flávio Dino pretende ignorar a carta assinada em julho na escolha do seu candidato.

O próprio governador já descumpriu os termos do documento ao estimular duas novas candidaturas-amigas, mesmo após a divulgação da carta.

Dino recebeu o ex-prefeito Edivaldo Júnior, pré-candidato do PSD, a quem pediu apoio à sua candidatura de senador; e viu seu secretário de Educação, Felipe Camarão, ser lançado por membros do PT empregados em seu governo.

Nos meios políticos, é dado como certo que o governador vai declarar apoio a Brandão, rasgando os termos da carta.

Mas a tendência é que ele adie para abril esta decisão.

Na tentativa de evitar o racha na base…

2

Executiva nacional desconsidera movimento do PT no Maranhão

Posição eleitoral defendida pelos petistas encastelados no Palácio dos Leões – controlados pelo governador Flávio Dino – é vista pela cúpula do partido como “coisa de Capelli”; reunião no Rio de Janeiro reafirmou que “o caminho no estado é totalmente diferente”

 

Lula e membros da Executiva Nacional do PT; absoluta indiferença ao que pensam Augusto Lobato e Chico Gonçalves sobre o Maranhão

Os recentes movimentos do PT maranhense com relação às eleições de 2022 – protagonizados por gente como o presidente regional Augusto Lobato – sequer foram levados em consideração na reunião da Executiva Nacional no início desta semana, no Rio de Janeiro.

Para a cúpula petista, esses movimentos são “coisas de Capelli”.

Ricardo Cappeli é o secretário de Comunicação do governo Flávio Dino (PSB),  que manipula as cordas dos petistas com contracheques no Palácio dos Leões, a  exemplo de Lobato e do secretário de Cidadania, Chico Gonçalves.

O blog Marco Aurélio D’Eça apurou que na reunião do Rio foi reafirmado que “o caminho no Maranhão é totalmente diferente” do que pregam Lobato e Gonçalves.

Ao identificar o dedo de Ricardo Capelli nos movimentos do PT maranhense, a Executiva Nacional mostra ter consciência de que as ações são uma tentativa do governador Flávio Dino (PT) de garantir o apoio do partido ao vice-governador Carlos Brandão (PSDB), o que já foi descartado pelo próprio ex-presidente Lula.

 

Os petistas controlados por Flávio Dino; ações desconsideradas pela cúpula nacional do partido

Mas as jogadas de Dino são frutos do seu próprio erro estratégico – ou talvez de sua presunção.

Brandão só está hoje no PSDB por que Flávio Dino apostava que Lula e o PT seriam cartas fora do baralho das eleições de 2022.

Desde 2018, o governador maranhense trabalhava com a ideia de uma frente ampla, envolvendo a esquerda e a centro-esquerda, sem a hegemonia petista. (Relembre aqui, aqui, aqui e aqui)

A ideia era manter o vice no ninho tucano e se transferir para o PSB, tendo também o PCdoB na aliança.

E o PT iria a reboque, sem a força popular de outrora.

Mas eis que o Supremo Tribunal Federal decide anular as condenações de Lula, pondo o ex-presidente de volta ao jogo do poder; e consequentemente fortalecendo o PT.

Com os planos indo para as cucuias, Dino teve que gerar o caos para tentar se reorganizar, inventando possibilidades irreais no PT maranhense a fim de convencer Lula a seguir seu projeto tucano-socialista.

E obviamente que os petistas empregados no governo defendem a tese do governo.

O fato é que o PT já tem para o Maranhão um caminho decidido nacionalmente, pela executiva e por Lula, que será anunciado somente quando o ex-p-residente achar conveniente.

E o que dizem Augusto Lobato, Chico Gonçalves e outros membros do partido controlados por Flávio Dino servem apenas para animar a arraia miúda.

Sem nenhum efeito prático…

2

Felipe Camarão descarta ser vice: “não sou balão de ensaio”, diz

Secretário de Educação, lançado pelo PT como pré-candidato a governador, diz que na hipótese de não ter aval do partido para concorrer ao governo irá disputar uma vaga na Câmara Federal, o que frustra as expectativas do vice-governador Carlos Brandão

 

Flávio Dino apresentou Camarão a Lula como opção do PT, mas disse a Brandão que ele seria seu vice, o que foi desmentido pelo próprio secretário

O secretário de Educação Felipe Camarão (PT) descartou nesta terça-feira, 19, compor como candidato a vice-governador  nas eleições de 2022.

– Não existe nenhum tipo de interesse de ser um balão de ensaio, um blefe, para fortalecer uma suposta candidatura a vice. Não tenho essa pretensão, e nem me vejo com essa possibilidade por conta das nossas conversas internas no partido – afirmou Camarão, em entrevista à TV Mirante..

O secretário disse que, caso não haja aval do partido para sua candidatura ao governo, irá disputar uma vaga na Câmara Federal.

– É bem claro: ou eu sou candidato a governador, ou, na remota hipótese de o partido não me dar aval para candidatura, eu serei candidato a deputado federal – afirmou.

A afirmação de Felipe Camarão esmorece as expectativas dos aliados do vice-governador Carlos Brandão (PSDB), que apostavam na candidatura do secretário como uma estratégia de Flávio Dino para fortalecê-lo.

É absolutamente descartada pela cúpula nacional do PT uma composição no maranhão com o PSDB, e o governador Flávio Dino (PSB) já foi comunicado disto pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A candidatura de Camarão é para o Palácio dos Leões, portanto, uma forma de evitar que Lula apoie a candidatura do senador Weverton Rocha (PDT).

Mas esta é uma outra história…

0

Oposição a Flávio Dino é a maior da Assembleia em quase 20 anos…

Nos últimos seis meses de mandato, governador vê parlamentares se alinharem fora da base governista por uma opção política dele próprio, o que deve gerar dificuldades para o vice-governador Carlos Brandão

 

Bancada do PL com Josimar de Maranhãozinho: aumento da oposição a Flávio Dino na Assembleia Legislativa

Os deputados estaduais Vinícius Louro, Leonardo Sá, Hélio Soares e Detinha (todos do PL) estão, desde a segunda-feria, 18, oficialmente na oposição ao governo Flávio Dino (PSB).

E o motivo foi criado pelo próprio Dino: o mal tratamento dado à bancada, que é controlada pelo deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL).

Mas outros parlamentares alinhados a partidos que vêm sendo tratados como inimigos por Dino – apesar de terem passado sete anos e meio como governistas – também tendem a se alinhar contra o governador.

É o caso, por exemplo, do deputado Neto Evangelista (DEM) e da deputada Mical Damasceno (PTB).

Só com estes nomes, a oposição agora nada menos que nove parlamentares, uma das maiores bancadas de oposição em 18 anos, ou seja, desde o racha no grupo Sarney provocado pelo então governador José Reinaldo Tavares.

Essa posição política na Assembleia – que tende a aumentar nos próximos meses – pode trazer dificuldades para o vice-governador Carlos Brandão (PSDB), que assume em abril na tentativa de se viabilizar candidato à reeleição.

Mas esta é uma outra história…

7

Enquanto os outros brigam, Edivaldo segue em frente

Devagarinho, bem ao seu estilo, sem se indispor com ninguém, ex-prefeito de São Luís vai consolidando-se como opção do eleitor, ao mesmo tempo em que Carlos Brandão, Weverton Rocha, Felipe Camarão e Simplício Araújo se engalfinham para ser a escolha de Flávio Dino

 

O carisma pessoal é um dos mais importantes trunfos de Edivaldo Júnior na pré-campanha eleitoral

Editorial

O ex-prefeito de São Luís Edivaldo Júnior (PSD) vai se consolidando como uma das principais opções para o Governo do Estado nas eleições de 2022.

E faz isso por um erro primário dos seus principais adversários.

Enquanto Edivaldo segue em faixa própria, ao seu estilo, sem se indispor com ninguém – nem mesmo com o governador  Flávio Dino (PSB) – o vice-governador  Carlos Brandão (PSDB), o senador  Weverton Rocha (PDT) e os secretários Felipe Camarão (PT) e Simplício Araújo (Solidariedade) se engalfinham exatamente pela atenção do mesmo Flávio Dino.

Edivaldo tem como principal trunfo pessoal na disputa pelo governo o seu carisma e o seu jeito e bom moço – aquele tipo que toda mãe quer como genro.

Mas, além destes atributos intrínsecos, ele também tem força eleitoral; e força eleitoral muito maior que a do vice Carlos Brandão, por exemplo.

Edivaldo aparece em segundo lugar em todas as pesquisas de intenção de votos, perdendo apenas para o senador Weverton Rocha (PDT), nos cenários sem a ex-governadora Roseana Sarney (MDB).

Mas ganha de Weverton – e ganha bem – em São Luís e em toda a região metropolitana.

O ex-prefeito de São Luís tem a vantagem de ser de um partido de oposição sem ser oposição a Flávio Dino; e tem a vantagem de ser próximo a Flávio Dino sem se indispor com a oposição.

Se o presidente nacional do PSD, Gilberto Kassab, garantir a Edivaldo Júnior ao menos a metade da estrutura que prometeu para sua campanha, o ex-prefeito de São Luís tem vaga certa no segundo turno.

E, chegando ao segundo turno, tem amplas chances de vencer a eleição; sobretudo por que os candidatos da base de Dino continuaram se engalfinhando.

E esta não é uma outra história…

30

Academia Maranhense de Letras pode transformar vaga em herança familiar…

Oferecida ao governador Flávio Dino apenas pelo fato de ter sido ocupada pelo seu pai, o intelectual Sálvio Dino, a cadeira número 32 será posta em disputa na próxima quinta-feira, 21; no páreo está também o renomado escritor Antonio Guimarães de Oliveira

 

Flávio Dino no Palácio dos Leões com membros da AML, em 2015: imortalidade como herança familiar

O governador Flávio Dino (PSB) resolveu tentar impor seu nome como membro da Academia Maranhense de Letras, querendo ocupar a cadeira de número 32.

E o argumento é um só: a vaga era do seu pai, o reconhecido escritor e poeta Sálvio Dino.

Na verdade, o movimento para fazer Dino imortal surgiu na própria AML, logo após a morte do seu pai, em 2020, segundo revelou o jornalista Pergentino Holanda em sua coluna no jornal O EstadoMaranhão.

Na tentativa de tornar a vaga na AML uma espécie de herança familiar, a Casa acaba por estuprar intelectualmente os imortais maranhenses, uma vez que – embora com amplos conhecimentos técnicos na área jurídica – Flávio Dino nunca teve qualquer tipo de militância ou produção intelectual que justifique sua “imortalidade”.

Sobretudo por que também concorre à vaga o escritor respeitado no mundo intelectual, Antonio Guimarães de Oliveira.

– Sobre Benedito Buzar, bom cidadão e grande historiador, porém acredito, sinceramente na força da literatura maranhense e seus grandes escritores. Acredito que não ocorrerá o “favor político”. Acredito na idoneidade de todos os acadêmicos e acadêmicas. Vamos aguardar o dia 21 de outubro… – desabafou Guimarães, em comentário no blog Marco Aurélio D’Eça.

O escritor Antonio Guimarães: livros reconhecidos pelos próprios intelectuais da Academia Maranhense de Letras

O problema para Guimarães é que, desde o ano passado, os próprios membros da AML encabeçam o movimento pró-Dino.

Na sua tentativa de se tornar imortal, Flávio Dino submeteu-se, inclusive, a um encontro com o ex-presidente José Sarney – decano da AML e da Academia Brasileira de Letras, e, por mérito próprio, reconhecido internacionalmente como escritor.

Antonio Guimarães revela que, quando fez sua inscrição à cadeira 32, foi informado pela direção da Casa de Antônio Lobo que o governador Flávio Dino não iria concorrer e que o ex-presidente Sarney não iria se envolver em disputa literária. (Leia aqui a íntegra do comentário)

Mas Flávio Dino quer a influência do ex-presidente para convencer os prováveis futuros confrades.

 A eleição na  AML será na quinta-feira, 21…

4

Flávio Dino volta a constranger aliados em palanque…

Sem nenhuma justificativa plausível, governador ataca vice-prefeito de Caxias, Paulo Marinho Júnior, na presença do próprio prefeito Fábio Gentil, que escolheu duas vezes o suplente de deputado federal para compor sua chapa

 

Flávio Dino em Caxias: constrangimento não apenas ao prefeito Gentil, mas também ao vice Brandão

Cheio de si, absolutista e sem modos, o governador Flávio Dino (PSB) segue fazendo estragos em sua base política em suas investidas administrativo-eleitoreiras no interior maranhense.

A vítima da vez foi o prefeito de Caxias, Fábio Gentil (PRB), constrangido publicamente por ter como vice o suplente de deputado federal Paulo Marinho júnior (PL), que nem presente estava em palanque.

– … Vocês sabem que vice as vezes né Fábio [Gentil] ? É negócio meio delicado, não sei se tu sabe disso –  provocou Flávio Dino, do nada, segundo revelou o blog do Ludwig Almeida.

Foi um constrangimento sem necessidade em um momento de festa, segundo observaram aliados do próprio governador presentes ao evento em caxias, nesta sexta-feira, 15.

Dino quis atingir Paulo Marinho Júnior, mas acabou constrangendo seu próprio aliado Fábio Gentil

Mas os ataques gratuitos a qualquer um que não reze em sua cartilha – seja ou não da base aliada – tem sido a tônica de Flávio Dino ao longo do seu mandato.

Na semana passada, por exemplo, partiu pra cima da prefeita de Chapadinha, Dulcilene Belezinha, com ataques do tipo “mentirosa”, “desequilibrada” e outros adjetivos.

Só neste ano pré-eleitoral, ele desmereceu também a deputada estadual Daniela Tema, ao fazer questão de expô-la em palanque, ao ressaltar que as vaias de um evento não eram para ele.

Das duas uma:

1 – ou Flávio Dino está muito ciente do seu poder e carisma, a ponto de desdenhar de qualquer um por que se acha acima do bem e do mal;

2 – ou o governador está ciente de que tem algo acontecendo na política maranhense que o deixa emocionalmente desequilibrado.

De qualquer forma, são grosserias incompatíveis com o posto de governador.

E, principalmente, de um ex-juiz federal…

0

Flávio Dino deve adiar decisão sobre candidato da base ao governo

Entrada do secretário Felipe Camarão no páreo e a indefinição quanto às alianças partidárias de sua candidatura ao Senado levam o governador a ganhar tempo para escolha do nome que ele vai apoiar, embora tenha que rasgar os termos da carta-compromisso de julho

 

Felipe Camarão assinou a carta-compromisso de julho, mas nesta foto, da época, ele ainda não se apresentava como candidato a governador, o que pode influenciar a decisão de Flávio Dino

O governador Flávio Dino (PSB) já pensa em adiar de novembro para março sua decisão sobre o candidato que irá apoiar nas eleições para o Governo do Estado, em 2022.

Segundo contaram ao blog Marco Aurélio D’Eça membros do grupo mais próximo de Dino no Palácio dos Leões, dois fatores levam o governador a repensar a data de anúncio do seu candidato:

1 – a entrada do secretário de Educação Felipe Camarão (PT) no páreo precisa ser medida mais claramente pelas pesquisas de intenção de votos, o que só deve ocorrer em dezembro;

2 – Dino negocia mesmo alianças com PV e MDB para sua candidatura ao Senado, o que deve interferir na formação de alianças também para o candidato da base ao governo.

Mas o adiamento do compromisso firmado em julho não agrada nem o vice-governador Carlos Brandão (PSDB), nem o senador Weverton Rocha (PDT), principais candidatos da base dinista.

Com índices baixos de intenção de votos, Brandão espera uma decisão ainda em 2021 para fortalecer sua articulação e atrair partidos, antes mesmo de sua posse como governador, o que ocorrerá em abril.

Líder nas pesquisas, Weverton Rocha, por sua vez, já tem agendado para São Luís o encontro “Maranhão Mais Feliz”, onde espera anunciar, de forma irreversível sua candidatura, já com a posição do governador tomada.

Embora tente manter a aparência de controle do processo eleitoral, os movimentos de Flávio Dino denunciam sua falta de rumo, que ele tenta corrigir com investidas em várias frentes.

E o adiamento da decisão que anunciou para novembro também é uma tentativa de colocar as coisas no prumo do seu projeto.

7

Flávio Dino oferece suplência do Senado aos Sarney; Roseana quer a vice

Em encontro semana passada com o ex-presidente José Sarney, governador do Maranhão conversou sobre a formação de uma aliança que envolva o MDB e o PV, que já vai estar em uma federação partidária com PSB e PCdoB, mas proposta esbarra na posição da ex-governadora

Flávio Dino quer ter um indicado pelo ex-presidente José Sarney em sua chapa de senador nas eleições de 2022

O governador  Flávio Dino dá cada vez mais sinais de que quer ser absoluto nas eleições de 2022; e para isso, pretende aliar-se até mesmo aos seus principais adversários, a família Sarney.

Em reunião semana passada com o ex-presidente José Sarney – encontro já divulgada em vários portais locais e nacionais – ele ofereceu pragmaticamente a vaga de primeiro suplente de sua candidatura a senador.

A ideia é ter um indicado do grupo Sarney, em troca do apoio do  MDB e do PV 

Segundo apurou o blog Marco  Aurélio D’Eça, Dino e seus operadores chegaram a sugerir o nome do neto de Sarney, o deputado estadual Adriano, que já vai estar em uma federação partidária com PSB, PCdoB, Rede e Cidadania.

Roseana prefere compor com o grupo de Flávio Dino indicando o vice na chapá de Carlos Brandão

A proposta de Dino esbarrou em uma posição da ex-governadora Roseana Sarney (MDB), que prefere indicar o vice do candidato dinista ao governo.

Na conversa, ficou claro para os Sarney que o candidato de Flávio Dino é mesmo o vice-governador Carlos Brandão (PSDB).

Flávio Dino deixou a reunião com o ex-presidente sem uma definição.

Mas com a porta aberta para novas investidas eleitorais…