1

A eloquente ação de Weverton no segundo turno em São Luís

Apesar de o PDT ter se mostrado neste segundo turno mais alinhado ao projeto do deputado Eduardo Braide – e de o próprio senador classificar  de “boato” suposto rompimento com Flávio Dino – silêncio do líder pedetista “fala” com o peso de um pré-candidato a governador

 

Weverton mantém silêncio, mas seus principais articuladores se movimentação no tabuleiro de São Luís

O senador Weverton Rocha (PDT) se manifestou rapidamente nas redes sociais desde o primeiro turno das eleições em São Luís; e apenas para declarar que seriam “boatos” supostas notícias de rompimento entre ele o governador Flávio Dino (PCdoB).

Líder das principais pesquisas de intenção de votos sobre a sucessão do próprio Flávio Dino, o pedetista nada disse sobre o segundo turno entre Eduardo Braide (Podemos) e Duarte Júnior (Republicanos), apesar de seu partido, o PDT, ter-se inclinado majoritariamente para a campanha de Braide.

Apesar da pressão de analistas e lideranças nos bastidores, Weverton deve se manter em silêncio, pelo menos por enquanto; mas este silêncio fala com a eloquência de um candidato a governador.

Suas ações – ou a aparente falta delas – dizem muito mais sobre o jogo político maranhense que o seu posicionamento oficial.

Nome de peso na aliança que dá sustentação ao governador Flávio Dino, Weverton tem posições importantes a manter no governo; e sabe que não precisa se indispor diretamente com o comunista, que já demonstrou preferência pela candidatura do vice-governador Carlos Brandão (Republicanos).

Com 42 prefeitos eleitos pelo PDT – além de outros tantos do DEM, PTB, MDB e outros partidos de sua linha de influência – o senador tem ainda apoios na bancada federal, na Assembleia Legislativa e na Federação dos Municípios.

É com este cacife que vai continuar a fazer o que sempre fez com habilidade: articulação política.

A liberação da própria base a Eduardo Braide é mostra deste poder de articulação, que apenas fortalece suas posições.

E se Flávio Dino quiser, ele que tome a ação do rompimento.

É simples assim…

Marco Aurélio D'Eça

One Comment

  1. Não tenho dúvida da capacidade do senador Weverton, contudo as 42 prefeituras que diz ter comando partidário, os novos prefeitos encontrarão muitas dívidas e dificuldades para começar suas administrações e o notavél senador,não terá condições de ajuda-las somente com suas emendas, precisará da ajuda governamental. agora, a ajuda federal,sempre saíra alguma coisa,mas o nobre senador é inimigo da ala do governo federal. Então,acho que o grupo não pode rachar,se não, todos para o mesmo buraco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *