2

Para Flávio Dino “era normal empresas procurarem políticos” e vice-versa…

Delatado na operação Lava Jato como recebedor de caixa 2 de R$ 200 mil, governador do Maranhão explica em entrevista à TV Mirante que a cultura do país era essa, até as eleições de 2014

 

Enrolado
Dino se complica cada vez que fala

Uma declaração do governador Flávio Dino (PCdoB) acabou ofuscada pelo feriadão do último fim de semana, mas é uma espécie de revelação da cultura eleitoral no país, do qual o próprio comunista fez questão de se beneficiar.

– Era normal que os políticos procurassem empresas e empresas procurassem políticos. Era esse o sistema vigente até 2014 – frisou o comunista, em resposta à TV Mirante, para explicar as doações da Odebrecht à sua campanha.

Dino foi pego na Operação Lava Jato sob a acusação do ex-executivo da empresa, José de Carvalho Filho, de que recebera R$ 200 mil, em caixa 2, nas eleições de 2010.

Ex-juiz federal e ex-secretário-geral do Conselho Nacional de Justiça, Flávio Dino deixou a magistratura para se aventurar na carreira política anunciando-se como a mudança no Maranhão.

Estranho, portanto, que o arauto da mudança se utilize dos mesmos métodos que jurou combater apenas pelo fato de ser “o sistema vigente”.

Uma grave revelação…

Marco Aurélio D'Eça

2 Comments

  1. 3 anos de continuidade… e continua…Flavio Dino, o maior cabo eleitoral de Roseana.

  2. Deixemos de hipocrisia, todos sabem que aqueles que têm mandato e cargo representativos são procurados, … e assediados por empresários de todos os segmentos.
    Só no Brasil que temos essa mania de achar que o jogo político é um primor de pureza…

    Resp.: Errado. Quem tentou vender essa pureza foi o comunista que agora está no poder. Ele quem disse que era diferente de tudo o que estava aí. É obrigação dele mostrar essa diferença. Ou mentiu para o povo apenas para se eleger?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *