0

Brandão tenta cooptar prefeitos na eleição da Famem…

Apesar das advertências do Palácio dos Leões, vice-governador usa o próprio gabinete para tentar gerar um clima de competição na eleição da Famem; mas ainda não conseguiu construir uma candidatura competitiva

 

Carlos Brandão não tem dado ouvidos à pregação de unidade do governador Flávio Dino e tem usado o Palácio dos Leões para operar nas eleições da Famem

O vice-governador Carlos Brandão (Republicanos) resolveu agir mesmo por conta própria e está utilizando a estrutura do governo para gerar um clima de competição na Federação dos Municípios do Maranhão (Famem).

Brandão tem ligado pessoalmente – ou recebido prefeitos em seu gabinete – pregando contra a candidatura do atual presidente, Erlânio Xavier (PDT), mesmo diante da pregação de unidade do governador Flávio Dino (PCdoB).

E para isso conta, também, com o apoio do chefe da Casa Civil, Marcelo Tavares (PSB).

O blog Marco Aurélio D’Eça apurou com os gestores municipais – alguns eleitos e outros reeleitos – que o vice-governador ligou para prefeitos do PCdoB, do PTB e do PP com o argumento de que “o governador vai tirar cargos do PDT”.

O problema é que ele sequer conseguiu apresentar um candidato para a disputa na Famem.

Tentou o prefeito reeleito de Caxias, Fábio Gentil (PRB), mas não obteve resposta; foi em busca de outros nomes e não conseguiu ninguém para o projeto; precisou se aliar a Josimar de Maranhãozinho (PL), que pode lançar um nome da sua cepa de prefeitos.

A movimentação de Brandão tem criado um clima de tensão na base do governo, por gerar expectativa quanto à definição de Flávio Dino em relação ao que ocorreu em 2020 e ao projeto para 2022.

Os aliados mais próximos do governador têm buscado a reunificação da base, mas enfrentam a resistência da sangria desatada do vice-governador.

Que, ansioso, está cada dia mais afoito por 2022…

2

Márcio Jerry: a hora do bombeiro comunista…

Deputado federal e mais próximo aliado do governador Flavio Dino sabe que o racha na base só antecipa o final do governo; mas precisará atuar forte para amainar o fogo ardente da vingança pulsando no vice Carlos Brandão e no deputado Josimar de Maranhãozinho

 

Márcio Jerry vê à distância a movimentação de Carlos Brandão na tentativas de antecipar o debate de 2022; mas entende que isso antecipa também o fim do governo Flávio Dino

Principal articulador político do governador Flávio Dino (PCdoB), o deputado federal Márcio Jerry (PCdoB) anda assustado com a volúpia do vice-governador Carlos Brandão e do deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) em antecipar o debate sobre a sucessão de 2022.

Jerry entende que uma nova crise política na base governista – sobretudo após derrota para Eduardo Braide (Podemos) nas eleições de São Luís, forçará inevitavelmente o fim do governo comunista e a consequente diminuição da imagem de Flávio Dino.

Mesmo sem conseguir um nome para a disputa na Federação dos Municípios (Famem), Brandão e Josimar ligam quase que diariamente para prefeitos tentando criar uma base contra o atual presidente, Erlânio Xavier (PDT).

Botaram na cabeça que a reeleição de Erlânio significa, automaticamente, a força do senador Weverton Rocha como sucessor de Flávio Dino.

Essa guerrinha se dá exatamente pela ausência de Jerry do governo.

Em seus áureos tempos de bi-secretário de Comunicação Social e Articulação Política, o comunista trabalhava por uma base gigantesca, heterogênea e extremamente unificada em torno do projeto dinista.

Hoje, essas pastas estão sob a tutela de Rodrigo Lago.

O atual secretário não tem o cacife político para articular – até pela postura de servilidade a Dino – e por vezes até se transforma, também, em incendiário da base.

Também não tem a força necessária para peitar os interesses de Brandão e do chefe da Casa Civil, Marcelo Tavares (PSB), que jogam juntos no projeto de 2022.

O blog Marco Aurélio D’Eça é testemunho das tentativas frustradas de Jerry pela conciliação da base em torno de um candidato ainda no primeiro turno.

Sua missão agora é outra.

Cabe ao aliado mais próximo de Flávio Dino impedi-lo de sucumbir à guerra patrocinada na base do seu governo, o que pode ser resolvido já na reforma administrativa do início do ano.

Mas esta é uma outra história…

0

Flávio Dino e Eduardo Braide podem ser decisivos em eleição da Famem

Insistência da dupla Carlos Brandão e Josimar de Maranhãozinho em trazer para a escolha do comando da entidade o debate sobre a sucessão de 2022 pode levar a um novo enfrentamento entre o governador e o prefeito eleito; e a disputa promete ser tensa

 

Derrotados na eleição municipal, Josimar e Brandão parecem querer vingança em nome de 2022; e forçam a barra para que Flávio Dino entre no jogo deles

O governador Flávio Dino (PCdoB) pode se envolver em um novo embate com o prefeito eleito Eduardo Braide (Podemos) após ter sido derrotado por este nas eleições de São Luís.

Dino vem sendo pressionado pelo vice-governador Carlos Brandão (Republicanos) e pelo deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) a entrar na briga pelo comando da Federação dos Municípios (Famem).

Obcecados pela antecipação do debate pela sucessão de 2022, os dois acham que é preciso derrotar o atual presidente da Federação dos Municípios, Erlânio Xavier (PDT), como forma de enfraquecer o senador Weverton Rocha (PDT).

Levando em consideração as alianças para eleição de São Luís, Erlânio teria hoje algo em torno de 74 votos, dos prefeitos filiados ao PDT, DEM, PTB, MDB, e pode conseguir também o PSL.

Um candidato apoiado por Brandão e Josimar teria de saída votos do PL, do Republicanos, do Patriota e do Avante.

Neste caso, a dupla dinâmica da base do governo iria precisar do apoio de Flávio Dino, com seus prefeitos ligados diretamente aos partidos mais próximos ao Palácio dos Leões: PCdoB, PSB, Solidariedade, Cidadania, PROS e PT.

Nesta conta, o PP não entra fechado por que, embora sejam filiados à legenda, estes prefeitos seguem orientações diversas, o que leva a um espalhamento das preferências.

Erlânio iria precisar, portanto, dos votos de partidos ligados ao prefeito Eduardo Braide: PSC, PSD, PSDB, PMN e Podemos.

Como se vê, Josimar e Brandão querem nova disputa entre Flávio Dino e Braide; se o comunista vencer, anulará a derrota pela prefeitura.

Se perder, acentuará seu desmanche de fim de mandato…

4

Haroldo Sabóia aponta Flávio Dino candidato a federal

Ex-deputado federal analisa que o resultado das eleições municipais fortaleceu o projeto do senador Weverton Rocha, mas garantiu certa ampliação do vice-governador Carlos Brandão, “que imagina poder enfrentar Weverton sentado na cadeira dos Leões com a caneta dos convênios na mão”

 

Haroldo Sabóia acha que Flávio Dino vai deixar “triste legado” no Maranhão

O ex-deputado federal Haroldo Sabóia ampliou os efeitos da derrota do governador Flávio Dino (PCdoB) para além de 2020; Para Sabóia, a vitória de Eduardo Braide (Poddemos) pode levar o comunista a repensar sua candidatura ao Senado e optar por uma vaga de deputado federal.

– A disputa pelo governo do Estado em 2022, entre o Senador Weverton Rocha (PDT) e o vice governador Carlos Brandão (Republicanos), além de provocar uma grave fissura na base de apoio do governador Flávio Dino pode levá-lo a abandonar sua candidatura ao Senado para concorrer à Câmara Federal – avaliou o ex-deputado, em artigo no Facebook intitulado “Flávio Dino candidato a deputado federal em 2022?”.

Na avaliação de Haroldo Sabóia, a vitória de Eduardo Braide fortaleceu o projeto de Weverton Rocha, sobretudo pela importância do apoio de Neto Evangelista (DEM), lançado pelo senador pedetista.

Mas Sabóia não descarta o peso de Carlos Brandão, que, na avaliação do ex-deputado, ampliou sua base, sobretudo com o apoio do deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) e da senadora Eliziane Gama (Cidadania).

– Sentado na cadeira dos Leões e com a caneta dos convênios em mãos – [Brandão] imagina reunir forças suficientes para enfrentar o senador Weverton Rocha – avaliou.

Apontando outros grupos com interesse na disputa de governo em 2022, Haroldo Saboia cita o MDB de João Alberto e Roseana Sarney, o PSDB, do senador Roberto Rocha – que ele vê cada vez mais diminuto no estado – e os partidos mais à esquerda, como PSOL e PCB.

Outro imbróglio, segundo o ex-deputado,  será a disputa pela única vaga de senador – esta, na avaliação do ex-parlamentar sem a presença de Flávio Dino.

– Por exemplo, na coligação em torno do senador Werverton (PDT), a legenda de apoio mais forte é o DEM, dirigido por Juscelino Filho. Já o partido mais forte na base de sustentação do futuro governador e candidato a reeleição, o atual vice Carlos Brandão, não é nem o PCdoB, de Flavio Dino, nem o CIDADANIA, da senadora Eliziane Gama, e sim o PL do deputado federal Josimar do Maranhãozinho – aponta Haroldo.

E é por causa destes aspectos, que Sabóia afirma a candidatura de Flávio Dino a deputado federal, não a senador.

– Candidato a deputado federal, Dino poderá ter uma imensa votação que viabilize a reeleição dos atuais deputados do PCdoB, Marcio Jerry e Rubem Jr., além de eleger os seus secretários mais próximos, já anunciados candidatos, Carlos Lula, Clayton Noleto e Jeferson Portela – aponta.

Mas o ex-deputado não vê esta articulação de Dino de forma virtuosa, mas com certa crítica ao legado que o comunista pode deixar ao Maranhão.

– Triste legado, após oito anos de mandato, de um governo que se anunciou capaz de iniciar nova era de desenvolvimento econômico e de superar as terríveis desigualdades sociais no pobre Estado do Maranhão – concluiu Haroldo Sabóia.

Veja abaixo a íntegra do comentário:

DINO CANDIDATO A DEPUTADO FEDERAL EM 2022?
(notas sobre o triste quadro político-eleitoral da triste e antiga Província do Maranhão)

A disputa pelo governo do Estado em 2022, entre o Senador Weverton Rocha (PDT) e o vice governador Carlos Brandão (Republicanos), além de provocar uma grave fissura na base de apoio do governador Flávio Dino pode levá-lo a abandonar sua candidatura ao Senado para concorrer à Câmara Federal.

Embora derrotado no primeiro turno nas eleições de São Luís, Weverton sai fortalecido com a vitória de Eduardo Braide (PODEMOS). Todos reconhecem que o apoio de Neto Evangelista (DEM), candidato lançado pelo pedetista, foi decisivo para o resultado do pleito.

Carlos Brandão, por sua vez, apesar da derrota de Duarte, (filiado ao REPUBLICANOS do vice governador) conseguiu ampliar a base de sustentação de sua candidatura ao governo. Com o apoio do PL do deputado Josimar do Maranhãozinho, do CIDADANIA, de Eliziane Gama e do PCdoB de Flavio Dino, Carlos Brandão – sentado na cadeira dos Leões e com a caneta dos convênios em mãos – imagina reunir forças suficientes para enfrentar o senador Weverton Rocha.

É absolutamente improvável, todavia, que o cenário de 2022 fique restrito a essas duas candidaturas.
Duas outras legendas deverão ter candidatos majoritários no primeiro turno: o MDB (de João Alberto, Roseana Sarney, Hildo Rocha e João Marcelo) e o cada vez mais diminuto PSDB (do senador Roberto Rocha).

Bem à esquerda, teremos um nome apoiado pelo PSOL, pelo PCB e pela UP – organizações bem pequenas no Maranhão, mas fortalecidas nacionalmente pelo excelente desempenho de Guilherme Boulos nas eleições paulistanas.

Não podemos esquecer legendas com efetiva presença eleitoral no Estado, detentoras de mandatos na Assembleia e na Câmara Federal, que não deverão lançar candidatos majoritários. À direita, o PTB (Pedro Fernandes), o PP (André Fufuca), o PSC (Aluísio Mendes) PATRIOTA (Marreca Jr) e PSD (Edilázio Jr.). Ao centro-esquerda, também ausentes das disputas majoritárias, o PT (José Carlos da Caixa) e o PSB (Bira do Pindaré).

Essa plêiade, esse punhado de legendas, da direita ao centro esquerda, estarão em busca de acordos com os partidos que se colocarem na disputa para os Leões: PDT (com Weverton), REPUBLICANOS (com Brandão), MDB (com Roseana???) e PSDB (com Roberto Rocha ???).

Composições que – a exemplo daquelas feitas nas eleições municipais de São Luís – não obedecerão a quaisquer critérios políticos ou ideológicos. Nelas, bolsonaristas, sarneysistas, dinistas e outros quejandos, estarão entrelaçados, atados ou desatados sem qualquer pudor, ao sabor das circunstâncias.

Assim, serão alianças feitas com base no mais abjeto pragmatismo, no vale tudo da disputa pelo poder sem qualquer compromisso com os clamores populares por mudanças sociais. Serão balizadas pela corrida em busca de mandatos (federais e estaduais) pelos “donos” das legendas e “gestores” de fundos eleitorais milionários, em um quadro em que as conquistas de mandatos se tornam mais difíceis devido à proibição de coligações partidárias.

Em meio a tamanho imbróglio, outro elemento perturbador será a luta, nas diferentes coligações, pela outra candidatura majoritária : a disputa para única vaga ao Senado. Por exemplo, na coligação em torno do senador Weverton (PDT), a legenda de apoio mais forte é o DEM, dirigido por Juscelino Filho. Já o partido mais forte na base de sustentação do futuro governador e candidato a reeleição, o atual vice Carlos Brandão, não é nem o PCdoB, de Flavio Dino, nem o CIDADANIA, da senadora Eliziane Gama, e sim o PL do deputado federal Josimar do Maranhãozinho.

Nesse cenário, para assegurar a vitória de Carlos Brandão, seu vice e fiel escudeiro, além de contribuir para que o seu PCdoB possa superar a cláusula de barreira (feito que não conseguiu lograr em 2018) é bem provável que o governador Flávio Dino dispute uma vaga de deputado federal e apoie, em 2022, para Senador, o atual deputado do PL, Josimar do Maranhãozinho.

Candidato a deputado federal, Dino poderá ter uma imensa votação que viabilize a reeleição dos atuais deputados do PCdoB, Marcio Jerry e Rubem Jr., além de eleger os seus secretários mais próximos, já anunciados candidatos, Carlos Lula, Clayton Noleto e Jeferson Portela

Triste legado, após oito anos de mandato, de um governo que se anunciou capaz de iniciar nova era de desenvolvimento econômico e de superar as terríveis desigualdades sociais no pobre Estado do Maranhão.

Haroldo Sabóia

0

“Flávio Dino levou ‘taca’ nas eleições no Maranhão”, diz Edilázio

O deputado federal Edilázio Júnior (PSD) avaliou hoje, em pronunciamento na Câmara Federal, como vexatório o desempenho do governador Flávio Dino (PCdoB) – enquanto líder de um grupo político -, nas eleições municipais do Maranhão.

O parlamentar lembrou que em 4 dos 5 maiores colégios eleitorais do estado – aí incluída a capital, São Luís, o governador não obteve êxito com os seus candidatos a prefeito. Para Edilázio, Dino saiu menor destas eleições.

“Venho aqui destacar as derrotas do Partido Comunista do Brasil no estado do Maranhão. O governador Flávio Dino saiu pequeno das eleições deste mês de novembro. Flávio Dino perdeu em quatro das cinco maiores colégios eleitorais do nosso estado”, disse.

E completou: “Ele perdeu em São Luís. No primeiro turno o candidato dele [Rubens Júnior], teve míseros 10% dos votos. No segundo turno o governador apareceu na televisão mais do que o próprio candidato [Duarte Júnior] e coagiu funcionários e secretários para que trabalhassem pelo candidato, rachou o grupo dele e ainda assim entrou na taca onde a ‘Ilha Rebelde’ mostrou mais uma vez que não aceita cabresto”.

Edilázio lembrou que além de São Luís, Dino perdeu a eleicao em Imperatriz, em Caxias e em São José de Ribamar. “E a única cidade dos 5 maiores polos em que ele se saiu vitorioso foi no município de Timon, onde ele obteve apenas 40% dos votos. Ou seja, 60% dos munícipes de Timon também disse não à gestão comunista e aos aliados do governo comunista”, completou.

Edilázio ainda enfatizou, antes de concluir o seu pronunciamento, que Dino acumulou outras duas derrotas significativas no Maranhão: Lago da Pedra, que tem como prefeita eleita Maura Jorge e São Pedro dos Crentes, onde o prefeito reeleito Lahesio Bonfim obteve mais de 90% dos votos válidos, com a maior votação proporcional do Maranhão. Os dois combatem o comunismo no Maranhão de forma expressiva.

Ele também enfatizou que em 2016 o PCdoB encerrou o pleito com 45 prefeitos eleitos. Em 2020 esse número baixou para 22, a maioria em municípios pequenos.

“Em 2020 o Maranhão já mostrou que não quer mais esse tipo de governo, que coage, que persegue que usa a polícia de forma opressiva. O governador sai pequeno, se vende como um grande líder nacional, mas lá no seu quintal pegou taca de cabo a rabo no estado do Maranhão”, finalizou.

5

Futuro de Carlos Brandão pode ser no TCE…

Se não conseguir superar o senador Weverton Rocha nas pesquisas de intenção de votos, vice-governador pode ter como garantia pós-mandato em 2022, uma vaga de conselheiro, solução vista por Flávio Dino como ideal para diminuir a tensão na base

 

Weverton e Brandão são os candidatos da base de Flávio Dino, que quer apenas um candidato no grupo; resultado: o vice pode ir para o TCE

Uma das saídas buscadas pelo governador Flávio Dino (PCdoB) para evitar o aumento da tensão em sua base, é ter apenas um candidato do grupo a governador, corrigindo o erro de 2020, em que diversos candidatos se engalfinharam no mesmo grupo, acirrando os ânimos, sobretudo entre o senador Weverton Rocha e o vice-governador Carlos Brandão (PRB).

Nesta terça-feira, 2, o governador reuniu a base e revelou a intenção de arrefecer os ânimos entre Brandão e Weverton. Entre as propostas, ter apenas um candidato a governador em 2022 apoiado pelo Palácio dos Leões. 

Coincidentemente, no dia anterior, o blog Marco Aurélio D’Eça havia publicado o post “É hora de Flávio Dino mostrar inteligência…”

Mas o que fazer com Weverton ou Brandão, caso um dos dois não seja o escolhido?

Segundo apurou o blog com alguns dos que estiveram na reunião, a questão passa por uma vaga no Tribunal de Contas do Estado. E neste caso, a questão passa, então, pelo próprio Brandão.

Dino quer convencer o vice-governador a aceitar a vaga no TCE e garantir o apoio a Weverton, que aparece mais bem posicionado nas pesquisas.

Ainda segundo apurou o blog, o próprio Brandão já teria aceitado a ideia, desde que permaneça os nove meses como governador, em 2022, assumindo a vaga logo depois de deixar o cargo. Nesse caso, levando em conta a vitória do grupo, seria nomeado pelo próprio Weverton Rocha.

O plano só daria errado se o grupo de Dino perdesse a eleição; mas, para isso, seria necessário o surgimento de um candidato de peso na oposição, o que não se vislumbra no horizonte a curto e médio prazo.

Até por que, diante das articulações de 2020, é provável que o próprio prefeito eleito Eduardo Braide (Podemos) esteja na articulação envolvendo o PDT em 2022.

Mas esta é uma outra história…

0

“O leão já não morde o tanto quanto imaginava”, diz César Pires

César Pires detonou Flávio Dino na tribuna da Assembleia Legislativa

Nesta terça-feira (1º), quando da realização da primeira sessão da Assembleia Legislativa do Maranhão, alguns deputados estaduais utilizaram a Tribuna para comentar o resultado das urnas no 2º Turno e parabenizar o prefeito eleito de São Luís, Eduardo Braide (Podemos).

O deputado César Pires (DEM), que apoiou Braide desde o 1º Turno, fez uma abordagem interessante sobre o pleito eleitoral. O parlamentar optou em fazer uma reflexão sobre a tentativa do governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), em tentar modificar o cenário eleitoral, “caindo de cabeça” no 2º Turno e arregimentando os secretários do Governo para a eleição, que por sua vez foram acusados de assédio contra servidores públicos estaduais de São Luís.

Para César Pires, a eleição em São Luís, que culminou com a derrota do comunista, mostrou que o leão já não morde o tanto que imaginava.

“O leão que rugiu, o povo do Maranhão subtraiu os seus caninos e deixou o leão banguelo, e agora o leão já não morde tanto quanto imaginava. As garras felinas também já não amedrontam ninguém, que a imposição não é importante para o povo do Maranhão, e, sobretudo, para o povo de São Luís. O senhor governador deu passos equivocados, fez ranços, beicinhos, ameaçou, fez tudo o que era possível e imaginário, que eu diria assim, para uma deselegância política. Aquilo que tente vender a nível nacional, aqui na forma tupiniquim, ele tenta fazer diferente, mas o povo do Maranhão deu resposta”, afirmou.

César Pires disse que espera que Flávio Dino tenha aprendido a lição e possa rever a sua forma de fazer política, principalmente aqui no Maranhão.

“Senhor governador, repense os seus modus operandi, a sua forma de fazer política, Vossa Excelência imaginou que o nível de aceitação que Vossa Excelência supostamente tem nas pesquisas, acontecem por uma razão, simplesmente, porque Vossa Excelência ainda não tem o adversário, mas a hora que tiver o adversário, fique certo que Vossa Excelência vai desidratar, definhar e vai ser colocado num local correto”, destacou.

O deputado César Pires finalizou confirmando que estava feliz com a eleição de Braide, mas também pela resposta das urnas pelos servidores públicos estaduais da capital maranhense.

“Estou muito feliz pela vitória do Braide, mas também feliz pela decisão do povo de São Luís, principalmente os funcionários públicos que foram obrigados a adesivarem carros, a irem para reuniões, mostrar apoio ao candidato do governador nas redes sociais, mas a resposta veio das urnas, veio através do voto no 19, no Eduardo Braide”, finalizou.

2

O desafio de Edivaldo Júnior…

Com forte popularidade ao fim do mandato, prefeito de São Luís terá que ter muito mais que um legado de peso para superar a revolta do PCdoB e de setores mais radicais do governo Flávio Dino com sua neutralidade nas eleições de 2020

 

Edivaldo deixa mandato com forte aceitação popular, mas precisará de um grupo forte para consolidar-se no anos afastados do poder se

O prefeito Edivaldo Júnior (PDT) entra no último mês do seu mandato como o prefeito mais bem avaliado da história de São Luís; com indiscutível popularidade e um legado marcante de obras e serviços, ele encerra a gestão consolidado como liderança política.

Mas não pode contar, no entanto, apenas com seu legado e sua popularidade para se manter em evidência nos próximos anos, sobretudo se sonha com voos mais altos na política.

Para superar a revolta de setores mais radicais do governo Flávio Dino – e sobretudo do PCdoB – com sua neutralidade nas eleições de 2020, Edivaldo vai precisar de um grupo que lhe dê sustentação política, principalmente por que permanecerá anos sem mandato.

O legado é fundamental como história; a popularidade garante o recall eleitoral em uma eventual candidatura, mas é o grupo político que garante a proteção contra ataques e a sustentação do nome entre a população.   

Se perdeu parte da base mais ligada ao governador Flávio Dino, com sua postura, Edivaldo consolidou-se na base do PDT e ganhou novos defensores dentro do grupo que elegeu Eduardo Braide (Podemos).

Há quem inclua o prefeito de São Luís no rol dos possíveis candidatos ao governo na eleições de 2022.

A relação com Eduardo Braide, que agradeceu publicamente sua postura eleitoral, pode ser um gatilho para essas pretensões.

Mas esta é uma outra história…

3

É hora de Flávio Dino mostrar inteligência…

Cercado por auxiliares sem noção do jogo político – mas sedentos de vinganças – governador precisa lamber as feridas sem novos arroubos autoritários, sob pena de esfacelar ainda mais sua base política em pleno declínio de liderança

 

Encastelado no Palácio dos Leões, Flávio Dino precisa manter cada vez mais a serenidade, sem arroubos autoritários que acelerem o processo de declínio de sua liderança

Desde o resultado das eleições de domingo, 29 – que apontou vitória do deputado Eduardo Braide (Podemos) em São Luís – uma horda de jornalistas vinculados ao Palácio dos Leões, e de auxiliares sem vivência política, prega retaliação pura e simples do governador Flávio Dino (PCdoB) aos que se recusaram a apoiar seu candidato, Duarte Júnior (Republicanos).

Se deixar levar por este “conselho” será mais um erro do comunista.

Em evidente declínio de liderança, com popularidade em curva descendente, imagem nacional arranhada e cada vez mais no fim do mandato, Flávio Dino precisa mostrar absoluta inteligência política para se manter como referência do grupo que está no poder.

Ficou evidente no segundo turno a rebelião na base, sobretudo por parte do PDT, do DEM e do PTB, partidos que se juntam a PCdoB, PSB e PT para formar o núcleo principal do poder de Dino.

Brigar com esses partidos é chamar nova atenção da mídia nacional, afetando diretamente a tentativa de relações que o comunista tenta construir com as lideranças destas legendas.

O PDT, por exemplo, além de sair das eleições maranhenses como o partido com maior número de prefeitos e vereadores, ocupou também o espaço do PT como referência da esquerda, o que fortalece o ex-ministro Ciro Gomes no jogo nacional.

O DEM, comandado no Maranhão pelo deputado federal Juscelino Filho, tem entre suas lideranças dois presidenciáveis: o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e o prefeito de Salvador, ACM Neto. 

Romper com estas legendas deixará Dino restrito à esquerda no plano nacional.

Mas diante de sua postura anti-petista, ele vem cada vez mais sendo hostilizado pelo partido do ex-presidente Lula; ou seja, ao comunista resta seu PCdoB e o PSB, que, no fim das contas, tendem a se fundir.

Além disso, Dino terá que conviver no plano doméstico com a liderança cada vez mais ascendente do prefeito eleito Eduardo Braide (Podemos) e com a popularidade do prefeito Edivaldo Júnior (PDT), outro que figura no rol dos possíveis candidatos de 2022.

Administrar o racha em sua base – criado ainda em 2018 na guerra surda entre Weverton Rocha (PDT) e Carlos Brandão (PRB) – ao mesmo tempo que precisa conviver com o surgimento destes novos atores, não será tarefa fácil para o governador comunista.

Ele precisará de muita inteligência para manter-se no topo.

Inteligência emocional, sobretudo…

3

Com vitória em São Luís, Braide realinha as cartas de 2022

Com postura política impecável no segundo turno, prefeito eleito sai das urnas como uma das mais importantes peças no tabuleiro da sucessão de Flávio Dino, com força para influenciar diretamente na eleição do próximo governador

 

Eduardo Braide comemora a vitória nas urnas: liderança de influencia estadual a partir da capital maranhense

A vitória de Eduardo Braide (Podemos) em São Luís começou a ser construída ainda na noite do domingo, 15, quando as urnas mostraram o segundo turno entre ele e Duarte Júnior (Republicanos) e o governador Flávio Dino (PCdoB) foi a público fazer declaração de voto.

No dia seguinte, o líder nas pesquisas conversou com diversas lideranças ligadas ao Palácio dos Leões que não pretendiam seguir a voz do governador.

A postura política impecável de Eduardo Braide – muito diferente  da que adotou em 2016 – agregou peças importantes do PDT, do PT, do PTB, do DEM, do MDB e até do PCdoB, criando um muro de proteção às investidas de Flávio Dino, o que resultou em sua eleição na noite de domingo, 29.

Eduardo Braide sai das urnas como um novo líder, pronto para influenciar diretamente as eleições de 2022.

Ao posar com Duarte Júnior em frente à prefeitura, Flávio Dino lembrou gesto de FHC em 1985; e perdeu a eleição justamente no momento em que entra na reta final dos eu ciclo de poder

Se antes houvesse quem achava que a vitória de Braide poderia capitalizar o vice-governador Carlos Brandão (Republicanos), hoje se sabe que a chegada de Duarte Júnior ao segundo turno, as investidas de Dino – e do próprio Brandão – jogaram o prefeito eleito no colo da oposição e do grupo ainda governista que hoje gravita em torno do senador Weverton Rocha (PDT).

Alinham-se hoje em torno do prefeito eleito todos os remanescentes do antigo Grupo Sarney, da ala mais ligada ao ex-governador José Reinaldo Tavares e um grupo independente, que tem no senador Roberto Rocha (PSDB) sua figura mais proeminente.

E até o atual prefeito Edivaldo Júnior (PDT) contribuiu para este processo de agregação, ao manter a neutralidade que Flávio Dino e seu grupo jamais esperavam.

Todo este conjunto de coisas tem um peso e tanto no processo eleitoral que se avizinha.

Sobretudo quando se sabe que a alvorada da gestão de Braide coincide com o ocaso da gestão de Flávio Dino, cujo por-do-sol começou a se dar agora em 2020.

É às voltas com todos estes elementos que o novo prefeito sai das urnas em São Luís.

Pronto para influenciar o Maranhão…