0

Suely Pereira sai da disputa em Matões a pedido do senador Weverton

Objetivo da orientação é preservar a chapa senatorial do pedetista – em que Suely é uma das componentes – e manter alinhados os quase 2 milhões de votos recebidos nas eleições de 2018

 

O senador Weverton quer preservar sua chapa no Senado e por isso pediu para a ex-prefeita Suely Pereira sair da disputa eleitoral de Matões

A pedido do senador Weverton a ex-prefeita e suplente de senadora Suely Pereira vai sair da disputa eleitoral de Matões onde era pré-candidata. Weverton quer manter os dois suplentes de senador, Roberth Bringel e Suely Pereira, o mais próximo possível para com isso preservar os quase 2 milhões de votos recebidos dos maranhenses na sua chapa.

“Faço aqui esse apelo público a ela e todo o grupo político que nos seguem na cidade para que nós possamos encontrar uma boa saída preservando o nome da Suely. É importante que ela permaneça na nossa chapa na condição de senadora suplente porque não tenho dúvidas de que todos estão participando e ela diretamente assim como o Bringel terão a oportunidade de estar aqui nesta cadeira e usando esse broche e nos representando muito bem no plenário do Senado”, disse o senador Weverton Rocha. (Veja vídeo acima)

Sobre quem vai apoiar nestas eleições no município onde governou por dois mandato a ex-prefeita Suely Pereira ainda vai anunciar publicamente nos próximos dias. Acompanham Suely Pereira nesta decisão a vice-prefeita Cristina Janjão, os vereadores Inácio Carvalho, Bilú, Zé Natan, Reginaldo Janjão e Cristiane Pinheiro além do suplente Iran e vários outros pré-candidatos e lideranças políticas.

 

4

Flávio Dino atua para isolar Weverton Rocha já em 2020…

Governador tem atuado fortemente para afastar o prefeito Edivaldo Júnior do senador-presidente do PDT, num movimento que visa forçá-lo a abrir mão do projeto de se eleger governador já em 2022

 

Flávio Dino decidiu chamar Edivaldo a estar com Rubens Júnior, mesmo contra o projeto do seu próprio parido, o PDT, presidido por Weverton Rocha

No Maranhão, até os ratos do Centro Histórico sabem que o senador Weverton Rocha (PDT) jamais estaria onde está se dependesse do governador Flávio Dino (PCdoB).

Rocha elegeu-se senador por que criou as próprias condições para que isso ocorresse, forçando Dino a ter que apoiá-lo, diante de uma situação construída a fórceps pelo pedetista.

Flávio Dino também não quer que Weverton seja governador em 2022; aliás, o comunista não cogita, sequer, a candidatura do pedetista à sua sucessão.

Por isso Dino tem trabalhado para que o senador fique isolado nas eleições municipais de São Luís, sem opção de alianças e candidatos; e fora do segundo turno.

Em 21 de janeiro último, o blog Marco Aurélio D’Eça escreveu o post  Edivaldo Júnior entre Weverton Rocha e Flávio Dino.

Mas é preciso analisar também que Flávio Dino não quis, na última década, nenhum projeto encabeçado por Weverton Rocha, inclusive a eleição e reeleição do próprio Edivaldo Júnior (PDT). 

Foi Weverton – e não Dino – quem fez de Edivaldo prefeito eleito e reeleito na capital maranhense.

Em 2012, quando o atual prefeito de São Luís era um deputado federal sem maiores destaques em Brasília, Flávio Dino apostava no ex-prefeito Tadeu Palácio como opção do grupo para disputar a Prefeitura de São Luís.

Foi o atual senador do PDT quem construiu, bancou e segurou a candidatura de Edivaldo, que acabou se elegendo prefeito contra o então favorito João Castelo (PSDB).

Em 2016, Weverton Rocha chegou a vivenciar propostas de Flávio Dino para que Edivaldo Júnior fosse substituído, já que sua rejeição era quase intransponível; resistindo à proposta comunista, o senador vestiu a camisa do prefeito, exortou os aliados e deu a ele uma vitória histórica contra o surpreendente Eduardo Braide (hoje no Podemos). (Relembre aqui, aqui e aqui)

Nem a própria eleição ao Senado, Weverton Rocha deve a Flávio Dino.

O governador comunista tinha outros planos e apostava, até o início de 2018, que o pedetista se contentaria com a reeleição à Câmara. Mas teve que engolir uma candidatura consolidada na base, com centenas de prefeitos, deputado estaduais, prefeitos e vereadores.

O resultado é que Weverton teve quase 2 milhões e votos, mais do que o governador conseguiu na própria reeleição.

Flávio Dino já tem o seu plano eleitoral para 2022, em que Weverton Rocha não está incluído.

Caberá ao próprio senador, agora, saber se construiu um grupo – com aliados incondicionais – ou apenas pensou no próprio umbigo.

E se não fizer essa análise, ficará a ver navios em 2022.

Já a partir de 2020…

1

Weverton Rocha destaca trabalho de Ivaldo Rodrigues na Semapa

Senador visitou o secretário em seu escritório na sede da pasta e também teve a atuação em favor dos trabalhadores brasileiros destacada pelo aliado político

 

O senador Weverton Rocha destacou nesta quinta-feira, 30, a atuação do secretário Ivaldo Rodrigues no comando da Secretaria Municipal de Abastecimento (Semapa).

Para Weverton Rocha, Ivaldo mostrou pulso firme e braços fortes na busca de avanços para  agricultura familiar e o setor de abastecimento em São Luís..

– Ter a presença do senador Weverton Rocha hoje na secretaria é uma grande honra e alegria, ele que é uma grande liderança do nosso partido – frisou Rodrigues, que também ressaltou a importância do aliado no Senado.

– Ele vem desempenhando um importante papel no Senado Federal, principalmente na luta social pelos direitos dos trabalhadores brasileiros – destacou Ivaldo Rodrigues.

Durante a visita, Weverton foi agraciado por Ivaldo com uma cesta de produtos naturais da agricultura de São Luís.

3

Edivaldo Júnior entre Weverton Rocha e Flávio Dino…

Governador quer o prefeito de São Luís coordenando a campanha do candidato do PCdoB, Rubens Pereira Júnior, o que pode levar o senador a abrir mão da aliança com o DEM para evitar a evidência de racha na base governista

 

Edivaldo Júnior foi chamado por Flávio Dino para coordenar campanha do seu candidato em São Luís, projeto que pode não ser o mesmo do PDT, de Weverton Rocha

O governador Flávio Dino (PCdoB) iniciou 2020 com uma série de ações para reforçar o absoluto comando de sua base política no Maranhão.

Entre essas ações, duas marcaram posição diretamente relacionadas à sucessão do prefeito Edivaldo Júnior (PDT):

1 – ele declarou que caberá ao próprio prefeito a coordenação da campanha do candidato governista em São Luís;

2 – Dino declarou que o vice-governador Carlos Brandão é o candidato natural à sua sucessão, embora – e “infelizmente”, segundo o próprio comunista –  existam outras opções.

Com os gestos públicos, o governador prestigiou o prefeito e emparedou o senador Weverton Rocha (PDT), que vinha se movimentando intensamente como candidato em 2022.

Já se sabe agora que o candidato governista de Flávio Dino é o secretário de Cidades Rubens Pereira Júnior (PCdoB); é, portanto, a campanha dele que Dino quer que Edivaldo comande.

E o caminho de Edivaldo estará intrinsecamente ligada ao caminho de Weverton Rocha.

Se o senador decidir-se pela aliança em torno de outro candidato que não seja Rubens Júnior, estará em palanque distante do prefeito que ele atraiu para o PDT exatamente em busca de ascensão política no estado.

Se, por outro lado, Weverton seguir  o caminho de Edivaldo, fechando aliança em torno de Rubens Júnior, estará dizendo ao público que acatou a articulação eleitoral de Flávio Dino, tanto para 2020 quanto para 2022.

O caminho de Edivaldo Júnior em 2020, portanto, muito dirá sobre o caminho de Weverton Rocha em 2022.

E a julgar pela ida do senador ao Palácio dos Leões, logo após as declarações de Dino sobre o prefeito e sobre o seu vice, parece que os caminhos já se cruzaram.

É aguardar e conferir…

0

Decisão eleitoral de Flávio Dino terá reação em cadeia…

A escolha do comunista maranhense entre a eleição presidencial e a senatória levará a uma rearrumação que pode gerar rachas em toda sua base política, criando situações desastrosas a aliados no governo, na Assembleia e na bancada federal

 

O destino eleitoral de Flávio Dino mexe diretamente com os projetos políticos de Othelino Neto e Carlos Brandão e podem comprometê-los em 2022

Ao mesmo tempo em que blogs maranhenses repercutiam na quinta-feira 16, a notícia de que o ex-presidente Lula admitia, pela primeira vez, um apoio ao governador Flávio Dino (PCdoB) em 2022, o blog do jornalista Jorge Aragão levantava a hipótese de recuo do comunista.

A inserção do governador maranhense no debate presidencial o levou a uma situação de quase não-retorno, pelas consequências de uma decisão em concorrer ao Senado, por exemplo, e não à presidência ou vice.

Desde que Dino decidiu imiscuir-se no debate presidencial, ainda em 2018, seus aliados começaram a construir – como era de se esperar – também as suas opções de poder no vácuo que surgirá em 2022.

O presidente da Assembleia Legislativa Othelino Neto (PCdoB), por exemplo, já anunciou mais de uma vez que disputará as eleições majoritárias. (Relembre aqui, aqui e aqui)

De olho no posto de Neto, seu vice, Glalbert Cutrim (PDT), articula desde então ocupar a cadeira presidencial na Assembleia.

Como ficam Othelino e Glalbert diante de um recuo nacional de Flávio Dino ?!?

Confiante no projeto presidencial de Flávio Dino, Weverton Rocha já acenou com articulações envolvendo todos estes personagens; recuar, comprometeria toda a base

E como ficariam o vice-governador Carlos Brandão (PRB) e o senador Weverton Rocha (PDT) se o comunista optasse por concorrer ao Senado em uma encabeçada por um ou por outro?

A exigência de ter que refazer seus planos traria a qualquer uma dessas peças políticas consequências desastrosas, uma vez que a reação em cadeia – entre deputados federais e estaduais, prefeitos e vereadores que também já fizeram planos com base no caminho presidencial de Dino – afetaria diretamente suas eleições.

Obviamente que a essas alturas – às vésperas das eleições municipais – tanto Weverton Rocha quanto Carlos Brandão, Othelino Neto e Glalbert Cutrim já firmaram compromissos com base no projeto presidencial de Flávio Dino.

E esses compromissos levaram a projetos de outros, que também terão que refazer seus planos.

Diante de toda essa questão, o recuo do comunista mostrará se ele tem um projeto de poder envolvendo o grupo ou apenas pessoal.

É aguardar e conferir…

1

Weverton e Dino iniciam tratativas de 2020 com vistas a 2022…

Primeiro “diálogo” – para usar uma expressão do próprio governador – foi iniciado após declarações desencontradas tanto dele quanto do senador; “proposta” é de unidade em torno da candidatura de Rubens júnior

 

Apesar da foto posada, totalmente antijornalística, o clima no encontro de Flávio Dino e Weverton Rocha foi mais de reaproximação do que de diálogo de aliados

Apesar da costumeira foto antijornalística, feita para espalhar na mídia alinhada, foi em clima de constrangimento o início do encontro de ontem entre o governador Flávio Dino (PCdoB) e o senador Weverton Rocha (PCdoB), o primeiro após declarações desencontradas de ambos, no final de 2019.

Dino vinha se mostrando contrariado com a ostensividade com que Rocha vinha tratando a sucessão de 2022, atropelando o debate de 2020; e deu o troco, voluntariamente ou não, afirmando que a candidatura do seu vice, Carlos Brandão (PRB), “era natural no grupo para 2022”.

A conversa, testemunhada pelo deputado federal Márcio Jerry (PCdoB), e pelo presidente da Famem, Erlânio Xavier (PDT) – hoje o lugar-tenente do senador no Maranhão – foi ao poucos ganhando ares de reaproximação velada.

E terminou com uma”tese” igualmente velada, mas que ficou clara na mente de todos os presentes: o PCdoB quer o PDT na campanha comunista à Prefeitura de São Luís, como início de uma aliança que passa por 2022. O PDT, por sua vez, quer uma aliança com o PCdoB em São Luís, desde que tenha as garantias de reciprocidade em 2022.

A ideia ficou no ar, sem “sim ou não” de nenhuma das partes; mas serviu como esboço do que será discutido nas próximas conversas. 

E assim encerrou-se o “primeiro diálogo” entre Weverton Rocha e Flávio de Dino…

2

Flávio Dino manda recado: “Brandão é candidato natural” em 2022…

Além de estabelecer clara preferência pelo seu atual vice, governador abre espaço para polêmica, em entrevista ao Jornal Pequeno, ao falar das outras opções com a expressão “infelizmente há outras alternativas”

 

Flávio Dino estabeleceu clara preferência pelo seu vice, Carlos Brandão, em 2022; “candidato natural” à sua sucessão

O governador Flávio Dino (PCdoB) iniciou 2020 marcando território e estabelecendo diretrizes para sua própria sucessão, em 2022.

Em entrevista ao Jornal Pequeno, publicada nesta terça-feira, 7, Dino exibiu sua preferência pela candidatura do seu atual vice, Carlos Brandão (PRB).

– Brandão é uma espécie de pré-candidato natural, até porque existe o cenário de eu sair e ele, naturalmente assumir o Governo. Então é óbvio que ele é um pré-candidato natural em 2022 – afirmou Dino, ao jornalista Manoel dos Santos Neto.

Em campanha desde o fim das eleições de 2018, o senador Weverton Rocha é uma das outras alternativas à sucessão; “infelizmente” para Flávio Dino

Além de estabelecer o nome de Brandão como seu sucessor natural, o comunista foi além, ao usar a expressão “infelizmente” para se referir aos demais postulantes do grupo.

– Agora há também, infelizmente, outras alternativas. A gente não pode fechar esse debate agora. Há outras pessoas em nosso grupo igualmente credenciadas, que tem uma trajetória igualmente exitosa – disse.

A entrevista repercutiu imediatamente após publicação, sobretudo pelo fato de o senador Weverton Rocha (PDT) ser o mais afoito dentre essas alternativas que Dino vê com infelicidade.

Sinal de que o caminho até 2022 será difícil e conturbado para o grupo do governador…

4

Weverton Rocha parece querer antecipar sucessão de Flávio Dino…

Ataques ao vice-governador Carlos Brandão traz o debate da eleição estadual para antes da sucessão municipal; e revela estranha ansiedade do senador pedetista na base do governador Flávio Dino

 

Weverton Rocha tenta forçar uma situação que não depende apenas dele, mas de Flávio Dino e do próprio Carlos Brandão, este em condição altamente privilegiada

O senador Weverton Rocha (PDT) passou a semana passada inteira tentando marcar posição político-eleitoral, não apenas para 2020,  mas já antecipando o debate pela sucessão do próprio governador Flávio Dino (PCdoB).

Controlador de uma base política que reúne os presidentes da Assembleia Legislativa, deputado Othelino Neto (PCdoB); da Câmara Municipal, vereador Osmar Filho (PDT); e da Federação dos Municípios, prefeito Erlânio Xavier (PDT), o pedetista parece ter pressa em demarcar territórios no estado.

As reuniões natalinas em que demonstrou o tamanho de sua base serviram também para que o senador exibisse o tamanho de sua ansiedade pela disputa – não a de 2020, mas a de 2022, que ele tenta incluir na agenda municipal.

E o ataque direto ao vice-governador Carlos Brandão (PRB), na sexta-feira, 20 – com quem, até então, convivia harmonicamente (Releia aqui) – exibiu o tamanho desta ansiedade.

– Se o Brandão amanhã utilizar esse argumento de que eu sou novo e eu tenho que esperar, porque ele está há mais tempo, então ele mesmo vai estar dizendo que não foi correto com o grupo dele, de origem. O José Reinaldo também tinha mais tempo do que a gente, do que eu e a [senadora] Eliziane Gama, e eu não vi, em momento algum na mesa ele pelo Zé Reinaldo. Então vamos com calma, porque não é questão de idade. A população não esta discutindo idade, a população está discutindo é resultado. Nós temos hoje um processo de transição no Maranhão. Não é critério idade quem está mais tempo ou não, o critério é quem é que vai ajudar a continuar o legado que está sendo construído – afirmou Weverton, em entrevista ao programa Ponto e Vírgula, da rádio Difusora AM.

O estranho recado a Brandão mostrou que o senador é, de fato, candidato à sucessão do governador Flávio Dino em qualquer circunstância. E seus movimentos pelo estado – formando grupos e aliciando lideranças na base – tentam consolidá-lo a qualquer custo, como fez na disputa pelo Senado, quando, praticamente, obrigou Dino a assumi-lo em sua chapa.

Mas Weverton deve saber que, diferentemente da corrida pelo Senado, que dependia diretamente de Dino, a disputa pelo governo tem um ingrediente a mais: o fato de que Brandão – e não Dino, muito menos o próprio senador – estará no comando do estado; e na condição de candidato.

Em junho de 2018, em conversa pessoal com o titular do blog Marco Aurélio D’Eça, em sua casa, o então deputado Weverton Rocha mostrou sobriedade quanto ao futuro político a partir de sua eventual eleição ao Senado.

Ressaltou que não cometeria o mesmo erro de Roberto Rocha (PSDB) – que forçou uma candidatura a governador logo após eleger-se com Flávio Dino – e saberia esperar; se não em 2022, pelo menos até 2030, caso Dino tivesse outros projetos para sua sucessão.

O tempo passou, o deputado elegeu-se senador com a maior votação da história do Maranhão, engrossou o bigode – montou base política consistente – e sua visão sobre o futuro parece ter mudado, aumentando também a sua própria ansiedade.

E ansiedade nunca é boa companheira na política…

1

Governistas querem agora candidato único em São Luís…

Com fraco desempenho do seu consórcio de candidatos, governador Flávio Dino e senador Weverton Rocha estudam agora lançar um único nome para o enfrentamento do favorito Eduardo Braide

 

Weverton e Flávio Dino ainda batem cabeça em busca de candidatura competitiva em São Luís, após oito anos de gestão de Edivaldo Júnior

Faltando menos de 10 meses para as eleições de São Luís, o grupo ligado ao governador Flávio Dino (PCdoB) começa a mudar de estratégia para tentar reverter o favoritismo do oposicionista Eduardo Braide (Podemos).

Até agora, as lideranças governistas apostavam no consórcio de candidatos, com uma profusão de nomes lançados na base a fim de forçar o segundo turno.

O fraco desempenho desses nomes – nenhum conseguiu chegar além de 10% nas intenções de votos – levou a uma mudança de estratégia: o projeto agora é lançar apenas um nome, com apoio de toda a base, para polarizar a disputa com Braide.

A tese tiraria do páreo, de imediato, o secretário Rubens Pereira Júnior (PCdoB) e o presidente da Câmara Municipal, Osmar Filho (PDT). Sobrariam Bira do Pindaré (PSB), Duarte Júnior (PCdoB) e Neto Evangelista (DEM).

Um dos principais líderes do grupo, o senador Weverton Rocha (PDT) tem demonstrado preferência pelo deputado Neto Evangelista.

Precisa agora convencer  os demais líderes de que o democrata é a melhor opção.

Para ganhar tempo, os governistas devem adiar a decisão de candidatura para março ou abril…

1

Declaração de Weverton põe em xeque candidaturas de Osmar e Rubens…

Senador declarou em Imperatriz que o seu PDT e o PCdoB irão disputar unidos as eleições de 2020 nos dois principais colégios eleitorais do Maranhão, o que demonstra a inviabilidade dos candidatos pedetista e comunista

Weverton Rocha com aliados em Imperatriz, acenando para o PCdoB e outros partidos, ainda que isso signifique o sacrifício do PDT…

Teve dois efeitos diretos a declaração do senador Weverton Rocha (PDT) sobre as eleições de 2020, durante recebimento de homenagem em Imperatriz, nesta terça-feira, 10:

1 – reafirmou sua disposição de costurar o máximo de alianças possíveis para o seu próprio projeto pessoal de disputar a sucessão de 2022, ainda que isso signifique o sacrifício de aliados nas eleições de 2020;

2 – a pouca densidade eleitoral dos pré-candidatos do PDT (Osmar Filho) e do PCdoB (Rubens Pereira Jr.) em São Luís parecem já ter esgotado a paciência de suas lideranças partidárias.

– Esse momento agora é da união; quem achar que PDT e PCdoB vão caminhar separados em Imperatriz, São Luís e outros lugares estratégicos está redondamente enganado – foi o que disse Weverton, dentro de um contexto claramente eleitoral. (Veja aqui)

O cenário dos sonhos para Weverton Rocha em 2022 seria uma candidatura a governador com apoio de candidatos eleitos por ele em 2020 nos dois principais colégios eleitorais, mas não necessariamente do seu próprio partido.

Por isso ele acena com alianças em torno do PCdoB e até de outros partidos da base, como o PP e o DEM, dos deputados federais André Fufuca e Juscelino Rezende, respectivamente.

E para chegar ao objetivo, não vê problema nenhum em sacrificar o projeto do aliado pedetista na capital maranhense.

Carlos Brandão com Duarte Júnior em plea atividade política; é o vice quem estará no significativo cargo de governador em 2022

Resta saber se o governador Flávio Dino, que tem dois aliados de peso como protagonistas do processo de 2020, em São Luís e Imperatriz – e tem outro aliado, o vice Carlos Brandão (PRB), querendo o mesmo que Rocha em 2022 – submeterá seu PCdoB ao projeto do senador.

Além disso, o próprio Brandão corre em faixa própria, buscando atrair o comunista melhor posicionado na disputa de 2020, deputado estadual Duarte Júnior, o que certamente engrossará o jogo de 2022.

E com Brandão já no cargo de governador, o que é significativo para o processo…